NutriViva no Facebook é a nossa página no Facebook onde há uma constante actividade com pratos e ideias sobre Alimentação Viva.
Visitem o meu blog em inglês (com traduçao automática)
Raw in Copenhagen
Ao deixar um comentário referente a um artigo, por favor colar o link desse artigo.

Badge Raw Food

Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Search/ Busca

Carregando...

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

sexta-feira, 17 de junho de 2011

O que é a Dieta Alcalina ?




A dieta alcalina é um estilo de vida e uma abordagem à Saúde muito, muito simples.
Baseia-se em extensas investigações efectuadas pelo cientista e microscopista nutricional Dr. Robert Young.
Antes de fazer uma explicação simples do que consiste a dieta alcalina, gostaria de tentar abordar este tema em termos mais científicos.
O nosso organismo foi desenhado para ser alcalino. O pH da maioria das nossas células e fluidos como, por exemplo, o sangue tem um valor muito específico de 7.365, ligeiramente alcalino.
Tal como o nosso corpo faz tudo o que for necessário para regular a temperatura, de forma a que se mantenha num valor específico, o nosso organismo faz o mesmo para tentar manter este valor de alcalinidade do sangue (7,365). Por outro lado, o nosso organismo cria ácidos naturalmente através das suas funções corporais, o que o obriga a ter um sistema de reservas alcalinas para compensar essa acidez interna.
O nosso corpo TEM OBRIGATORIAMENTE de manter o pH do sangue e de outras células e fluidos nos 7,365 e irá FAZER TUDO de forma a manter este equilíbrio do PH. Para o fazer, o nosso organismo “recruta” as suas reservas alcalinas, de forma a poder utilizá-las para neutralizar os ácidos que ingerimos ou que são libertados pelas funções corporais. Estas reservas de minerais alcalinos são facilmente depletadas devido ao nosso estilo de vida ocidental, ou seja, a maioria de nós ingere alimentos e bebidas que contém ácidos fortíssimos.
Neste contexto; a escala do pH é logarítimica – isto é, um pH de 6 é 10x mais acídico que um pH de 7, o que significa que um pH de 5 é 100x mais acídico que um pH de 7, um pH de 4 é 1000x mais acídico que um pH de 7. Por exemplo, a Coca-Cola tem um pH entre os 2 e os 3. Por isso, consegue imaginar os efeitos de uma dieta constituída por carne, produtos lácteos, bebidas gaseificadas, alcool, etc.
Este tipo de alimentação irá provocar uma rápida utilização das nossas reservas alcalinas.
O que é que acontece quando eliminamos estas reservas de minerais alcalinos e continuamos a ingerir mais ácidos ?
O nosso organismo é forçado é utilizar as suas reservas alcalinas, situação que provoca o caos interno – por exemplo, se o organismo está constantemente a utilizar cálcio para eliminar os ácidos que consumimos, então surgem os sintomas da osteoporose (os últimos estudos científicos comprovam e associam o consumo de bebidas gaseificadas à ocorrência da osteoporose).
No último século, à medida que fomos “evoluíndo” e mudando o nosso estilo de vida, aumentámos dramaticamente a ingestão de ácidos. A dieta, o stress, as emoções e a falta de exercício contribuiram para aumentar essa acidez interna.
Se nos focarmos na dieta, verificamos sem surpresa que os alimentos mais ácidos são:
·       Açucar
·       Gorduras “trans-fat”
·       Fermentos
·       Produtos lácteos
·       Hidratos de carbono
·       Alcool
·       Alimentos processados e refinados
Estes ácidos manifestam-se na nossa dieta através das colas e das bebidas gaseificadas, pizza, batatas fritas, bolos, biscoitos, refeições feitas no microondas, pão, cafeína, queijo, alimentos com gordura, gelados, tabaco, cerveja, vinho, bebidas lácteas, natas, etc.., alimentos que os cientistas e todas as investigações independentes confirmam não serem benéficos para a nossa saúde.
Tenho a certeza que já adivinhou que os alimentos que são alcalinos para o organismo são, por exemplo, os vegetais frescos, as saladas, os óleos Omega, amêndoas, sementes, cereais integrais, etc.
Estes alimentos são frescos, crus, integrais, sendo alimentos com um elevado valor nutricional e elevado conteúdo de água.
Estes factos tornam esta dieta fácil de entender e de seguir.
Mas o que é que define um alimento ácido ou alcalino? Existem vários factores, mas os mais importantes são os seguintes:
1.    Se um alimento for rico em minerais alcalinos, incluindo o magnésio, potássio, cálcio e sódio, terá um efeito alcalino no nosso organismo;
2.   MAS, se apesar do seu conteúdo alcalino, contiver algum dos seguintes elementos, ele provocará acidez:
a.        Açucar
b.        Fermento
c.         Se for fermentado (por exemplo, o molho de soja)
d.        Se contiver fungos (por exemplo, os cogumelos)
e.        Se for refinado/processado/cozinhado no microondas
Esta situação explica todas estas anomalias.
A maioria das frutas, por exemplo, provocam infelizmente acidez devido ao seu elevado teor de açucar.
As bananas, que têm um elevado conteúdo em potássio, têm cerca de 25% de açucar.
As únicas excepções são o tomate, abacate, limão e as limas(excelentes para utilizar em temperos), toranja e a melancia (em doses limitadas), que são alcalinos devido ao seu baixo conteúdo de açucar.
O açucar é um “veneno” porque causa desvios no pH do sangue, provocando graves distúrbios em todo o organismo.
Lembre-se que o nosso organismo tem de manter o pH de 7,365, e sacrifica tudo para manter este equilíbrio.
Porquê?
Porque num estado de acidez interna, os nossos glóbulos vermelhos não conseguem fazer a sua função, sofrendo transformações biológicas, transformando-se em bactérias e candida albicans (denominando-se pleomorfismo), provovando a “poluição” do nosso ambiente interno.
Adicionalmente, os ácidos que consumimos e criamos, devido ao estilo de vida actual, também fermentam o sangue, criando toxinas, alcool e produtos extremamente perigosos que ajudam a destruir o nosso equilíbrio interno.
Quanto mais ácidos existirem, mais toxinas serão criadas, o pH diminuirá, as bactérias e a candida aumentarão, transformar-se-ão em bolor, criando um ciclo vicioso.
Em resumo:
·       Consumo de ácidos – transformam os glóbulos vermelhos em bactérias e candida albicans– criação de bolor – o bolor alimenta-se dos nossos “bons” nutrientes – excretam resíduos ácidos (micotoxinas) – transformam rapidamente os glóbulos vermelhos em bactérias e candida – criação de mais bolor – etc etc
O stress, as emoções e a falta de exercício também dão o seu contributo.
O Dr Young, nas suas análise de microscopia nutricional, observou que as emoções têm um efeito acídico semelhante aos alimentos.
O exercício é obviamente essencial porque bombeia o sangue e a linfa no corpo, removendo as toxinas e o “lixo” interno, ajudando igualmente a transportar o oxigénio para as células, para que elas funcionem em condições.
RESUMO
O nosso corpo foi desenhado para se manter alcalino e faz tudo para se manter nesse estado. Quando consumimos alimentos e bebidas acídicas, não praticamos exercício e sofremos continuamente de stress, o nosso organismo é “inundado” pelos ácidos, que provocam graves problemas.
Existem alimentos extremamente prejudiciais para a nossa saúde (bebidas gaseificadas, batatas fritas e chips, doces, hamburgers e “fast food”, produtos lácteos, alcool, etc.) e existem alimentos que são extremamente benéficos para  a nossa saúde (vegetais frescas e cruas, sementes, etc)
Para alterar o equilíbrio interno (mais alcalino) é necessário focarmo-nos em ingerir cerca de 70-80% de alimentos alcalinos e limitar a ingestão de alimentos ácidos.
Adicionalmente, é muito importante ingerir cerca de 3 a 4 litros diários de água de boa qualidade e  filtrada, de forma a sentir-se de novo saudável e com energia.
Por isso, não se esqueça do conselho da sua mãe e coma a sopa!!!   J



A minha fotografia
Cascais, Portugal


http://adietaalcalina.blogspot.com/2011/06/o-que-e-dieta-alcalina.html

0 comentários: