Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Metais pesados borrifados na atmosfera

Para reflectirmos e submetermos à nossa observação...investiguem mais...

É uma questão já muito antiga e tinha andado apenas no domínio de quem desconfiava das intenções do poder central. Era daquelas coisas que não se falava abertamente para não nos julgarem de "conspiradores", mas de facto começa a vir ao de cima em muitíssimos meios, o qual permite que se possa abordar de outra forma. Para vossa informação à uns anos, os sites na web que alertavam para este problema, tinham sérios problemas para persistir pois eram bloqueados e apagados por quem controla a Internet.


Uma nota: estes rastos tem algumas diferenças com o simples escape dos aviões, o rasto químico apresenta muitas vezes cores como o arco íris quando a luz do Sol o atravessa e persiste muito tempo no céu. 

"A atmosfera terrestre está sendo borrifada, há muitos anos, com produtos químicos (contendo metais pesados como alumínio, estrôncio, bário, etc), utilizando aviões (gerando as chamadas chemtrails (rastros de químicos), as trilhas químicas; vide, por exemplo, oProjecto Cloverleaf), com o argumento oficial de que este procedimento é para combater o aquecimento global. Na realidade, o espalhamento das trilhas químicas é uma arma biológica que está sendo usada para contribuir com o Projecto de Redução da População Mundial. Quando respiramos os elementos químicos tóxicos presentes nas trilhas químicas, enfraquecemos nossa saúde (principalmente nosso sistema imunológico) e morremos com mais facilidade (objectivo real almejado). Inserido no projecto de redução da população mundial está, também, a disseminação de métodos anticoncepcionais por grandes empresas, obviamente. Um vídeo muito esclarecedor sobre investigações científicas sobre as trilhas químicas você encontra aqui:"




Fonte: http://www.GeoEngineeringWatch.org

0 comentários: