Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

2o Congresso Vegetariano Brasileiro - Carlos M. Naconecy

carlos-naconecy.jpgCarlos M. Naconecy é filósofo pela UFRGS e doutor em Filosofia pela PUCRS. Foi pesquisador visitante no Animal Welfare and Human-Animal Interactions Group da Universidade de Cambridge, Inglaterra. Atualmente é Associate Fellow do Oxford Centre for Animal Ethics. É autor do livro Ética & Animais: um guia de argumentação filosófica, Edipucrs, 2006, tendo concentrado seus estudos nesse tópico há vários anos e proferido palestras e entrevistas relacionadas com o tema.

O Dr. Carlos Naconecy estará apresentando no 2o Congresso Vegetariano Brasileiro o seguinte tema:

Ética para (todos) Animais ou Ética (apenas) para Sencientes?

O que há de errado em pisar em uma formiga? Ou esmagar uma mosca? Nada, segundo a Ética Animal, uma vez que os filósofos animalistas a ancoram na noção de senciência (ou subjetividade). Conseqüentemente, dado que (i) o consenso cientifico atual restringe a senciência aos animais vertebrados, e (ii) de todas as espécies de animais descritas pela Zoologia apenas 2% são vertebradas, teremos somente razões morais indiretas para proteger 98% de todo o Reino Animalia. Mas, segundo a corrente denominada Ética da Vida, insetos, crustáceos e moluscos não têm valor apenas instrumental: eles percebem e dão conta do mundo ao seu redor, realizam a continuidade de sua sobrevivência e buscam tudo aquilo que os beneficiam. Resultam daí duas questões. A primeira delas se refere a uma confusão terminológica, aparentemente inofensiva: eticistas e ativistas estão tratando de uma Ética para Vertebrados, em vez de uma Ética Animal propriamente dita. A segunda não é terminológica, mas normativa: se a Ética Animal limita a consideração moral aos chamados pela taxonomia zoológica de “animais superiores”, quando isso não é efetivamente legítimo, então estaríamos diante de uma instância do especismo, tão injustificado quanto o especismo humanista que rejeita mamíferos, aves e outros vertebrados do universo moral.

0 comentários: