NutriViva no Facebook é a nossa página no Facebook onde há uma constante actividade com pratos e ideias sobre Alimentação Viva.
O blog também está acessivel em ALIMENTACAOVIVA.COM e ALIMENTACAOVIVA.INFO
Visitem o meu blog em inglês (com traduçao automática)
Raw in Copenhagen
Ao deixar um comentário referente a um artigo, por favor colar o link desse artigo.

Badge Raw Food

Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Search/ Busca

Carregando...

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Ocorreu um erro neste gadget

Total de visualizações de página

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Massa para tarte doce.




Ingrediente:

1/2 chávena de nozes germinadas

1/2 chávena de amêndoa germinada

1/2 chávena de pinhões germinadas

1/4 chávena de sultanas demolhadas


Modo de fazer:

Com os frutos secos secos, bata tudo em um processador até obter um massa homogenia, separadamente bata as sultanas até obter um massa cremosa.

Junte tudo muito bem, fica uma massa moldavel e muito macia. Forre o fundo de uma forma e acrescente a cobertura..

Fonte: http://leitedaterra.blogspot.com/2010/07/massa-para-tarte-doce.html

Austrália: cidade proíbe água engarrafada

1500 garrafas de plástico são atiradas para o lixo a cada segundo


As garrafas de plástico são anti-ecológicas e podem ser prejudiciais para a saúde. Vamos mudar os nossos hábitos. Vamos reduzir ou, se possível, eliminar a utilização das garrafas de plástico. Na Austrália, uma cidade já proibiu a comercialização de água em garrafas de plástico  - um exemplo a seguir.






  • Água
Uma cidade australiana tornou-se este sábado a primeira região do mundo a proibir a venda de água engaUma cidade australiana tornou-se este sábado a primeira região do mundo a proibir a venda de água engarrafada para reduzir o impacto das garrafas de plástico no meio ambiente, informa a rádio «ABC».


A localidade de Bundanoon, no estado de Nova Gales do Sul no sudeste da Austrália, aprovou em Julho a campanha com o apoio de 350 dos 352 membros do conselho municipal e uma arrasadora maioria da população de 2.500 habitantes, noticia a «EFE».
Na noite passada, foram retiradas as últimas caixas de água engarrafada de todos os comércios da localidade e a partir de agora apenas poderão encher vasilhame reutilizável.
A iniciativa surgiu após uma empresa de bebidas ter anunciado os seus planos para engarrafar água proveniente de uma reserva subterrânea próxima.
O administrador chefe de Nova Gales do Sul, Nathan Rees, pediu a outras cidades que se juntem ao plano e deixem de comprar este produto.
Os australianos gastaram em 2008 cerca de 500 milhões de dólares locais (298 milhões de euros) em água engarrafada, mais dez por cento do que no ano anterior.





http://diario.iol.pt/ambiente/australia-plastico-agua-garrafas-ambiente-tvi24/1091738-4070.html

http://su-per-natural.blogspot.com/2009/11/agua-em-garrafa-de-plastico.html
http://blog.eco4planet.com/2009/08/cidade-australiana-e-a-primeira-do-mundo-livre-de-garrafas-plasticas/

Os perigos dos pesticidas





Os pesticidas são produtos químicos ou agentes biológicos que são usados para controlar as ervas daninhas (herbicidas), insectos (insecticidas) ou fungos (fungicidas). Transportados pela água e pelos alimentos consumidos, eles chegam até nós. O nosso organismo acolhe centenas de moléculas tóxicas, incluindo numerosos pesticidas. 

Mercearia Paraopeba

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Arroz no Brasil: Suspiro de alívio (para já)



Bagos de arroz
2010/06/24 - O Brasil esteve a poucos dias de lançar o cultivo comercial de arroz transgénico. Teria sido o primeiro país no mundo a fazê-lo. Mas, debaixo de pressão por parte de produtores e da indústria, a Bayer decidiu retirar - temporariamente - o pedido de autorização. Excelente notícia, enquanto durar.



http://stopogm.net/content/arroz-no-brasil-suspiro-de-alivio

Florestas de kelp


O que é o Kelp? Entende-se por Kelp, algas castanhas gigantescas de águas frias e ricas em nutrientes, que formam florestas subaquáticas de enorme dimensão e com grande diversidade, chegando aos 65 metros de altura. Isto sim, é o Kelp, que tem um problema de “publicidade”, pois está escondido debaixo da superfície, o que leva a que o público em geral desconheça estas magníficas florestas subaquáticas. Laminaria hyperborea é o principal género de Kelp, e as suas florestas (desta e das outras espécies conjuntas) formam ecossistemas preciosos para a biodiversidade marinha a nível planetário.

As florestas de Kelp são importantes para a regulação marinha, pois são bons produtores primários, transformando a energia solar em matéria orgânica, usada nas cadeias alimentares da vida marinha. Estas algas captam enormes quantidades de dióxido de carbono e libertam oxigénio, contribuindo assim para a regulação do efeito de estufa da atmosfera.

As algas têm uma estrutura de fixação, que é a base, uma estrutura de suporte, que é o estipe, e uma outra estrutura importante para a fotossíntese, que é a lâmina. Todo o Kelp tem diferentes colorações, textura e dimensões na sua estruturação, o que diferencia as espécies.


Espécies de kelp em Portugal:
Laminaria hyperborea


Laminaria Ochroleuca

Saccorhiza Polyschides

Saccharina latíssima

Phyllariopsis brevipes

Phyllariopsis purpurascens

Undaria pinnatifida

As florestas de Kelp

Inúmeras espécies dependem destas florestas para alimentação e refúgio, especialmente os pequenos peixes, invertebrados e os seus predadores. Estas florestas são também importantes a nível económico, pois atraem espécies de elevado valor comercial para a pesca, como os robalos e as corvinas. Do kelp são ainda extraídos produtos utilizados na alimentação, cosmética e indústria. Nos últimos séculos, a utilização de Kelp como fertilizante de solos (moliço), foi uma actividade muito comum em Portugal. Actualmente a apanha destas algas é feita apenas por alguns agricultores da costa Norte. Desde 1970 que as florestas de Kelp entraram em declínio, quase desaparecendo. O contributo português para recolher dados sobre kelp vem do centro de ciências do mar do Algarve.

Projecto Findkelp

Segundo site findkelp.org o Projecto Findkelp surgiu para conhecer melhor as florestas de Kelp da costa portuguesa e promover a sua conservação. Trata-se de um projecto científico e inovador que fomentou a participação dos cidadãos em acções de conservação da Natureza. Um espaço de intercâmbio de conhecimento para quem ama o mar. Os objectivos do projecto consistem em estudar o estado de conservação das florestas de kelp em Portugal continental através da participação da comunidade. Durante o ano de 2008 decorreu o Projecto Findkelp, uma iniciativa do Centro de Ciências do Mar do Algarve (CCMAR) e Universidade do Algarve, ligada ao projecto Ecokelp (Station Biologique de Roscoff, CNRS), executada por Gobius – Comunicação e Ciência e financiada por ANR e Fundação Projecto AWARE. O Objectivo era avaliar o estado das florestas de laminárias em Portugal e o desafio lançado era muito simples, informar o projecto sempre que se observasse uma floresta de laminárias.

Os objectivos do projecto consistiram em estudar o estado de conservação das florestas de kelp em Portugal continental através da participação comunitária, de observações de campo e de análises estatísticas e sistemas de informação geográfica. Um objectivo importante foi o de informar e divulgar a importância da preservação das florestas de Kelp para o equilíbrio dos ecossistemas dos nossos Oceanos.

Agora pensemos: no fundo, qual a importância do Kelp para as nossas vidas? Alguns poderiam argumentar: “bem, que benefício isso me traz?”. A verdade é que, tal como foi dito, as florestas de Kelp têm vindo a desaparecer nas últimas décadas na costa portuguesa, em parte por razões naturais, mas também pelas consequências da poluição marítima. E, sim, também existe a desflorestação marítima, pois a poluição pode gerar o desaparecimento destas florestas. Mas, ainda hoje, é tudo muito incerto e é, sem dúvida, necessária maior investigação para termos a certeza da dinâmica biológica do Kelp. Encorajamos com todo o fervor as iniciativas como o Projecto Findkelp, e que todos, não só os biólogos marinhos, participem, dentro das suas possibilidades neste projecto, com um coração de voluntário. Os benefícios? Conhecer o mar, respeitá-lo, estudá-lo e preservá-lo, pois todos somos responsáveis pelo futuro dos oceanos.

http://safenature-luta.blogspot.com/2009/11/florestas-de-kelp.html

A couve e as suas propriedades

As couves, devido ao seu alto e valioso valor nutricional são um dos principais legumes utilizados na medicina tradicional desde a antiguidade.

Julga-se mesmo que na antiguidade em algumas civilizações as couves eram utilizadas somente com o fim medicinal e não gastronómico.Nas antigas civilizações da Grécia e Roma costumava-se comer couve antes de uma refeição farta, ou simplesmente para prevenir doenças do estômago ou uma indisposição.


No Egipto costumava ser uma prática comum ingerir algumas folhas de Couve em vinagre antes de um grande banquete ou festa, esta prática tinha como fim prevenir uma eventual ressaca. Mas é mais tarde, no final da idade média, após este vegetal ter ganhado uma grande popularidade entre os povos Europeus, que surge o termo “médico do povo” associado à couve. A couve era utilizada para a cura das mais diversas enfermidades, e havia ainda a ideia de se comer couve diariamente evitaria o aparecimento de doenças.


Algumas destas práticas sobreviveram ao passar dos milénios e ainda são hoje em dia utilizadas por muita gente. Porém os povos da antiguidade não estavam de todo errados quanto às propriedades da couve. Estudos e investigação nesta área têm revelado que a utilização das couves para a cura e prevenção de certas enfermidades é realmente eficaz devido à sua composição nutricional e por ser um anti-inflamatório, antibiótico e anti-irritante natural.


Nos dias de hoje a couve ainda é utilizada com alguma regularidade nas seguintes situações:


  • Evitar ressacas (deve-se consumir couve com vinagre antes de se ingerir álcool, alguns países inclusive utilizam a couve como aperitivo em bares.);
  • Aliviar a prisão de ventre (para aliviar a prisão de ventre deve-se consumir pratos com couve cozida.);
  • Evitar má disposição (deve-se consumir algumas folhas de couve crua ou cozida antes de uma refeição pesada.);
  • Curar e aliviar a dor de úlceras gástricas (a receita tradicional para as úlceras é a de 1L de sumo de couve durante 8 dias. Contudo esta prática não deve ultrapassar os 8 dias, nem deve ser mais de um litro pois este sumo pode inibir o organismo de absorver o ferro e consequentemente criar uma anemia.);
  • Cortes e feridas (para uma cicatrização rápida deverá aplicar-se uma folha de couve fresca sobre a ferida.);
  • Dores, inchaço e feridas no peito devido à amamentação (em caso de uma amamentação dolorosa, para aliviar a dor e o inchaço, deve-se abrir ao meio os caules e os veios das folhas e aplicar sobre a zona afectada.);
  • Prevenir e curar constipações e gripes (a couve é por excelência uma fonte de vitamina C, contudo para prevenir gripes e constipações tem que ser consumida crua pois ao ser cozinhada perde quase metade da grande quantidade de vitamina C que possui)

Mas as propriedades curativas da couve não se ficam por aqui. Há já alguns anos que a couve tem vindo a ser utilizada pelos praticantes de medicina tradicional, como homeopatas, no tratamento do cancro através da dieta. Mas foi recentemente que estudos levados a cabo no Japão e EUA vieram mostrar que a couve é realmente eficaz na prevenção de certos tipos de cancro, como o do cólon e cancros hormono-dependentes como o da mama e dos ovários pois estimula o metabolismo das mulheres.


Outro estudo levado a cabo recentemente em Lyon, França, veio comprovar que comer pelo menos uma vez por semana couve ou brócolos previne o cancro do pulmão em 70% dos indivíduos, pois estes vegetais são ricos em isothiocyanate, um químico natural que protege contra este cancro.


Por fim, Investigadores da Universidade Nacional de Seoul, Coreia do Sul, após alimentarem com couve chinesa (napa) 13 aves contaminadas com o vírus da gripe das aves constataram surpreendentemente que em 1 semana 11 das 13 aves recuperaram. Será que a couve nos poderá salvar de uma futura epidemia?


Apesar de ter havido no último século um crescente número dos cépticos da medicina natural, nos últimos anos a medicina natural voltou a ser procurada por muitas pessoas e a couve foi um dos alimentos que mais recuperou a popularidade de outrora.

vnatura.wordpress.com

A couve é rica em vitamina A (indispensável para a vista e para a pele), vitamina C, K e algumas do complexo B. Também é rica em cálcio (oferece tanto quanto o leite), fósforo e ferro, minerais muito importantes para a formação e manutenção dos ossos e dentes. Além disso, contém bastante celulose, uma substância óptima para o funcionamento do intestino.

Propriedades medicinais: anti-helmíntica, anti-reumática, aperiente, béquica, cicatrizante, condicionante, estimulante, expectorante, fortalecedora.

Indicações: acalmar cólicas (sementes), artrite, bronquite (ajudar), asma, catarros, cicatrizar úlcera gástrica e duodenal, desinfetar o intestino, diminuir desejo por bebidas alcoólicas, doenças inflamatórias da pele, dores (ciáticas, reumáticas, nevrálgicas, de gota), estimular o apetite, febre, fortificar crianças em fase de crescimento, gota, prisão de ventre, reumatismo, seborréia do couro cabeludo, tosse, vermes.

Parte utilizada: folhas, talos, sementes.

gotasdeluz.blogs.sapo.pt


A couve, ou repolho, é um membro da família das crucíferas, e está relacionada com os bróculos e couves-de-bruxelas. A couve tem uma forma arredondada e é composta por camadas sobrepostas de folhas. Existem três tipos principais de couve: verde, vermelho e savoy. A cor verde da couve varia de verde pálido a verde-escuro, enquanto que a variedade vermelha da couve tanto é roxa como carmesim com veias brancas a atravessar as folhas. As folhas da couve verde e couve vermelha são lisas, enquanto que as folhas da variedade Savoy são mais enrugadas e de cor amarelada.
Como o interior das folhas da couve estão protegidas da luz solar, são mais claras na coloração. As variedades verde e vermelha da couve apresentam um sabor mais definido e uma textura crocante quando comparadas com a variedade Savoy, de natureza mais delicada.
Outras variedades de couve disponíveis no mercado são a Bok Choy ou a Couve Chinesa (Napa). A Bok Choy tem um sabor leve e uma maior concentração de vitamina A. A Couve Chinesa, com as suas folhas verde pálido, é muito utilizada em saladas.

Tabela Nutricional


151 GRS / 32.97 CALORIAS
NUTRIENTES
QUANT.
DDR (%)
DENSIDADE DO NUTRIENTE
CLASS.
VITAMINA K
73.35 mcg
91.7
50.0
excelente
VITAMINA C
30.15 mg
50.3
27.4
excelente
FIBRAS
3.45 g
13.8
7.5
muito bom
MANGANÉSIO
0.18 mg
9.0
4.9
muito bom
VITAMINA B6 (PIRIDOXINA)
0.17 mg
8.5
4.6
muito bom
FOLATOS
30.00 mcg
7.5
4.1
muito bom
ÁCIDOS GORDOS (OMEGA 3)
0.17 g
7.1
3.9
muito bom
VITAMINA B1 (TIAMIN)
0.09 mg
6.0
3.3
bom
VITAMINA B2 (RIBOFLAVINA)
0.08 mg
4.7
2.6
bom
CÁLCIO
46.50 mg
4.7
2.5
bom
POTÁSSIO
145.50 mg
4.2
2.3
bom
VITAMINA A
198.00 IU
4.0
2.2
bom
TRIPTOFANO
0.01 g
3.1
1.7
bom
PROTEÍNAS
1.53 g
3.1
1.7
bom
MAGNÉSIO
12.00 mg
3.0
1.6
bom
Benefícios para a Saúde


● Acção Anticancerígena
● Acção Antiulcerosa
● Acção Antidiabética
● Úlceras Gastroduodenal
● Inflamações de Estômago
● Laxante
● Prisão de Ventre

http://www.alimentacaosaudavel.org/couve.html