Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

terça-feira, 24 de abril de 2007

Qual o verdadeiro valor da SOJA? Relatório extenso...

A Vera Falcão fez esta interessante recolha que passamos a divulgar...

"Soja é a moeda mais forte que o Brasil tem hoje"
Isso está levando os produtores a devastar o meio ambiente, só pensando nos lucros e dane-se o resto. Veja o video e leia o texto, o plantio de soja está tomando conta do país:
http://www.trabalhoindigenista.org.br/destaques02.asp#



Os riscos de comer SOJA e seus derivados
http://correcotia.com/soja/soja01.html



SOJA - A história não é bem assim

Dica do Mês: SOJA – A História Não É Bem Assim


Hoje em dia existe uma verdadeira febre de consumo de soja. Propagada como um alimento rico em proteínas, baixo em calorias, carboidratos e gorduras, sem colesterol, rico em vitaminas, de fácil digestão, um ingrediente saboroso e versátil na culinária, a soja, na verdade é mais um "conto do vigário" do qual a maioria é vítima.

É bem verdade que a soja vem da Ásia, mais especificamente da China. Porém, os chineses só consumiam produtos FERMENTADOS de soja, como o shoyu e o missô. Por volta do século 2 A.C., os chineses descobriram um modo de cozinhar os grãos de soja, transfomá-los em um purê e precipitá-lo através de sais de magnésio e cálcio, formando o assim chamado "queijo de soja" ou tofu. O uso destes alimentos derivados de soja se espalhou pelo oriente, especialmente no Japão. O uso de "queijo de soja" como fonte de proteína data do século 8 da era cristã (Katz, Solomon H "Food and Biocultural Evolution A Model for the Investigation of Modern Nutritional Problems", Nutritional Anthropology, Alan R. Liss Inc., 1987 pág. 50).

Não é à toa que os antigos chineses não se alimentavam do grão de soja. Hoje a ciência sabe que ela contém uma série de substâncias que podem ser prejudiciais à saúde, e que recebem o nome de antinutrientes.

Um destes antinutrientes é um inibidor da enzima tripsina, produzida pelo pâncreas e necessária à boa digestão de proteínas. Os inibidores da tripsina não são neutralizados pelo cozimento. Com a redução da digestão das proteínas, o caminho fica aberto para uma série de deficiências na captação de aminoácidos pelo organismo.



Animais de laboratório desenvolvem aumento no tamanho do pâncreas e até câncer nessa glândula, quando em dietas ricas submetidos a inibidores da enzima tripsina.

Uma pessoa que não absorve corretamente os aminoácidos, tem o seu crescimento e desenvolvimento prejudicado. Você já notou que os japoneses são, normalmente, mais baixinhos? Já os descendentes que vivem em outros países e adotam as dietas desses países, costumam ter uma estatura maior que a média no Japão. (Wills MR et al Phytic Acid and Nutritional Rickets in Immigrants. The Lancet, 8 de abril de 1972, páginas 771-773).

O efeito inibitório da absorção de aminoácidos pode comprometer a fabricação de inúmeras substâncias formadas a partir dos mesmos, entre os quais, os neurotransmissores. A enxaqueca, a cefaléia em salvas, a cefaléia do tipo tensional, e outras dores de cabeça, além de depressão, ansiedade, pânico e fibromialgia, são causadas por um desequilíbrio dos neurotransmissores. Qualquer fator que prejudique a sua fabricação, pode aumentar ou perpetuar esse desequilíbrio.

A soja contém também uma substância chamada hemaglutinina, que pode aumentar a viscosidade do sangue e facilitar a sua coagulação. Portadores de enxaqueca já sofrem de um aumento na tendência de coagulação do sangue e uma propensão maior a acidentes vasculares. A pior coisa para esses indivíduos é ingerir substâncias que agravam essa tendência.

Tanto a tripsina, quanto a hemaglutinina e os fitatos, que mencionaremos a seguir, são neutralizados totalmente pelo processo de fermentação natural da soja na fabricação de shoyu e missô, e parcialmente durante a fabricação de tofu.

Os fitatos, ou ácido fítico, são substâncias presentes não apenas na soja, mas em todas as sementes, e que bloqueiam a absorção de uma série de substâncias essenciais ao organismo, como o cálcio (osteoporose), ferro (anemia), magnésio (dor crônica) e zinco (inteligência).

Você não sabia de nada disso?



Mas a ciência já sabe, estuda esse fenômeno extensamente e não tem dúvidas a respeito. Já comprovou este fato em estudos realizados em países subdesenvolvividos cuja dieta é baseada largamente em grãos. (Van-Rensburg et al Nutritional status of African populations predisposed to esophageal cancer, Nutr Cancer, volume 4, páginas. 206-216; Moser PB et al Copper, iron, zinc and selenium dietary intake and status of Nepalese lactating women and their breast-fed infants, Am J Clin Nutr, volume 47, páginas 729-734; Harland BF, et al Nutritional status and phytate zinc and phytate X calcium zinc dietary molar ratios of lacto-ovo-vegetarian Trappist monks 10 years later. J Am Diet Assoc., volume 88, páginas 1562-1566).

Claro que a divulgação desse conhecimento não é do interesse de toda uma indústria multibilionária da soja. A soja contém mais fitato que qualquer outro grão ou cereal. (El Tiney AH Proximate Composition and Mineral and Phytate Contents of Legumes Grown in Sudan", Journal of Food Composition and Analysis, v. 2, 1989, pp. 67-78).

Para os demais cereais e grãos (arroz integral, feijão, trigo, cevada, aveia, centeio etc), é possível reduzir bastante e neutralizar em grande parte o conteúdo de fitatos, através de cuidados simples, como deixá-los de molho por várias horas e, em seguida, submeter a um cozimento lento e prolongado. (Ologhobo AD et al Distribution of phosphorus and phytate in some Nigerian varieties of legumes and some effects of processing. J Food Sci volume 49 número 1, páginas 199-201).

Já os fitatos da soja não são reduzidos por essas técnicas simples, requerendo para isso um processo bem longo (muitos meses, no mínimo) de fermentação. O tofu, que passa por um processo de precipitação, não tem os seus fitatos totalmente neutralizados.


Interessantemente, se produtos como o tofu forem consumidos com carne, ocorre uma redução dos efeitos inibidores dos fitatos. (Sandstrom B et al Effect of protein level and protein source on zinc absorption in humans. J Nutr volume 119 número 1, páginas 48-53; Tait S et al, The availability of minerals in food, with particular reference to iron J R Soc Health, volume 103 número 2, páginas 74-77).

Mas geralmente, os maiores consumidores de tofu são vegetarianos que pretendem consumi-lo em lugar da carne!

O resultado?

Deficiências nutricionais que podem levar a doenças como dores crônicas, como dor de cabeça e fibromialgia. O zinco e o magnésio são necessários para o bom funcionamento do cérebro e do sistema nervoso. O zinco, em particular, está envolvido na produção de colágeno, na fabricação de proteínas e no controle dos níveis de açúcar no sangue, além de ser um componente de várias enzimas e ser essencial para o nosso sistema de defesas. Os fitatos da soja prejudicam a abosrção do zinco mais do que qualquer outra substância. (Leviton, Richard Tofu, Tempeh, Miso and Other Soyfoods The "Food of the Future" - How to Enjoy Its Spectacular Health Benefits, Keats Publishing Inc, New Canaan, CT, 1982, páginas 14-15).

Por conta da tradição oriental, indústria da soja conseguiu inseri-la num patamar de "alimento saudável", sem colesterol e vem desenvolvendo um mercado consumidor cada vez mais vegetariano. Infelizmente, ouvimos médicos e nutricionistas desinformados, ou melhor, mal informados por publicações pseudo-científicas patrocinadas e divulgadas pela indústria da soja, fornecendo conselhos, em programas de TV em rede nacional, no sentido de consumi-la na forma de leite de soja (até para bebês!!), carne de soja, iogurte de soja, farinha de soja, sorvete de soja, queijo de soja, óleo de soja, lecitina de soja, proteína texturizada de soja, e a maior sensação do momento, comprimidos de isoflavonas de soja, sobre a qual comentarei mais adiante neste livro.



A divulgação, na grande mídia, destes produtos de paladar no mínimo duvidoso, como sendo saudáveis, tem resultado em uma aceitação cada vez maior dos mesmos por parte da população.

Que prejuízo! (Não para a indústria, é claro).

Sabe como se faz leite de soja?

Primeiro, deixa-se de molho os grãos em uma solução alcalina, de modo a tentar neutralizar ao máximo (mas não totalmente) os inibidores da tripsina. Depois, essa pasta passa por um aquecimento a mais de 100 graus, sob pressão. Esse processo neutraliza grande parte (mas não a totalidade) dos antinutrientes, mas em troca, danifica a estrutura das proteínas, tornando-as desnaturadas, de difícil digestão. (Wallace GM Studies on the Processing and Properties of Soymilk. J Sci Fd Agric volume 22, páginas 526-535). Além disso, os fitatos remanescentes são suficientes para impedir a absorção de nutrientes essenciais.

A propósito, aquela tal solução alcalina onde a soja fica de molho é a base de n-hexano, nada mais que um solvente derivado do petróleo, cujos traços ainda podem ser encontrados no produto final, que vai para a sua mesa, e que pode gerar o aparecimento de outras substâncias cancerígenas. Este n-hexano reduz, também, a concentração de um aminoácido importante, a cistina. (Berk Z Technology of production of edible flours and protein products from soybeans. FAO Agricultural Services Bulletin 97, Organização de Agricultura e Alimentos das Nações Unidas, página 85, 1992). Felizmente, a cistina se encontra abundante na carne, ovos e iogurte integral - alimentos estes normalmente evitados pelos consumidores de leite de soja.

Mas como? A soja não é saudável? Não é isso que dizem os médicos e nutricionistas?

Infelizmente, a culpa não é deles, e sim do jogo de desinformação que interessa à toda a indústria alimentícia. A alimentação, assim como a saúde, é um grande negócio. Dois terços de todos os alimentos processados industrialmente, contêm algum derivado da soja em sua composição.



É só conferir os rótulos. A lecitina de soja atua como emulsificante. A farinha de soja aumenta a "vida de prateleira" de uma série de produtos. O óleo de soja é usado amplamente pela indústria de alimentos. A indústria da soja é enorme e poderosa.

E como se fabrica a proteína de soja?

Em primeiro lugar, retira-se da soja moída o seu óleo e o seu carboidrato, através de solventes químicos e alta temperatura. Em seguida, mistura-se uma solução alcalina para separar as fibras. Logo após, submete-se a um processo de precipitação e separação utilizando um banho ácido. Por último, vem um processo de neutralização através de uma solução alcalina. Segue-se uma secagem a altas temperaturas e à redução do produto a um pó. Este produto, altamente manipulado, possui seu valor nutricional totalmente comprometido. As vitaminas se vão, mas os inibidores da tripsina permanecem, firmes e fortes! (Rackis JJ et al The USDA trypsin inhibitor study. I. Background, objectives and procedural details. Qual Plant Foods Hum Nutr, volume 35, pág. 232).

Não existe nenhuma lei no mundo que obrigue os alimentos à base de soja a exibirem, nos rótulos, a quantidade de inibidores da tripsina. Também não existe nenhuma lei padronizando as quantidades máximas deste produto. Que conveniente!

O povo... coitado... só foi "treinado" para ficar de olho na quantidade de colesterol - esta sim, presente em todos os rótulos. Uma substância natural e vital para o crescimento, desenvolvimento e bom funcionamento do cérebro e do organismo como um todo.

O povo nunca ouviu falar nos antinutrientes e inibidores da tripsina dos alimentos de soja.

A proteína texturizada de soja (proteína texturizada vegetal, carne de soja) possui um agravante a adição de glutamato monossódico, no intuito de neutralizar o sabor de grão e criar um sabor de carne.


Alguns pesquisadores acreditam que o grande aumento das taxas de câncer de pâncreas e fígado, na África, se deve à introdução de produtos de soja naquela região. (Katz SH Food and Biocultural Evolution A Model for the Investigation of Modern Nutritional Problems. Nutritional Anthropology, Alan R. Liss Inc., 1987 pág. 50).

A minha dica Quando consumir soja, utilize apenas os derivados altamente fermentados, como o missô e o shoyu. Mesmo assim, muita atenção para os rótulos. Compre apenas se neles estiver escrito "Fermentação Natural", e se NÃO contiverem produtos como glutamato monossódico e outros ingredientes artificiais. Quando consumir tofu, certifique-se de lavá-lo com água corrente, pois grande quantidade dos antinutrientes ficam no seu soro.

FONTE: www.correcotia.com.br

Conheça melhor o MISSÔ
Missô: um derivado de soja
O missô é uma pasta de soja fermentada, produzido a partir dos feijões de soja cozidos e misturados com outros cereais. Após a fermentação dos grãos, a mistura é salgada, obtendo-se uma pasta espessa e nutritiva. É um excelente condimento em variados pratos.
A consistência do missô é pastosa e a cor varia entre o bege claro e o castanho escuro, passando por toda uma gama de cores intermédias. O sabor é intenso e relativamente salgado, assemelhando-se a avelãs. O missô de cor clara é, normalmente, menos salgado e de sabor menos intenso do que o mais escuro.
Foi inicialmente utilizado pelos cozinheiros japoneses, que o souberam apreciar e introduzir nas suas receitas de sopas e molhos requintados. Este constitui um excelente condimento em sopas, legumes e verduras empanados, cereais, leguminosas, na preparação de soja e tofu, bem como na elaboração de patês.
Devido ao processo de fermentação a que é sujeito, o missô é um alimento vivo (tal como o iogurte) que contém bactérias e fermentos vivos, facilmente assimilados pelo organismo e muito benéficos para o equilíbrio da flora intestinal.
Como são elementos vivos, as bactérias e os fermentos do missô perdem as suas propriedades quando são submetidos a altas temperaturas (na fervura, por exemplo). Assim, o melhor é cozinhar em fogo brando ou introduzir o missô o mais tardiamente possível, na fase da preparação dos alimentos, pouco antes do final do cozimento. Antes de adicionar o missô à água de cozimento é preciso dissolvê-lo primeiro num pouco de água quente à parte, e só depois adicioná-lo aos alimentos.


Dependendo do tipo de cereal adicionado aos feijões de soja, obtém-se um tipo de miso específico. Se for feito exclusivamente com feijões de soja estamos perante o miso hatcho, ou miso de soja, que é a variedade cujo sabor é mais intenso e a textura mais densa. Nutricionalmente é o que apresenta a maior concentração de proteínas (21%) e menor conteúdo de hidratos de carbono (12%) e água (40%).
A variedade que se encontra com maior facilidade e frequência é o miso mugi, uma combinação de soja com cevada. Este tipo de miso tem um sabor adocicado e quente que lembra o mel, sendo simultaneamente salgado. Contém uma reduzida quantidade de hidratos de carbono e cerca de 13% de proteínas.
O miso genmai feito com feijões de soja e arroz integral, tem uma cor mais clara, textura leve e sabor doce.
Como se trata de uma pasta relativamente concentrada em sal, deve ser utilizada com moderação por quem sofre de hipertensão arterial.

O lado maravilhoso da soja
Entrevista com a jornalista Sonia Hirsch, especializada em alimentação e autora de diversos livros:

Sonia Hirsch, você agora é contra a soja?

Nunca fui a favor, a não ser nas formas fermentadas: misso, shoyu, tempê, natô. Já no meu primeiro livro, Prato feito, que é de 1983, aviso que a soja não deve ser consumida como feijão.

Mas seus livros dão muitas receitas de tofu.

Tofu é bom de vez em quando, porque parte da acidez da soja sai no soro. O tofu é feito de leite de soja talhado. Funciona muito bem para substituir o queijo quando a gente está querendo parar de comer laticínios, mas não dá para abusar. O mundinho natural e macrô adora, mas eu mesma como pouco, porque minha pele não gosta.

E a carne de soja? Você dá uma receita de picadinho de carne de soja no Prato feito.

Essa receita foi uma exceção, é a única que você encontra em todo o meu trabalho. Está lá como uma homenagem ao Bira, cozinheiro macrô que morou muito tempo no Rio e ficou famoso pelo picadinho. Eu mesma já não gostava de carne de soja na época, início dos anos 80; achava aquele negócio muito esquisito. Mas o Bira fez o picadinho num evento do Circo Voador na Quinta da Boa Vista, a galera gostou e eu pensei: vou botar a receita, afinal ele merece... Depois fiz a autocrítica no próprio livro, a partir da décima edição. Demorou...

Mas afinal, por que você está revoltada com a soja?

Estou revoltada com o uso que estão fazendo dela. Porque o consumo liberal de soja é muito prejudicial à saúde, tanto em forma de comida e bebida quanto em fórmulas farmacêuticas para suplementação hormonal.

Prejudicial, como assim? A soja não é o tesouro da Ásia?

O cultivo da soja na Ásia é muito antigo, tanto que ela é um dos cinco grãos sagrados dos chineses, junto com arroz, trigo, cevada e painço; mas não para fins alimentares. Seu dom é agrícola. Por ser muito rica em proteínas, a soja, que é uma leguminosa como todos os feijões, é também muito rica em nitrogênio, elemento essencial para a fertilidade do solo.

Plantar a soja entre as outras culturas e cortá-la quando as favas de feijão se formam, deixando-a apodrecer no solo, traz o maior benefício para a lavoura. Sem ela a terra se esgotaria. Como alimento, porém, ela tem inúmeros inconvenientes. Como todos os feijões, mas muito mais acentuados.

Os feijões são inconvenientes?

Hipócrates já dizia que os feijões são tão ricos em nutrientes que poderíamos viver só deles - se não fossem tão tóxicos. Por isso, recomendava comer os feijões em pequena quantidade e sempre acompanhados por algum cereal, para equilibrá-los. A uma pessoa doente, Hipócrates proibia os feijões. O dr. Barcellos, médico, em sua dieta contra o câncer e todas as alergias, proíbe os feijões todos. Inclusive o amendoim e os feijões verdes, como a vagem, a ervilha fresca, o petit-pois. Aponta como problema a qualidade extremamente ácida e tóxica das proteínas dos feijões. E realmente, se você pára de comer feijão as indisposições melhoram. Feijão é coisa para gente saudável!

Mas e a soja?

Então, a soja é o mais protéico de todos os feijões, por isso o mais tóxico. Hoje existem muitos estudos esclarecendo vários pontos. Um: a soja contém altos níveis de ácido fítico, ou fitatos, que reduzem a assimilação de cálcio, magnésio, cobre, ferro e zinco em adultos e crianças, prejudicando a saúde e o crescimento. E os métodos convencionais, como deixar de molho, germinar os grãos ou cozinhar longamente em fogo baixo, não neutralizam o ácido fítico da soja; somente a fermentação tem esse poder. Dois: a soja contém inibidores de tripsina que interferem na digestão das proteínas e podem causar distúrbios pancreáticos e retardo no crescimento. Três: desde 1953 é conhecido o impacto negativo das isoflavonas sobre a saúde humana. A esse respeito, você encontra uma lista de 150 estudos científicos que não podem ser ignorados em www.westonaprice.org/soy/dangersisoflavones.html#studies .

Mas as isoflavonas não são fitoestrógenos, bons para reposição hormonal?

Os fitoestrógenos da soja atrapalham as funções endócrinas, têm o potencial de causar infertilidade e de promover câncer de seio em mulheres adultas. São poderosos agentes inibidores da tiróide, causando hipotiroidismo e podendo provocar câncer de tiróide.

Nesse caso, as mulheres japonesas, que consomem tanta soja, não deveriam estar mal de saúde?

Pra começar, elas não consomem tanta soja; vivem muito mais de arroz, algas marinhas, vegetais, peixes e frutos do mar. Da soja usam basicamente misso, que é a massa fermentada e salgada de soja; shoyu ou tamari, que são molhos fermentados de soja; e nattô, que é o próprio feijão de soja fermentado, com gosto e sabor fortíssimos. Aqui, ao contrário, as pessoas estão usando qualquer coisa de soja achando que é bom - leite de soja, tofu, proteína de soja, extratos de soja. Uma japonesa obtém da soja uma média de 10 mg de isoflavonas por dia. As brasileiras estão ingerindo por dia 150 mg de isoflavonas (genisteína, genistina, daidzaína) em cápsulas, ou seja, dez vezes mais do que a média das japoneses consome.

Mas elas têm menos câncer de seios e ovários.

Sim, mas é porque a alimentação delas, como um todo, é menos rica em estrogênio e seus análogos do que a dieta ocidental, abundante demais em leite, laticínios, carne vermelha, frango e ovos, todos conectadíssimos ao surgimento de doenças crônicas e degenerativas.

E os milhões de crianças que se alimentam de leite de soja, correm algum risco?

Vários. Um deles é o desenvolvimento de distúrbios na tiróide. Não sei se você notou que há uma epidemia de problemas na tiróide hoje em dia. De onde vem isso? Do stress, mas também da alimentação. Um estudo mostra que bastam 30 g de tofu por dia, durante um mês, para causar problemas na tiróide.

Um ponto positivo parece ser a presença de uma forma de vitamina B12 na soja...

A vitamina B12 só existe nos organismos animais. A gente produz B12 dentro do corpo. Nos vegetais você a encontra em uma ou outra microalga, ou então em forma análoga.

Acontece que os análogos da vitamina B12 que a soja contém não são absorvidos e ainda aumentam a necessidade de B12 no organismo. Pior: comidas à base de soja aumentam também a necessidade de vitamina D.

E a proteína da soja, serve para alguma coisa?

Não entendo por que alguém vai querer uma proteína tão desnaturada, já que é processada em alta temperatura até virar proteína isolada de soja, proteína vegetal texturizada. O processamento da proteína de soja resulta na formação da tóxica lisinoalanina e das altamente carcinogênicas nitrosaminas. Fora um conteúdo extra de alumínio em grande quantidade - e o alumínio é tóxico para o sistema nervoso, para os rins, para a medula óssea...

Você tem mais algum horror pra contar sobre a soja?

Só mais um: o ácido glutâmico livre, MSG, GMS, glutamato monossódico ou simplesmente glutamato de sódio, é uma poderosa neurotoxina formada naturalmente durante o processamento da soja. Estimula a tal ponto nossos receptores de sabor no cérebro que pode matar neurônios. São documentados os casos de morte súbita por excitotoxinas, outro apelido dessas neurotoxinas, entre as quais se inclui o aspartame. Ainda assim, esse derivado da soja está espalhado por inúmeros produtos industrializados (bem como o aspartame). E nos próprios alimentos à base de soja, mais glutamato é adicionado para realçar o sabor sem que seja preciso avisar no rótulo, já que se trata de um derivado "natural" da soja, então a lei dispensa.

Como se pode evitar o consumo de glutamato?

Lendo os rótulos, evitando produtos industrializados, preferindo comer o que está ainda na sua forma natural. E, num restaurante japonês, pedindo missoshiro sem ajinomoto, que é o próprio glutamato. Eles tentam recusar, porque a sopa de misso já está pronta, mas você repete com firmeza e eles preparam outra na hora. Não existe nada mais fácil, saudável e nutritivo do que uma missoshiro: o lado maravilhoso da soja.

FONTE: www.correcotia.com.br

Contra a soja na Amazônia

Ameaçados por serem contra sojicultura na Amazônia

Autor: Ismael Machado
Título: Padres ameaçados pela rede Orkut
Data: 03/06/2006
Fonte: O Globo


Padres ameaçados pela rede Orkut

BELÉM . A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Pará pediu proteção especial para dois religiosos que foram ameaçados de morte no site de relacionamento Orkut. A solicitação foi feita pelo presidente da OAB-PA, Ophir Cavalcante Junior, ao governo do estado. Os dois religiosos ameaçados são Edilberto Sena e José Boing, conhecidos na região por atuarem na defesa do meio ambiente e contra a expansão do cultivo da soja.

A ameaça foi feita na comunidade “Fora Greenpeace” no Orkut. No final de um dos tópicos há a mensagem: “Matem o Edilberto Sena e o Padre Boing pelo bem de Santarém”.

Boing é pároco da Igreja de São Raimundo Nonato e foi premiado este ano com o Prêmio José Carlos Castro de Direitos Humanos, da OAB-PA, concedido a personalidades que atuam na defesa de minorias. Edilberto Sena é padre, advogado e presidente da Comissão de Direitos Humanos da Subseção da OAB-PA em Santarém e diretor da Rádio Rural FM.

Os próprios ameaçados procuraram o Ministério Público Federal na cidade de Santarém para acionar a Polícia Federal e ingressar com ação por danos morais. À PF os padres citaram uma pessoa chamada Dé Neuman, na página do Orkut identificado como Derick Figueira, como o criador da comunidade. O MPF encaminhou à PF abertura de inquérito.

Os ânimos se acirraram em Santarém desde a semana passada, quando o Navio Arctic Sunrise, do Greenpeace, aportou em Santarém para promover uma série de protestos contra o aumento da exploração da soja na Amazônia.



Soja e tireóide

Excesso de soja pode ter efeitos indesejáveis na tireóide

FLÁVIA MANTOVANI
THIAGO MOMM PEREIRA
da Folha de S.Paulo

Além da falta de eficácia na reposição hormonal, Clapauch diz que a soja também não previne contra a osteoporose e que o seu consumo excessivo pode ter efeitos indesejáveis na tireóide. "Recebo muitas pacientes com diagnóstico de hipotireoidismo e que consomem muita soja." Ela não se opõe à soja como alimento, mas afirma que quem já tiver predisposição genética para hipotireoidismo não deve exagerar.

Qual é a dose máxima, então? Segundo os pesquisadores ouvidos pela Folha, não há uma quantia definida. "Depende de vários fatores, como a suscetibilidade e o peso de cada organismo. A dose que eu consideraria segura é de até 50 mg de isoflavona por dia, o necessário para trazer benefícios ao colesterol. O resto é exagero", diz Clapauch. Isso equivale, aproximadamente, a 200 mg de tofu, 500 ml de leite de soja ou menos de 50 g do grão torrado.

Para o pesquisador neozelandês Mike Fitzpatrick, que fez vários estudos na área, é preciso definir justamente quais são as doses recomendadas para cada grupo.

Ele acredita que há um aumento exagerado do consumo de soja no mundo ocidental e lembra que a soja está "embutida em diversos produtos processados, como cereais, molhos e sobremesas -de acordo com ele, mais de 60% dos alimentos processados no Reino Unido contêm a leguminosa.

Fitzpatrick começou a investigar a soja a pedido de um casal cujos papagaios exóticos eram alimentados com preparados à base de soja. "Alguns ficaram doentes, morreram ou atingiram a maturidade sexual prematuramente ou tiveram problemas de tireóide. Decidimos pedir para um laboratório investigar", relatou à Folha Valerie James, dona das aves.

A nutricionista Lília Zago dos Santos, doutoranda da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), também recomenda o equilíbrio. "A soja tem grande valor nutricional. O que a gente indica é cuidado com o excesso, principalmente para quem tem problemas para absorver nutrientes."


Isso por causa de compostos antinutricionais, que dificultam a absorção de minerais como ferro, zinco e cálcio. Quando a soja é cozida ou processada industrialmente, uma parte desses componentes é eliminada. "Mas não há 100% de inativação, e o pouco que fica pode comprometer a absorção, principalmente em pessoas susceptíveis, como crianças, gestantes e idosos. Não é bom abusar", diz Santos.

Câncer e colesterol

Um efeito tido como certo por vários pesquisadores é a redução do "mau" colesterol. De fato, os estudos mostram que a redução é real. Mas um artigo publicado em janeiro pela AHA (American Heart Association) na revista científica "Circulation" mostrou que essa redução, mesmo em quem come grande quantidade de soja, é muito pequena.

O artigo afirma ainda que "nenhum benefício relacionado ao colesterol HDL ["bom" colesterol], aos triglicérides (...) e à pressão arterial foi evidente." O artigo também questiona a função preventiva da soja em relação aos cânceres de mama, de endométrio e de próstata. De acordo com o oncologista Vladmir Cordeiro de Lima, do Hospital do Câncer, em São Paulo, não há evidências que comprovem essa vantagem. "Alguns estudos até mostram propriedades protetoras, mas não há provas sólidas disso."

Transgênicos

A soja é o único alimento transgênico regulamentado no Brasil. Sezifredo Paz, sanitarista veterinário consultor do Idec (Instituto de Defesa do Consumidor), diz que faltam estudos sobre o efeito desse tipo de grão e que "o que mais preocupa é o resíduo de glifosato", um agrotóxico, na soja transgênica.

Já o presidente da Aprosoja (Associação dos Produtores de Soja do Estado do Mato Grosso), Rui Prado, afirma que a soja transgênica usa menos agrotóxicos do que a convencional. "A soja é uma lavoura muito "tecnificada". Por isso, não tem como errar nesses aspectos." Sobre os efeitos à saúde, ele diz conhecer apenas benefícios.


Para Mercedes Carrão Panizzi, pesquisadora da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), a soja acrescenta diversidade à alimentação. Ela faz, no entanto, uma ressalva: "Há centenas de trabalhos sobre soja. Alguns mostram que, em certas pessoas, não há efeitos."

Cientistas e médicos debatem a soja

Cientistas e sociedades médicas questionam benefícios da soja

FLÁVIA MANTOVANI
THIAGO MOMM PEREIRA
da Folha de S.Paulo

Entre os alimentos funcionais (aqueles que, além de nutrir, ajudam a prevenir doenças), a soja talvez seja a maior vedete. Ingrediente da dieta oriental há milhares de anos, muitos são os ocidentais que vêm driblando o sabor pouco familiar para se beneficiar de todas as vantagens atribuídas à leguminosa: alto teor de proteína e de fibras, alívio para os sintomas da menopausa, redução do colesterol ruim, prevenção contra a osteoporose e contra alguns tipos de câncer.

Entre 1999 e 2005, a produção de grãos de soja no país aumentou de 31.377 milhões de toneladas para 53.053 milhões. Além do grão e dos tradicionais leite e queijo, hambúrgueres, sorvetes e chocolates são alguns produtos à base de soja disponíveis no mercado.

Agora, na contramão da grande oferta e dos estudos que sinalizam benefícios, cientistas, agências governamentais e sociedades médicas de alguns países questionam as propriedades atribuídas a ela e alertam para possíveis efeitos adversos do consumo excessivo.

Autoridades e sociedades médicas de países como Inglaterra, Canadá, França e Nova Zelândia recomendam cautela, por exemplo, ao alimentar bebês com fórmulas à base de soja. "Eles alegam que não há estudos de longo prazo que mostrem a segurança desses produtos para crianças pequenas. A soja tem isoflavona [substância semelhante ao hormônio feminino estrógeno], e não sabemos os efeitos dela em um sistema reprodutivo imaturo como o da criança", afirma Roseli Sarni, presidente do departamento de nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria. Ela diz que a entidade levará isso em conta em um consenso sobre alergias que está elaborando.

Estudos também vêm mostrando que a soja interfere na produção do hormônio tiroxina (da tireóide) e que pode, por isso, não ser indicada para quem tem predisposição genética ao hipotireoidismo.

Crianças, idosos, gestantes e pessoas com dificuldade de absorver nutrientes também são recomendados a não exagerar --compostos antinutricionais da soja diminuem a absorção de certos minerais.

A discussão vem ganhando espaço principalmente na Nova Zelândia e no Reino Unido.

No Brasil, a Sbem (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia) alerta em relação a possíveis riscos e questiona uma das principais propriedades atribuídas à soja: o alívio dos calores da menopausa. Após revisar vários estudos, a entidade concluiu, em um artigo, que sua eficácia como alternativa de reposição hormonal é praticamente nula.

Segundo a endocrinologista Ruth Clapauch, do departamento de endocrinologia feminina e andrologia da Sbem, a maior parte dos estudos que mostram efeitos positivos é in vitro ou com animais e não pode ser transposta diretamente para o ser humano.

"Na prática, os efeitos estrogênicos da isoflavona são muito fracos e praticamente iguais aos do placebo. Ela não consegue se ligar aos receptores de estrogênio com a mesma facilidade que os hormônios do nosso corpo. Concluímos que não é eficaz para esse fim", diz.

Segundo Clapauch, o fato de algumas mulheres relatarem alívio com a soja pode se dever à intermitência natural dos calores. "Mesmo não usando nada, os fogachos vão e voltam."

Já a farmacêutica bioquímica Maria Inês Genovese, professora do departamento de alimentos e nutrição experimental da USP (Universidade de São Paulo), considera "inquestionável" a diminuição dos sintomas da menopausa pela soja.

O que não está provado, diz ela, são a eficácia e a segurança dos suplementos que trazem a isoflavona isolada. "É importante que a isoflavona seja consumida no alimento, com os demais componentes. Mas o consumo da soja deve ser incentivado. Não há nada que conclua que ela oferece riscos."

Ela lembra que pesquisas mostram que a incidência de sintomas da menopausa é menor entre as orientais, habituais consumidoras de soja.

Para Ruth Clapauch, no entanto, isso pode ser explicado por diferenças culturais. "As manifestações da menopausa variam entre as culturas. No Japão, as mulheres reclamam de cansaço e de peso no ombro, mas o fogacho não é comum."

O que está sendo questionado sobre a soja

Folha de S.Paulo

- Parecer da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia afirma que o efeito da soja sobre os calores da menopausa é praticamente nulo (comparável ao placebo); ela também não age sobre outros sintomas do climatério, como ressecamento vaginal e mudanças de humor

- Apesar de ser saudável para o coração (com pouca gordura saturada e muita quantidade de fibras, por exemplo), a redução que a soja provoca no "colesterol ruim" (LDL) tem se mostrado muito pequena; além disso, ela não reduz os triglicérides nem a pressão arterial e não aumenta o "bom colesterol" (HDL)

- Sociedades médicas de países como Inglaterra, França e Nova Zelândia pedem cautela na hora de dar fórmulas infantis à base de soja para bebês, alegando que não há estudos que provem a segurança do alimento para crianças pequenas (principalmente por causa da presença de fitoestrógenos)

- Estudos mostram que as isoflavona, presentes na soja, inibem uma enzima importante para a produção do hormônio da tireóide; por isso, quem tem tendência ao hipotireoidismo deveria ter cautela ao consumi-la

- Não há evidências científicas sólidas de que a soja tenha papel preventivo contra nenhum tipo de câncer; alguns estudos sugerem que o alimento pode interferir no tratamento contra câncer de mama, e há médicos que não recomendam o consumo do alimento para pacientes que tomam certos remédios, mas isso tampouco é um consenso

- A soja tem agentes antinutricionais que dificultam a absorção de minerais como ferro e zinco; em geral, com o aquecimento e o processamento pela indústria, esses fatores diminuem, mas não são totalmente eliminados; por isso, gestantes, crianças e outros grupos que precisam de grande aporte de minerais não deveriam consumi-la em exagero.

- Não protege contra osteoporose; além disso, o leite de soja é menos rico em cálcio do que o leite de vaca, sendo recomendada a ingestão desse produto enriquecido com o mineral.

FONTES: American Heart Association; Comitê de Nutrição da Sociedade Européia de Hepatologia, Nutrição e Gastroenterologia Pediátrica; Mike Fitzpatrick, pesquisador neozelandês; Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia; Vladmir Cordeiro de Lima, oncologista clínico do Hospital do Câncer.


O QUE NÃO LHE CONTARAM SOBRE A SOJA

Por que consumir produtos de soja em uma terra que produz em abundância grãos-de-bico?

A soja é naturalmente tóxica, pois contém antinutrientes e substâncias que alteram nosso equilíbrio hormonal, e ainda no seu processamento acrescenta-lhe outros venenos. Além disso, é em sua maioria transgênica, contém mais pesticida tóxico e é um experimento feito a despeito de nossa saúde. Há algum tempo assistimos uma promoção sem precedentes dos produtos a base de soja, não como antes, no campo da "nova era", do ecologismo, naturismo, vegetarianismo, veganismo e outros ismos. Assistimos a uma intoxicação maciça que canta seus benefícios em todos os meios de comunicação. A TV vende como "audiência" aos fabricantes e industriais. Como se fosse pouco, as farmácias, os herbanários e médicos naturalistas atuam como correias de difusão dessa infame propaganda. Provavelmente nenhum outro produto alimentício tenha tantas empresas de relações públicas e publicidade trabalhando em sua promoção. A soja já está presente de maneira explícita e implícita em mais de 60% dos mantimentos dos supermercados nos Estados Unidos. A FDA, o organismo mais importante do mundo de controle de alimentos e drogas aceitou incluir na etiqueta de alguns produtos os benefícios que a soja trás para a saúde, apesar dos protestos de alguns de seus membros. A soja está sendo introduzida cada vez mais na alimentação infantil, ocultando seus graves efeitos negativos, especialmente importantes sobre as crianças alimentadas com preparados de soja que gozam, graças a eles, de mais do dobro de enfermidades auto-imunes da tireóide.

BENEFÍCIOS OU MALEFÍCIOS DA SOJA

PERGUNTAS E RESPOSTAS:

1- A SOJA É USADA A MILHARES DE ANOS NO ORIENTE.

Falso e Verdadeiro.

A soja pertence à família dos legumes, possui a mesma capacidade de sua família que é captar o nitrogênio da atmosfera nos nódulos de suas raízes com a ajuda de bactérias. Na China, a soja foi plantada durante séculos, prioritariamente, com este fim: repor o nitrogênio ,favorecer a rotação dos cultivos e não para consumi-la. Um estudo do uso histórico da soja na Ásia mostra que só foi usada pelos pobres; quando não tinham nada que comer, consumiam feijão de soja e os preparavam cuidadosamente (fermentação) para destruir todas as toxinas. De acordo a K C Chang, editor da "Cultura Chinesa", na China em 1930, o total de soja consumido na dieta era de 1.5% em comparação ao porco que era de 65%. A indústria da soja diz que "as fórmulas de soja são saudáveis, já que as crianças asiáticas consumiram-na durante séculos". Inclusive se atreve a dizer que "as fórmulas de soja são melhores que o leite materno" o mesmo que a multinacional Nestlé fez com seu leite em pó, contra o mais elementar sentido comum, aos argumentos científicos que demonstram o contrário e, o mais grave, contra os bebês. Ao inverso, as fórmulas de suco de soja raramente eram usadas na Ásia para alimentar as crianças. Ernest Tso é quem propôs a primeira dieta de suco de soja para bebês nos primeiros 8 meses de vida. Escreveu no Chinese Journal of Physiology em 1928: "o suco de soja é um alimento nativo usado em certas partes do país como bebida matinal, mas é pouco usado na dieta dos infantes. As propriedades nutritivas nos alimentos para crianças são praticamente desconhecidas". Em um escrito em 1930, o Dr. R.A. Guy, do Departamento de Saúde Publica da Faculdade de Medicina de Pekin, esclareceu que "nunca foi usado suco de soja para alimentar as crianças em Pekin. Esta fórmula não se faz nas casas, mas é vendida nas ruas como uma bebida quente, rica em proteínas que é usada freqüentemente por anciãos em vez do chá. O suco de soja, além de ser danoso para as crianças, é difícil de preparar”. Em outra publicação Guy mencionou o uso do suco de soja para os bebês que não tivessem suficiente leite materno nos países em que não se encontra o leite de vaca. A informação das grandes quantidades de soja supostamente consumidas na Ásia provém de uma pesquisa recente sobre 1.242 homens e 3.596 mulheres que participaram de uma verificação anual da saúde na Takayama City, Japão. A pesquisa mostra que os produtos mais consumidos foram queijos de soja (tofu), feijão de soja fermentado, suco de soja e feijão de soja fervido. A quantidade estimada de proteína de soja consumida foi 8,00 ± 4,95 g/dia para homens e 6,88 ± 4,06 g/dia para mulheres.

2- A SOJA É UM PRODUTO BIOLÓGICO.

Verdadeiro.

A soja é sem dúvida um produto biológico, como a planta que se extrai o ópio ou a estricnina. A denominação de produto biológico é um álibi equivocado já que todos os produtos que saem da terra são biológicos, mas nem todos foram cultivados com os critérios da agricultura biológica.

3- A SOJA É UM ALIMENTO QUE SUBSTITUI AS PROTEÍNAS DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

Verdadeiro e Falso.

As proteínas são constituídas por unidades elementares que são os aminoácidos. Dentre eles há alguns que são essenciais, quer dizer, que não podem ser elaborados pelo organismo e que, portanto, devem ser fornecidos pela alimentação. A soja é muito rica em proteínas, mas é relativamente pobre no aminoácido saturado de enxofre cistina, precursor da cisteína, da glutamina e da taurina. Além disso, o processamento com alta temperatura tem o desafortunado efeito secundário de desnaturalizar a lisina e os outros aminoácidos. Este processo reduz ainda mais a cistina e em conseqüência a capacidade hepática de desintoxicação.

4- A SOJA CONTÉM ÁCIDOS GORDUROSOS BENÉFICOS ÔMEGA 3.

Verdadeiro e Falso.

Os processos de elaboração da maioria dos produtos a base de soja se desenvolvem em altas temperaturas que desnaturalizam os ácidos gordurosos poliinsaturados e produzem ácidos gordurosos trans-inativos.

5- A SOJA TEM NUTRIENTES DE FÁCIL ASSIMILAÇÃO.

Falso, por vários motivos.

5.1 A soja tem nutrientes de difícil assimilação como o Cálcio, o que pode levar a um desequilíbrio cálcico negativo, osteoporose. "A soja induz uma acentuada alternativa ao leite animal, precisa ser esclarecida. A soja se compara aqui em seu conteúdo de cálcio com o leite de vaca. Certamente a soja é muito inferior quanto ao cálcio do leite de vaca. Mas aqui poderíamos entrar na polêmica sobre a necessidade e a toxicidade do leite de vaca. Embora se recomendem para a descalcificação na menopausa ambos os leites, podemos concluir que o melhor é não tomar, aumentar o exercício físico e ingerir outros minerais, como o magnésio, imprescindível para fixar o cálcio nos ossos.

5.2 É deficitária em vários elementos essenciais da nutrição.

- É deficitária em ferro, o que pode levar a anemia.

- É deficitária em vitamina B12. A vitamina B12 presente na soja é um análogo inativo que não se utiliza e inclusive pode aumentar suas necessidades e bloquear a absorção da vitamina B12 ativa. Houve casos de bebês mortos por esta razão. Além disso, recordemos que a tripsina que permite assimilar a vitamina B12 é inibida pelos antinutrientes da soja. E se por acaso fora pouco, recordemos que muitas dietas vegetarianas são deficitárias em vitamina B12.

- É deficitária em tiamina ou vitamina B1 e já se deram casos de bebês alimentados com fórmulas de soja com beribéri grave.

- É deficitária no aminoácido lisina, como já dissemos.

5.3 Contém vários antinutrientes:

A. Contém inibidores de enzimas digestivas (inibidores da protease) como a tripsina e outros necessários para a digestão de proteínas.

Recordemos que a tripsina permite assimilar a vitamina B12. Os inibidores da tripsina e a hemaglutinina são também inibidores do crescimento. E os inibidores da protease foram acusados de provocar problemas pancreáticos. O Professor Irvin Leiner, perito em inibidores da protease, afirma: "os inibidores da tripsina da soja representam na realidade um risco potencial para os humanos quando a proteína da soja se incorpora na dieta".

B. Contém ácido fítico (hexafosfato de inositol), presente em um grupo de substâncias denominado fitatos (mais que em outras leguminosas) que estão presentes no farelo de cereais ou na casca de todas as sementes. Os fitatos são quelantes, quer dizer que podem unir-se a íons metálicos e bloquear a assimilação e a biodisponibilidade de minerais essenciais: cálcio, magnésio, cobre ferro e, especialmente, o zinco. Isto é particularmente grave nos bebês. Os fitatos são resistentes às técnicas de redução como o cozimento prolongado em fogo lento. O ácido fítico que fica nos múltiplos produtos de soja processada (SPI) segue inibindo a absorção de poucos elementos. Em estudos experimentais com animais de laboratório alimentados com o SPI aparecem órgãos aumentados, em particular o pâncreas e a glândula tireóide, e alterações do metabolismo dos ácidos gordurosos no fígado.

C. Por outro lado comprovou-se que as fórmulas infantis com base na soja podem conter até 200 vezes mais manganês que no leite de lactação natural. O excesso de manganês se acumula nos órgãos internos incluindo o cérebro e podem causar danos.

6- OS PROCESSOS DE ELABORAÇÃO DA SOJA DESATIVAM SEUS ANTINUTRIENTES.

Falso.

Os antinutrientes só são desativados pela fermentação (shoyu - molho de soja, missô – pasta de soja, natoo – grãos de soja fermentada). Contrários ao que se pensa os antinutrientes não desaparecem completamente no tofu (que não é soja fermentada, mas sua elaboração se faz por precipitação com sulfato de cálcio ou de magnésio), nem pelo cozimento prolongado. Além disso, o uso de produtos processados da soja (SPI) aumentou a demanda de vitaminas E, K, D, e B12, e criou sintomas de deficiência de cálcio, magnésio, manganês, molibdênio, cobre, ferro e de zinco.

7- A SOJA É UM ALIMENTO SAUDÁVEL.

Falso

A soja, mesmo quando não é transgênica, produz numerosas patologias documentadas na literatura científica há anos. Isto não é surpresa e a indústria da soja não tem desculpas, já que sabia que ela é patogênica há dezenas de anos. Por exemplo, ela sabia que a soja contém agentes bociogênicos há mais de 60 anos. Produz, demonstrativamente, um aumento de graves enfermidades que resumiremos a seguir.

A soja produz:

7.1 Alterações alérgicas, especialmente em crianças, e casos de alopecia. A proteína da soja se encontra em segundo lugar da lista de mantimentos que produzem alergias e produz 25% das reações graves.

7.2 Alterações do sistema nervoso. Envelhecimento acelerado do cérebro. Um artigo mencionado no dossiê perguntava se os fitos estrógenos apodreciam o cérebro? Não foi feita por nenhum repórter sensacionalista, mas sim por um investigador da USFDA do Centro Nacional de Investigações Toxicológicas. Menor função perceptiva, piores resultados nos testes e diminuição do peso do cérebro. Uma taxa maior que o dobro do Mal de Alzheimer, foi demonstrado em consumidores japoneses de tofu, como já informa na revista anteriormente. Um estudo realizado durante mais de 30 anos com 7.000 homens (Estudo de Exploração Epidemiológica do Hawai) demonstrou que o tofu acelerava a perda de peso cerebral em pessoas idosas e que quanto mais sojas ingeriam pior ficavam suas habilidades mentais. A soja atuava como uma droga, não como alimento disse o Dr. L White, de Honolulu Aging Study.

7.3 Alterações de comportamento. Aumento da ansiedade, do estresse, diminuição dos comportamentos sociáveis, aumento do comportamento agressivo e, paradoxalmente, também do comportamento de submissão em animais alimentados com soja. Que curioso! Exatamente o tipo comportamental de falta de solidariedade que promove o sistema.

7.4 Alterações do sistema imunológico. A genisteína tem efeito imunossupressor e produz alterações atróficas no timo. A exposição aos fitoestrógenos durante a gravidez e na lactação tem relação com a aparição de enfermidades auto-imunes nas crianças.

7.5 Alterações endócrinas. Em estudos que datam da década de 50, já se demonstrou que a soja causa transtornos endócrinos em animais.

A - Alterações do pâncreas. O dobro das crianças alimentadas com fórmulas de soja tem diabetes. Nota-se que há estudos que acusam a soja de produzir diabetes desde, pelo menos, 1986.

B - Alterações da tireóide.
A soja contém substâncias que debilitam a função da glândula tireóide. É bociogênica. A genisteína é um inibidor da peroxidase tireoidiana mais poderoso que os medicamentos normais antitireóideos. Tem-se descrito com:

-Aumento da TSH hipofisária em resposta a sua ação antitireóidea.

-Bócio difuso.

-Hipotireoidismo, com seus sintomas associados: constipação, letargia, fadiga, etc. Uma ação que por certo compartilha com o urinar e que é ignorada pelos usuários.

-Tireoidite auto-imune subaguda. As crianças alimentadas com fórmulas a base de soja têm o triplo de enfermidades auto-imunes da tireóide, segundo um estudo do Departamento de Pediatria do Hospital Universitário Cornell de North Shore Manhasset, Nova Iorque.

-Câncer na tireóide. O Dr. Michael Fitzpatrick, cientista meio-ambientalista e investigador dos xenoestrógenos, considera que os produtos derivados da soja podem aumentar o risco de câncer tireóideo. Encontrou-se bócio maligno nos animais experimentais alimentados com soja.

O mecanismo destas alterações é conhecido e está descrito na literatura científica ortodoxa: As isoflavonas da soja inibem a peroxidase tireóidea (TPO) necessária para fabricar hormônios tireóideos T3-T4. Uma delas, a genisteína, causa dano irreversível às enzimas que sintetizam os hormônios da tireóide, inibe as reações catalisadoras da peroxidase tireóidea.

C - A soja contém fitoestrógeno. Sua ação pode combinar com outros disruptores endócrinos e xenoestrógenos (para agravar a interferência com os mecanismos endócrinos naturais) responsáveis por:

-Alterações nos hormônios sexuais.

-Alterações do comportamento sexual, como por exemplo, menor receptividade nas fêmeas e diminuição da libido.

-Aparição da puberdade precoce. Desenvolvimento de seios e pêlo púbico em 48.3 % de afro-americanas de 8 anos, e há casos em que isto acontece aos 3 anos.

-Anormalidades congênitas no trato genital masculino.

-Diminuição da fertilidade. Em diversos animais se observaram efeitos sobre a reprodução, com aumento da infertilidade, além de enfermidades do fígado. A diminuição da fertilidade afeta a ambos os sexos.

-Diminuição de andróginos, da testosterona, do número de espermatozóides, aumento da próstata, e diminuição dos testículos.

-Além disso, há provas de que as isoflavonas da soja, genisteína e daidzeína, são genotóxicas para o esperma humano.

7.6 Aumento de má formação no nascimento como criptorquia, hipospádias, espinha bífida, pernas disformes ou ausência de algum órgão e de abortos.

7.7 Alterações do material genético.

Tem-se descrito alterações dos mecanismos reparadores naturais das aberrações cromossômicas e outras alterações negativas do DNA. Isto nos leva a outra das mentiras sobre a soja.

8- A SOJA PREVINE O CÂNCER.

As mulheres asiáticas têm menos câncer de mama porque consomem soja em lugar de proteínas animais.

Falso.

A soja NUNCA foi um substituto das proteínas animais e é utilizada de maneira diferente e moderadamente. Na Ásia a soja é consumida, na maior parte das vezes, como alimento fermentado, o que minimiza seus antinutrientes. É só um complemento alimentício utilizado fundamentalmente como condimento em forma de molho de soja e em outros produtos fermentados que não se comercializam nem são usados no Ocidente (missô – pasta feita da soja, shoyu – molho de soja, natoo – grãos fermentados de soja).

Além disso, há muitos outros fatores que não consideram simplistas os estudos que atribuem ao suposto consumo de soja a diminuição do câncer nas mulheres orientais. Por exemplo, um fator preventivo do câncer é o elevado consumo de algas na dieta japonesa. As algas Nori, Kombu, Wakame contêm vitaminas, fibras e proteínas. As duas últimas (as marrons), além de poderosos antioxidantes, possuem uma ação antibacteriana. Outro fator é o elevado consumo de ácidos graxos poliinsaturados provenientes do peixe, precursores da fabricação das prostaglandinas pacificadoras, como as denominavam a Dra. Kousmine, que são estimulantes da imunidade anticâncer. O consumo excessivo de soja não só não previne o câncer, mas também pode provocar os cânceres ginecológicos e tireóideos.

Tem-se descrito na literatura científica devido ao consumo de soja:

- câncer de pâncreas,

- maior taxa de câncer e leucemia infantil,

- maior risco de desenvolver câncer de mama,

- aumento de cânceres da vulva,

- aumento do risco de câncer na glândula tireóide,

- aumento da incidência de hiperplasia endometrial, estágio precursor do câncer de útero.

Além de tudo isso, no processamento da soja industrial:

- a solução alcalina produz lisinealina (que é um cancerígeno).

- os solventes utilizados deixam resíduos cancerígenos como o hexano.

- as altas temperaturas do processamento favorecem a formação de compostos cancerígenos e anulam a atividade dos ácidos graxos poliinsaturados a partir de 40 graus. A soja transgênica tem maiores níveis de estrogênios que a soja natural, portanto seus produtos derivados serão ainda mais tóxicos.

9- A SOJA REDUZ OS PROBLEMAS DA MENOPAUSA.

Falso.

Esta afirmação apóia-se no fato, até certo ponto correto, de que as mulheres asiáticas têm menos sintomas ao chegar à menopausa. Mas atribuir isto à soja é outra história... E isso é o que estão fazendo as multinacionais farmacêuticas e de produtos naturais, há anos, adestrando aos médicos para que repitam como triunfos que as isoflavonas da soja liberarão as mulheres dos sintomas da menopausa. Exatamente o mesmo que levam anos repetindo para vender a terapia hormonal substitutiva ocultando que, comprovadamente, produz aumento do câncer e de outras graves enfermidades. Há estudos que não só mostram sua ineficiência, mas demonstram que as consumidoras de soja padecem dos problemas de saúde mencionados anteriormente.

10- A SOJA DIMINUI A OSTEOPOROSE MENOPÁUSICA.

Falso.

Há estudos que demonstram não ter encontrado nenhum efeito das isoflavonas de soja sobre a massa óssea. Tampouco o mesmo estudo encontrou nenhuma diminuição das gorduras no soro, o que nos leva à mentira seguinte.

11- A SOJA REDUZ O COLESTEROL E O RISCO DE ENFERMIDADES CARDIOVASCULARES.

Falso.

Alguns estudos afirmam que a soja diminui o colesterol. Faz tempo que as medidas do alto colesterol foram desprezadas, inclusive na medicina ortodoxa, como indicadores de estados patológicos.

A diminuição do colesterol total não é benéfica para a saúde e está inclusive incriminada na aparição de enfermidades como a depressão e maiores taxas de suicídio. Além disso, a soja contém hemaglutinina, (fita-aglutinina ou lecitina) substâncias que promovem a formação de coágulos sangüíneos responsáveis por acidentes vasculares no cérebro, trombose, etc. A soja transgênica produz mais gordura no leite da vaca alimentada com soja. Deste modo os produtos lácteos tirados de animais alimentados a base de soja são ainda mais tóxicos.

12- AS FÓRMULAS INFANTIS A BASE DE SOJA SÃO SEGURAS.

Adere-se a esta afirmação:

1. O nível de fitoestrógeno nas fórmulas infantis a base de soja é baixo.

2. A maioria dos efeitos dos fitoestrógenos foi positiva.

3. O leite humano contém fitoestrógeno.

Falso.

É certo que o leite materno das mulheres que consomem produtos de soja contém fitoestrógeno, mas das que não consomem não os contêm. E se vier a conter, estão mais de 1000 vezes abaixo dos níveis existentes nas fórmulas de soja. Prestigiosas agências e associações de mantimentos infantis e dietéticos são culpadas de difundir as mentiras dos fabricantes de fórmulas de soja. As fórmulas infantis com base na soja são experimentos infantis de grande escala e sem controles. Devem considerá-los como um atentado criminal contra a saúde dos bebês em nome da nutrição infantil.

13- A SOJA É UM PRODUTO NÃO POLUÍDO.

Falso.

A soja está poluída por vários tóxicos bem identificados. Em primeiro lugar a soja está poluída pelos produtos químicos que se vendem no mesmo pacote aos agricultores. A soja tem as mais altas percentagens de contaminação por herbicidas tóxicos: Roundup (marca comercial do princípio ativo glifosato), glifosatos. Um exemplo significativo é que, na Argentina, para ocultar este fato, fez-se uma modificação na legislação das doses máximas plausíveis: De 0,1 partes por milhão até os anos 90, passou para 20 ppm como dose "aceitável" em meados de 90. Isto representa um aumento de 200 vezes o limite anterior; evidentemente é uma fraude científica por parte dos "peritos" e um atentado contra a saúde dos consumidores.

Em segundo lugar no isolado de proteína da soja (SPI), o produto contamina-se com diversas substâncias perigosas (a lavagem com ácido em tanques de alumínio polui o produto final). O alumínio está relacionado com o crescente surgimento do Mal de Alzheimer e outras enfermidades neurológicas. Também está relacionado com enfermidades novas como a miofascitis de macrófagos e a fadiga crônica como se está conhecendo, por exemplo, na França com o escândalo do alumínio contido nas vacinas, (pelos solventes que deixam hexano, um derivado do petróleo) por nitritos (que se formam durante a secagem por aspersão). Os nitritos se convertem em nitrosaminas que são cancerígenos reconhecidos.

14- A SOJA É UM PRODUTO NATURAL.

Falso.

Atualmente, a soja em sua maioria é transgênica. Quer dizer, é comida criada por engenharia genética e denominada comida “frankenstein”. Calcula-se que hoje 99% da soja são modificadas geneticamente nos USA, e mais de 95% é transgênica na Argentina. As companhias norte-americanas estão fazendo pressão em todo o mundo para impor seus cultivos. A soja é um experimento cujas conseqüências não se conhecem. Porém, entretanto, advertências não faltam. Esta intervenção não deve confundir-se com instruções anteriores sobre a ordem natural dos organismos vivos; como por exemplo, a criação de animais ou o cultivo e desenvolvimento de plantas; ou as mutações artificialmente provocadas.

Todos estes procedimentos anteriores atuavam dentro de uma única espécie ou de espécies muito próximas. O centro da nova tecnologia é o transportar genes de um lado para outro, não unicamente entre uma mesma linha de espécie, mas sim, atravessando as fronteiras que agora dividem os organismos vivos.

Potencialmente, poderia criar novas enfermidades em animais e plantas, novas fontes de câncer, e novas epidemias” disse o Dr. George Wald, Professor Emérito de Harvard, Prêmio Nobel de Medicina. "Tenho a impressão de que a ciência tem transposto uma barreira que deveria ter permanecido intacta, não pode simplesmente eliminar uma nova forma de vida... Viverão mais que você e que seus filhos e os filhos de seus filhos. Um ataque irreversível sobre a biosfera é algo tão insólito, tão inconcebível pelas gerações anteriores, que só desejaria que a minha não fosse a culpada disso" disse Erwin Chargoff, considerado o pai da biologia molecular. Refere-se à modificação genética como o "Auschwitz molecular" e considera a modificação genética de plantas e animais como uma ameaça para a sobrevivência humana.

Entre as companhias multinacionais que promovem a soja, nós encontramos em primeiro lugar a Monsanto, primeira a elaborar o lobby transgênico e fabricante da rbgh - hormônio de crescimento bovino. Monsanto não é a única multinacional implicada, também tem o Dupont-Pioneer (fabricante de proteínas de soja). Estas companhias fabricam produtos químicos para a agricultura, sementes e produtos farmacêuticos. No ano 2.000 Monsanto vendeu 16.877 milhões de dólares. Dupont, no mesmo ano vendeu 6.068 milhões de dólares. Syngenta, 34.590 milhões de dólares. Estes gigantes multinacionais, cujo poder financeiro faz parte do autêntico poder que governa o mundo, não estão interessados em que se conheçam estas informações,
lardeiam os benefícios da soja não só para a saúde como também para a ecologia.

15- OS BENEFÍCIOS DA SOJA ESTÃO APROVADOS PELA CIÊNCIA.

Falso.

Pelo contrário, é um exemplo da falsificação da ciência. Por exemplo: O programa de investigação sobre a soja e a saúde dedicou 4 milhões de dólares em subvenção para examinar somente os benefícios da soja sobre a saúde, excluindo os trabalhos que fossem em sentido contrário. Nele colaboraram os Institutos Nacionais da Saúde, NIH, os Conselhos Estatais sobre a Soja, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, USDA; a indústria da soja dirige as rédeas da investigação.

Congressos, trabalhos de investigação, másteres e publicações "científicas", são patrocinados pelas multinacionais da soja e dos transgênicos, cujo poder financeiro permite-lhes controlar os meios de comunicação internacionais, lançando campanhas na mídia para promovê-la juntamente com os transgênicos e as maravilhas da biotecnologia, como no caso da revista "Super Interessante" de fevereiro de 2004. Mas o mais grave é que seu poder lhes permite, inclusive, definir o que é ciência e o que não o é. Assim acontecem com os másteres científicos, cursos de pós-graduação de comunicação e meio ambiente ou de comunicação e medicina como denuncia nosso amigo o biólogo Edwin Parra.

A segurança da soja transgênica não está garantida. Já causaram acidentes reconhecidos. Por exemplo, a Administração de Mantimentos e Fármacos (FDA) ordenou destruir 17000 metros cúbicos de soja, porque poderia ter se misturado com alguns grãos de milho modificado geneticamente para produzir uma substância não comestível, possivelmente uma vacina veterinária. Nos Estados Unidos, a soja transgênica da Pioneer causou a morte de 27 pessoas e mais de 1.500 afetados. Os efeitos da soja transgênica sobre a saúde são ocultos e transcendem os efeitos negativos sobre o indivíduo. Tem-se comprovado experimentalmente, que o DNA transgênico ingerido em mantimentos, pode-se recombinar no estômago e no intestino humano, transferindo às bactérias da flora intestinal propriedades das plantas transgênicas, como por exemplo, a resistência aos antibióticos. E sabemos que esta resistência pode transmitir-se não só às bactérias da mesma família (transmissão vertical) como também às famílias distintas (transmissão horizontal) e também a indivíduos distintos que não estavam originalmente expostos, criando um problema muito grave.

16- O CULTIVO DA SOJA MELHORA A ECONOMIA DOS PAÍSES QUE A PRODUZEM.

Falso.

A promoção do cultivo da soja não aumenta só a concentração de capital das empresas multinacionais que o fomentam. Não é só um assunto de benefícios a curto prazo, é também uma arma geoestratégica cujos efeitos são alarmantes. A monocultura imposta da soja supõe um aumento da vulnerabilidade dos países que aceitaram as coações em substituir sua agricultura tradicional (destinada a alimentar a seu próprio povo) para serem produtores de soja e, portanto, uma submissão à nova ordem internacional ditada pelo IMF, pela OMC e pelas multinacionais que os governam com seu poder financeiro. Sua imposição é uma arma silenciosa que promove uma concentração do capital cada vez em menos mãos. Segundo o censo agrário Argentino, "entre 1991 e 2001 desapareceram ao redor de 160.000 pequenos produtores e como conseqüência, 6.200 proprietários possuem 49.6% do total da terra e 17.000.000 de hectares se encontram já em mãos estrangeiras”. (INDEC - Censo Nacional Agropecuário 2001.) Referindo-se à Argentina, Jorge Rulli, do Grupo de Reflexão Rural (GRR) afirma: "Estamo-nos transformando em dependentes, viciados na soja. Eu acredito que com isto a Argentina se antecipa à Alca (Área de Livre Comércio das Américas), no sentido de que fomos arrolados como país na divisão internacional do trabalho nos marcos da globalização. Um rol de produtores se soja... O atual modelo agropecuário, apoiado na produção de soja GM, está-nos transformando em uma ‘republiqueta sojera’. A monocultura está destruindo a segurança alimentar e a vida rural, e nesse sentido é a sala de espera da fome". A soja é uma arma contra a soberania alimentar de nações que eram amplamente autônomas do ponto de vista do auto-abastecimento alimentício como a Argentina, e que atualmente lhes obriga a importar mantimentos tais como leite, frangos, lentilhas, feijões, entre outros. O resultado é uma fome sem precedentes e a crescente dependência da ordem ditada pelas multinacionais e suas instituições. O exemplo argentino deveria servir para que outros povos do mundo entendessem quais serão "os benefícios" dos cultivos transgênicos, especialmente da soja que Monsanto, Syngenta, Dupont e demais multinacionais, proprietárias do negócio biotecnológico, pretendem impor. Deveria tornar evidente o álibi de suprimir a fome e as chantagens de seus organismos financeiros como o Fundo Monetário Internacional e a Organização Internacional de Comércio. O cultivo da soja transgênica fomenta a ditadura multinacional, a guerra contra os agricultores biológicos e contra a gente. Como se fosse pouco este sistema aberrante, fomenta uma ditadura transnacional de marcado caráter policial com poderes legais sobre a população que nem sequer sabe que existe e cujos direitos mais elementares foram desapropriados. Efetivamente, as multinacionais dos transgênicos têm conseguido criminalizar as vítimas de suas contaminações. Elas ganharam alguns julgamentos contra agricultores biológicos que tinham sido contaminados por seus produtos com a desculpa de não lhes haver pago seus royalties.

A extensão do cultivo da soja é parte da arma alimentícia. Mais que isto, a generalização do cultivo de soja transgênica poderia considerar-se como uma arma biológica que assassina silenciosamente uma parte da população. Pode parecer uma afirmação exagerada, mas não o é se considerarem que a soja é uma arma para depauperar ainda mais aos pobres. É uma arma para aumentar a fome. E a fome produz SINA: Síndrome da Imunodeficiência Nutricional Adquirida, e morte. Esta síndrome não afeta só a geração que a padece.
Apesar de não ser infecciosa, há trabalhos que demonstram sua extensão às gerações seguintes embora estejam bem alimentadas, conforme a apresentação do Dr. Roberto Giraldo em sua intervenção sobre SINA e África durante as jornadas "Contra a censura na ciência" que organizamos em Barcelona. Para quem são os benefícios é evidente. Os benefícios são para as multinacionais que a produzem. Mas o que já não é tão evidente é que estas mesmas multinacionais matarão dois pássaros com um tiro: Obtêm fabulosos benefícios e limpam o terreno para seguir obtendo-os. O terreno é o importuno excedente de população, especialmente na África e América do Sul. Dizia cinicamente o embaixador dos EUA na Espanha: "sobra a metade da população". O que não disse é para quem sobravam. Mas está bem claro: Sobram para poderosos que são uma minoria cada vez mais reduzida de ricos brancos que acumulam a maioria dos recursos do planeta. Nos últimos anos se produziu um aumento crescente das desigualdades e da fome. A arma alimentícia é parte da estratégia dirigida pelos poderosos que necessitam menos gente no planeta. A forma mais evidente de consegui-la é a guerra, mas não é a única, embora sejam radiativas como as 3 últimas e sigam assassinando para sempre, depois de acabadas oficialmente. A arma alimentícia é outra de suas estratégias e a soja transgênica é uma delas. Recordemos que, como explicamos anteriormente, além de promover a fome, a soja tem efeitos de diminuir a fertilidade.


Referencias bibliográficas:

- Investigación actual: "Las embarazadas no deberían tomar productos de soja". Sobre los antinutrientes presentes en la soja y objeciones de los propios expertos de la FDA: A. Embid "Más argumentos en contra de la soja".

- Guy R A Chinese Med J. 1936; 50:434-442.

- Guy R A and Yeh KS. Chinese Med J. 1938;54:1-30

- Nagata C, Takatsuka N, Kurisu Y, Shimizu H, J Ntr 1998, 128:209-13
"El envejecimiento cerebral y el consumo de tofu en la madurez". Lon R. White,Helen Petrovitch,G. Webster Ross, Kamal Masaki,John Hardman, MD, James Nelson, MD, Daron Davis, MD and William Markesbery, MD. Journal of the American College of Nutrition, Vol. 19, No. 2, 242-255 (2000).

- True Health, the magazine of Carotec Inc., Naples, Florida. Mayo/Junio, 2004.

- Un aumento del comportamiento agresivo y una disminución del comportamiento afiliativo en monos macho adultos tras un consumo prolongado de dietas ricas en proteínas de la soja e isoflavonas. Simon NG, Kaplan JR, Hu S, Register TC, Adams MR., Horm Behav. 2004 Abril;45(4):278-84.

- El contenido de isoflavonas de la soja en la dieta de la rata puede aumentar la liberación de hormonas de la ansiedad y el estrés en la rata macho.

Hartley DE, Edwards JE, Spiller CE, Alom N, Tucci S, Seth P, Forsling ML, File SE. Psychopharmacology (Berl) 2003 Mar 5;

- Una temprana exposición a la genisteína ejerce efectos a largo plazo sobre los sistemas endocrino e inmune en ratas. Klein SL, Wisniewski AB, Marson AL, Glass GE, Gearhart JP. Mol Med 2002 Nov;8 (11):742-9

- El fitoestrógeno genisteína provoca cambios en el timo y en el sistema inmune: ¿Una preocupación para la salud humana? Srikanth Yellayi, Afia Naaz, Melissa A. Szewczykowski, Tomomi Sato, Jeffrey A. Woods,

Jongsoo Chang§, Mariangela Segre¶, Clint D. Allred§, William G. Helferich§,, and Paul S. Cooke Proc. Natl. Acad. Sci. USA, Vol. 99, Issue 11, 7616-7621, May 28, 2002.

- La lactancia materna y la alimentación con fórmulas de soja en la temprana infancia y la incidencia de la enfermedad autoinmunes de la tiroides en niños. Fort P, Moses N, Fasano M, Goldberg T, Lifshitz F. Department of Pediatrics, North Shore University Hospital-Cornell University Medical College, Manhasset, New York 11030. Am Coll Nutr 1990 Abril;9 (2):164-7
- "Antityroid isoflavones from soy bean: isolation, characterization an mecanism of action" Oivi RL, y col. National center for toxicology and research, Jeffersson, AR 72079, USA, Biochem Pharmacology,1997 Nov., 54:10, 1087-96

- "Breast and formula feedings in early infancy and the prevalence of autoinmune tyroid disease in childrens." Fort P. y col. Journal of American Col. nutrition 1990 Abril, 9:2, 164-7. Arias Montse. Los alimentos transgénicos malos para ti y para el planeta, Los alimentos transgénicos: peligrosos y antidemocráticos

- Oligopolio, S.A. Concentración del poder corporativo: 2003,Communiqué

noviembre/diciembre 2003 no. 82

- Silvia Ribeiro. ETCgroup. Transgénicos: verdades y suposiciones. Noviembre 29, 2004

- Alberto J. Lapolla. "Argentina: del granero del mundo al hambre generalizada, de la mano del monocultivo de soja transgénica." Rebelión. 1 de abril 2004.

- IDEP, cifras de distribución del ingreso en la Argentina, Nov. 2003.

- Soja. La conquista silenciosa.Ilse Oeschlager - Demarest. Weston A. Price Foundation

- ¿Soja solidaria o apartheid alimentario? El negocio del hambre en Argentina. Benjamín Backwell y Pablo Stefanoni.
[S][A]
Vera Falcão[S][A]
05/09/06
- Don Fitz Genetic Engineering. Z Magazine, octubre de 1999.

- Alberto Lapolla. op. cit

- Charles Benbrook "los OMG necesitan más pesticidas y no menos." The Ecologist, en español. Abril 2004.

- Transgénicos: verdades y suposiciones Silvia Ribeiro. ETCgroup Noviembre 29, 2004

- Walter Pengue, Argentina: Soja ¿El grano de la discordia?, febrero de 2004.

- Jorge Kaczewer, "Toxicología del glifosato: riesgo para la salud humana".

- Transgénicos: verdades y suposiciones. Silvia Ribeiro. ETCgroup. Noviembre, 29, 2004

- Edwin Parra. "Educación y especialización, una lavandería de cerebros". The Ecologist, en español nº 17 pgna. 56-57.

- Silvia Ribeiro. & UACUTE "Cuando el maíz se podía comer". La Jornada, México, 31/12/2002

- Silvia Ribeiro "¡También en el estómago!" La Jornada, México, 27 de julio 2002

- ¿Soja solidaria o apartheid alimentario? El negocio del hambre en Argentina. Benjamín Backwell y Pablo Stefanoni EcoPortal.

Link: Sistema Adventista de Notícias



S
oja, símbolo da destruição da natureza
Por Vandana Shiva (*)

Nova Délhi, setembro/2006 – Há cinqüenta anos nenhuma
cultura do mundo comia soja, então, nos Estados Unidos
começou a ser colocada em 70% dos alimentos
industriais. Atualmente, está em 60% de todos os
alimentos processados. A promoção do uso alimentar da
soja é uma enorme experiência apoiada por US$ 13
bilhões em subsídios do governo norte-americano entre
1998 e 2004 e por USS% 80 milhões ao ano que aporta a
indústria desse país. Como resultado deste experimento
da natureza, a cultura e a saúde das pessoas estão
sendo destruídas. A humanidade se nutriu através de
sua evolução com mais de 80 mil plantas comestíveis, e
com cerca de três mil delas de forma constante.
Atualmente depende de apenas oito cultivos para
fornecerem 75% dos alimentos no mundo.

Em 1988, o óleo comestível autóctone da Índia, feito
com semente de mostarda, polpa de coco, linhaça e
amendoim, tudo isso processado a frio em moinhos
artesanais, foi proibido com a desculpa de proteger a
“segurança alimentar”. Simultaneamente, foram
levantadas as restrições para a importação de óleo de
soja, o que ameaçou os meios de vida de 10 milhões de
agricultores. Foram fechados um milhão de moinhos de
óleo. Mais de 20 agricultores perderam a vida quando
protestavam contra o dumping da soja no mercado
indiano, que havia provocado uma baixa acentuada dos
preços do óleo e cultivos locais. E milhões de
toneladas de óleo de soja geneticamente modificada
vendido a preços artificialmente baratos continuaram
inundando o mercado indiano.

As mesmas companhias responsáveis pelo dumping da soja
na Índia - Cargill e ADM- estão destruindo amplos
setores da região amazônica para plantar soja. Milhões
de hectares de selva tropical estão sendo queimados
para receber esse cultivo destinado à exportação.
Enquanto as pessoas no Brasil e na Índia vêem com são
ameaçados seus meios de vida pelo fomento da
monocultura que beneficia as grandes agroempresas, as
pessoas nos Estados Unidos e na Europa também sofrem
indiretamente uma ameaça, pelo fato de 80% da soja
serem destinados à alimentação do gado para obter
carne barata, o que destrói tanto a selva pluvial do
Amazonas quanto a saúde das pessoas nos países ricos.
A soja tem um alto nível de isoflavonas e de
fitoestrógenos, o que produz desequilíbrios hormonais
nos seres humanos. As monoculturas afetam tanto os
subalimentados quanto os superalimentados.

Um bilhão de pessoas carecem de alimentos suficientes
porque as monoculturas industriais tiram seus meios de
vida na agricultura. Além disso, 1,7 bilhão sofrem de
obesidade e doenças vinculadas com a alimentação. Ao
depender de monoculturas, o sistema alimentar se torna
cada vez mais dependente dos combustíveis de origem
fóssil utilizados para os fertilizantes sintéticos, o
funcionamento de grandes maquinas e transporte a longa
distâncias. Ir além das monoculturas se converteu em
um imperativo para acertar o sistema alimentar
mundial. As pequenas propriedades produtoras com
diversidade biológica têm uma produtividade mais alta
e geram maior renda para os agricultores. E as dietas
com produtos de cultivos biodiversos proporcionam
melhor nutrição.

O controle das grandes corporações empresariais sobre
a agricultura mundial leva à monocultura. A liberdade
alimentar dos cidadãos depende da biodiversidade. A
liberdade humana e a liberdade de outras espécies se
reforçam mutuamente, e não ao contrario. Em nossos
tempos a soja se converteu em um símbolo de uma
economia que destrói a natureza e as culturas
autóctonas.

Simboliza o afastamento da natureza e de
nossos próprios corpos. Simboliza cobiça e controle.
Através da soja, as corporações globais como Monsanto,
Cargill e ADM se apoderam do controle das terras e da
biodiversidade. A Monsanto tem uma longa série de
patentes sobre a soja modificada geneticamente.

Não estamos perdendo apenas o Amazonas, que pode
desaparecer em 2080 se continuarem os atuais níveis de
desmatamento, segundo o dr. Fphilip Fearnside, mas,
também estamos destruindo o clima do planeta. O
Amazonas é o pulmão e o coração da Terra. Além de
fazer baixar o nível de carbono na atmosfera, ajuda a
melhorar o clima e acrescentar umidade aos ventos
alísios. Na medida em que as florestas desaparecem se
reduz a umidade e aumentam as secas. Na seca de 2005
os níveis do rio Amazonas, que normalmente podem cair
entre 30 e 40 pés, baixaram 51 pés. Em um ponto do
rio, no Acre, seu leito podia ser cruzado a pé.

Ao “comer-se” o Amazonas para obter carne barata e
soja barata as corporações agrocomerciais, com a
Cargill, estão, de fato, “comendo” o planeta. Se
queremos evitar uma total catástrofe ecológica e
humana, precisamos abandonar o primitivo modelo
econômico de acúmulo, que destrói e consome para criar
“crescimento”. E somente as culturas autóctones podem
nos ensinar como viver de forma diferente, de modo que
as diversas espécies e as diversas culturas possam
florescer em nosso planeta. (IPS/Envolverde)

(*) Vandana Shiva, autora e militante internacional em
campanhas pela mulher e pelo meio ambiente, recebeu em
1993 o Right Livelihoof Award, prêmio alternativo ao
Nobel.

Convergêcia da Soja

Até os idos dos anos 70, acreditem: a soja era pouco conhecida no
Brasil. A introdução deste exótico feijão em nosso país pode ter
sido por volta do final do século XIX.
O que o marketing conseguiu fazer deste produto - a melhor coisa que a indústria alimentar jamais poderia ter produzido - é espetacular.
Fez um vegetal impróprio para a alimentação humana até meados do
século passado se tornar a síntese da comida saudável, sendo
adicionado a praticamente tudo que se come no mundo ocidental. Um
fenômeno, sem dúvida.

Antes da soja ser a dominância absoluta da paisagem agrícola de
grande parte do solo produtivo do sul do Brasil, o produtor rural
poderia produzir quase tudo o que comia. Era muito simples, poderia
produzir alimentos que iriam do campo para a mesa ou para os
mercados das cidades próximas. Como se sabe a soja não sai do campo para a mesa. Precisa ir para a indústria de transformação, produção alimentícia, rede de distribuidores intermediários e pontos de venda. O plantador fornece um poderoso insumo de uma gigantesca máquina mercantil, e só come seu produto após chegar ao
supermercado. Super vantajoso... para o setor secundário e
terciário, evidentemente.

Para validar esta formidável transformação ecológica foi criado um
dos maiores mitos da saúde aplicada à alimentação. Isto validou uma
corrupção no senso comum atual, que foi construída em cima de meias
verdades, pesquisas incompletas, sofismas históricos, coaptação de
um idealismo new age (naturalismo dogmático, purismo vegetariano
etc...) e milhões de dólares em propaganda.

Tudo começa quando se estuda a história da soja do Oriente.
Era um dos cinco grãos sagrados, mas não para comer, mas sim para fixar nitrogênio no solo para favorecer o plantio dos grãos comestíveis.
Só se transformou em algo comestível a partir das descobertas das
técnicas de fermentação com sulfato de cálcio ou magnésio (por volta de 200 AC), quando surgiu o misso e o tofu, sempre comidos com proteínas animais, já que só assim este novo alimento seria seguro.

A proteína isolada de soja jamais foi conhecida na tradicional
comida oriental pelo singelo fato de só ser possível sua existência
após as técnicas industriais do século XX no ocidente. Assim a
famosa carne de soja é um brinde tecnológico que nunca foi a base
alimentar oriental. Alias no Japão e China a média do consumo de
soja não passa de duas colheres de chá por dia (consumida nos
complementos alimentares). O consumo majoritário da soja só ocorria em monastérios de monges celibatários vegetarianos, visto que ela é um excelente supressor da libido.

Sally Fallon e Mary Enig, excepcionais estudiosas da área da
nutrição que chegaram a impressionantes resultados em pesquisas a
respeito das tradições alimentares, fizeram um incrível relato de
suas pesquisas sobre a soja.

Alguns dados são assustadores:
a alimentação baseada em soja para crianças afeta de modo dramático as taxas de hormônios femininos, na forma de fitoestrogênios, que chega a ser 22.000 vezes maiores que as normais (em meninos e meninas, sendo comparado a ingestão de cinco pílulas anticonceptivas por dia). Mães vegetarianas usuárias deste tipo de alimento afetam sua prole de modo similar ao terrível dietilbestrol dos anos 50.

O fitohormonio isoflavona está longe de ser saudável.

Os antinutrientes da soja são perigosos em vários aspectos para ossos, tireóide, sistema cardio vascular, e sistema imuno-endócrino. E possivelmente seja um incrementador de vários tipos de câncer, (mama, entre outros).
A convergência da soja está a serviço de um interesse óbvio para
qualquer observador da área econômica. Centralizar o máximo possível a indústria alimentar em único produto chave, e este produto ser de propriedade de poucos - haveria melhor negócio?

Atualmente a soja transgênica é posse de duas empresas apenas. É tão poderosa esta engrenagem, que o governo brasileiro legalizou a produção obtida a partir de sementes vindas do comércio ilegal. (Imagine se pessoas comuns resolvessem se beneficiar de frutos de comércio ilegal?)
A busca pela saúde passa naturalmente pela questão alimentar, no
entanto não devemos esquecer uma máxima de economia básica: não há
negócio mais garantido do que vender alimentos, já que todos precisamos comer. Infelizmente estamos numa fase de tremendo obscurantismo no conhecimento do que realmente é saudável para comermos, visto que a confusão tem sido a estratégia assumida por
este setor produtivo.


Conhecer as tradições alimentares, principalmente pelos povos que
estavam verdadeiramente integrados aos seus ambientes ecológicos
pode ser o óbvio ponto de partida para não cairmos em verdadeiros
contos do vigário como aquela propaganda super mal intencionada dos óleos vegetais: "este produto não contém colesterol". Enquanto o
lucro for mais importante que a verdade, dificilmente a saúde será o comum no dia a dia em nossa sociedade.

(Dr José Carlos B Peixoto, médico)
(Based on the article: "Newest research on why you should avoid soy" by Sally Fallon & Mary Enig, from Nexus Magazine, vol 7 (April-May 2000), available on:
http://www.mercola.com/article/soy/avoid_soy.htm)


Nem transgênica, nem natural

Apesar da forte mídia em favor do uso da soja, podemos hoje em dia, usando novos conhecimentos e o velho, mas esquecido bom senso, dizer que não há porque se preocupar com a soja transgênica, já que a soja em si pode ser um grave equívoco quando pensamos em alimentação natural ou suplementos alimentares para melhorar a saúde.

Em outubro de 1999 o FDA (órgão fiscalizador dos medicamentos e alimentos nos EEUU) aprovou uma propaganda nos alimentos que tivessem baixa quantia de gordura saturada e colesterol. Era o que o maior conglomerado industrial americano precisava para dar os contornos necessários para a consolidação da soja no mercado mundial. A fantasia popular é de poder ter um produto que represente saúde e boa alimentação. A necessidade da indústria, de todo o setor secundário que vive do agronegócio é ter um “commodity” em cujo entorno seja investido todo o conhecimento tecnológico possível (agrotóxicos, tecnologia de produção, aditivos para qualificar sabor, textura etc.)

A soja é esta síntese.

Se apoiou numa estratégia de marketing super engenhosa que envolveu desde a medicina até grupos new age.

Alimentou ou alterou verdades. Foi sendo incrementada por décadas. O vilão mais óbvio foi o colesterol. O ingênuo útil foi o movimento vegetariano, o mais forte “apoiador” da concentração absoluta do poder de produção agrícola, e da plantação de transgênicos, em todo o mundo. O lado obscuro da “rainha” alimentar usou e abusou de naturalistas alimentares. Os naturalistas se esqueceram de se perguntar se alterar de forma tão “carnívora” a paisagem do Rio Grande do Sul, com uma praga não alimentar como a soja seria uma atitude ecológica. Eles também se esqueceram de perguntar como viviam os verdadeiros homens naturais das Américas antes da invasão e destruição que os europeus introduziram de norte a sul no novo continente.

Os naturalistas new age, numa lógica higienista e purificadora típica da Santa Inquisição, também não se perguntaram como poderiam aproveitar os mais de 4000 vegetais nativos que poderiam de forma harmoniosa dar alimento e equilíbrio ecológico ao Brasil. Apoiaram ingenuamente a destruição maciça do natureza local. Estes mesmos naturalistas alimentares também deixaram de entender a inata biologia humana, e devem supor que os esquimós (que praticamente não comem vegetais e têm ótima saúde cardíaca) são um equívoco de Deus e não deveriam existir. Ou que os “malsais” (povo africano com os melhores perfis de colesterol do planeta), que só se alimentam daquilo que o pobre natureza local lhe oferece (carne e leite gordo de um bovino local), jamais deveriam ter a concessão da vida. Devem, no entanto, entender que a Monsanto e seus aliados produzem soja para o seu bem estar e para a salvação de suas frágeis saúdes. Equívocos em todas as frentes.

A medicina tem sido uma outra força de apoio importante. Hoje em dia, qualquer produto alimentar quer ter o status de medicamento. Isto possivelmente se baseia na idéia obscura de que o ser humano é vítima fácil de alvos maléficos externos. Como não seria possível se livrar desses ofensores, nós seríamos protegidos pelos alimentos. Hoje em dia se procura comida que combata ao câncer e a velhice. O homem não cogita em mudar a si mesmo e o seu jeito pervertido de manejar o meio ambiente. Não quer saber se não seria ele próprio a causa de suas doenças. Numa lógica paranóica, busca protetores que possam ser ingeridos. Naturalmente estes produtos tem que ser comprados. Rendendo muito a quem produz e vende.

Na contra-mão do FDA americano, o DOH da Inglaterra (Departamento de saúde) através do seu comunicado a todos os médicos do Reino Unido (CMO’s Update 37, de Janeiro de 2004) adverte que não se deva utilizar alimentos infantis baseado em fórmulas com soja (o famigerado leite de soja) como escolha para aquelas crianças que tenham qualquer dificuldade com a ingestão de leite de vaca (alergia, intolerância etc.), e muito menos para crianças saudáveis, tendo em vista que a alta concentração de fitoestrogênios que tais fórmulas contém pode ser perigosa a longo prazo para a saúde reprodutiva destas crianças.

Existem outros estudos que falam de outros potenciais problemas, mas este parece ser o primeiro a ser reconhecido por um órgão oficial dos países aliados à soja. Um castelo de areia – a santidade da soja - está começando a desmoronar. Não seria um problema, se isto não significasse o quanto a saúde de muita gente já pode te sido danificada nas últimas décadas às custas da ganância do homem, que há séculos destrói muito mais do que ele acha que construiu, lastreada em uma ciência subserviente, totalmente ancorada às demandas do consumismo.

(Para mais informação consulte: www.sacn.gov.uk ou www.foodstandards.gov.uk)



(José Carlos B Peixoto, médico, 050604)

Recolha de Vera Falcão no Orkut

0 comentários: