Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Florestas de kelp


O que é o Kelp? Entende-se por Kelp, algas castanhas gigantescas de águas frias e ricas em nutrientes, que formam florestas subaquáticas de enorme dimensão e com grande diversidade, chegando aos 65 metros de altura. Isto sim, é o Kelp, que tem um problema de “publicidade”, pois está escondido debaixo da superfície, o que leva a que o público em geral desconheça estas magníficas florestas subaquáticas. Laminaria hyperborea é o principal género de Kelp, e as suas florestas (desta e das outras espécies conjuntas) formam ecossistemas preciosos para a biodiversidade marinha a nível planetário.

As florestas de Kelp são importantes para a regulação marinha, pois são bons produtores primários, transformando a energia solar em matéria orgânica, usada nas cadeias alimentares da vida marinha. Estas algas captam enormes quantidades de dióxido de carbono e libertam oxigénio, contribuindo assim para a regulação do efeito de estufa da atmosfera.

As algas têm uma estrutura de fixação, que é a base, uma estrutura de suporte, que é o estipe, e uma outra estrutura importante para a fotossíntese, que é a lâmina. Todo o Kelp tem diferentes colorações, textura e dimensões na sua estruturação, o que diferencia as espécies.


Espécies de kelp em Portugal:
Laminaria hyperborea


Laminaria Ochroleuca

Saccorhiza Polyschides

Saccharina latíssima

Phyllariopsis brevipes

Phyllariopsis purpurascens

Undaria pinnatifida

As florestas de Kelp

Inúmeras espécies dependem destas florestas para alimentação e refúgio, especialmente os pequenos peixes, invertebrados e os seus predadores. Estas florestas são também importantes a nível económico, pois atraem espécies de elevado valor comercial para a pesca, como os robalos e as corvinas. Do kelp são ainda extraídos produtos utilizados na alimentação, cosmética e indústria. Nos últimos séculos, a utilização de Kelp como fertilizante de solos (moliço), foi uma actividade muito comum em Portugal. Actualmente a apanha destas algas é feita apenas por alguns agricultores da costa Norte. Desde 1970 que as florestas de Kelp entraram em declínio, quase desaparecendo. O contributo português para recolher dados sobre kelp vem do centro de ciências do mar do Algarve.

Projecto Findkelp

Segundo site findkelp.org o Projecto Findkelp surgiu para conhecer melhor as florestas de Kelp da costa portuguesa e promover a sua conservação. Trata-se de um projecto científico e inovador que fomentou a participação dos cidadãos em acções de conservação da Natureza. Um espaço de intercâmbio de conhecimento para quem ama o mar. Os objectivos do projecto consistem em estudar o estado de conservação das florestas de kelp em Portugal continental através da participação da comunidade. Durante o ano de 2008 decorreu o Projecto Findkelp, uma iniciativa do Centro de Ciências do Mar do Algarve (CCMAR) e Universidade do Algarve, ligada ao projecto Ecokelp (Station Biologique de Roscoff, CNRS), executada por Gobius – Comunicação e Ciência e financiada por ANR e Fundação Projecto AWARE. O Objectivo era avaliar o estado das florestas de laminárias em Portugal e o desafio lançado era muito simples, informar o projecto sempre que se observasse uma floresta de laminárias.

Os objectivos do projecto consistiram em estudar o estado de conservação das florestas de kelp em Portugal continental através da participação comunitária, de observações de campo e de análises estatísticas e sistemas de informação geográfica. Um objectivo importante foi o de informar e divulgar a importância da preservação das florestas de Kelp para o equilíbrio dos ecossistemas dos nossos Oceanos.

Agora pensemos: no fundo, qual a importância do Kelp para as nossas vidas? Alguns poderiam argumentar: “bem, que benefício isso me traz?”. A verdade é que, tal como foi dito, as florestas de Kelp têm vindo a desaparecer nas últimas décadas na costa portuguesa, em parte por razões naturais, mas também pelas consequências da poluição marítima. E, sim, também existe a desflorestação marítima, pois a poluição pode gerar o desaparecimento destas florestas. Mas, ainda hoje, é tudo muito incerto e é, sem dúvida, necessária maior investigação para termos a certeza da dinâmica biológica do Kelp. Encorajamos com todo o fervor as iniciativas como o Projecto Findkelp, e que todos, não só os biólogos marinhos, participem, dentro das suas possibilidades neste projecto, com um coração de voluntário. Os benefícios? Conhecer o mar, respeitá-lo, estudá-lo e preservá-lo, pois todos somos responsáveis pelo futuro dos oceanos.

http://safenature-luta.blogspot.com/2009/11/florestas-de-kelp.html

0 comentários: