NutriViva no Facebook é a nossa página no Facebook onde há uma constante actividade com pratos e ideias sobre Alimentação Viva.
O blog também está acessivel em ALIMENTACAOVIVA.COM e ALIMENTACAOVIVA.INFO
Visitem o meu blog em inglês (com traduçao automática)
Raw in Copenhagen
Ao deixar um comentário referente a um artigo, por favor colar o link desse artigo.

Badge Raw Food

Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Search/ Busca

Carregando...

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Ocorreu um erro neste gadget

Total de visualizações de página

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Aleitamento materno pode salvar a vida de 1,3 milhões de crianças por ano

Proporcionar educação sobre amamentação e apoio às novas mães  poderia prevenir mais de um milhão de mortes de crianças todos os anos, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Embora a OMS recomende que os bebês comecem a amamentação a partir da primeira hora de nascimento e consumir nada mais do que o leite materno - nem mesmo água - durante os primeiros seis meses de vida, menos de 40 por cento das mães em todo o mundo consegue atingir esse objectivo. A amamentação insuficiente é um problema nos países ricos e pobres,  diz a agência. 



O leite materno fornece a combinação exacta de nutrientes que uma criança necessita para o seu desenvolvimento, nenhuma fórmula artificial ou comida pode igualar o seu valor nutritivo. Além disso, o leite materno fornece anticorpos importantes para o sistema imunológico infantil ainda subdesenvolvido, e ajuda o sistemas imunitário das crianças a desenvolver-se de forma saudável. Mesmo uma fórmula que forneça nutrientes semelhantes ao do leite materno não prevê esta crítica função.

Se 90 por cento das mulheres seguissem as orientações de amamentação  da OMS, a agência diz que 13 por cento das mortes globais com idade inferior a cinco poderiam ser evitadas, traduzindo-se em 1,3 milhões de vidas salvas por ano.

Embora muitas mulheres comecem a amamentação, um grande número abandona a prática, porque elas são incapazes de levar a criança a parar corretamente ou não sabem como amamentar sem passar por um sofrimento insuportável, dor ou desconforto.

"Quando se trata de fazê-lo na prática, elas não têm o apoio prático", disse  Constanza Vallenas da OMS.

A directora geral da OMS, Margaret Chan, observou que durante certos desastres, as doações, supostamente bem intencionadas, de fórmulas de leite artificial, podem encorajar as mulheres a parar de amamentar no momento em que a  amamentação é mais necessária e critica para a sobrevivência.

"Durante situações de emergência, as doações não solicitadas ou descontrolada de substitutos do leite materno podem prejudicar amamentação e devem ser evitadas", disse ela. "O foco deve ser a proteção activa e apoio ao aleitamento materno".

Chan disse que as mães em zonas de desastre precisam de mais apoio para poder continuar ou retomar a amamentação.

Fonte: www.reuters.com.

0 comentários: