NutriViva no Facebook é a nossa página no Facebook onde há uma constante actividade com pratos e ideias sobre Alimentação Viva.
Visitem o meu blog em inglês (com traduçao automática)
Raw in Copenhagen
Ao deixar um comentário referente a um artigo, por favor colar o link desse artigo.

Badge Raw Food

Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Search/ Busca

Carregando...

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Para salvar a saúde temos de erradicar o analfabetismo nutricional entre médicos e pacientes

Um médico obeso chega em casa com a sua esposa na hora do jantar ainda carregando um saco cheio de  comida lixo (fast food - comida rápida) de um restaurante local. 


Preocupado com a sua saúde, a esposa pergunta: "Não percebes que toda essa comida rápida  que continuas comendo está destruindo todo o teu corpo?" 


"Essa não é minha preocupação", responde o médico. "Eu sou apenas um especialista de ouvidos, nariz e garganta ." 


Esta piada ilustra um ponto importante: que mesmo os mais brilhantes cientistas, médicos e pesquisadores podem ser completamente desconhecedores quando se trata da sua própria saúde. E a piada não é realmente uma piada em tudo: É um comentário triste, e a verdade sobre os pontos cegos no conhecimento daqueles que são mais inteligentes entre os pensadores da sociedade. 


São conhecidas muitas pessoas brilhantes. Mesmo gênios. Mas raramente se encontra alguém cujo conhecimento da alimentação e nutrição se eleva muito acima da ignorância absoluta. Talvez uma em cada cem pessoas no mundo ocidental de hoje têm capacidade para tomar decisões em relaçãp à nutrição necessária e que ajuda a manter a saúde, o resto simplesmente ignora o que dve ou não comer, indo junto com a maioria (e o a maioria ...) 


Ser brilhante num campo nem sempre se traduz em nutrição


Mas aqui está a parte realmente interessante: Quanto mais inteligente uma pessoa é no seu próprio campo de especialidade, quanto mais informados eles pensam que são sobre alimentos e nutrição (na realidade não o são). Um cientista típico, por exemplo, está tão acostumado a estar certo que quando se trata de decisões sobre a sua dieta e hábitos de compra dos alimentos, ele acha que é certo pelo simples facto de que ele é mais inteligente. Porque ele está sempre certo, então qualquer decisão que ele tenha - quer se trate de alimentos, finanças e relacionamentos - também deve ser a decisão certa. 


Para fazer as coisas ainda piores, as pessoas realmente inteligentes são especialmente sensíveis às estratégias de persuasão não-consciente - como aqueles usados por anunciantes de alimentos. As companhias de alimentos não apelam para a lógica e a razão ao anunciar o seu lixo, porque não há realmente muita lógica ou razão de consumir os seus produtos. Em vez disso, eles usam inconscientemente a abordagem emocional atribuindo sentimentos às marcas. Dessa forma, quando você está no supermercado, você inconscientemente experimenta uma preferência por um determinado produto ou marca, sem saber por quê. 


Isto funciona com as pessoas inteligentes quase sempre, ao que parece. Eles podem ter lógica e intelecto superior em comparação ao resto do mundo, mas quando você examina a lista de compras de supermercado, eles estão comprando todo o lixo da mesma forma que o indivíduo com um QI de 70, que mora ao lado. 


Ter bons cérebros, ao que parece, não se traduz necessariamente em fazer boas decisões sobre alimentação e saúde. E, no entanto estas pessoas deveriam conhecer melhor. 


Alimentação e consequências


A maioria dos cientistas, médicos e pessoas de QI alto acreditam na Lei de Causa e Efeito. Cada acção (causa) resulta em alguma reacção (efeito). Cada entrada tem uma saída. 


A maioria das pessoas reconhecem esta verdade universal, e ainda quando se trata de alimentos e saúde, há uma desconexão bizarra. As pessoas têm sido manipuladas pelas empresas de alimentos- e até mesmo os reguladores do governo, em grande medida - para consumir alimentos sem ter em conta os resultados da sua saúde. O sistema quer que você acredite que são os seus genes que controlam a sua saúde ao mesmo tempo encobrindo o mais importante ponto  que é a sua dieta que controla a expressão dos seus genes. 


Eles preferem ignorar o facto verdadeiro que a vitamina D impede doenças infecciosas 500% melhor do que uma vacina porque assim lhes permite promover vacinas e não ensinar a responsabilidade nutricional. Mesmo nutricionistas na sua maioria são ensinados que não há diferença entre alimentos mortos e alimentos vivos. Uma caloria é uma caloria, não importa de onde vem ou se é de uma planta da Mãe Natureza ou uma fábrica de açúcar feita pelo homem. 


A ignorância nutricional na nossa cultura é surpreendente, e enquanto tal ignorância continua a ser tão difundida, nunca iremos conseguir um sistema de saúde que é eficaz e acessível. Enquanto os médicos continuam nutricionalmente analfabetos, nunca teremos um sistema de saúde com  os valores para educar os pacientes sobre o que eles colocam nas suas bocas. 


A ignorância é inimiga da saúde duradoura, e infelizmente as nossas instituições governos, mantem políticas de ignorância imposta proibindo as empresas que vendem produtos naturais possam divulgar os beneficios desses produtos nas etiquetas dos mesmos. Ao ponto de na Internet tudo a partir de cerejas, chá verde e as nozes têm estado sob ataques implacáveis, que ameaçam fundadores de empresas de alimentos naturais com a prisão e a repressão, a menos que retirem dos seus sites links que apontam para os estudos científicos publicados em revistas de ciência.  




Mesmo nossas escolas públicas reforçam o analfabetismo nutricional das nossas crianças. Embora quase todos concordem que é importante ensinar os nossos filhos a ler, escrever e entender a matemática e a ciência, não há nenhum esforço real para ensinar as crianças a se alimentarem de maneira saudável. São uma piada nutricional os programas de alimentação escolar e estamos realmente  a ensinar aos alunos precisamente com a mensagem errada, servindo-lhes alimentos mortos, usando alimentos que promovem a diabetes, cancro, doenças cardíacas e distúrbios comportamentais. 


A ignorância nutricional pode ser fantástica para a geração de lucros obscenos para as companhias farmaceuticas, mas é uma política terrível para a saúde pública. Só vamos conseguir uma saúde duradoura de verdade quando tivermos acesso livre à informação verdadeira sobre as capacidades de cura de alimentos naturais, superfoods (super-alimentos) e remédios naturais. 


Até esse dia chegar, vamos continuar num ciclo de ignorância e doença que acabará por falência. A nutrição pode ajudar-nos a quebrar esse ciclo, se for ensinada de forma conscienciosa.

0 comentários: