Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

quarta-feira, 9 de abril de 2008

Humanismo Ambiental

Pois é,

O foco está errado. A natureza não vai acabar. Não assim, sem mais nem menos, depois de existir por quase cinco bilhões de anos, resistindo a tudo quanto já passou por esta Terra. Pensar que somos capazes de destruir a natureza não passa de um pensamento megalomaníaco, que nos atribui a superioridade entre os seres vivos e, quiça, à própria natureza. Algo como um Deus invertido. Se Deus a tudo pode criar, aos seres humanos a tudo é dado destruir. Nada mais errado!

Não somos deuses. Não temos essa capacidade. A única capacidade que de fato temos, é a de causar a extinção da própria espécie humana. Muito antes de derrubarmos a última árvore, seremos extintos pelas nossas próprias ações.

Por essa razão o foco está errado. Não é da natureza que devemos cuidar, mas do próprio ser humano. Nós, como espécie, é que corremos risco. E o pior dos riscos; pois, se outras espécies sucumbiram por fenômenos alheios a elas, a nossa extinção está fadada a ser causada pelos próprios seres humanos.

Se olharmos para a história, veremos que a última grande transformação da sociedade humana ocorreu no período conhecido como Renascença, período cujo mote era trazer o homem ao lugar dado a ele pelos antigos. O Humanismo, ideia central da época, teve o condão de sepultar, de vez, a longa noite medieva. Quase como por ironia, o que se seguiu foi chamado de "Século das Luzes", como que a exorcizar a escuridão anterior.

Passamos por um período muito semelhante a Renascença. Os sinais estão no ar. Vivemos a decadência de uma "civilização", com a diferença de que, até agora, não encontramos um "humanismo" que nos leve a um outro patamar de existência. Devemos procurar um humanismo, mas não um humanismo que possa resultar, como o anterior resultou, num individualismo exacerbado; num individualismo suicida, dissociado da natureza, posto que colocou o homem acima de tudo e de todos.

O foco deve retornar a ser o ser humano; mas um ser humano integro, isto é, um ser humano que saiba que é parte indissolúvel da natureza.

Se não preservarmos os seres humanos, os seres humanos não preservarão a natureza.

E se seres humanos e natureza devem ser a mesma coisa, devemos avançar para um humanismo ambiental; um humanismo que coloque seres humanos e natureza, juntos, no centro. Abandonar Protágoras e dizer: homem e natureza são a medida de todas as coisas (a construção parece deixar transparecer, ainda, uma divisão entre seres humanos e natureza, mas não é essa a idéia de um humanismo ambiental. Utilizei a frase de Protágoras apenas para contraposição).

O Humanismo Ambiental deverá buscar o desenvolvimento de uma nova espécie: o homo ambientalis. Um homo consciente de que a sua preservação é o mais importante.

Iching24.png"Ao término de um período de decadência sobrevém o ponto de mutação. A luz poderosa que fora banida ressurge. Há movimento, mas este não é gerado pela força... O movimento é natural, surge espontaneamente. Por essa arazão, a transformação do antigo torna-se fácil. O velho é descartado, e o novo é introduzido. Ambas as medidas se harmonizam com o tempo, não resultando daí, portanto, nenhum dano." (I Ching)

E o que é preservar os seres humanos? Vamos pensando...

Fonte: Blog - Faça a Sua Parte


0 comentários: