Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

quinta-feira, 17 de maio de 2007

Aquecimento global vai gerar 1 bilhão de refugiados, diz ONG

Bamako, Mali
Mali, produtor de algodão, é um dos países mais pobres do mundo
Pelo menos 1 bilhão de pessoas serão forçadas a deixar suas casas até 2050 devido às mudanças climáticas no planeta, prevê um relatório divulgado pela agência internacional de ajuda humanitária Christian Aid.

A grande maioria desses imigrantes será proveniente de países pobres e será afetada por enchentes, secas e fome, segundo o levantamento da ONG britânica Human tide: the real migration crisis.

Mali, localizado no deserto do Saara, na África, seria o país onde a ameaça do aquecimento global é mais imediata.

"Agricultores já estão achando impossível sobreviver com a terra da maneira que faziam há séculos. Níveis erráticos e declinantes de chuva significam colheitas reduzidas e as pessoas têm que se mudar para ganhar dinheiro e alimentar suas famílias", afirma o relatório.

A Christian Aid usa como referência o levantamento do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, em inglês) da Organização das Nações Unidas (ONU) para a previsão de pessoas afetadas pelo aquecimento global.

A ONG cita um trecho do relatório do IPCC: "Até 2080, é possível que 1,1 bilhão a 3,2 bilhões de pessoas sofrerão de falta de água; 200 a 600 milhões, fome; 2 a 7 milhões por ano, enchentes".

Casos

O estudo da Christian Aid diz que 155 milhões de pessoas estão refugiadas atualmente em função de conflitos, desastres e projetos de desenvolvimento econômico.

"Acreditamos que a migração forçada é agora a ameaça mais urgente enfrentada pela população pobre do mundo em desenvolvimento", diz John Davison, autor do relatório.

"O impacto das mudanças climáticas é o maior e o mais assustador fator desconhecido dessa equação. Apenas agora uma atenção acadêmica séria está sendo devotada para calcular a escala dessa nova onda humana."

O relatório cita ainda os casos do Sudão, Uganda, Sri Lanka, Burma e Colômbia.

Na Colômbia e em Burma, diz o estudo, as pessoas mais pobres que deixavam suas casas em função da violência, agora também precisam se deslocar por causa das plantações de grandes agricultores ou para construção de represas.

Brasil

A Christian Aid critica ainda a desapropriação de terras para produção de biocombustíveis.

No caso do Brasil, a ONG diz que é parceira do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e que também se opõe à expansão da indústria de etanol.

"O MST argumenta que o uso mais importante da terra no Brasil é para a produção de alimentos para sua população", diz o relatório.

"A Christian Aid acredita que os países ricos precisam repensar essa pressa em direção aos biocombustíveis e reconhece como isso vai tirar milhões de pessoas de suas terras."

Fonte: BBC Brasil

0 comentários: