Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

quinta-feira, 12 de abril de 2007

Brasil precisará de 'décadas' para se adaptar a aquecimento, diz secretário


Amazônia ao anoitecer
Segundo o texto original, 25% da Amazônia pode sumir até 2080
O secretário interino de Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, Ruy de Góes, diz que a adaptação do Brasil aos efeitos do aquecimento global vai levar décadas de trabalho e terá que ser incorporada ao planejamento de todas instâncias de governo daqui para a frente.

"Temos que ter um enorme sentido de urgência, atuar com a maior rapidez possível nas medidas de mitigação, mas ao mesmo tempo a adaptação é uma tarefa para esta e para as próximas gerações. É isso o que tem que mudar na cabeça dos governantes em geral", afirmou em entrevista à BBC Brasil.

Na linguagem do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), que divulgou na sexta-feira passada seu segundo relatório sobre os efeitos da mudança climática, adaptação são as medidas que a sociedade terá que tomar para que os seres humanos consigam conviver com as mudanças.

E mitigação são as medidas que serão tomadas nos próximos anos para reduzir a emissão de gases que causam o aquecimento global.

Góes diz que os dados sobre o risco de desaparecimento da Amazônia já eram conhecidos do governo brasileiro, que tem uma proposta em estudo pelos outros países para ser compensado para combater o desmatamento.

Leia abaixo a entrevista com o secretário:

BBC Brasil - Uma das conclusões dos estudos é que de 10% a 25% da Amazônia pode desaparecer até 2080. Foi uma surpresa ou já era esperado?

Ruy de Góes - Não chegou a ser uma surpresa. Nós já estamos acompanhando os estudos e temos também nossos próprios estudos, que já apontavam dados bastante preocupantes sobre a Amazônia, a fragilidade dos ecossistemas brasileiros devido às mudanças climáticas. Mas é claro que as previsões vão se refinando ao longo do tempo. O relatório brasileiro não quantificava, mas já mostrava os riscos de "savanização" de parte da floresta. E é preciso ressaltar que quando se fala que a Amazônia vai virar cerrado é uma interpretração errônea, porque o cerrado é um ecossistema muito rico e o que haverá é uma savanização com uma vegetação empobrecida.

BBC Brasil - Houve muitas críticas ao resumo político do relatório divulgado na semana passada, que teria sido suavizado, inclusive na parte referente à destruição da Amazônia. Qual é a avaliação do Ministério do Meio Ambiente?

Góes - Este relatório é sujeito a consenso. E qualquer discussão que envolva consenso acaba sendo suavizada. Mas isso não diminui a gravidade do problema. Os dados são públicos, os relatórios estão disponíveis na internet, a imprensa divulgou os dados. Não me preocupa tanto o fato de ter sido suavizado. Estes dados estão colocados na mesa.

BBC Brasil - Isso não pode ser usado como desculpa pelos países que não estão tão interessados em agir, alegando que a conclusão "não é assim tão grave, não diz que a Amazônia vai acabar"?

Góes - Alguns países são excessivamente cautelosos em relação ao fenômeno. Como os Estados Unidos, que se recusam a assinar o Protocolo de Kyoto. E o que é mais preocupante é que ações os países vão tomar a partir de agora. O relatório aponta para a extrema urgência e necessidade de tomar medidas muito mais radicais do que as preconizadas no Protoloco de Kyoto. O que saiu mostra a gravidade do problema suficientemente. O relatório é bom.

BBC Brasil - Algumas regiões do planeta vão ficar mais férteis com o aquecimento. O Brasil perde mais ou ganha mais com a elevação da temperatura?

Góes - Perde mais. Porque, nas regiões mais úmidas (região Sudeste), as precipitações tendem a aumentar. No semi-árido, a tendência é desertificação. Aumentam as disparidades regionais. Pode aumentar a produtividade da soja em algumas regiões. Mas o mundo como um todo perde. O efeito nos países pobres é maior do que nos países ricos.

BBC Brasil - A ministra Marina Silva fez na reunião de Nairóbi, em novembro, uma proposta de compensação pela preservação da Amazônia. Como está esta proposta?

Góes - A proposta foi bem recebida. Houve uma reunião em março na Austrália para discutir as propostas. Estamos bem otimistas em relação aos resultados. A proposta prevê que os países que evitarem o desmatamento serão compensados por isso, já que os custos de evitar o desmatamento são muito altos.

BBC Brasil - Neste relatório, não houve análises sobre os riscos para a saúde das pessoas no Brasil decorrentes das mudanças climáticas, por causa da falta de dados. Isso não dificulta a elaboração de políticas para reduzir esses efeitos?

Góes - Dificulta. E isso não é só o Brasil. Os países mais pobres têm uma enorme carência de dados. Temos que identificar as lacunas de informação para cruzar com as vulnerabilidades e, a partir de agora, construir uma base de dados para olhar nas próximas décadas. É um banco de dados que só tem sentido em um horizonte de tempo de décadas. É este horizonte que a gente tem que se acostumar a trabalhar.

Temos que ter um enorme sentido de urgência, atuar com a maior rapidez possível nas medidas de mitigação, mas ao mesmo tempo a adaptação é uma tarefa para esta e para as próximas gerações. É isso o que tem que mudar na cabeça dos governantes em geral. Do Brasil e dos outros países, Estados e municípios. Vamos ter que passar a incorporar isso nos mecanismos de planejamento.

BBC Brasil - E no caso do Brasil, onde os governantes têm dificuldade em planejar além do próprio governo, isso é difícil, não?

Góes - Para todos nós é difícil. Para nós, enquanto pessoas, é difícil pensar em um mundo que está em mutação. A gente está acostumado a ter planejamento para quatro anos. E isso não é só o Brasil. Os governos de um modo geral têm a prática de olhar os próximos quatro anos e enfatizar pouco o planejamento de longo prazo.

BBC Brasil - E o governo brasileiro está preparado para isso?

Góes - Acho que este ano é o ano da virada. É o ano em que as mudanças climáticas podem ocupar um lugar na agenda que não ocupavam antes. O ano em que se muda o grau de prioridade que se dá a isso. Até mesmo no Ministério do Meio Ambiente a partir deste ano houve um grau de prioridade para mudanças climáticas que não tinha antes. O grau de prioridade aumentou.


Fonte BBC Brasil

0 comentários: