Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

segunda-feira, 19 de maio de 2008

Consumo de vegetais crucíferos crus associado a menor risco de cancro da bexiga

Estudo recente revela que o consumo aumentado de vegetais crucíferos (brócolos, couve-flor) crus pode diminuir o risco de cancro da bexiga em 36%. Os efeitos benéficos foram limitados a vegetais crus e não foram observados quaisquer benefícios resultantes do consumo de frutos e outros vegetais.
Este é o primeiro estudo epidemiológico a considerar o consumo cru vs confeccionado na avaliação da relação entre a ingestão de vegetais crucíferos e o risco de cancro da bexiga (...) Verificámos que apenas a ingestão de vegetais crucíferos crus, mas não confeccionados, frutos e outros vegetais, revelou uma associação inversa forte e estatisticamente significativa com o risco de cancro da bexiga”, explicaram os investigadores.

Estudos epidemiológicos e animais têm demonstrado que dietas ricas em vegetais crucíferos resultam numa baixa incidência de certos tipos de cancro, especialmente do pulmão, cólon, mama e ovário.

De acordo com a European School of Oncology, o cancro da bexiga é diagnosticado em cerca de 336.000 pessoas a cada ano por todo o mundo e é três vezes mais frequente em homens do que em mulheres.

Os investigadores do Roswell Park recolheram dados dietéticos de 275 pacientes internados por cancro da bexiga e 825 controlos saudáveis, e verificaram que aqueles que apresentavam maior consumo de vegetais crucíferos crus apresentavam 36% menor risco de desenvolver a doença. Para além disso, foram observados fortes efeitos protectores entre fumadores com uma ingestão de 3 ou mais porções de vegetais crucíferos crus por mês, com uma redução de 40-54% do risco. Por outro lado, não foram verificados quaisquer benefícios quando os investigadores consideraram a ingestão combinada de vegetais crucíferos crus e confeccionados.

A confecção pode reduzir substancialmente ou mesmo destruir os isotiocianatos presentes nestes vegetais, contribuindo para inconsistências do estudo”, afirmaram.

As propriedades anti-cancerígenas dos vegetais crucíferos, como os brócolos e couve-flor, não são novas e estudos anteriores relacionaram estes benefícios aos elevados níveis de químicos activos das plantas, os glucosinolatos. Estes compostos são metabolisados pelo organismo em isotiocianatos e as evidências sugerem que estes são agentes anti-cancerígenos potentes.

Fonte: Cancer Epidemiology Biomarkers & Prevention, 2008, 17: 938-944.

0 comentários: