NutriViva no Facebook é a nossa página no Facebook onde há uma constante actividade com pratos e ideias sobre Alimentação Viva.
Visitem o meu blog em inglês (com traduçao automática)
Raw in Copenhagen
Ao deixar um comentário referente a um artigo, por favor colar o link desse artigo.

Badge Raw Food

Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Search/ Busca

Carregando...

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

sábado, 29 de maio de 2010

Atrazina provoca mudança de sexo em sapos

anteriormente nos tínhamos referido à atrazina e falado dos problemas que cria, especialmente nas doenças que pode provocar em crianças como defeitos congénitos, mas há mais. Um estudo recente da University of California-Berkeley (UC-B), demonstrou que a exposição prolongada a baixos níveis de atrazina provoca a mudança de sexo em sapos/rãs.  As rãs foram expostas ao herbicida tóxico em níveis de 2,5 partes por bilião (ppb) na água, um nível que é 16 por cento menor do que a E.U. Environmental Protection Agency (EPA) considera seguro para beber água. Um em cada dez rãs macho acabou se transformando numa rã fêmea.

Tal como outros pesticidas e toxinas ambientais, a atrazina interfere com as hormonas. É um disruptor endócrino que parece substituir a testosterona, a principal hormona masculina, por estrógeno, a hormona feminino. O resultado é uma alteração grave da função normal do sexo masculino que pode realmente transformar um macho numa fêmea.  

"Os efeitos da atrazina a longo prazo têm demonstrado demasculinização  ou castração química, e a feminização completa de alguns animais", explicou Tyrone Hayes, um biólogo e herpetólogo da UC-B, que liderou o estudo. 

A coisa surpreendente sobre os sapos que sofreram a mudança de sexo foi que realmente começarem a produzir ovos viáveis. Os sapos machos que viraram fêmeas foram capazes de copular com machos e naturalmente produziram  ovos. Nos outros 90 por cento das rãs machos expostos à atrazina diminuiu a contagem de espermatozóides, diminuição da libido e da fertilidade. 


De maneira típica, alguns fabricantes de atrazina foram rápidos em contestar os resultados. 

"Nós não vimos este tipo de resultados que relata o Dr. Hayes. Alguns desses estudos são mal conduzidas e são totalmente inconsistentes", explicou Keith Solomon, um toxicologista ambiental da Universidade de Guelph, em Ontário, Canadá. Salomão também actuou como consultor para a Syngenta. 

O cientista principal da Syngenta, Tim Pastoor, explicou numa entrevista à CNN que os níveis de atrazina dentro das diretrizes da EPA são seguras, e que a pressão política é responsável por esforços para ravaliar aatrazina.O site da Syngenta também diz que o resíduo de atrazina nas culturas e na água não são um risco para a saúde. 


No entanto, de todos os estudos disponíveis sobre a atrazina, apenas os dos fabricantes, mostram que o pesticida é seguro. Todos os outros estudos independentes e opiniões encontraram riscos significativos associados. A atrazina tem sido continuamente mostrada como causadora de cancro, defeitos de nascimento, e desregulação endócrina grave.

Em Portugal e no Brasil ainda se usa atrazina como podem ver em artigo anterior.

Em Portugal a empresa Bayer continua a vender herbicidas com atrazina como o Graminex e o Lasso MT nomeadamente para ser utilizado em culturas de milho.

Pode remover a atrazina da água em casa, com filtros de carbono, e alguns sistemas de água municipais usam a tecnologia também. É importante investigar e tomar as medidas adequadas para assegurar que a atrazina não entra em sua casa através da água. 

Idealmente, os pesticidas perigosos, como atrazina acabar-ao por ser eliminados do uso agrícola. Quando as pessoas se tornarem mais conscientes das graves consequências negativas de tais venenos para a sua saúde e bem-estar, para não falar no meio ambiente, só se pode esperar que um aumento da pressão para impedir a sua utilização vai acontecer. E embora não se possa dizer com certeza, a atrazina tem provavelmente um efeito semelhante sobre os seres humanos como acontece com as rãs, e não deve ser considerado seguro em nenhum nível.

Referencias:
Ethan A. Huff, Common herbicide used on U.S. crops castrates male frogsb - Natural News . access on  29  May.  2010 Baker, S. Serious birth defects linked to the agricultural chemical atrazine - Natural News . access on  22  Feb.  2010.  
E-escola O herbicida atrazina - access on  22  Feb.  2010.
BAYER, PORTUGAL - 
Lasso MT - access on  22  Feb.  2010.
BAYER, PORTUGAL - 
 Graminex-A - access on  22  Feb.  2010.
MONSANTO, BRASIL -
 Boxer - access on  22  Feb.  2010.
PEIXOTO, Maria de Fátima da Silva Pinto et al . Degradação e formação de resíduos ligados de 14C-atrazina em Latossolo Vermelho Escuro e Glei Húmico. Sci. agric.,  Piracicaba,  v. 57,  n. 1, Mar.  2000 .   Available from <
Scielo>. access on  22  Feb.  2010.
BOTELHO, R.G. et al . Toxicidade aguda de herbicidas a tilápia (Oreochromis niloticus). Planta daninha,  Viçosa,  v. 27,  n. 3,   2009 .   Available from <
Scielo>. access on  22  Feb.  2010.
CAMPOS, S. 
Atrazina-agrotóxicos - access on  22  Feb.  2010

http://edition.cnn.com/2010/TECH/sc ... 
http://www.water-research.net/atraz ... 

0 comentários: