Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

terça-feira, 10 de julho de 2007

Pastas Colgate falsificadas - Alerta do Infarmed

2007-07-07 08:52:13

Lisboa - O Instituto Nacional da Farmácia e do Medicamento (Infarmed) vai emitir um alerta para a recolha das pastas dentífricas com a designação Colgate e que tenham como local de fabrico África do Sul ou «made in South Africa».

O Infarmed comunicou à Lusa só agora ter tido conhecimento da possível contaminação de pastas dentífricas com uma substância tóxica mas acrescentou que, «por razões de precaução e defesa da saúde pública», vai emitir um alerta para a recolha das mesmas e divulgar uma circular informativa ao consumidor.

Embora o produto falsificado tenha sido detectado em Espanha, existe a possibilidade de existir em qualquer outro Estado-Membro. O Infarmed avisa os consumidores para não utilizarem a pasta dentífrica que seja de origem sul-africana.

A Comissão Europeia (CE) activou o Sistema Alerta Rápido Europeu para Produtos não Alimentares (Rapex) por causa de uma pasta dentífrica importada da China e da África do Sul que está alegadamente contaminada com uma substância tóxica cuja presença foi detectada em Espanha.

Na origem desta medida, está a detecção pelo Ministério espanhol do Consumo, do surgimento no mercado de pastas Colgate contrafeitas que poderão conter dietilenglicol, uma substância ilegal e tóxica quando ingerida em doses elevadas.

Segundo o El País, os dentífricos tóxicos foram usados em hospitais de várias comunidades autónomas do país, enquanto outras unidades, cuja contaminação ainda não foi provada, foram comercializadas em estabelecimentos de produtos a baixo custo.

Segundo Manuel Lage, porta-voz da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), o alerta europeu pede às autoridades nacionais que estejam atentas «face a uma situação de risco», embora o caso não represente um perigo para a saúde pública, pois o consumo deste produto só seria perigoso se ingerido em enormes quantidades.

Manuel Lage assegurou à Lusa que a ASAE estava atenta ao problema antes do alerta comunitário, e que não existe «até ao momento», qualquer indicação sobre a existência destes produtos no mercado português.

O Instituto Nacional da Farmácia e do Medicamento recorda que, por se tratar de um produto falsificado, não há qualquer responsabilidade da Colgate-Palmolive

(c) PNN Portuguese News Network

0 comentários: