Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

segunda-feira, 9 de abril de 2007

O que há de novo sobre as gorduras?


Durante mais de uma década as gorduras foram alvo das mais duras acusações. Que fossem consumidas em pequenas quantidades, era a regra (independentemente de ser azeite, manteiga, óleo ou gordura hidrogenada). Saiba “distinguir o trigo do joio”.

A ideia, transmitida durante anos, de que as gorduras deveriam ser evitadas a todo o custo, baseou-se em observações repetidas da grande prevalência de doenças coronárias em países ocidentais, onde o consumo de gorduras é elevado (mais de 40% das calorias diárias fornecidas pelas gorduras).

Contudo, esta relação diz respeito apenas às gorduras saturadas e não tanto à quantidade total de gorduras da alimentação.

Nos países como a Grécia e outros da bacia mediterrânea, apesar do consumo de gordura ser aproximadamente da mesma ordem (40% do total das calorias), a população apresenta pequena incidência de doenças do coração.

A grande diferença entre estes dois casos reside no facto da dieta mediterrânea conter grandes quantidades de azeite e peixes gordos (ambos fontes de gorduras monoinsaturadas e poliinsaturadas) ao contrário do que se passa na dieta ocidental, que privilegia o consumo de carne (fonte de gorduras saturadas).

O que se seguiu a essa mensagem …

Por acharem difícil educar a população em relação a estas subtilezas das gorduras, muitos nutricionistas acharam que a melhor forma de diminuir o consumo das gorduras más (saturadas) seria recomendar uma diminuição geral de todas as gorduras. Assim, a mensagem clara de que “as gorduras são más” influenciou muitas das escolhas das pessoas, que passaram a ingerir mais hidratos de carbono.

Infelizmente, a indústria alimentar aproveitou-se desta situação e desenvolveu um sem número de produtos ricos em hidratos de carbono refinados, açúcar e gorduras hidrogenadas ou trans (a que sabiamente chamam “vegetais”, por saberem que este termo significa, na cabeça de muitas pessoas, “gorduras boas”).

Realidade científicas incontestáveis …

O risco de desenvolver doenças cardiovasculares é fortemente influenciado pelo tipo de gordura consumida: a ingestão de gorduras trans aumenta substancialmente o risco, e as gorduras saturadas aumentam-no de forma mais moderada. Do lado oposto, temos as gorduras monoinsaturadas e as poliinsaturadas que diminuem o risco de sofrer de doenças cardiovasculares.

As gorduras trans e as saturadas são nefastas para a saúde do coração porque elas influenciam negativamente os níveis de colesterol no sangue (aumentam o colesterol total e o LDL ou “mau colesterol”, e diminuem o “bom colesterol” ou HDL).

As gorduras saturadas encontram-se nas carnes, em especial as gordas, na manteiga e nos produtos lácteos (os lacticínios magros ou meio gordos têm menor quantidade de gorduras saturadas). As gorduras trans ou hidrogenadas estão presentes em muitas margarinas, alimentos fritos e uma infinidade de alimentos prontos (e fáceis!) a consumir: bolachas, bolos embalados, snacks, refeições prontas a consumir, etc.

As principais fontes de gorduras insaturadas (mono e poliinsaturadas) são os óleos vegetais (excepto os de coco e de palma), o azeite, o peixe, as oleaginosas (noz, amêndoa, amendoim, caju, avelãs, etc.) e as sementes (de sésamo, de linho, girassol, abóbora, etc.).

Os ácidos gordos ómega-3 são um tipo de gordura poliinsaturada com alegados benefícios nos níveis de colesterol sanguíneo, entre muitos outros.

E a gordura é realmente a culpada pela obesidade??

Outra culpa atribuída durante anos às gorduras era o facto de estarem implicadas na obesidade.

As gorduras (independentemente de serem saturadas ou insaturadas) fornecem de facto muitas calorias (9 calorias por cada grama de gordura) e o seu processo de armazenamento nos adipócitos é mais fácil do que no caso da conversão de hidratos de carbono em gorduras. No entanto, estes factos não têm tanta importância como se pensou durante muito tempo.

A melhor forma de evitar o excesso de peso/obesidade é limitar o consumo total de calorias (fornecidas por todos os alimentos que são ingeridos ao longo do dia), e não apenas as calorias fornecidas pelas gorduras, e ajustá-las às necessidades (dependentes em grande parte da actividade física que realiza).

A gordura é essencial …

Uma forma de diminuir o consumo das gorduras saturadas consiste em substituir alimentos como a carne vermelha por peixe, aves, nozes e sementes, em muitas refeições. As nozes (e restantes oleaginosas), para além de conterem gorduras saudáveis, possuem quantidades elevadas de proteínas. Podem por isso substituir o bife numa refeição principal.

As gorduras alimentares têm funções muito importantes no organismo. São uma excelente fonte de energia concentrada e são as transportadoras de vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K). As gorduras são essenciais às estruturas das membranas celulares, para além de serem percursoras de muitas hormonas.



Fonte: Florbela de Jesus Guerreiro Mendes Nutricionista

  • Licenciatura em Nutrição e Engenharia Alimentar (1996), pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde - Sul (ISCS)
  • Curso de Pós Graduação em Nutrição (1999/2000), do ISCS- sul em parceria com a Universidade Autónoma de Barcelona.

0 comentários: