Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

sexta-feira, 21 de março de 2008

Preservar áreas não construídas é a melhor defesa ao aumento dos mares

Com oito mil quilômetros de costa, o Brasil pode sofrer grandes impactos com o aumento do nível dos oceanos. A preservação das áreas ainda não construídas é hoje a melhor maneira de adaptação para as cidades costeiras, uma vez que há pouco o que se fazer com relação às áreas já edificadas. "É um problema difícil e complexo, mas com uma boa gestão pode ser levado adiante", afirma o geólogo Norberto Olmiro Horn Filho, que coordena o Curso de Oceanografia da Universidade Federal de Santa Catarina.

A faixa mínima de 50 metros de distância dos mares para construções urbanas estabelecida pelo Projeto Orla é citado por Horn como exemplo a ser seguido para proteger as cidades de mudanças nos níveis dos oceanos.

O Projeto Orla, criado em 2001 pelo Ministério do Meio Ambiente, identifica as principais demandas na orla brasileira e propõe ações para preservar os ecossistemas e promover um crescimento urbano sustentável, que responda aos desafios do uso e ocupação de forma desordenada e do aumento dos processos erosivos. Hoje, 58 municípios em 14 estados participam do projeto.

Horn esclarece que é preciso preservar toda a zona costeira, que, além da orla, é composta pela planície adjacente (área terrestre até 60 metros de altura do nível do mar) e pela plataforma continental, a porção dos fundos marinhos que começa na linha de costa e vai até a profundidade de 200 metros.

Caminhando em direção contrária às adaptações diante de um mundo aquecido, alguns países ainda insistem em desafiar os limites da Terra, construindo grandes ilhas artificiais. Este é o caso do Aeroporto Internacional de Chubu, no Japão, e de dois arquipélagos de Dubai – Palm Island, em formato de uma gigantesca palmeira, e The World, em formato do mapa múndi.

Somente o arquipélogo The World possui 931 hectares e criará 232 quilômetros de orla, usando 320 milhões de metros cúbicos de areia do mar.

Ao apresentar imagens de projetos como este, o geólogo indaga se as escolhas feitas hoje são sustentáveis."Será que as cidades costeiras estão sustentavelmente adaptadas para as variações do mar? E a população está preparada?", questiona.

Horn destaca que, ao longo dos últimos 65 milhões de anos, houve variações no nível do mar com aumentos naturais e sem a influência antropogênica. Porém com o aumento da temperatura observado atualmente e o processo de aceleração do derretimento do gelo nos pólos, a situação muda. "Eu gostaria de pensar que é um processo natural, mas estou inclinado a pensar que é artificial, ou seja, causado pelo homem", afirma. (CarbonoBrasil)

0 comentários: