Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Tomai alimentos crus

Bebei sumo

2007.07.19 Artigo de opinião de Delmar D. Carvalho

Na nossa peregrinação pela Escola da Terra necessitamos de saber cuidar do corpo físico, templo do Deus Interno, como lhe chamou S. Paulo.
A temperança, o saber comer é um dos grandes cuidados com a nossa maravilhosa máquina corporal.
Sim, saber comer, quando comer, etc. Quais os alimentos específicos do homem?
Por alimento devemos entender toda a substância específica própria para o meio biológico humano, que, não sendo desnaturada, assegure o desenvolvimento e a manutenção da vida celular.
Ora toda a substância desnaturada é imprópria para cumprir a cabal missão no organismo humano.
Várias são as formas de desnaturação dos alimentos: acção do calor (fervura), refinação química, mecânica, produtos de síntese, adjunção de produtos químicos.
Trataremos apenas da acção do calor, não porque esta seja a pior forma de desnaturação, mas pelo assunto do nosso tema: alimentos crus.
É que o calor, elevando-se a temperaturas superiores a 90º C, destrói diástases, vitaminas, minerais, etc., energias vitais, etc. torna portanto os alimentos desnaturados. Com efeito os erros alimentares são as causas de várias doenças.
Segundo as experiências do Dr. Kouchakoff os frutos frescos e legumes verdes não dão leucocitose digestiva, mas já os cozidos originam um pequeno aumento de glóbulos brancos. Por sua vez, o pão branco, as massas, as carnes, o chocolate, etc., provocam uma enorme leucocitose.
Conclusão, a alimentação ideal seria: frutos frescos e legumes verdes.
Porém, dada a vida actual da Humanidade, os erros milenários alimentares, a vida em climas frios, a nossa alimentação tem de ser de transição entre a imprópria e vulgarizada e a ideal, isto é, deverá conter alimentos de origem animal; no regímen naturista: ovos, leite, queijo fresco e ainda cereais integrais, incluindo a soja, uma fonte rica em proteínas, cuja gordura é muito valiosa.
Usemos os alimentos verdes, pois estes contêm clorofila, substância altamente curativa, que favorece a formação do sangue, melhora a respiração, activa a circulação, regulariza a actividade das glândulas endócrinas, as quais são fontes de saúde e rejuvenescimento, mantém e restabelece o equilíbrio ácido básico. Por outro lado as energias cósmicas, que os vegetais e frutos frescos encerram, provocam um aumento das tensões micro – eléctricas celulares (experiências de Kaunitz e de outros cientistas) o que favorece a regeneração do organismo e a manutenção da perfeita saúde ou estado de euforia psicofisiológica.
Por tudo isto jamais devemos esquecer: somente os alimentos crus, biológicos, são os únicos capazes de manter, revigorar, rejuvenescer e renovar as células do nosso organismo.
O Dr. Bircher-Benner dá-nos esta regra: folhas verdes todos os dias e hoje mais do que nunca necessitamos de seguir este caminho.
Comecemos por ingerir pequenas saladas antes das principais refeições; antes, porque os fermentos existentes nos alimentos crus estimulam a secreção dos sucos digestivos, ajudando desta forma a assimilação dos alimentos, base para a manutenção da saúde.
Outro problema reside nos métodos agrícolas, desde o uso e abuso de produtos químicos.
O homem, sob o aspecto fisiológico, assemelha-se aos primatas. Logo, repetimos, ingerir alimentos crus e ser frugívoro. Só que, tornamos a lembrar, do ideal até à realidade vai ainda uma longa distância, dado que o homem tem uma evolução superior a qual exige condições próprias na alimentação e sábia adaptação.
Por isso, não se deve passar de um regímen omnívoro, em que se come tudo desde carnes até frutos, e que é impróprio, para um regímen vegetariano; a transição exige alguns conhecimentos de dietética e muita prudência.
Um conselho pois de um grande amigo: tomai alimentos crus, bebei sumos de frutos frescos, diariamente, consciente que a melhor bebida é a água.

Delmar D. Carvalho

0 comentários: