Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

segunda-feira, 21 de maio de 2007

Arroz com proteínas humanas vai ser plantado no Kansas

NOTA: Esta noticia é prestada a titulo informativo - não concordamos com alterações genéticas de plantas...


Arroz geneticamente modificado para expressar proteínas encontradas no leite humano vai ser plantado no Kansas. A autorização para a plantação surgiu a 16 de Maio e foi emitida pelo Departamento de Agricultura americano (USDA).

Certamente não é a primeira cultura modificada para produzir proteínas farmacêuticas a receber autorização para avançar nos Estados Unidos ou no resto do mundo (veja Turning plants into protein factories) mas esta é uma das primeiras a conter genes que produzem proteínas humanas. Muitas outras culturas geneticamente modificadas são cultivadas em estufas ou são plantas não utilizadas na alimentação, como o tabaco.

As variedades de arroz modificado, produzidas pela Ventria Bioscience de Sacramento, Califórnia, produzem lisozima, lactoferrina e albumina do soro humano nas sementes. Todos os três compostos são vulgarmente encontradas no leite humano e têm propriedades antibacterianas, antivirais e antifúngicas (no caso das duas primeiras).

A Ventria refere que o seu objectivo é utilizar o arroz para criar bebidas que possam combater a diarreia e suplementos alimentares que ajudem a recuperar da anemia, situações que são responsáveis por milhões de mortes em crianças de todo o mundo.

Muitas outras barreiras reguladoras envolvendo outras agências terão que ser ultrapassadas antes dos produtos obtidos com este arroz puderem ser vendidos aos consumidores.

A cultura, que foi testada no Peru, recebeu a aprovação preliminar em Março e a USDA abriu agora a proposta ao comentário público. Dos mais de 20 mil comentários que receberam, apenas 29 foram positivos, apesar de muitos dos comentários negativos serem cartas pré-escritas por organizações.

No final, a USDA pensa que os receios de muitos de que o arroz escape para o ambiente ou que a quantidade de alimentos não seja suficiente não são fundamentados, graças aos muitos procedimentos preventivos propostos pela Ventria, onde se inclui o facto de planearem plantar o campo teste a mais de 480 Km de qualquer cultura comercial de arroz.

A autorização salienta que qualquer semente comida por animais não representará risco significativo e acrescenta que a possibilidade de um tornado ou outro evento climático extremo poder dispersar as sementes é baixa mas exigirá um plano de gestão de emergência.

Um relatório de 2005 do Inspector Geral da USDA criticou a aprovação por parte da agência de culturas modificadas por ser demasiado facilitada mas a agência considera que os procedimentos melhoraram e que sempre foi mais cuidadosa relativamente a culturas produtoras de produtos farmacêuticos.

Em 2006, um ano típico segundo o especialista em relações públicas da USDA Rachel Iadicicco, a agência recebeu 14 pedidos para plantações no exterior de culturas que expressam compostos farmacêuticos ou industriais. Dos 14, 10 foram concedidos, 3 estão pendentes e um foi retirado. Alguns destes produziram plantações ainda em 2006, outros já em 2007. A agência exige uma nova autorização todos os anos.


Saber mais:

Animal and Plant Health Inspection Service Controls Over Issuance of Genetically Engineered Organism Release Permits

Ventria Biosciences

0 comentários: