Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

quarta-feira, 31 de janeiro de 2007

Relatório recomenda fritos e refrigerantes fora da escola

Batatas fritas, refrigerantes sem fruta e alguns salgados devem ser eliminados dos bares e máquinas de venda nas escolas, aconselha um relatório entregue ao Ministério da Educação, que pretende que técnicos sanitários acompanhem a aplicação das novas regras.

De acordo com a edição de hoje do Diário de Notícias, os alimentos forn ecidos nos bares e máquinas automáticas das escolas vão passar a ser supervision ados por técnicos sanitários, para acabar com alimentos com excesso de açúcares e gorduras, de acordo com um protocolo assinado entre os Ministérios da Saúde e Educação.

O jornal salienta que este documento faz recomendações às escolas, nome adamente os valores máximos energéticos por cada alimento, quantidade de açúcar e gordura, em vez de dizer quais são os alimentos proibidos ou a composição exacta das refeições.

Já em Setembro, um relatório elaborado por uma equipa de nutricionistas da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto, a pedido do Ministério da Educação (ME), recomendava que alimentos como batatas fritas ou refrigerantes sem fruta deveriam ser eliminados dos bares e das máquinas de distribuição alimentar nas escolas.

Estas recomendações realçam que o grande problema da alimentação nas escolas está nos bares e nas máquinas de venda automática de alimentos e por essa razão aconselham que estes locais não disponibilizem alimentos que têm gordura e que são muito pobres em proteína.

De acordo com a proposta, alimentos como batatas fritas, tiras de milho (aperitivos), rissóis, croquetes, folhados ou sumos com menos de 50 por cento de fruta não devem estar disponíveis nos bares e nas máquinas de venda automática nas escolas.


O grande objectivo destas medidas, que serão aplicadas nas escolas do segundo e terceiro ciclos, é diminuir o consumo de gorduras e açúcares simples, que facilmente se encontram nos produtos vendidos pelas máquinas de distribuição automática.

Bela Franchini, especialista em nutrição e docente nesta faculdade, disse na altura à agência Lusa que o documento foi então entregue à ministra da Educação, a quem caberia decidir a sua aplicação.

Para Bela Franchini, a solução para o facto de haver grande disponibilidade de produtos ricos em gordura e açúcar nas máquinas de alimentação não passa por retirar estes aparelhos das escolas, mas sim mudar-lhes o conteúdo para alimentos saudáveis.

Numa primeira fase, as recomendações deverão ser aplicadas nos bufetes e nas máquinas, mas posteriormente poderão ser alargadas às cantinas escolares, embora os alimentos que estas fornecem sejam mais equilibrados.

Fonte: Agencia Noticias Lusa

0 comentários: