Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

sábado, 24 de fevereiro de 2007

Fermentação

Muitos adeptos da Alimentação Viva usam alimentos fermentados pois estes são não só uma forma boa de preservar os alimentos como também de os potenciar. Além disso certos alimentos libertam-se das toxinas através da fermentação.

Fermentação

pela Dra Ann Ashworth.

Os benefícios da fermentação têm sido reconhecidos desde os tempos antigos. Há registos que comprovam o uso de alimentos fermentados pelos sumérios, egípcios antigos, assírios e babilónios. Foram encontradas descrições chinesas do ano 1000 a.C. sobre miso feito com molho de soja.

Outros alimentos que geralmente são fermentados são, por exemplo, o leite (para fazer coalhadas e iogurtes), os cereais e a mandioca.

Na África, ogi, uji, ting, koko, kenkey, obusera e nasha são mingaus comuns fermentados. A massa fermentada pode produzir pão, assim como injera e kocho na Etiópia. Na América Latina, o milho e a mandioca são fermentados. Alguns exemplos são o pozol, a chicha e a farinha. No sub-continente indiano, os cereais e as leguminosas são geralmente fermentados juntos para fazer idli, dosa e dhokla. No sudeste e no leste asiático, a maioria dos alimentos fermentados têm uma base de leguminosas e peixe. Muitos destes são usados como condimentos, assim como miso, natto e molho de peixe. Estes produtos podem ser apreciados em países distantes do seu país de origem.

Há dois tipos de fermentação: fermentação azeda, que produz ácidos, e fermentação alcoólica. Em ambos os casos, são introduzidos no alimento microorganismos especiais inofencivos, onde permanecem e se multiplicam. Os microorganismos causam mudanças químicas benéficas nos alimentos.

Os benefícios da fermentação

* O ácido que é produzido na fermentação azeda ajuda a conservar os alimentos. Nos mingaus fermentados, os ácidos principais são os lácticos e acéticos.
* Na Tanzania, as crianças que comem mingau fermentado têm menos diarréias do que as crianças que comem mingau não fermentado. O mingau é contaminado freqüentemente com bactérias que causam a diarréia devido à água impura ou à falta de higiene. A fermentação ajuda a reduzir a contaminação porque estas bactérias nocivas não podem multiplicar-se tão facilmente em alimentos fermentados.
* A fermentação melhora a absorção de nutrientes importantes, especialmente ferro e zinco.
* A fermentação melhora o conteúdo protéico e adiciona vitaminas e minerais.
* Muitas pessoas preferem o sabor dos alimentos fermentados. Alguns dizem que o sabor azedo ajuda a recuperar o apetite quando as pessoas estão doentes.
* A fermentação reduz a toxina (cianeto) que está naturalmente presente na mandioca, especialmente nas variedades amargas. A maneira tradicional de fazer gari e farinha ralando-se a mandioca e deixando-a de molho em água para fermentar é uma maneira inteligente de permitir que o ácido libere a toxina. O benefício desta prática foi apreciado pelos nossos ancestrais, apesar de que esta ‘ciência’ só foi conhecida recentemente.

A fermentação é um bom exemplo de sabedoria tradicional! Infelizmente, o seu uso está em perigo de decadência, dando lugar aos produtos do mundo ocidental. No Quênia, o declínio em algumas áreas tem sido atribuído aos missionários que desestimulam a preparação de mingau azedo na crença errônea de que contém álcool. Os agentes sanitários também tendem a enfatizar a necessidade de preparar alimentos frescos e por isto desestimulam o uso de alimentos fermentados. Incentive as pessoas a valorizarem os seus alimentos fermentados tradicionais.

A Dra Ashworth trabalha no Centro de Nutrição Humana, London School of Hygiene and Tropical Medicine, 2 Taunton Street, London, WC1H 2BT, Grã-Bretanha.

PERMACULTURA

O que é?



A Permacultura poderia definir-se literalmente como "agricultura permanente". A Permacultura trata as plantas, animais, construções, infra-estruturas (água, energia, comunicações) não apenas como elementos isolados, mas como sendo todos parte de um grande sistema intrinsecamente relacionado. Entende-se que tanto o habitante como a sua morada e também o meio ambiente em que estão inseridos, fazem parte de um mesmo e único organismo vivo.






Qual a diferença entre a Permacultura e outros métodos de Agricultura Biológica?

A Permacultura vai muito além da agricultura. É o planeamento de todo um sistema sustentável, envolvendo sabedoria ancestral e ciência moderna, começando pelo fornecimento de água pura e ar limpo, alimento abundante e saudável e habitações adequadas.




É um caminho para alcançar a sustentabilidade ecológica do planeta, que inclui tecnologias de tratamento de resíduos e efluentes, geração de energia, bio-construção, infra-estrutura ecológica e a integração total de comunidades de pessoas, plantas, animais, estruturas e tecnologias apropriadas a cada região, clima e cultura.

Sistemas de Permacultura são globalmente reconhecidos como muito positivos para a cultura, economia e acima de tudo ambiente e dignidade humana pois estes tem como valores éticos as seguintes orientações:

Cuidar da Terra.

Cuidar das Pessoas.

Distribuir os excedentes e aplicar limites ao consumo.



Estes três princípios éticos estão relacionados entre si pois não é possível cuidar da terra sem cuidar das pessoas e vice-versa.

Para além dos princípios éticos, a abordagem da Permacultura utiliza um conjunto de princípios de planificação regedores da intervenção no terreno. Alguns destes princípios são universais e de senso comum. Estes, aplicados correctamente e com o máximo da eficácia tem tendência em criar e manter permanentes os sistemas naturais e humanos.



Alguns exemplos dos princípios da planificação:

* Posição relativa.
* Cada elemento tem várias funções.
* Cada função importante é suportada por vários elementos.
* Planificação por sectores e zonas.
* Uso de energias renováveis.
* O problema é a solução.
* Integrar em vez de segregar.
* Reflorestar.
* Biodiversidade.
* entre outros.

Para mais info vejam:
Ecovillage Portugal.
rainbow communities
terramada
quinta-feira, 22 de fevereiro de 2007

VIDEO:O frugivoro Richard Blackman.






Ele é frugivoro há 12 anos.
http://www.rawfitnessbootcamp.com


Outro site com uma entrevista dele.
http://www.realgainz.com/Fruitarian

Mais videos no Youtube

VIDEO:Profissionais de saúde tentam convencer jovens a se alimentar de maneira saudável.

Profissionais de saúde tentam convencer jovens a se alimentar de maneira saudável.

Diabetes - um flagelo na população brasileira.

VIDEO: Dra. Denise Carreiro prevenção de doenças crônicas não transmissíveis

Entrevista com a Dra Denise Carreiro sobre a influência da Nutrição na prevenção de doenças crônicas não transmissíveis.

VIDEO: Dra. Denise Carreiro desequilíbrios nutricionais e doenças infantis

Entrevista com Dra Denise Carreiro sobre desequilíbrios nutricionais e doenças infantis.






Leite materno: fonte de saúde

Na tranqüilidade do parque, a família passeia. Fátima e Alex estão felizes e orgulhosos. Beatriz é a primeira filha, o xodó dos pais. Apressada, ela nasceu um mês antes do previsto. Foi um susto, Mas ganhou peso logo e agora, com seis meses, é um bebe sadio e ativo. Até hoje, Beatriz só se alimentou com o leite da mãe. E mama pra valer. Agora, chegou a hora de experimentar outros sabores.

Fátima vai com a filha ao Instituto Fernandes Figueira (IFF), no Rio de Janeiro. Mãe de primeira viagem, ela tem dúvidas sobre como iniciar essa nova etapa da alimentação. Beatriz primeiro é examinada pela pediatra Marlene Roque e aprovada com louvor. Está esbanjando saúde. E tudo graças ao leite da mãe.

No banco de leite do hospital, descobrimos o que esse alimento tem de tão especial. A engenheira de alimentos Danielle Silva explica que cada mãe produz um leite destinado ao seu bebê. Por isso, ele não corre o risco de ser rejeitado nem provoca problemas de digestão.

"Tem vitaminas, sais minerais, proteínas específicas para o crescimento da criança e fatores de proteção, uma coisa que não se encontra nos outros tipos de leite. Esses fatores de proteção funcionam como uma vacina nos primeiros dias de vida para a criança. São imunoglobulinas – compostos que vão ajudá-la a crescer muito mais saudável", esclarece Danielle.

Beatriz vai continuar mamando no peito, mas vai receber também uma alimentação complementar, que ajudará a desenvolver os dentinhos e os músculos da face. E na estréia desse novo cardápio estão as papinhas de frutas.

"Todas as frutas são ótimas para a criança, não tem nenhuma que faça mal", diz a pediatra.

Se possível, a amamentação deve ser feita até o bebê completar dois anos de idade. Mas atenção: nada de forçar nem o leite nem a papinha. A criança tem as suas preferências e os seus limites. Sabe o que quer e quanto quer. A alimentação nos dois primeiros anos de vida, segundo a médica, é o cartão de visitas da saúde do bebê no futuro.

"Se a criança tiver uma alimentação balanceada nos dois primeiros anos de vida, certamente vai ser um adulto com bons hábitos alimentares, dificilmente vai ter um problema de obesidade, de sobrepeso ou de alterações endócrinas", diz a pediatra.

Beatriz faz sua parte. Enfrenta o primeiro mamão raspadinho com muita classe. E gosta da novidade. Parece que aprendeu bem a lição.

"Pretendo evitar ao máximo esse negócio de lanchinho, essas coisas gordurosas. Comigo vai ser linha dura, por causa da obesidade, que já começou a assustar no Brasil", diz Alex.

"A relação alimentação infantil-obesidade é determinante. Claro que existem as características genéticas. Se a criança tem pais obesos, com traços de obesidade ou família de obesos, a possibilidade de ela ter obesidade é muito maior. Se você amenizar isso com uma alimentação correta, com exercícios e mudança de hábitos, vai ter uma criança com a possibilidade de ser um adulto com peso normal no futuro", explica a pediatra.

MAIS INFORMAÕES (Brasil):

- Banco de Leite do Instituto Fernandes Figueira
SOS Amamentação: 0800-268877

- Para doar leite materno ou receber orientação sobre amamentação, envie um e-mail para redeblh@fiocruz.br



Fonte:http://globoreporter.globo.com/Globoreporter/0,19125,VGC0-2703-16211-3-262645,00.html

VIDEO: Dra. Denise Carreiro sobre dietas

Entrevista com a Dra. Denise Carreiro sobre dietas , anorexia e outros transtornos alimentares


quarta-feira, 21 de fevereiro de 2007

Alimentos com colesterol aumentam risco de Alzheimer


Alimentos com colesterol aumentam risco de Alzheimer

Consulte os rótulos dos alimentos. O colesterol alimentar pode aumentar o risco de desenvolver doenças neurodegenerativas como o Alzheimer.


O consumo de alimentos ricos em colesterol pode contribuir para um risco aumentado de desenvolver doença de Alzheimer. O estudo, do australiano Prince of Wales Medical Institute, foi efectuado em ratos e posteriormente testado com células cerebrais humanas.



A acção do colesterol no cérebro parece cifrar-se no aumento de produção de beta-amilóides, proteínas sem função determinada, cuja acumulação está relacionada com a doença de Alzheimer. Os investigadores responsáveis, citados pelo jornal britânico Daily Express, dizem ter descoberto também que as proteínas ABC, que expulsam o colesterol das paredes arteriais, também estão presentes no cérebro.



Em Portugal, segundo números revelados pela Associação Portuguesa de Familiares e Amigos de Pessoas com Alzheimer em 2006, estima-se que 60 mil pessoas sofram desta doença.

Espirulina

Espirulina

Contém mais nutrientes que qualquer alimento conhecido. Enquanto se investigam novos alimentos e plantas para melhorar a qualidade e prolongar o tempo de vida, esta alga coloca-se na vanguarda da revolução nutricional.



A espirulina, nome comercial desta espécie, constituiu, desde sempre, uma fonte suplementar na alimentação das populações que habitavam nas proximidades de lagos. De facto, sabe-se que os Aztecas consumiam espirulina sob a forma de caldo, que era adicionado a tudo o que comiam; o mesmo ocorreu no Norte de África, no seio de algumas tribos indígenas.

Somente há cerca de 30 anos é que a espirulina foi redescoberta pelos cientistas, vindo a ser utilizada de modo seguro e eficaz como suplemento nutricional nos últimos 20 anos. Países como o Japão, França e EUA consideram a Arthrospira platensis uma das maiores descobertas no campo da alimentação naturista, do último século.
Arthrospira platensis é uma cianobactéria microscópica de forma espiralada, normalmente denominada de microalga azul, por conter pigmentos azuis, as ficocianinas, que lhe conferem a sua cor azul-esverdeada. Possui ainda outros pigmentos como a clorofilina, de cor verde e os carotenóides, de cor laranja, que lhe permitem realizar fotossíntese em vários comprimentos de onda do espectro solar. Da sua ancestral actividade fotossintética, que remonta a 3.6 biliões de anos atrás, resultou a actual atmosfera rica em oxigénio, favorável à sobrevivência das espécies vegetais e animais. Sendo uma forma de vida extremamente adaptável, ocorre numa ampla variedade de ambientes aquáticos, e em especial, em águas alcalinas, quentes e ricas em minerais, como no Lago Tschad, em África, e no Lago Texcoco, no México.

Suplemento alimentar completo
Esta microalga oferece 85 a 95 % de proteína vegetal digerível, mais do que qualquer outro alimento conhecido, e contém todos os aminoácidos essenciais, vitaminas, fitonutrientes e minerais em níveis naturais muito elevados, dos quais são exemplo a vitamina B12, o antioxidante betacaroteno, o raro ácido gamalinoleico (GLA), o ferro e a clorofila (purificador do sangue). E ainda fitonutrientes como os sulfolípidos, os polissacáridos e as ficobilinas, que actuam no sistema imunitário, promovendo a saúde das células e, contribuindo, deste modo, para a prevenção do aparecimento de infecções e de doenças auto-imunes, como o cancro. Características que a tornam num suplemento alimentar de evidentes benefícios terapêuticos, muito completo relativamente aos minerais e vitaminas isolados.
Os suplementos de espirulina são úteis na manutenção da saúde em geral; como forma de obter energia, no caso de carências nutritivas, para limpar e desintoxicar o organismo, prevenir acidentes vasculares e infecções, aliviar os sintomas pré-mentruais, devido ao seu alto teor em ferro, ajudar a controlar o peso, e em dietas de emagrecimento.
Arthrospira platensis contendo fenilalanina actua como supressor do apetite, produzindo uma sensação de saciedade que induz a pessoa a comer menos, auxiliando assim em situações de obesidade, sem a ocorrência de perdas nutricionais.
Os complementos podem ser ingeridos por todos, e especialmente por aqueles que sofrem de má absorção intestinal ou perturbações digestivas, desde as crianças aos idosos. A sua utilização é também aconselhada na dieta dos atletas, uma vez que previne cãibras e a fadiga muscular.
Fonte com grande concentração de vitamina B-12, é ainda útil em casos de regimes alimentares alternativos, caso do vegetarianismo e veganismo. Assim, e devido à sua extraordinária composição proteica, é o complemento ideal para qualquer tipo de dieta, sendo capaz de proporcionar ao organismo importantes substâncias nutritivas, sem sobrecarregá-lo de gorduras ou hidratos de carbono.
Estudos revelam que os nutrientes fornecidos pela espirulina são melhor digeridos e absorvidos do que os suplementos, vitamínicos e minerais, isolados. A experiência dos consumidores de longa data e os dados científicos sugerem que a ingestão de 3 a 10 gramas diárias, geralmente sob a forma de comprimidos e cápsulas, a tomar em qualquer altura, ou em pó a adicionar a alimentos líquidos, constitui uma opção saudável.
Do ponto de vista ecológico, o consumo de espirulina pode reduzir grandemente o desbaste de árvores, evitando a desflorestação para a criação de campos de agricultura e de pastagens para o gado, uma vez que o seu elevado teor proteico é 20 e 200 vezes superior ao da soja e da carne de vaca, respectivamente. Assim, ao incluirmos os complementos de espirulina na nossa alimentação, não estamos só a melhorar a nossa saúde, como também a contribuir para o bem-estar do planeta.

Nome Comum: Espirulina
Outros Nomes: alga azul, alga-marinha, microalga
Sinónimos: Arthrospira platensis (Nordstedt) Gomont


Espirulina – suplemento nutricional e ecológico
Para além do potencial ecológico, uma vez que surge como uma alternativa saudável à carne, a espirulina é sobretudo reconhecida pelas suas principais acções no organismo humano:
• Fortalecimento do sistema imunitário
• Suporte da função cardiovascular e manutenção de níveis adequados de colesterol
• Melhor funcionamento do sistema digestivo e gastrointestinal
• Promoção da limpeza geral do organismo e desintoxicação
• Protecção antioxidante e redução de infecções

Fonte: Pedro Lôbo do Vale*
* médico

Morte na latinha

Morte na latinha

Graças à pesca ilegal de atum, milhares de golfinhos morrem presos em redes de pescadores. Enquanto isso, fábricas de atum enlatado usam selos ambientais de segurança aos golfinhos.



O atum é muito associado a golfinhos. Quase todas as espécies desses cetáceos têm o peixe em seus cardápios nutricionais.
Por isso, é muito comum que se encontrem golfinhos
viajando em meio a cardumes de atum. E é muito comum que esses golfinhos acabem presos nas redes de cerco usadas pelos pescadores de atum. Como os golfos não conseguem subir à superfície para respirar, eles acabam morrendo. Trata-se de uma pesca predatória e, portanto, ilegal.
O Earth Island Institute (EII), organização não­governamental com sede em São Francisco, na Califórnia (EUA) calcula que 7 milhões de golfinhos morreram presos às redes nas últimas quatro décadas.
Em 1990, o EII regulamentou internacionalmente o selo Dolphin Safe (Seguro para Golfinhos). Este selo é conferido a empresas fabricantes de atum que usam sistemas de pesca que sejam inofensivos aos golfinhos (a pesca feita de forma correta é aquela com redes possuidoras de meios de fuga ou feita com utilização de anzol e isca). Hoje, mais de 300 empresas no mundo têm o selo. Nenhuma delas no Brasil, segundo Mark Berman, diretor assistente do Projeto Internacional de Mamíferos Marinhos do ELL.

No Brasil, não há exigência, proibição ou qualquer tipo de regulamentação quanto ao uso do selo. Conforme afirmativa do chefe de divisão do Departamento de Pesca e Aqüicultura (DPA), do Ministério Francisco Osvaldo Alves Barbosa, isso se deve ao fato do Brasil não utilizar sistemas de pesca com redes de cerco. Segundo ele, a pesca do atum na costa brasileira é feita com isca e anzol, maneira correta. "O selo não existe no Brasil. Nossas águas não têm concentrações suficientes de atum para o uso de redes de cerco, portanto não há justificativa técnica para esse tipo de certificação."
Desde a criação do selo Dolphin Safe, em 1990, a matança
de golfinhos foi reduzida em 97%, segundo o instituto.

A atuação do Sea Shepherd
O Sea Shepherd, organização não governamental que visa
à conservação dos ecossistemas marinhos, sede brasileira, mandou representantes ao Ministério Público dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Santa Catarina, exigindo a remoção do selo Dolphin Safe das embalagens de atum enlatado das marcas nacionais. Segundo o Sea Shepherd. o selo está sendo empregado de maneira enganosa por essas empresas, uma vez que não existe nenhum tipo de fiscalização independente das práticas de pesca no Brasil. "As empresas visam agregar valor ao produto de forma enganosa", afirma o relatório da Sea Shepherd. "O consumidor ecologicamente consciente acredita estar comprando um produto de uma empresa que se preocupa com o meio ambiente marinho, mas na verdade está sendo enganado."
A instituição ambientalista exige a retirada do selo das embalagens, até que seja adotado um processo de inspeção independente da pesca do atum.






Saiba Mais em http://www.seashepherd.org.br/index.html

A carne e o planeta

Quando pensamos sobre o crescimento da população humana ao longo do último século, é muito fácil imaginar como um mero aumento do número de seres humanos. Mas ao passo que nos multiplicamos, todas as coisas associadas a nós também se multiplicam, incluindo os animais. No presente, existem cerca de 1,5 biliões de búfalos de gado ou domésticos e 1,7 biliões de carneiros e cabras. Junto com os porcos e aves, formam uma parte importante de nossa enorme pegada biológica neste planeta.
Tal enormidade não estava realmente aparente até a publicação de um novo relatório, chamado "Livestock's Long Shadow", pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação.

Considere estes números. A criação de gado em pastos e a produção de alimentos usam "30% da superfície terrestre do planeta". O gado - que consome mais comida do que produz - também compete por água diretamente com os seres humanos. E a expansão de pastos destrói terrenos mais sensíveis biologicamente, especialmente florestas, do que qualquer outra coisa.

Porém o mais surpreendente e alarmante é o fato do gado ser responsável por cerca de 18% do aquecimento global, mais do que a contribuição dos transportes. Os culpados são o metano - resultado natural da digestão bovina - e o nitrogénio emitido pelo esterco. O desmatamento de terras de pasto contribui para o efeito.

Não existem concessões fáceis quando o assunto é aquecimento global - como diminuir o número de animais para dar espaço aos carros. A paixão humana pela carne não irá acabar tão cedo. Como deixa claro "Livestock's Long Shadow", nossa saúde e a saúde do planeta dependem da produção de gado com direcionamento mais sustentável.

Fonte:http://protecao.zip.net/index.html

Carne contribui para aquecimento global

Pecuária libera mais poluentes que os automóveis

De acordo com o relatório "A grande sombra da pecuária" (Livestock's Long Shadow) feito pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação, o gado é responsável por cerca de 18% do aquecimento global, uma contribuição maior que a do setor de transportes. Os culpados são os gases metano (CH4) e o óxido nitroso (N2O): este, eliminado pelo esterco, tem um poder aquecedor 296 vezes maior que o dióxido de carbono, e aquele um poder 23 vezes maior.

A criação de gado e a produção de alimentos ocupam 30% da superfície terrestre do planeta. O gado - que consome mais comida do que produz - também compete por água diretamente com os seres humanos. A previsão de que a produção global de carne mais que dobre até 2050, passando dos 229 milhões de toneladas no período de 1991 a 2001 para 465 milhões de toneladas até 2050.


* A melhor opção é adotar uma dieta predominantemente vegetariana. Além de proporcionar uma grande variedade de sabores, contém uma série de nutrientes que não são encontradas na carne, embutidos e fast-food em geral.

Anorexia e cancro na mama

Segundo uma edição recente do «Tomorrow’s Journal of the American Medical Association», as mulheres hospitalizadas com anorexia nervosa antes dos 40 anos têm menos 53% de probabilidades de desenvolver o cancro da mama, em relação às restantes mulheres que seguiram um regime alimentar normal. O estudo foi feito com base num universo de 7 303 mulheres suecas que desenvolveram anorexia na sua juventude.

Segundo os autores, a causa mais provável para estes resultados é a ingestão muito baixa de calorias, típica das anorécticas. A diética hipocalórica baixa os níveis quer de estrogénio quer de insulina no sangue, estando estes valores associados ao risco de poder vir a desenvolver cancro na mama.

A anorexia, é uma doença que afecta sobretudo jovens adolescentes do sexo feminino. Mas pode afectar pessoas de ambos os sexos e de idades variadas. A característica mais comum é a perda de peso, associada a uma alteração do comportamento. A referida perda de peso é lenta mas progressiva. Normalmente tem início com uma dieta normal, podendo também ocorrer de forma brusca como consequência de uma restrição alimentar acentuada. As primeiras preocupações surgem com a insistência nessa mesma dieta durante vários meses e com uma exagerada perda de peso.
Os principais comportamentos são a preocupação extrema com a beleza do corpo e com a forma ideal que se quer ter. O espelho é normalmente o elo de interpretação que mais perturba uma anoréctica, pois quando se vê ao espelho nunca se vê suficientemente elegante e bela, cujos adjectivos para ela são sinónimos de magreza extrema.

Uma anoréctica que ainda está em fase de dieta pode chegar a restringir a sua alimentação até ao ponto de chegar a ingerir só um tipo de alimento, como, por exemplo, só bolachas de água e sal, ou só alface, ou só maçãs durante o dia todo. Progressivamente, e à medida que a doença vai avançando, a jovem anoréctica vai espaçando mais os intervalos entre refeições, assumindo comportamentos evasivos no que toca às refeições em grupo com amigos ou família. A maior parte destas doentes pode chegar a viver anos sem ninguém notar a sua doença, até que chega a um extremo em que já pode ser muito tarde e a recuperação é, em geral, lenta. O jejum e o exercício físico exagerado são preocupações principais de uma anoréctica, de forma a compensar tudo aquilo que ingere com o pânico de engordar.

Existem dois tipos de anorexia: a do tipo restritivo e a do tipo bulímico. As diferenças principais são que na anorexia de tipo bulímico a doente tende a recorrer ao vómito induzido e ao uso indiscriminado de laxantes e/ou diuréticos. Em qualquer dos casos a anorexia atinge sempre o extremo mais grave quando nas raparigas ocorre a falta de menstruação (amenorreia) e nos rapazes a impotência sexual.

Os sintomas orgânicos tendem a caracterizar-se por esta ordem:

* Redução do metabolismo;
* Alteração dos ritmos cardíaco e respiratório;
* Disfunções gastro-intestinais;
* Amenorreia (nas mulheres)/Impotência sexual (nos homens);
* Osteoporose;
* Perturbações do sono e do humor;
* Dores de cabeça, vertigens, cara e tornozelo inchados, perda de cabelo, cáries dentárias, etc.



Podem ocorrer fenómenos de desidratação e inclusivé, se a pessoa que sofre de anorexia não tem ninguém que a vigie, pode conduzi-la à morte. Quando ocorre a hospitalização destas mulheres, normalmente, já estão em estado de desidratação profunda e têm de ser alimentadas a soro e socorridas de forma imediata. A melhor forma de incentivar estas jovens à cura é ir tentando incluir todo o tipo de alimentos de forma variada e conforme a pirâmide dos alimentos, constituindo assim um regime equilibrado. Normalmente estas jovens precisam de muito incentivo, quer de familiares, quer de amigos, quer de médicos e/ou psicólogos. Nem sempre existe esse apoio e não são raras as vezes que elas têm recaídas ou entram em depressão.

A anorexia é uma doença que pode ocorrer em mulheres que optam por regimes hipocalóricos, mas tal não é definitivamente o caso das pessoas que optam pelo regime vegetariano, pois conforme revela o título Como enfrentar a Anorexia e a Bulimia, de Alessandra Callegari e Donatella Scaparra: «Para o vegetariano, o objectivo é viver em harmonia com o próximo e com a natureza. O vegetariano é geralmente uma pessoa aberta, que não se isola, mesmo quando critica quem come carne ou come desregradamente, o que no máximo o torna aborrecido. Por outras palavras, o vegetariano centra a sua atenção na vida e não no peso!». De acordo com a mesma fonte, a única coisa que acontece quando se adopta o regime vegetariano, tal como qualquer outro regime, é uma quebra brusca de peso devido à adaptação de um novo regime, mas tal não significa que se tenha ficado anoréctico. Em geral, o vegetariano, uma vez atingido o valor ideal de peso, continua a mantê-lo, optando por um regime específico equilibrado.

O aviso para a saúde pública, do estudo com as anorécticas suecas, é o de escolher preferencialmente um tipo de alimentação baixo em alimentos hipercalóricos e rico em fibras, evitando uma ingestão excessiva de calorias mas embora mantendo uma nutrição completa.

Referências:
Alessandra Callegari e Donatella Scaparra, Como enfrentar a Anorexia e a Bulimia, 1ª ed., Editorial Estampa, Lisboa, 2000.
http://www.comportamentoalimentar.pt
http://www.pcrm.org/news/archive040310.html

Melhores alimentos contra o cancro - cancer

Como acredito que os alimentos vegetais crus são os melhores para evitar qualquer doença aqui está mais um artigo para reforçar as minhas palavras - existem no entanto alguns alimentos cozidos que não podem ser consumidos directamente crus que podem contribuir também para uma melhor saúde. Alguns fermentados (são considerados alimentos vivos)também poderão contribuir para ajudar como é o caso do miso e do molho de soja (orgânica-biológica). Em relação ás sementes e outros grãos inteiros, nozes, etc, nós recomendamos a germinação ou o deixar de molho em vez da cozedura.


De acordo com Dr. Michael Greger, médico norte-americano especialista em nutrição clínica, a melhor forma de evitar o cancro é através de uma dieta à base de plantas.
Segundo ele, cerveja, frango, queijo e peixe são as maiores fontes de dioxinas nos Estados Unidos.
A alimentação constitui, pois, um factor muito importante na protecção da saúde contra as doenças cancerígenas e cardiovasculares, entre outras.
Algumas investigações, do início dos anos 90 do século XX, demonstraram que os antioxidantes podem contribuir para a prevenção do cancro e das doenças cardiovasculares.
Os antioxidantes são substâncias que reagem contra os radicais livres (moléculas instáveis que podem causar danos às células) neutralizando-os e diminuindo os prejuízos que estes podem causar. Os radicais livres formam-se no organismo por influência de factores como a poluição, o consumo excessivo de alguns alimentos (gorduras, álcool, açúcar), o tabagismo, processos inflamatórios ou infecciosos, traumatismos e stress.
Os antioxidantes estão presentes em alimentos ricos nas vitaminas C e E, beta-caroteno e no mineral selénio.

Para o Dr. Greger, o top dos 12 melhores alimentos para evitar o cancro são:
1. Hortaliças
2. Aveia (e outros grãos inteiros)
3. Bagas (framboesas, amoras, etc.)
4. Alho
5. Batata doce
6. Feijões
7. B12 - suplemento nutricional fortificado
8. Sementes de linhaça
9. Miso (e outros produtos derivados de soja)
10. Chá verde
11. Cogumelos Shitake
12. Frutos secos (noz, avelã e castanha)


Top de alimentos antioxidantes:
1. Noz
2. Romã
3. Sementes de girassol
4. Amoras
5. Arando
6. Mirtilos
7. Alperces secos
8. Gengibre
9. Framboesas
10. Ameixas secas


Referências:
http://www.drgreger.org
http://saude.sapo.pt/gkBA1

Gastrite - 80% dos portugueses infectados por Helicobacter pylori

80% dos portugueses infectados por Helicobacter pylori.

Quase 100% da população adulta da América do Sul e da África está infectada.

Sabe-se que 50% da população mundial se encontra infectada por este microorganismo. Em Portugal, esta infecção estende-se a cerca 80% da população adulta. Contudo, de entre os indivíduos infectados, só 10% a 20% é que desenvolvem doenças sintomáticas no estômago ou no duodeno, que podem ser de diversos tipos: gastrites, úlceras gástricas ou duodenais, cancro gástrico de tipo carcinoma (cancro do epitélio) ou linfoma (cancro de linfócitos).

A infecção por Helicobacter pylori é feita por via oral, através de transmissão oro-oral ou feco-oral. A ingestão de águas e de alimentos contaminados, ou mesmo o contacto pessoa-a-pessoa, podem ser processos de transmissão da bactéria.

A melhoria das condições económicas e sanitárias e o aumento dos cuidados de saúde têm contribuído para a diminuição da incidência da infecção por Helicobacter pylori e, consequentemente, do cancro do estômago.



Natureza do Helicobacter pylori

Helicobacter pylori é uma bactéria em forma de bastonete espiralado, semelhante a um sacarrolhas, com vários flagelos unipolares. Esta bactéria coloniza o estômago, movendo-se através do muco até ao epitélio gástrico.
A sobrevivência da bactéria no meio ácido do lúmen do estômago, parecia ser um enigma. Hoje, sabe-se que a capacidade de sobrevivência da bactéria se deve a vários factores. Um deles é a capacidade que este microorganismo tem de se mover e de mergulhar na camada de muco, protegendo-se, deste modo, do suco gástrico. Esta mobilidade é facilitada pela sua forma e pela presença de flagelos. Outro factor é o aumento do pH periplasmático bacteriano.

"Helicobacter pylori sintetiza e excreta a enzima urease que, degradando a ureia, produz CO2 e amónia. Esta ajuda a neutralizar a acidez gástrica, criando assim um nicho ecológico relativamente próximo da neutralidade, óptimo para a sobrevivência da bactéria", explicou Fátima Carneiro.

Além disto, a bactéria tem também a capacidade de aderir (através de moléculas de adesão, as adesinas) à mucosa gástrica o que impede que seja levada, pelos movimentos peristálticos, para o intestino. A bactéria pode danificar a camada de muco que reveste o epitélio do estômago. Após a lesão desta camada, atinge as células produtoras de muco, existentes no epitélio estomacal, lesando-as e provocando uma reacção inflamatória. Daí que quanto mais espessa for a camada de mucinas, mais dificuldade terá o Helicobacter pylori em atingir o epitélio estomacal e mais protegido estará o hospedeiro.



Os perigos da infecção por Helicobacter pylori

O perigo está na produção de citotoxinas por Helicobacter pylori que danificam a mucosa, provocando uma reacção inflamatória. Por sua vez, esta reacção desencadeia uma resposta do sistema imunológico, atraindo ao local os linfócitos. Estes vão em defesa do organismo mas, infelizmente, poderão também contribuir para causar lesões.

Como a reacção inflamatória pode durar anos, em algumas situações, pode dar lugar a uma gastrite crónica com redução (atrofia) das glândulas gástricas que produzem enzimas e ácido clorídrico, acompanhando-se de hipocloridria.

Esta situação pode, posteriormente, desencadear o aparecimento de uma úlcera gástrica. Neste caso, ocorre a destruição parcial do epitélio e do tecido conjuntivo subjacente, com a constitição de uma espécie de "ferida" revestida por restos necróticos, fibrina e células inflamatórias.

A hipocloridria predispõe também ao aparecimento de cancro gástrico, mas não ao aparecimento de úlcera duodenal.

Note-se contudo que, para muitas pessoas, esta bactéria pode ser inofensiva, isto é, a interacção com o hospedeiro não é sempre de patogenecidade. Podem estabelecer-se relações de comensalismo, dependendo da estirpe do microorganismo ou das condições mantidas com o hospedeiro.

De acordo com informações fornecidas por Fátima Carneiro, esta situação deve-se à existência de estirpes que apresentam diferentes graus de virulência, uma "más", capazes de causar doença, e outras "neutras" ou mesmo "boas", sem capacidade patogénica. Tudo depende da presença ou ausência de determinados genes bacterianos e destes apresentarem variabilidade genética que condiciona diferentes graus de virulência.

As estirpes mais virulentas são as que apresentam os genes cagA e alguns alelos do gene vacA.

Investigadores verificaram que, em algumas estirpes de Helicobacter pylori, existe, por exemplo, o gene GST-u, responsável pela produção de uma enzima com capacidade de destruir várias substâncias cancerígenas. Estas pesquisas revelaram ainda que era mais comum o cancro de estômago em pacientes infectados por Helicobacter pylori sem o gene GST-u no seu genoma do que em indivíduos infectados por Helicobacter pylori em que esse gene esteja presente.



Infecção adquirida na infância

A infecção pela Hp adquire-se normalmente na infância e, caso não haja tratamento, permanece ao longo da vida. Fátima Carneiro esclareceu que não é aplicado tratamento de erradicação em todos os indivíduos infectados por Helicobacter pylori porque nem todos estão infectados com estirpes virulentas.
Tal como foi referido, muitas das infecções são "benignas" e um tratamento excessivo poderia conduzir a um aumento de resistência de Helicobacter pylori aos antibióticos. Além disso, o tratamento é dispendioso em termos de saúde pública.

Isto não invalida o facto de ser necessário investigar e tratar os indivíduos infectados e com sintomas, por exemplo os que têm úlcera do estômago ou do duodeno assim como os que tenham sido submetidos a cirurgia por cancro gástrico.

Os sintomas são muito variados, compreendendo sensações de azia ou de queimor ao nível do estômago, dores abdominais, náuseas, vómitos, flatulência e diminuição do apetite, que deverão levar os indivíduos a consultar o médico.

O diagnóstico da infecção por Helicobacter pylori pode fazer-se por exame histológico de biópsias obtidas por endoscopia, por testes respiratórios com ureia "marcada" ou através da pesquisa de anticorpos no soro. O exame histológico de biópsias permite, para além do diagnóstico da infecção por Helicobacter pylori, estudar as lesões provocadas na mucosa gástrica por este microorganismo.

O tratamento consiste, geralmente, numa terapia tripla (ou quádrupla), à base de um anti-ácido e dois antibióticos diferentes, para que a sua erradicação seja eficaz, pois este microorganismo, como outras bactérias, adquire resistância aos antibióticos.



Outros factores de risco

Para além dos dois factores de risco já referidos (espessura do muco e presença de Helicobacter pylori), Fátima Carneiro referiu a existência de muitos outros factores quer inerentes ao próprio hospedeiro, relacionados com a constituição genética dos indivíduos e os grupos sanguíneos, quer ambientais, como a alimentação.

Relativamente aos grupos sanguíneos, os indivíduos com sangue tipo O têm maior risco de serem infectados por Helicobacter pylori, embora os de tipo A tenham maior probabilidade de desenvolverem cancro de estômago.

No que respeita à alimentação, há que ter em conta que a incidência de cancro de estômago depende também dos hábitos alimentares. Uma equipa de investigadores portugueses (A. Costa Pereira, L. F. Azevedo e outros) concluiu que o consumo de vegetais está intimamente ligado a um menor número de mortes por este tipo de cancro. A mesma equipa verificou que no norte de Portugal é grande o consumo de batatas, arroz e vinho, sendo também mais elevado o número de mortes por cancro de estômago. Na zona sul, onde a alimentação é mais rica em vegetais e frutos o número de mortes por cancro do estômago é mais baixo.

Portanto, actuando conjuntamente, frutos e vegetais, ricos em vitaminas C e E, carotenos, ácido fólico, fibras, etc, podem reduzir o risco de desenvolvimento de cancro do estômago.


Trabalho realizado pelo grupo da Escola Secundária Cal Brandão.
Apoio e revisão científica de Fátima Carneiro, investigadora do IPATIMUP
Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto

Outras fontes:
http://www.gastroalgarve.com/doencasdotd/estomago/helicobacterpylori.htm



Por que brócolos/brócolis é tão saudável?



Umas das razões são as propriedades anticancerígenas e outros nutrientes que discutiremos depois nas propriedades fitoquímicas que também combatem outras doenças. Estudos recentes relataram que o brócolis contém um elemento químico (fitoquímico) que inibe o desenvolvimento da bactéria H Pylori!

Helicobacter pylori (H Pylori) é a causa principal de gastrite e úlcera estomacal. Infelizmente, estudos têm mostrado uma correlação entre repetidos ataques de H Pylori com o câncer no estômago. A H Pylori tem provado ser uma variedade muito obstinada de bactéria como alguns de nós devem saber depois de múltiplas dosagens de antibióticos durante o período de infecção recorrente. Os fitoquímicos encontrados no brócolis, de acordo com esses estudos, têm demonstrado inibir o desenvolvimento, em culturas de células humanas e de ratos, até de variedades da bactéria resistentes a antibióticos.

O que é um fitoquímico? Fitoquímicos são compostos não-nutrientes encontrados em plantas que têm atividade biológica no corpo humano. Afinal de contas, plantas estão no planeta há muito mais tempo que nós. Então esses compostos têm desempenhado um papel na sua sobrevivência e o desempenham em nossa sobrevivência também.

Brócolos/Brócolis contém alguns fitoquímicos e o mais conhecidos são Sulforafano e Indoles.
Brócolos/Brócolis também contém outros tipos de fitoquímicos também conhecidos por terem ou capacidades de proteção contra o câncer/cancro, ou propriedades de produção de enzimas que destroem células cancerígenas. Sulforafano é o principal fitoquímico descoberto que elimina a H Pylori.

Agora, caso tudo isso ainda não seja suficiente, brócolos/brócolis também contém grande quantidade de Vitamina C, e levando-se em consideração o peso contém mais vitamina C do que a laranja (1 xícara de brócolos tem quase o dobro de vitamina C do que uma laranja). Brócolos/Brócolis também contém Vitamina A, folacin, potássio, cálcio e 5 gramas de fibras alimentares por xícara. Com 25 calorias por xícara cru o brócolos/brócolis nos dá muitas razões para comê-lo frequentemente.

Brócolos é um desses alimentos que nos abastece sem nos encher. Coma-o com um ótimo prato de baixa caloria, ou o adicione às saladas.

NOTA: Para facilitar o entendimento usei os dois termos brócolos/brócolis e cancro/câncer(português de Portugal e português do Brasil)


Fonte: http://www.copacabanarunners.net/brocolis.html
terça-feira, 20 de fevereiro de 2007

VIDEO:Vacinas - a verdade escondida - Inglês

Vaccination - The Hidden Truth (1998)
O chocante e extremamente informativo vídeo documentário: Vaccination - The Hidden Truth-1998 (Vacinas - a verdade escondida). Nele 15 pessoas, incluindo a Dra. Viera Schreibner (uma pesquisadora, PhD) cinco médicos e outros pesquisadores revelam o que esta realmente ocorrendo com relação à doenças e vacinas. Ironicamente, os fatos importantes da medicina ortodoxa provem de pesquisa "peer-reviewed".Com tanta promoção médica de vacinação para prevenção de doenças, o vídeo dedica-se claramente a apresentar o outro lado da moeda, o que não foi dito aos pais.

O resultado é a contabilidade da ineficácia das vacinas e seus efeitos danosos. O documentário mostra que a verdade não está sendo dita aos pais pela mídia, pelos ministérios da Saúde e a classe médica. Um médico, Dr. Mark Donohoe, confessa: "Para mim é um problema imaginar que pertenco a uma profissão que sistematicamente mente às pessoas".
Descubra como as vacinas tem comprovjavascript:void(0)
Publishados efeitos maléficos e porque ainda temos que ser vacinados embora sem necessidade. Embora muitas pessoas se recusem a acreditar, a impecável documentação apresentada nesse vídeo tem mudado a opinião de todos os que o viram. 90 min.
Adicionado: 5 Fev
Duração: 90:31


VIDEO:Alimentos de Luz

As necessidades básicas dos seres humanos, devem estar de acordo com os recursos naturais e harmonia com seres de outras espécies. O futuro depende de nossa conscientização.

Fluor - Veneno na Torneira & VIDEO:The Fluoride Deception (Entrevista comWith Christopher Bryson)

Provavelmente você ficaria muito alarmado se lhe dissessem que, sem o seu conhecimento, administram regularmente medicamentos com uma substancia mais venenosa que o chumbo, que pode causar fragilidade óssea e câncer, entre uma serie de outras doenças e, que é o componente principal das drogas que alteram o cérebro. Isso é o que alguns médicos qualificados e conselheiros de saúde dizem que ocorre a milhões de pessoas no mundo inteiro. Que substância agressiva é essa? O flúor na água potável.

A maioria de nos conhece o flúor como preventivo das cáries. Por isso foi acrescentado à maioria dentifrícios, supostamente para reduzir as visitas ao dentista das crianças. Contudo, na historia do uso do flúor há um aspecto muito ameaçador.

Foi provado que o flúor pode endurecer a superfície dos dentes, porém, também trata-se de um elemento altamente tóxico relacionado com um grande número de doenças físicas e mentais. Estudos publicados recentemente demonstram que a metade do flúor (ácido hexafluorsilícico) que se acrescenta na água potável do Reino Unido pode produzir danos genéticos.

Desde a Segunda Guerra Mundial não se realizou nenhuma pesquisa sobre os efeitos potencialmente letais do flúor. Contudo vários cientistas, entre eles o Dr. Hans Moolenburg, um dos principais ativistas da campanha anti-flúor dos Países Baixos, estão convencidos de que em muitos países da Europa Ocidental se está reforçando um perigoso e sinistro esquema de medicação massificada que foi usado na Alemanha nazista.

Nos piores dias da Segunda Guerra Mundial, centenas de inocentes foram exterminados nos campos de concentração alemães. A morte por doenças, inanição e extrema brutalidade era algo quotidiano e isso era complementado com o emprego de drogas e produtos químicos. Os cientistas nazistas, desejando manter um clima de temor tinham encontrado um método simples de controlar o comportamento dos prisioneiros dos campos.

Jovens sobreviventes do campo de concentração de Auschwitz, esperando pela libertação. Os nazistas "ministraram" flúor na água dos campos de extermínio, que agiu como sedativo, apaziguando os prisioneiros. Apesar desse precedente, o uso da água fluorada ainda é promovido em diversos países. O flúor também é empregado como componente ativo de poderosos tranquilizantes.

Descobriu-se que repetidas doses em quantidades muito pequenas de flúor afetam o cérebro, envenenando e narcotizando lentamente as pessoas e tornando-as submissas. Ansiosos em explorar o efeito do flúor, os comandantes dos campos alemães o acrescentaram ao abastecimento d'água.

Os efeitos da água fluorada impressionaram fortemente os serviços de inteligência. Consideraram que a água fluorada era o meio ideal para controlar as populações depois de seus países terem sido invadidos. Antecipando-se à vitoria, a fábrica alemã de produtos químicos I. G. Farben, instalada em Frankfurt, foi a encarregada da produção massificada de flúor destinado aos campos de extermínio e a outros futuros usos possíveis.

No final da Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos encarregaram Charles Eliot Perkins, um pesquisador especializado em química, patologia e fisiologia, de estudar a técnica de controle da mente de I. G. Farben. Em sua pesquisa na Alemanha, Perkins obteve várias conclusões assustadoras. Informou que "quando os nazistas, sob as ordens de Hitler, decidiram atacar a Polônia, ao estados maiores alemão e russo intercambiaram idéias, planos, cientistas e militares. Os russos adotaram o esquema de controle de massa através da medicação, porque adaptava-se perfeitamente aos seus planos de domínio do mundo..."

Perkins não envolveu a inteligência aliada nessa pesquisa sobre o controle mundial de mente dos russos, porem, uma investigação mais detalhada da I. G. Farben e suas relações industriais, revela algumas conexões suspeitas.

A I. G. Farben expandiu-se durante os anos vinte e estabeleceu laços através de Wall Street com a companhia de automóveis de Henry Ford, com a General Motors de J. P. Morgan e com a Standard Oil, propriedade da família Rockfeller.

Nos anos trinta, milhões de dólares foram investidos nesses acordos e a relação continuou durante a Segunda Guerra Mundial. É interessante observar que nenhuma das fábricas e edifícios da I. G. Farben foram bombardeados, sabotados ou danificados pelos aliados durante a guerra. O pesquisador Ian E. Stephens disse que os comandantes das missões de bombardeio tinham instruções, procedentes provavelmente dos altos escalões do governo dos Estados Unidos, para evitarem esses edifícios. Porém, por qual motivo?

Desde a depressão dos anos vinte, as organizações como a fundação Rockefeller e a família Ford tinham incentivado publicamente as políticas de controle de população a longo prazo. Também sabe-se que certo numero de pessoas influentes do comércio e da industria tinham investido grandes somas de dinheiro nos projetos da I. G. Farben antes e durante a guerra. Entre elas a família Mellon.

Esse família fundou a Mellon Institute em 1913 como uma organização independente para patrocinar avanços na ciência e na industria. O instituto também participou da "descoberta" do flúor como "um maravilhoso preventivo das cáries dentárias".

A famía Mellon também fundou a Aluminium Company of America (ALCOOA). O flúor é um subproduto altamente tóxico da fabricação do alumínio e a ALCOOA foi processada com freqüência por envenenar gado, colheitas e correntes de água. As medidas de segurança eram caras. Por tanto, o que se podia fazer para eliminar esses custos e, talvez, até tornar os materiais residuais rentáveis?

Segundo o Pesquisador de Flúor Ian E. Stephen, a primeira ministra Thatcher triplicou o orçamento para o tratamento da água com flúor da Irlanda do Norte em meados dos anos oitenta. Stephen suspeita que isso não foi motivado por uma preocupação com a saúde dentária e sim, por uma tentativa de pacificar a região.

A ALCOOA e outras indústrias produtoras de flúor financiaram a pesquisa que parecia indicar que pequenas quantidades desse elemento não eram perigosas para os seres humanos. Inclusive a pesquisa sugeria que o flúor protegia contra as cáries dentárias. Os incentivadores concentraram-se no que eles viam como vantagens para a saúde, ignorando por completo os desconhecidos e adversos efeitos cumulativos dessa substância tão tóxica.

Os cientistas que trabalham para a American Dental Association ( ADA) sob o patrocínio da ALCOOA continuaram promovendo o flúor, apesar do uso que os fizeram dele. Ainda que dezenas de cientistas e organizações de pressão questionassem as manifestações do grupo partidário do flúor, a opinião pública aceitou rapidamente as supostas qualidades do novo protetor dental.

Diante da inquietação de muitos cientistas que questionaram os seus benefícios para a saúde, a ADA lançou uma campanha promovendo o uso do flúor. A aprovação do United Stades Public Health Service ( USPHS ) reforçou a confiança na nova "droga maravilhosa" e, em meados dos anos quarenta, várias cidades dos Estados Unidos começaram a adicionar o flúor em seus abastecimentos de água. Os propagandistas obtiveram "aprovações" de instituições que recebiam protestos aos quais não davam resposta e foi dado sinal verde para uma campanha a favor do uso do flúor em escala nacional.

Desde o final dos anos cinqüenta, o USPHS canalizou milhos de dólares dos contribuintes dos EUA para promovem o uso do flúor em outros países e muitas nações aderiram ao projeto. Porém, a maioria dos países europeus deixaram-no de lado e outros que tentaram implantá-lo, logo o abandonaram devido aos seus efeitos adversos contra a saúde e à sua ineficácia geral.

A crença comum é a de que o tratamento com flúor é efetivo por toda a vida, porém, pesquisas demostram que a sua proteção desaparece antes da pessoa completar 20 anos. De fato, muitos especialistas afirmam que não existem provas de que o flúor seja benéfico para o dentes.

Causando grande perturbação no US National Institute of Dental Research (NIDR), as análises independentes de um relatório do próprio NIDR de 1988 sobre o dados odontológicos de 39.107 crianças dos Estados Unidos, demostraram que praticamente não havia nenhuma diferença no número de cáries entre as crianças que viviam em regiões onde esse tratamento não era aplicado.

A pesquisa sobre os outros usos do flúor é reveladora. Os tranqüilizantes, que vão desde os sedativos suaves prescritos para a depressão, até os poderosos medicamentos que alteram a mente, transformaram-se em uma indústria multimilionária.

Mais de 60 tranqüilizantes do mercado contêm flúor, aumentando profundamente a potência dos outros componentes desses medicamentos. O acréscimo de flúor no tranqüilizante Diazepam (Valium) produz um tranquilizante mais forte, o Rohypnol. Ambos são fabricados pela Roche Products, uma filial da I.G.Farben, juntos com outros medicamentos semelhantes. O potente tranqüilizante fluorado Stelazine é empregado profusamente em asilos e instituições para doentes mentais em todo o mundo.

À medida que revela-se mais informação sobre o acréscimo de flúor na água a ansiedade do público aumenta. Seus defensores dedicam centenas de estudos que provam a efetividade do flúor na prevenção contra as cáries dentárias, porem, a união de cientistas profissionais da US Environmental Protection Agency indicam a existência de encobrimentos deliberados dos graves riscos para as populações assim como a difamação e até a demissão dos cientista que se atrevem a falar da verdade.

Para a maioria dos dentistas, o uso do flúor é um "medicamento maravilhoso" que oferece resistência a má higiene bucal e aos problemas de dieta. Para outros, trata-se de um método desleal e cínico para modificar nosso comportamento e de um meio que permite a industria rentabilizar um perigoso produto residual. Muitos encaram o uso do flúor nos abastecimentos de água como um medicamento massificado forçado. A negação dos riscos para a saúde por parte dos organismos oficiais fazem com que alguns pensem que o uso do flúor serve como uma forma de controle social. Apontam a história do uso do flúor e seus vínculos documentados como sendo, talvez, um dos mais perversos regimes desse século.

TESTEMUNHA

Dennis Edmonson usou o medicamento "Exspansyl spansule" entre 1970 e 1976, para combater a asma provocada por sua exposicao a produtos quimicos clorados quando trabalhou no King's Royal Rifles, durante a segunda guerra mundial. O Exspansyl contem stelazine, um componente fluorado com grandes efeitos tranqüilizantes. Perguntaram-lhe como sua vida foi afetada com o uso desse produto:

"Terrivelmente. O flúor em minha medicação aumentou sua potência em 25 vezes e, diariamente, tomei equivalente a 100 miligramas de flúor durante seis anos. Posteriormente foi diagnosticado que eu sofria de hipondilose, asteoporose, cifose, escoliose, espondilosem astefilose, coração grande, candidiase, glaucoma, em um dos olhos e próstata calcificada. Também fiquei impotente sexualmente desde que comecei a tomar a medicação em 1970 e tive que abandonar meu trabalho como jardineiro em 1980 devido às dores na coluna e nas articulações."

Quais foram as medidas oficias que o senhor tomou para esse problema ao conhecimento do publico?

"Estive em luta com a junta de pensões da guerra desde 1977, alegando que minha situação era resultado do medicamento que me havia sido prescrito. Até agora concederam-me um acréscimo de 10% na minha pensão por minha invalidez provocada pela candidiase e pelo glaucoma. Também estou exigindo uma indenização da companhia farmacêutica. Porem, além da minha penosa situação, perdi aproximadamente 7,5cm de altura. Como poderei remediar isso?

DESAFIANDO O PARLAMENTO


Peter Robinson

Apesar da generalizada oposição. Em 1973, estabeleceram-se na Irlanda do Norte dois programas de uso do flúor, porem, não foi guardado nenhum relatório de suas avaliações. O ministério de saúde admitiu que "não havia sido realizadas nenhuma pesquisa definitiva para avaliar os benefícios de cada um dos programas de uso do flúor aplicadas na Irlanda do Norte".

Com a ajuda da National Pure Water Association. Pediram ao deputado Peter Robinson que questionasse o Parlamento sobre o acréscimo de flúor na água da Irlanda do Norte. O deputado fez as seguintes perguntas: A câmara sabe que não há nenhuma pesquisa que prove a efetividade e a inoculidade do uso do flúor na água? A câmara sabe que existe um relatório que prova a periculosidade e a ineficácia da água fluorada? Até agora não se recebeu nenhuma resposta.

RECONHECIMENTO OFICIAL

Em novembro de 1996, Kevin Isaacs, de dez anos, obteve um indenização de 1.000 libras do fabricante de dentifrícios Colgate-Palmolive.

Foi diagnosticado fluorose dental em Kevin, um sinal evidente de uma superexposição ao flúor. Os dentes fluoríticos ficaram "furados" e manchados e podem cariar-se além de ficarem quebradiços. Durante os últimos cinco anos, mais de trezentas famílias processaram os fabricantes de produtos fluorados.

Apesar das angustiantes provas, a British Medical Association (BMA) mostra-se inflexível em relação a idéia de que a adição de flúor na água e nos produtos dentários não é nociva. A BMA também pressiona o governo para que convença mais companhias de água do Reino Unido a acrescentar o flúor em seus abastecimentos. Essa política contrasta com a polêmica entre os médicos, que continuam divididos sobre os benefícios do uso do flúor na água potável.


REALIDADES DO FLÚOR



· O flúor é mais tóxico que o chumbo, cuja quantidade na água potável não deve superar 0,5 partes por milhão (ppm). O nível do flúor na água na água potável costuma ser da ordem de 1,5 ppm.

· Em um relatório da Universidade da Flórida é dito: "Uma solução de 0,45 ppm de fluoruro de sódio é suficiente para fazer com que as reações sensoriais e mentais fiquem mais lentas".

· Na Sicília foi achada uma relação entre as regiões de alta concentração de flúor na água com a ocorrência graves doenças dentárias.

· No Reino Unido, aproximadamente 5,5 milhões de pessoas bebem água fluorada artificialmente.

· A US Food and Drug Admistration considera que o flúor é um medicamento não aprovado, para o qual não existem provas de inocuidade e de efetividade. Não o consideram como um nutriente essencial nas dietas.

Revista Fator X - Número 17


In this video, Christopher Bryson, an award-winning journalist and former producer at the BBC, discusses the findings of his new book The ... all » Flouride Deception.

EARLY REVIEWS of The Fluoride Deception:

"Bryson marshals an impressive amount of research to demonstrate fluoride?s harmfulness, the ties between leading fluoride researchers and the corporations who funded and benefited from their research, and what he says is the duplicity with which fluoridation was sold to the people. The result is a compelling challenge to the reigning dental orthodoxy, which should provoke renewed scientific scrutiny and public debate."

Exército Brasileiro deve "combater" febre aftosa

Eu infelizmente tive que presenciar a calamidade e holocausto que é a epidemia da febre afetosa quando vivi na Inglaterra. Desejo boa sorte a todos os brasileiros e espero que ela não passe na fronteira.

Em 2001 o holocausto aconteceu, com a crise da "Febre Afetosa" (Foot and MouTh em inglês) - milhares de animais, incluíndo ovelhas,cabras, vacas e porcos contrariam esta doença. A origem está numa alimentação à base de restos de comida de origem animal como restos de restaurantes, etc - tal como a BSE esta doença tem origem na introdução de carne na ração de animais biologicamente vegetarianos.

De um dia para o outro parecia que a guerra tinha chegado - já não podia sair da quinta sem passar por desinfecção de sapatos, a cada esquina havia controle,os carros tinham que passar por valas especiais, parecia uma guerra. Não podia passear nos campos e serras lindíssimas que existem nesta região. Por todo o lado eram piras
enormes de animais a serem queimados. Na própria quinta onde vivia, haviam zonas de pasto separadas por cercas, o próprio dono da quinta estava interdito de se movimentar de uma zona para a outra tendo que deixar animais abandonados ao frio e passando fome até morrerem. Pior foi que isto aconteceu quando as novas crias nasceram e nem vale a pena falar no resto. Entretanto e devido ao isolamento/quarentena que esta região foi obrigada - os negócios foram todos por água abaixo.

Seguem-se enxertos de uma coluna da Folha Online sobre a situação no Brasil.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u114499.shtml



da Agência Folha, em Belo Horizonte

Onze Estados produtores e exportadores de carne bovina vão exigir do governo federal a criação de uma vigilância sanitária permanente com a presença do Exército nas fronteiras com Argentina, Paraguai e Bolívia, principalmente nos dois últimos países. O objetivo é impedir a entrada de gado contaminado pela febre aftosa.

Reunidos no dia 13 de Fevereiro em Belo Horizonte, os secretários da Agricultura dos Estados de SP, MG, RJ, ES, SC, MS, MT, PA, TO, SE e GO cobraram "compromisso político" do governo com a formação dessa zona ativa de vigilância na fronteira, que é uma determinação da OIE (Organização Internacional de Saúde Animal).

Por falta desse controle nas fronteiras, quase todos os Estados perderam o status de área livre de febre aftosa com vacinação, o que põe em risco as exportações do país, dizem.

O país tem até maio para implementar a zona de alta vigilância. Isso porque a OIE vai se reunir em Paris e, antes disso, enviará técnicos ao Brasil para uma nova avaliação. Se houver o cumprimento das determinações, os Estados poderão recuperar o status anterior.

O secretário de Minas Gerais disse que o projeto com as medidas será apresentado ao governo em até 30 dias. A União entraria com recursos financeiros e humanos (técnicos e Exército). Os Estados operariam a zona de vigilância.

O Ministério da Agricultura informou que só irá se manifestar quando receber oficialmente a exigência dos Estados.

Al Gore anuncia show mundial com artistas em defesa do ambiente

Al Gore anuncia show mundial com artistas em defesa do ambiente

da Folha Online

O ex-vice-presidente dos Estados Unidos Al Gore, estrela do documentário "Uma verdade inconveniente", que concorre ao Oscar, anunciou nesta quinta-feira a realização do evento "Live Earth" (no dia 7 de julho). O show acontecerá simultaneamente em todos os continentes em defesa do planeta Terra.

A mobilização contra o aquecimento global acontecerá na mesma data em diversos países, disseram os organizadores em entrevista coletiva de Los Angeles --que contou com a presença de Al Gore e do criador do evento em 2005, Kevin Wall.

Nick Ut/AP
Al Gore fala, enquanto atriz Cameron Diaz o acompanha, em coletiva à imprensa
Al Gore fala, enquanto atriz Cameron Diaz o acompanha, em coletiva à imprensa

O show contará com a participação de Etheridge, Foo Fighters, Lenny Kravitz, Sheryl Crow, John Mayer, Duran Duran, Korn, Black Eyed Peas, Akon, Enrique Iglesias, Faith Hill e Tim McGraw.

Promotores disseram que o concerto acontecerá em Shanghai, China, Johannesburg, África do Sul, Sidney, Austrália, Londres e em algumas cidades no Japão, Brasil e Estados Unidos. Uma das apresentações também acontecerá na Antártida, afirmou Gore.

Sob o título "SOS - Campanha por um clima em crise". A iniciativa tem o objetivo de "provocar a mobilização mundial para combater nossa crise climática", explicaram. Segundo a organização, a expectativa é levar o "SOS" ao público "em todos os cantos do globo --pela televisão, cinema, rádio, internet e pelo Live Earth" --show de 24 horas, que acontece em sete continentes e reunirá mais de cem artistas de renome mundial.

Com o mesmo modelo do "Live Aid" (de 1985) e do "Live 8" (2005), o "Live Earth" vai se apresentar a um público de 2 bilhões de espectadores por via TV e internet, graças à colaboração de seu principal patrocinador, a Microsoft.

"Para resolver a crise climática, temos de chegar a milhares de milhões de pessoas. Estamos lançando "SOS" e o "Live Earth" para começar um processo de comunicação que mobilizará pessoas no mundo inteiro com o fim de que comecem a agir", disse Al Gore.
segunda-feira, 19 de fevereiro de 2007

Aquecimento ameaça geleiras tropicais, adverte pesquisa

Fonte: BBC Brasil

O aquecimento global está provocando o derretimento das geleiras eternas em regiões tropicais, colocando sob ameaça o abastecimento de água para milhões de pessoas, segundo advertiram pesquisadores da Universidade Estadual de Ohio.

A advertência foi feita durante o encontro anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência, em São Francisco.

Segundo os pesquisadores, a geleira Qori Kalis, no Peru, pode perder metade de seu tamanho nos próximos 12 meses e desaparecer completamente em cinco anos.

A geleira estaria perdendo cerca de 60 metros ao ano atualmente, contra uma média de um metro ao ano durante os anos 1960.

O derretimento das geleiras estaria afetando também outros países andinos - Colômbia, Venezuela, Equador e Bolívia.

Prova clara

Os pesquisadores dizem que o encolhimento das geleiras é a prova mais clara até hoje do aquecimento provocado pelas mudanças climáticas.

“As geleiras tropicais em baixas altitudes já estão desaparecendo”, disse a glacióloga Lonnie Thompson, que chefiou a pesquisa.

“Não importa o que fizermos, vamos perder as geleiras do Kilimanjaro (a montanha mais alta da África), vamos perder as geleiras de baixa altitude nos Andes. A questão é quão longe teremos que chegar antes que haja alguma ação significativa para reduzir emissões”, lamenta Thompson.

Segundo ela, a perda das geleiras tropicais deverá ter um grande impacto sobre a vida de milhões de pessoas que dependem delas para seu abastecimento de água.

Cozinha Vibrante - espreitadela

Como sabem estou a preparar o meu livro Cozinha Vibrante - um livro de receitas cheias de cor, vibração e amor...

Uma pequena espreitadela dentro da pasta do livro no meu computador.

Inspirações

VIDEO: Musica Crua

Um casal de crudivoros...
Jinjee no piano e Storm no baixo expressando, jazzeando, enfim, levantando voo num improviso imenso.

"Paradox On Fire"



Thank you for being so inspiring...
domingo, 18 de fevereiro de 2007

VIDEO: Uma perca de peso extraordinária com alimentos crus

Angela Stokes com uma perca de peso extraordinária com alimentos crus. Ela perdeu cerca de 65 kg com a Alimentação Viva e partilha esta mensagem de cura com todo o mundo.

ANTES - Agosto 2001 - Peso: 127kg


















DEPOIS - Janeiro 2007 - 62kg





Excerto de reportagem da cadeia de televisão BBC News

Quem quiser saber mais sobre a Angela Stokes veja aqui

Video com vários vegetarianos famosos ou não

vegetarian people, unite!
music across the universe (the beatles) sung by fiona apple

runtime 4min56sec

this video features several famous (or not famous) vegetarians from different times.

vídeo com vários vegetarianos famosos ou não de épocas diferentes.

video con varios vegetarianos famosos o no de épocas diversas.

dieser Bildschirm kennzeichnet einige berühmte (oder nicht berühmte) Vegetarier von den unterschiedlichen Zeiten

cette vidéo comporte plusieurs végétariens célèbres (ou non célèbres) de différentes périodes

questo video caratterizza parecchi vegetariani famosi (o non famosi) dai periodi differenti

Livros a serem lançados para breve

Olá amigos.

Brevemente terei o prazer de lançar alguns livros (ebooks) - sobre Alimentação Viva e é claro que vou partilhar convosco algumas partes:

O livro de receitas "Cozinha Vibrante" já está em andamento avançado - podem dar uma vista de olhos no blogg onde apresento parte da receita de uma pizza crua excelente.



Vou lançar também alguns livros sobre como criar crianças só com crus - tenho a participação aqui de uma mãe especializada no assunto a minha querida amiga Jinjy Talifero.
Podem dar uma vista de olhos no seu site onde ela mostra fotos da sua querida família - felizes e alimentados com aquilo que a terra e o universo tem de melhor - amor puro.

O site deles http://www.thegardendiet.com/

O marido da Jinjy com 57 é um crudivoro/vegan há mais de 30 anos - apreciem bem a força e musculação dele e vejam o que esta alimentação pode de facto contribuir para a felicidade das pessoas.

A Alimentação Viva não é uma dieta - é uma forma de vida - cheia de vibração e alegria.
Inspirem-se!

The Garden Family



Video Trailer - "Breakthrough"



O que acontece quando trabalhamos demasiado agarrados ao compudador...

Jinjee em acção...

Pizza Linda - do livro - Cozinha Vibrante

O almoço de hoje

Parte das receitas do meu futuro livro "Cozinha Vibrante"





Base

trigo sarraceno germinado
cenoura
azeite
cogumelos fermentados
alhos fermentados
cebola fermentada
sal
cuminhos
azeite




Molho

pimento vermelho
tomate
pesto de poejo

Decoração
cogumelos fermentados
courgete