NutriViva no Facebook é a nossa página no Facebook onde há uma constante actividade com pratos e ideias sobre Alimentação Viva.
O blog também está acessivel em ALIMENTACAOVIVA.COM e ALIMENTACAOVIVA.INFO
Visitem o meu blog em inglês (com traduçao automática)
Raw in Copenhagen
Ao deixar um comentário referente a um artigo, por favor colar o link desse artigo.

Badge Raw Food

Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Search/ Busca

Carregando...

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Ocorreu um erro neste gadget

Total de visualizações de página

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

BELDROEGA

Nome popular BELDROEGA

Nome científico Portulaca oleracea L.

Família Portulacáceas Sinonímia popular Salada-de-negro, caaponga, porcelana Sinonímia científica Portulaca marginata Kunth.

Parte usada Planta inteira

Propriedades terapêuticas Diurética, laxante, vermífuga, antiescorbútica, sudorífera, colerética, depurativa, emoliente, anti-inflamatória, antipirética e antibacteriana.
Princípios ativos Ácido oxálico, ácido salicílico, sais de potássio (nitrato, cloreto e sulfato) ( 1% na planta fresca e 70% na planta seca), derivados da catecolamina (noradrenalina, DOPA e dopamina, em altas concentrações), ômega 3.

Indicações terapêuticas Depurativa do sangue, disenteria, enterite aguda, mastite, hemorróidas, cistite, hemoptise, cólicas renais, queimaduras, úlceras, inflamação dos olhos,

Informações complementares

Outros sinônimos científicos

* Portulaca marginata Kunth.
* Portulaca oleracea subsp. Sylvestris (DC.) Thell.
* Portulaca oleracea var. opposita Poelln.
* Portulaca retusa Engelm.

Outros sinônimos populares
Ora-pro-nobis, bredo-do-porco, verdolaga, beldroega-pequena, beldroega-da-horta, onze-horas.

Origem

A literatura é um pouco confusa quanto a sua origem. Tem-se referência de que ela seja nativa da China, Japão, Índia, África e partes da Europa. Outras literaturas trazem referência de que as espécies desta família são originárias principalmente da América ocidental e andina.
Outros princípios ativos
Mucilagem, saponina, vitamina C (700mg por 100g da planta fresca), proteína, alcalóides (0,03%), glicosídeos, esteróis, óleo essencial, resinas, ácidos orgânicos, ômega 3 (é a planta conhecida mais rica em ômega 3 encontrado em óleos de peixes).
Nome em outros idiomas

* Alemão: Portulak
* Espanhol: Verdolaga
* Francês: Poupier
* Inglês: Purslane
* Italiano: Portulaca
* Árabe: Bakli, Farfhin
* Grego: Glystiritha
* Armênia: Perper

Uso medicinal
A Beldroega é considerada uma planta refrescante. A beldroega tem valiosos minerais, vitaminas, e grande quantidade de ácido salicílico. Em infusões é tônica e depurativa do sangue.

É empregada internamente contra disenteria (principalmente infantil), enterite aguda, mastite e hemorróidas. As folhas são utilizadas contra cistite, hemoptise, cólicas renais, queimaduras e úlceras.

Suas folhas tem propriedades diuréticas e refrescantes. Aplicadas sobre as feridas favorecem a cicatrização e, em decocções, combatem as inflamações dos olhos. Colocando-se folhas de beldroega debaixo da língua ajuda a acalmar a sede.

As folhas também podem ser aplicadas como compressas para acalmar hematomas e inflamações nos olhos.

As sementes são vermífugas poderosas e excelentes emenagogas. O suco é particularmente efetivo, internamente ou externamente no tratamento de doenças de pele.

Indígenas das Guianas usam-na contra diabetes, para problemas digestivos e como emoliente e, externamente, como ungüento para problemas musculares.

Estudos clínicos têm mostrado que esta planta é rica fonte de ácido graxo Omega-3, substância importante na prevenção de infartos e no fortalecimento do sistema imunológico. Devido a presença de catecolaminas em seu extrato aquoso verificou-se também uma ação relaxante na musculatura.
Dosagem indicada
Diurético (infusão)
Colocar, em uma xícara de água fervente, uma pitada de folhas de beldroega. Passado 15 minutos, filtrar e adoçar o líquido, bebendo-o em duas vezes.
Uso culinário
As folhas jovens tem um sabor refrescante e podem ser consumidas em saladas ou cozidas ao vapor. As folhas mais velhas podem ser usadas para enriquecer sopas e ensopados. Os talos podem ser consumidos picados para saladas no inverno.

Salada refrescante de verão

* 1 alface grande
* 1 maço pequeno de folhas de beterraba
* 8 folhas jovens de borragem
* 3 folhas jovens de tília
* 4 folhas picadas de melissa
* um maço caprichado de folhas de beldroega
* 1 pepino finamente picado
* molho de vinagrete

Lave bem e seque todos os ingredientes, rasgue as folhas se necessário. Misture tudo e adicione o molho de vinagrete.

Adicionar folhas de beldroega no espinafre refogado lhe confere um sabor extra.

Sanduíches feitos com fatias finas de pão preto, queijo cremoso e folhas de beldroega são uma excelente indicação para uma refeição leve e saudável.

A beldroega é ingrediente importante em uma sopa tradicional francesa Bonne Femme.
Curiosidades
Todas as partes desta planta vem sendo usadas na medicina tradicional há séculos em todo o mundo, sendo de 500 AC seu primeiro registro na literatura na China.

É uma planta muito apreciada pelos coelhos.

Outra variedade, a Portulaca grandiflora, é muito apreciada por ser ornamental.

Seu nome genérico Portulaca provém do latim portula que significa pequena porta, referindo-se a maneira de como sua cápsula abre-se. Seu nome específico Oleracea refere-se a seu uso na cozinha.

Na Idade Média era considerada uma planta que protegia dos maus espíritos e com um poder "antifeitiço". Há registro de que um herbalista do século XVI disse que a beldroega esfria o sangue e provoca o aumento de apetite.

Bibliografia

* Plantas que curam - Editora Três
* Enciclopédia das ervas e plantas medicinais - René Morgan
* Herbs & Spices - Sarah Garland
* Plantas medicinais no Brasil - Harri Lorenzi & F.J.abreu Matos
* Plantas medicinales - Grau & Jung & Münkner
* Medicinal Plants - Roberto Chiej
* Plantas medicinais - François Balmé
* Herbs and spices - Simon´s & Schusters
* Complete book of herbs - John & Rosemary Hemphill´s
* The Illustrated Herb Encyclopedia - Kathi Keville


Ácido salicílico (presente na beldroega)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Molécula de ácido salicílico
Molécula de ácido salicílico

O ácido salicílico é um Beta-Hidroxiácido (ß-Hidroxiácido) com propriedades queratolíticas (esfoliantes) e antimicrobianas, o que significa que afina a camada espessada da pele e age evitando a contaminação por bactérias e fungos oportunistas. É um ácido utilizado no tratamento de pele hiperqueratótica, isto é, super espessada, em condições de descamação como: caspa, dermatite seborréica, ictiose, psoríase e acne, problemas que atingem facilmente a ala masculina. É caracterizado ainda por ser um regularizador da oleosidade e também um antiinflamatório potencial. A grande vantagem deste ácido é que apresenta um bom poder esfoliativo e também uma acção hidratante, cuja característica principal é a capacidade de penetração nos poros ajudando na remoção da camada queratinizada com uma acção irritante muito menor que os outros ingredientes. É considerado um hidroxiácido de fundamental importância para o melhoramento da aparência da pele envelhecida. Num recente congresso de Dermatologia da American Academy of Dermatology realizado em São Francisco, ficou confirmado que o Beta-Hidroxiácido - Ácido Salicílico - representa a próxima geração de produtos para o tratamento do envelhecimento cutâneo, pois melhora a aparência da pele foto-envelhecida, com baixa irritação, quando comparado com o ácido glicólico.


O ácido salicílico foi originalmente descoberto devido às suas acções antipirética e analgésica. Desde 400 a.C, que se sabe que a casca do Salgueiro possuía estas propriedades. Em 1827, o seu princípio ativo, a Salicina, foi isolado. Dele se extrai o álcool salicílico, que pode ser oxidado para o ácido salicílico.

Porém, descobriu-se depois que este ácido pode ter uma acção corrosiva nas paredes do estômago. Para contornar isto foi adicionado um radical acetil à hidroxila ligada directamente ao anel aromático, dando origem a um éster de acetato, chamado de ácido acetil-salicílico (AAS), menos corrosivo mas também menos potente.


1 comentários:

mari santos disse...

A beldroega pode ser encontrada facilmente pelas ruas e campos, muitas vezes admiradas apenas pelo seu valor ornamental as pessoas se esquecem dos seus valores terapêuticos. Por isso faz~se necessário buscar conhecer melhor as plantas e suas utilidades.
Mari
http://plantasmedicinaisdaamazonia.googlepages.com/