Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

sexta-feira, 28 de março de 2008

Biocombustíveis ameaçam segurança alimentar na AL, alerta ONU

21/03/2008 - 11h44


da Efe, em Santiago (Chile)

A segurança alimentar da América Latina enfrenta riscos devido à produção de biocombustíveis a partir de cultivos agrícolas importantes na alimentação de seus habitantes, adverte um relatório da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação), divulgado na quinta-feira (20) em Santiago (Chile).

O tema será debatido na 30ª Conferência Regional da FAO, entre 14 e 18 de abril em Brasília, confirmou José Graziano da Silva, representante regional da FAO, em um encontro com os correspondentes estrangeiros.

Na opinião de Silva, a América Latina e o Caribe têm bom potencial de produção de biocombustíveis, mas ao mesmo tempo a atividade pode ameaçar a segurança alimentar de sua população.

Segundo o documento, a rápida mudança tecnológica no setor de bioenergia dificulta prever seus impactos na segurança alimentar e no meio ambiente.

"A intensidade de seus efeitos positivos ou negativos dependerá da escala e velocidade da mudança, do tipo de sistema produtivo que se considere e das decisões em matéria de políticas agrícolas, energéticas, ambientais e comerciais", afirma o texto.

O relatório destaca os aspectos que a FAO considera mais importantes na definição de políticas relacionadas aos biocombustíveis.

"Não há verdades absolutas em relação aos biocombustíveis. Se terão um efeito positivo ou negativo na segurança alimentar e no meio ambiente dependerá em grande parte de como serão desenvolvidos", afirmou Silva.

Desenvolvimento sustentável

O representante regional da FAO sustentou que ainda há tempo para garantir o desenvolvimento sustentável dos biocombustíveis, com leis e políticas claras para minimizar os riscos e aproveitar as oportunidades, e ressaltou que o momento de tomar essas medidas é agora.

"Para isso é fundamental que os governos preparem políticas adequadas para minimizar os riscos e maximizar as oportunidades que os biocombustíveis oferecem, especialmente aos agricultores pobres dos países em desenvolvimento", acrescentou.

Segundo o relatório, a produção de biocombustíveis pode ajudar os agricultores, especialmente em zonas isoladas, a produzir sua própria energia para uso em maquinarias agrícolas e geração de eletricidade.

Também, na medida em que a pequena agricultura esteja integrada adequadamente à cadeia produtiva dos combustíveis com base agrícola, os camponeses poderão se beneficiar de melhores preços para seus produtos.

Mudanças

No entanto, a iniciativa também pode ocasionar mudanças na demanda, no comércio exterior, na alocação de insumos produtivos e finalmente em um aumento nos preços dos cultivos tradicionais, colocando em risco o acesso dos setores mais pobres aos alimentos.

Os programas de biocombustíveis podem representar uma oportunidade se consideram a agricultura familiar, acrescenta o estudo.

Nesse contexto, a FAO diz acreditar ser necessário preparar um marco analítico que leve em conta a diversidade de situações e necessidades específicas dos países da região.

Em seu Projeto de Bioenergia e Segurança Alimentar, a FAO desenvolve um guia metodológico que permitirá aos países interessados em investir em bioenergia calcular o efeito de suas políticas na segurança alimentar de suas populações.

Fonte:


0 comentários: