Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Crudivoro no Hospital III

Vou hoje ter alta depois de mais de uma semana de joelho inchado aqui no Hospital do Barlavento, em Portimão.
Conclusão - depois de várias análises sem resultados significativos - o ortopedista crê que tenha sido um problema metabólico devido às guloseimas de natal que eu não resisti e acabei comendo na "onda" de "uma vez não faz mal". Eventualmente terá sido ácido-úrico que se acumulou no joelho.


Falando em guloseimas tenho reparado nos "miminhos" que os meus companheiros de quarto recebem quase todos os dias. Doces e mais doces que os familiares e amigos trazem, para alem do café com leite que é servido normalmente pelo serviço do hospital, para alem do sumo de fruta em pacote c/açúcar, - enfim ao fim do dia o meu parceiro do lado consome mais de 60g de açúcar. Este amigo já sofreu uma operação ao coração e agora encontra-se há mais de um mês em observação para eventualmente ser operado - não sabe bem ao quê. Enfim mas o que me parece caricato é de facto o que ele e a maioria das pessoas come e bebe. O problema vem da medicina tradicional não ver o corpo como um todo e tratar separadamente cada membro ou parte do nosso organismo. E deixa-se uma pessoa durante tempo indefinido (enquanto fazem análises, etc) a "inchar", com uma má alimentação numa cama de hospital, ao fim de poucos dias já nem conseguem evacuar e depois tem que lhes dar "Microlax" (um enema rectal quimico) para poderem finalmente aliviar os intestinos.
Aqui se vê a grande diferença de medicinas como a "ayurveda" que trata o corpo (e não só) de forma holistica, como um todo e a alimentação é uma parte essencial de qualquer tratamento.
É claro que aqui a responsabilidade não é só do hospital nem dos médicos mas principalmente da nossa educação e do sistema onde vivemos que não promove os bons hábitos de saúde. É mais fácil para o cidadão comum deixar a responsabilidade nas mãos dos médicos e apesar dos conselhos que se possam dar, estas pessoas continuam afectivamente "agarradas" aos miminhos dos doces e certos outros "petiscos".
Engraçado que noutra cama tenho um companheiro com mais de 80 anos. Partiu o fémur depois de uma prova de vinho em que a cadeira onde se ia sentar não estava no local imaginado (é que o vinho distorce muitas vezes a distância) - não é engraçado ele ter partido a perna mas sim o facto de ele continuar a falar do vinho e me querer convencer a prová-lo depois de sairmos todos do hospital.
Tudo isto para falar da relação daquilo que ingerimos, quer sólido ou liquido e o lado emocional ligado ao convívio social que é necessário manter mas que sem dúvida precisa ser repensado.
Precisamos de encontrar soluções para estes momentos importantíssimos e onde tantas vezes, facilmente entramos em excessos. Não podemos nos abster de partilhar e conviver com os outros independentemente das nossas opções. Não devemos excluir ninguém por ter este ou aquele hábito alimentar. Mas nem sempre é fácil resistir a tentações e provar o "petisco" que os outros nos preparam com carinho e que nos faz mal depois. Enfim tudo isto faz parte da evolução - um dia as pessoas farão dos momentos de festa momentos de oferecer também coisas saudáveis - será uma forma de demonstrar a amizade e o amor que demonstramos pelos outros. Até lá é preciso estar atento para não acabarmos, como me aconteceu, passando uns dias no hospital.

Muita Saúde!!!

Luís Guerreiro


0 comentários: