Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

quinta-feira, 10 de abril de 2008

A vida menos verde do vizinho



Se alguém pensa que a equação soja e desmatamento é uma exclusividade da Amazônia brasileira, é bom olhar para os vizinhos. A Argentina, que no mês passado enfrentou uma greve de 21 dias de produtores rurais contra o aumento de tarifas de exportação para carne e grãos, já enfrenta um desmatamento acumulado de 16 milhões de hectares, o que corresponde a cinco vezes o tamanho da Bélgica.

Aqui no Brasil, repercutiram muito as notícias da crise que afetou o abastecimento nos supermercados e levou os argentinos às ruas e ao famoso "panelaço", mas pouco se falou sobre o grave viés socioambiental. Segundo a Fundação Proteger (ONG local), só nos últimos quatro anos, o desmatamento acelerou em 42%. No mesmo período, bosques, florestas e Pampas deram lugar a 1 milhão de hectares de áreas plantadas com soja, o que equivale a aproximadamente sete vezes a área da cidade de São Paulo.

A crise que abalou o governo de Cristina Kirchner é, portanto, muito mais complicada do que aparenta. Revela também uma relação que costuma se reproduzir em diferentes partes do mundo: degradação ambiental e pobreza. As cinco cidades mais pobres do país (La Banda-Santiago del Estero, Concordia, Corrientes, Resistencia e Santa Fé) estão na área sojeira. A produção intensiva e altamente mecanizada expulsa produtores familiares e engrossa os bolsões de miséria urbana.

Organizações ambientalistas, como o Greenpeace, aproveitaram a baderna para reivindicar também uma agenda socioambiental (foto). Querem que se aprove uma lei de bosques que proíba novos desmatamentos durante um ano até que se faça um Zoneamento-Econômico-Ecológico em toda a Argentina. Mas as perspectivas não são das mais animadoras... Se os ruralistas hermanos conseguem paralisar o país, barrar estradas, afetar o mercado de alimentos durante quase um mês, tudo isso por conta de um aumento de tarifas, estarão um dia dispostos a aceitar qualquer restrição ambiental?

Fonte: Planeta Sustentável - 07/04/2008



0 comentários: