Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

sábado, 17 de março de 2007

GLOSSÁRIO SOBRE FRUTAS

FRUIT - FRUTAS
GLOSSÁRIO SOBRE FRUTAS

Prepared by Schütz & Kanomata
Updated October 2006
ENGLISH - PORTUGUESE
PORTUGUÊS - INGLÊS
acerola, Barbados cherry (Malpighia punicifolia) - acerola
apple (Malus) - maçã
apricot (Prunus armeniaca) - damasco
avocado (Persea americana) - abacate
banana (Musa spp.) - banana
- dwarf banana - banana nanica
- silk banana - banana-maçã
- sugar banana - banana-ouro
- lady's finger banana - banana-prata
- plantain - banana-da-terra
Barbados cherry, acerola (Malpighia punicifolia) - acerola
bilberry (Vaccinium myrtillus) - mirtilo, uva-do-monte
blackberry (Rubus fruticosus) - amora-preta
black mulberry (Morus nigra) - amora
blueberry (Vaccinium) - vacínio
breadfruit (Artocarpus altilis) - fruta-pão
cacao (Theobroma cacao) - cacau
cantaloupe - melão rosado
cashew (Ancardium occidentale) - caju
cherimoya, chirimoya (Annona cherimolia) - cherimólia, querimólia
cherry (Prunus spp.) - cereja
coconut (Cocos nucifera) - coco
cranberry (American) (Vaccinium macrocarpon) - oxicoco
cranberry (European) (Vaccinium oxycoccus) - oxicoco
cupuacu (Theobroma grandiflorum) - cupuaçu
date (Phoenix dactylifera) - tâmara
dragon fruit (Hylocereus undatus) - pitaya
fig (Ficus carica) - figo
grape (Vitis spp.) - uva
grapefruit (Citrus paradisi) - pomelo, toranja
guava (Psidium guajava) - goiaba
hog plum (Spondias mombin) - cajá
honeydew melon - melão doce
jaboticaba (Myrciaria cauliflora) - jabuticaba
jackfruit (Artocarpus heterophyllus) - jaca
Japanese plum, loquat (Eriobotrya japonica) - ameixa-amarela
Japanese raisintree (Hovenia dulcis) - uva-do-Japão, uva-japonesa
Java plum (Syzygium cumini) - jamelão
jelly palm (Butia capitata) - butiá
kiwi fruit (Actinidia deliciosa) - kiwi
kumquat, cumquat (Fortunella margarita) - cunquate
lemon (Citrus limon) - limão-siciliano
lime (Citrus aurantifolia) - limão-taiti, lima-ácida
loquat, Japanese plum (Eriobotrya japonica) - ameixa-amarela
mango (Mangifera indica) - manga
melon (Cucumis melo) - melão
navel orange (Citrus sinensis) - laranja-baía, laranja-de-umbigo
nectarine (Prunus persica ssp nucipersica) - nectarina
orange (Citrus) - laranja
papaya (Carica papaya) - mamão papaia
passion fruit (Passiflora edulis) - maracujá
pawpaw (Asimina triloba) - asimina
peach (Prunus persica) - pêssego
persimmon (Diospyros) - caqui
pineapple (Ananas comosus) - abacaxi
plum (Prunus domestica) - ameixa
pomegranate (Punica granatum) - romã
quince (Cydonia oblonga) - marmelo
raspberry (Rubus idaeus) - framboesa
red mombin (Spondias purpurea) - serigüela
rose apple (Syzygium jambos) - jambo, jambo-rosa
sapodilla (Manilkara zapota L.) - sapoti
soursop (Annona muricata) - graviola
starfruit (Damasonium alisma) - carambola
strawberry (Fragaria) - morango
Surinam cherry (Eugenia uniflora) - pitanga
sweet lime (Citrus limettioides) - lima
sweetsop (Annona squamosa) - fruta-do-conde
tamarind (Tamarindus indica) - tamarindo
tangerine (Citrus reticulata) - tangerina, bergamota, mexerica
watermelon (Citrullus lanatus) - melancia

abacate (Persea americana) - avocado
abacaxi (Ananas comosus) - pineapple
açaí (Euterpe oleracea) - assai palm
acerola (Malpighia punicifolia) - Barbados cherry, acerola
ameixa (Prunus domestica) - plum
ameixa-amarela (Eriobotrya japonica) - Japanese plum, loquat
amora (Morus nigra) - black mulberry
amora-preta (Rubus fruticosus) - blackberry
asimina (Asimina triloba) - pawpaw
banana (Musa spp.) - banana
- banana-maçã - silk banana
- banana-nanica - dwarf banana
- banana-ouro - sugar banana
- banana-prata - lady's finger banana
- banana-da-terra - plantain
bergamota, mexerica, tangerina (Citrus reticulata) - tangerine
butiá (Butia capitata) - jelly palm
cacau (Theobroma cacao) - cacao
cajá (Spondias mombin) - hog plum
caju (Ancardium occidentale) - cashew
caqui (Diospyros) - persimmon
carambola (Damasonium alisma) - starfruit
cereja (Prunus spp.) - cherry
cherimólia, querimólia (Annona cherimolia) - cherimoya, chirimoya
coco (Cocos nucifera) - coconut
cunquate (Fortunella margarita) - kumquat, oval kumquat, cumquat
cupuaçu (Theobroma grandiflorum) - cupuacu
damasco (Prunus armeniaca) - apricot
dendê (Elaeis guineensis) - African oil palm
figo (Ficus carica) - fig
framboesa (Rubus idaeus) - raspberry
fruta-do-conde (Annona squamosa) - sweetsop
fruta-pão (Artocarpus altilis) - breadfruit
goiaba (Psidium guajava) - guava
graviola (Annona muricata) - soursop
jabuticaba (Myrciaria cauliflora) - jaboticaba
jaca (Artocarpus heterophyllus) - jackfruit
jambo, jambo-rosa (Syzygium jambos) - rose apple
jambolão, jamelão (Syzygium cumini) - Java plum, jambolan plum, jambul
kiwi (Actinidia deliciosa) - kiwi fruit
laranja (Citrus) - orange
laranja-de-umbigo, laranja-baía (Citrus sinensis) - navel orange
lima (Citrus limettioides) - sweet lime
limão-siciliano (Citrus limon) - lemon
limão-taiti, lima-ácida (Citrus aurantifolia) - lime
maçã (Malus) - apple
mamão papaia (Carica papaya) - papaya
manga (Mangifera indica) - mango
maracujá (Passiflora edulis) - passion fruit
marmelo (Cydonia oblonga) - quince
melancia (Citrullus lanatus) - watermelon
melão (Cucumis melo) - melon, cantaloupe, muskmelon, honeydew
melão doce - honeydew melon
melão rosado - cantaloupe
mirtilo, uva-do-monte (Vaccinium myrtillus) - bilberry
morango (Fragaria) - strawberry
nectarina (Prunus persica ssp nucipersica) - nectarine
oxicoco (Vaccinium oxycoccus) - European cranberry, (Vaccinium macrocarpon) American Cranberry
pêssego (Prunus persica) - peach
pitanga (Eugenia uniflora) - Surinam cherry
pomelo, toranja (Citrus paradisi) - grapefruit
romã (Punica granatum) - pomegranate
sapoti (Manilkara zapota L.) - sapodilla
serigüela (Spondias purpurea) - red mombin
tâmara (Phoenix dactylifera) - date
tamarindo (Tamarindus indica) - tamarind
tangerina, bergamota, mexerica (Citrus reticulata) - tangerine
uva (Vitis spp.) - grape
uva-do-Japão, uva-japonesa (Hovenia dulcis) - Japanese raisintree
vacínio (Vaccinium) - blueberry

Agradecemos as colaborações de Helcio Domingues Neto e Denys Castilhos

Fonte: http://www.sk.com.br/sk-fruit.html

GLOSSÁRIO SOBRE VERDURAS E LEGUMES

VEGETABLES - HORTIGRANJEIROS
GLOSSÁRIO SOBRE VERDURAS E LEGUMES


ENGLISH - PORTUGUESE
PORTUGUÊS - INGLÊS
alfafa sprouts (Medicago sativa) - alfafa
arrowroot (Maranta arundinacea) - araruta
artichoke (Cynara scolymus L.) - alcachofra
arugula, rucola (Eruca sativa L.) - rúcula
asparagus (Asparagus officinalis L.) - aspargo
aubergine (eggplant in the US) (Solanum melongena) - beringela
barley (Hordeum vulgare L.) - cevada
basil (Ocimum basilicum L.) - manjericão
bean sprouts (Vigna radiata L.) ou (Phaseolus aureus Roxb.) - broto de feijão
beet, beetroot (Beta vulgaris L.) - beterraba
bell pepper, sweet pepper (Capsicum annuum L. var. annuum) - pimentão amarelo, pimentão vermelho
black beans (Phaseolus vulgaris L.) - feijão-preto
broad beans, fava beans (Vicia faba L.) - favas
broadleaf wild leek, wild leek, leek, elephant garlic (Allium ampeloprasum L.) - alho-porró, alho-poró, alho-porro
broccoli (Brassica oleracea L. var. italica Plenck ) - brócolis
brussels sprouts (Brassica oleracea L. var. gemmifera Zenk) - couve-de-bruxelas
cabbage (Brassica oleracea L. var. capitata) - repolho
cabbage lettuce, crisphead lettuce (Lactuca sativa capitata) - alface repolhuda, alface americana
capers (Capparis spinosa L.) - alcaparras
caraway (Carum carvi L.) - alcaravia
carrot (Daucus carota L.) - cenoura
cassava, manioc, tapioca (Manihot esculenta) - mandioca, aipim
cauliflower (Brassica oleracea L. var. botrytis) - couve-flor
celeriac (Apium graveolens L. var. rapaceum) - salsão
celery (Apium graveolens L. var. dulce) - aipo
chard, Swiss chard (Beta vulgaris L. var. cicla) - acelga
chayote, choko, mirliton (Sechium edule Sw.) - chuchu
chickpea (Cicer arietinum L.) - grão-de-bico
chicory (Cichorium intybus L.) - chicória, almeirão
chilli pepper (Capsicum annuum var. annuum) - pimenta-cereja
Chinese cabbage (Brassica pekinensis Lour.) (Brassica chinensis L.) - couve-chinesa, couve-da-china, repolho-chinês
chives, wild chives (Allium schoenoprasum L.) - cebolinha, cebolinha verde
common bean (Phaseolus vulgaris L.) - feijão
coriander (Coriandrum sativum L.) - coentro
corn (Zea mays L.) - milho
cos lettuce (Lactuca sativa var. longifolia) - alface romana
cucumber (Cucumis sativus L.) - pepino
cumin, cummin (Cuminum cyminum L.) - cominho
dill (Anethum graveolens L.) - endro
early winter cress, early yellowrocket, winter cress, land cress, upland cress (Barbarea verna) - agrião-dos-jardins, agrião-da-terra
eggplant (aubergine in UK) (Solanum melongena) - beringela
elephant garlic (Allium ampeloprasum L. var. ampeloprasum) - alho-porró, alho-poró, alho-porro
endive (Cichorium endivia L.) - endívia, almeirão
escarole (Cichorium endivia) - escarola
fava beans, broad beans (Vicia faba L.) - favas
garden lettuce, lettuce (Lactuca sativa L.) - alface
garlic (Allium sativum L.) - alho
ginger (Zingiber officinale Roscoe) - gengibre
green bunching onions (Allium fistulosum L.) - cebolinha, cebolinha comum
green pepper (Capsicum annuum L.) - pimentão, pimentão verde
heart of palm (Euterpe edulis) - palmito
horseradish (Armoracia rusticana) - raiz-forte
hubbard squash (Cucurbita maxima Duch) - abóbora-menina, abóbora-grande
kale, curly kale, green kale (Brassica oleracea L. var. acephala DC.) - couve, couve-galega
kohlrabi (Brassica oleracea L. var. gongylodes) - couve-rábano
land cress, early winter cress, winter cress, upland cress (Barbarea verna) - agrião-dos-jardins, agrião-da-terra
leek, broadleaf wild leek, wild leek (Allium ampeloprasum L. var. porrum) - alho-porró, alho-poró, alho-porro
lentil (Lens culinaris Medik.) - lentilha
lettuce, garden lettuce (Lactuca sativa L.) - alface
lima bean (Phaseolus lunatus L.) - feijão-de-lima, feijão-fava, fava-belém, feijão-favona
manioc, cassava, tapioca (Manihot esculenta) - mandioca, aipim
marjoram, sweet marjoram (Origanum majorana L.) - manjerona
marrow (Cucurbita pepo L.) - uma variedade de abóbora de forma ovóide, polpa branca e casca verde fina
mung bean sprouts (Vigna radiata L.) ou (Phaseolus aureus Roxb.) - broto de feijão
oats (Avena sativa L.) - aveia
okra (Abelmoschus esculentus) - quiabo
old cocoyam, taro (Colocasia esculenta L.) - inhame
olive (Olea europaea) - azeitona, oliva
onion (Allium cepa L.) - cebola
oregano (Origanum vulgare L.) - orégano
parsley (Petroselinum crispum (Mill.) Nym) - salsa
parsnip (Pastinaca sativa) - pastinaca, chirivia
peas (Pisum sativum) - ervilhas
pepper (Piper nigrum) - pimenta-do-reino
popcorn (Zea mays everta) - milho-pipoca
potato (Solanum tuberosum) - batata
pumpkin (Cucurbita pepo L.) - abóbora. Os termos pumpkin e squash não possuem um significado botânico exato. Principalmente na Inglaterra, pumpkin é freqüentemente usado como sinônimo de squash. Para alguns, o termo squash inclui 3 tipos principais: summer squash, winter squash e pumpkin. Todos pertencem ao gênero Cucurbita, podendo se referir a qualquer uma de suas 4 principais espécies: pepo, mixta, moschata, e maxima, correspondendo em português a: abóbora, abóbora-menina, abóbora-moranga, abóbora-porqueira, etc.
radish (Raphanus sativus) - rabanete
red cabbage (Brassica oleracea L. var.capitata Alef. var. rubra DC.) - repolho-roxo
red pepper, bell pepper, sweet pepper (Capsicum annuum L. var. annuum) - pimentão vermelho
rhubarb (Rheum rhaponticum) - ruibarbo
rice (Oryza sativa L.) - arroz
rosemary (Rosmarinus officinalis) - alecrim
rucola, arugula (Eruca sativa L.) - rúcula
runner beans (Phaseolus coccineus L.) - feijão-da-espanha, feijão-trepador, feijão-flor
rutabaga, swede, Swedish turnip (Brassica napus L. napobrassica) - couve-nabo-da-suécia
rye (Secale cereale L.) - centeio
saffron (Crocus sativus) - açafrão
savoy cabbage (Brassica oleracea L. convar.capitata (L.) Alef. var. sabauda L.) - couve-lombarda
scarlet eggplant (Solanum gilo) - jiló
shallot (Allium cepa var. ascalonicum) - chalota
soybean, soya (Glycine max L.) - soja
spinach (Spinacea oleracea L.) - espinafre
squash (Cucurbita spp.) - Os termos squash e pumpkin não possuem um significado botânico exato. Principalmente na Inglaterra, pumpkin é freqüentemente usado como sinônimo de squash. Para alguns, o termo squash inclui 3 tipos principais: summer squash, winter squash e pumpkin. Todos pertencem ao gênero Cucurbita, podendo se referir a qualquer uma de suas 4 principais espécies: pepo, mixta, moschata, e maxima, correspondendo em português a: abóbora, abóbora-menina, abóbora-moranga, abóbora-porqueira, etc.
string beans, French beans (Phaseolus vulgaris L.) - feijão-vagem, vagem
summer squash (Cucurbita pepo L.) - abóbora-moranga, abobrinha, abóbora-porqueira
sweet pepper, bell pepper (Capsicum annuum L. var. annuum) - pimentão amarelo, pimentão vermelho
sweet potato (Ipomoea batatas) - batata-doce
Swiss chard, chard (Beta vulgaris L. var. cicla) - acelga
tabasco (Capsicum frutescens L.) - pimenta-malagueta
taro, old cocoyam (Colocasia esculenta L.) - inhame
thyme (Thymus vulgaris) - tomilho
tomato (Lycopersicon esculentum) - tomate
turnip (Brassica rapa L.) - nabo
watercress (Nasturtium officinale) - agrião
water yam, Winged yam (Dioscorea alata L.) - cará-inhame
Welsh onion (Allium fistulosum L) - cebolinha, cebolinha comum
wheat (Triticum) - trigo
winged yam, water yam (Dioscorea alata L.) - cará-inhame
white carrot (Arracacia xanthorrhiza Banc.) - mandioquinha
winter cress, land cress, upland cress (Barbarea verna) - agrião-dos-jardins, agrião-da-terra
winter squash (Cucurbita maxima Duch.) - abóbora-menina, abóbora-grande
yellow pepper, bell pepper, sweet pepper (Capsicum annuum L. var. annuum) - pimentão amarelo
zucchini (courgette in UK) (Cucurbita pepo var. melopepo) - abobrinha

abóbora (Cucurbita spp.) - pumpkin, squash. The term abóbora, like squash and pumpkin in English, has no precise botanical meaning. It can refer to any fruit of the Cucurbita genus.
abóbora-cheirosa (Cucurbita moschata Duch.) - cashew squash
abóbora-menina, abóbora-grande (Cucurbita maxima Duch.) - hubbard squash, winter squash
abóbora-moranga (Cucurbita pepo L.) - pumpkin, summer squash
abobrinha (courgette in UK) (Cucurbita pepo var. melopepo) - zucchini
açafrão (Crocus sativus) - saffron
acelga (Beta vulgaris L. var. cicla) - chard, Swiss chard
agrião (Nasturtium officinale) - watercress
agrião-dos-jardins, agrião-da-terra (Barbarea verna) - early winter cress, early yellowrocket, winter cress, land cress, upland cress
aipim, mandioca (Manihot esculenta) - cassava, manioc, tapioca
aipo (Apium graveolens L. var. dulce) - celery
alcachofra (Cynara scolymus L.) - artichoke
alcaparras (Capparis spinosa L.) - capers
alcaravia (Carum carvi L.) - caraway
alecrim (Rosmarinus officinalis) - rosemary
alface (Lactuca sativa L.) - lettuce, garden lettuce
alface repolhuda, alface americana (Lactuca sativa capitata) - cabbage lettuce, crisphead lettuce
alface romana (Lactuca sativa var. longifolia) - cos lettuce
alfafa (Medicago sativa) - alfafa sprouts
alho (Allium sativum L.) - garlic
alho-porró, alho-poró, alho-porro (Allium ampeloprasum L.) - elephant garlic, broadleaf wild leek, wild leek, leek
almeirão, chicória (Cichorium intybus L.) - chicory
almeirão, endívia (Cichorium endivia L.) - endive
araruta (Maranta arundinacea) - arrowroot
arroz (Oryza sativa L.) - rice
arroz integral - brown rice
aspargo (Asparagus officinalis L.) - asparagus
aveia (Avena sativa L.) - oats
azeitona, oliva (Olea europaea) - olive
batata (Solanum tuberosum) - potato
batata-doce (Ipomoea batatas) - sweet potato
beringela (Solanum melongena) - eggplant (US), aubergine (UK)
beterraba (Beta vulgaris L.) - beet, beetroot
brócolis (Brassica oleracea L. var. italica Plenck ) - broccoli
broto de feijão (Vigna radiata L.) ou (Phaseolus aureus Roxb.) - bean sprouts, mung bean sprouts
cará-inhame (Dioscorea alata L.) - water yam, winged yam
cebola (Allium cepa L.) - onion
cebolinha, cebolinha comum (Allium fistulosum L.) - Welsh onion, green bunching onions, scallions
cebolinha verde, cebolinha (Allium schoenoprasum L.) - chives, wild chives
cenoura (Daucus carota L.) - carrot
centeio (Secale cereale L) - rye
cevada (Hordeum vulgare L.) - barley
chalota (Allium cepa var. ascalonicum) - shallot
chicória, almeirão (Cichorium intybus L.) - chicory
chirivia, pastinaca (Pastinaca sativa) - parsnip
chuchu (Sechium edule Sw.) - chayote, choko, mirliton
coentro (Coriandrum sativum L.) - coriander
cominho (Cuminum cyminum L.) - cumin, cummin
couve, couve-galega (Brassica oleracea L. var. acephala DC.) - kale, curly kale, green kale, collard greens
couve-chinesa, couve-da-china, repolho-chinês (Brassica pekinensis Lour.) ou (Brassica chinensis L.) - Chinese cabbage
couve-de-bruxelas (Brassica oleracea L. var. gemmifera Zenk) - brussels sprouts
couve-flor (Brassica oleracea L. var. botrytis) - cauliflower
couve-lombarda (Brassica oleracea L. convar. capitata (L.) Alef. var.sabauda L.) - savoy cabbage
couve-nabo-da-suécia (Brassica napus L. napobrassica) - rutabaga, swede, Swedish turnip
couve-rábano (Brassica oleracea L. var. gongylodes) - kohlrabi
endívia, almeirão (Cichorium endivia L.) - endive
endro (Anethum graveolens L.) - dill
ervilhas (Pisum sativum) - peas
escarola (Cichorium endivia) - escarole
espinafre (Spinacea oleracea L.) - spinach
favas (Vicia faba L.) - broad beans, fava beans
feijão-da-espanha, feijão-trepador, feijão-flor (Phaseolus coccineus L.) - runner beans
feijão-de-lima, feijão-fava, fava-belém, feijão-favona (Phaseolus lunatus L.) - lima beans
feijão-preto (Phaseolus vulgaris L.) - common beans, black beans
gengibre (Zingiber officinale Roscoe) - ginger
grão-de-bico (Cicer arietinum L.) - chickpea
inhame (Colocasia esculenta L.) - old cocoyam, taro
jiló (Solanum gilo) - scarlet eggplant
lentilha (Lens culinaris Medik.) - lentil
mandioca, aipim (Manihot esculenta) - cassava, manioc, tapioca
mandioquinha (Arracacia xanthorrhiza Banc.) - white carrot
manjericão (Ocimum basilicum L.) - basil
manjerona (Origanum majorana L.) - marjoram, sweet marjoram
maxixe (Cucumis anguria L.) - West Indian gherkin, Jamaica cucumber
milho (Zea mays L.) - corn
milho-pipoca (Zea mays everta) - popcorn
nabo (Brassica rapa L.) - turnip
oliva, azeitona (Olea europaea) - olive
orégano (Origanum vulgare L.) - oregano
palmito (Euterpe edulis) - heart of palm
pastinaca, chirivia (Pastinaca sativa) - parsnip
pepino (Cucumis sativus L.) - cucumber
pimenta-cereja (Capsicum annuum var. annuum) - chilli pepper
pimenta-do-reino (Piper nigrum) - pepper
pimenta-malagueta (Capsicum frutescens L.) - tabasco
pimentão, pimentão verde (Capsicum annuum L.) - green pepper
pimentão vermelho, pimentão amarelo (Capsicum annuum L. var. annuum) - bell pepper, sweet pepper, red pepper, yellow pepper
quiabo (Abelmoschus esculentus) - okra
rabanete (Raphanus sativus) - radish
raiz-forte (Armoracia rusticana) - horseradish
repolho (Brassica oleracea L. var. capitata) - cabbage
repolho-chinês, couve-chinesa, couve-da-china (Brassica pekinensis Lour.) ou (Brassica chinensis L.) - Chinese cabbage
repolho-roxo (Brassica oleracea L. var. capitata Alef. var.rubra DC.) - red cabbage
rúcula (Eruca sativa L.) - rucola, arugula
ruibarbo (Rheum rhaponticum) - rhubarb
salsa (Petroselinum crispum (Mill.) Nym) - parsley
soja (Glycine max L.) - soybean, soya
salsão (Apium graveolens L. var. rapaceum) - celeriac
tomate (Lycopersicon esculentum) - tomato
tomilho (Thymus vulgaris) - thyme
trigo (Triticum) - wheat
vagem, feijão-vagem (Phaseolus vulgaris L.) - string beans, French beans

Agradecemos a colaboração de Helcio Domingues Neto
REFERENCES:
USDA, NRCS. 2002. The PLANTS Database, Version 3.5 .
National Plant Data Center, Baton Rouge, LA 70874-4490 USA. .
Atlas of Florida Vascular Plants, Institute for Systematic Botany, University of South Florida .
Embrapa Hortaliça .
Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa - Editora Objetiva 2001.
The New Oxford Dictionary of English - Oxford University Press 1998.







Fonte: http://www.sk.com.br/sk-veget.html

Bananas para despoluir o ambiente


Pó feito com cascas da fruta remove metais pesados da água


As cascas de bananas podem ter um destino muito mais nobre e útil do que ir para o lixo. Um estudo realizado pela química Milena Rodrigues Boniolo em sua dissertação de mestrado no Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), em São Paulo, mostrou que elas podem ser usadas para remover metais pesados – como o urânio – da água. Além de ser uma alternativa para descontaminar o ambiente, o uso da casca de banana vai ajudar a diminuir o lixo gerado pelo próprio descarte da fruta, feito em grandes quantidades no Brasil.

Segundo Boniolo, o uso da energia nuclear como opção para substituir os combustíveis fósseis, que liberam dióxido de carbono, um dos gases responsáveis pelo aquecimento global, deve levar ao aumento dos resíduos radioativos no ambiente, o que torna fundamental o desenvolvimento de métodos para remover esse material.

Outra importante fonte de contaminação é a indústria de fertilizantes, que gera grande quantidade de subprodutos ricos em metais pesados. “Uma tonelada de fertilizante produz quase três toneladas de fosfogesso, material rico em urânio, metal altamente radioativo”, exemplifica. “Esse resíduo é geralmente estocado no subsolo e, com as chuvas, alcança os lençóis freáticos, os lagos e os peixes, até chegar ao seres humanos”, alerta.

A química conta que a idéia de usar a casca da banana para remover metais pesados da água surgiu da tentativa de dar uma destinação útil para as várias toneladas de casca que são descartadas anualmente no país e acabam se tornando lixo poluente. “É uma solução barata e fácil para três problemas que afetam o ambiente”, destaca a pesquisadora, que conquistou este ano o primeiro lugar na categoria graduado do 22º Prêmio Jovem Cientista, uma iniciativa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), do Grupo Gerdau, da Eletrobrás/ Procel e da Fundação Roberto Marinho.

Para desenvolver o estudo, Boniolo preparou um pó com as cascas de banana. Durante uma semana, as cascas foram colocadas em uma assadeira no telhado da casa da pesquisadora, debaixo de sol forte. Depois de secas, elas foram batidas em um liquidificador e peneiradas. O pó foi colocado em um recipiente fechado com água contendo grandes quantidades de metais pesados, como o urânio, sob agitação constante, por 40 minutos. Segundo a química, a banana, que tem carga negativa, se combina com os metais pesados, que têm carga positiva. Ao fim desse processo de agitação, o pó contaminado deposita-se no fundo do recipiente. “Em média, o pó da casca de banana consegue remover 65% dos metais pesados da água, mas essa mesma operação pode ser repetida para que sejam obtidos índices mais altos.”

A pesquisadora, que deve concluir seu mestrado no primeiro semestre deste ano, pretende, em seu doutorado, desenvolver um filtro que permita o uso do pó da casca de banana em escala industrial.

Os vencedores do 22º Prêmio Jovem Cientista foram anunciados na semana passada em Brasília. Da esquerda para a direita: Felipe Arditti, o jornalista Heraldo Pereira (que conduziu o evento), Milena Boniolo e Ericka Lima-Verde. (Foto: Eliane Discacciati/ CNPq).

Todos pela conservação da biodiversidade
Outros dois estudos que podem ajudar o país a superar o desafio de combater o aquecimento global e conservar a biodiversidade também foram contemplados com o Prêmio Jovem Cientista deste ano.

Na categoria estudante de ensino superior, Ericka Patrícia de Almeida Lima-Verde, do curso de ciências biológicas da Universidade Federal da Paraíba, desenvolveu um estudo que usa a comunidade de borboletas da família Nymphalidae como indicador de alterações ambientais. Orientada pela professora Malva Isabel Medina Hernández, a pesquisadora analisou as espécies de borboletas encontradas em áreas de restinga reflorestadas e conservadas no nordeste brasileiro.

Segundo Lima-Verde, nas áreas reflorestadas, a abundância e a diversidade de borboletas estavam fora do padrão, o que mostra que o reflorestamento não está conseguindo restabelecer um ambiente semelhante ao original. “Nas áreas reflorestadas, coletamos 697 indivíduos da espécie hamadryas februas , que, segundo dados da literatura, é comum em ambientes degradados; na área conservada foram encontrados apenas nove espécimes”, conta. E sugere: “É possível que o reflorestamento não esteja sendo realizado de forma adequada.”

O vencedor na categoria estudante do ensino médio, Felipe Arditti, da Escola Brasileira Israelita Chaim Nachman Bialik, de São Paulo, criou um método mais eficiente para detectar os níveis de monóxido de carbono na fumaça liberada por caminhões e ônibus. O procedimento adotado hoje em São Paulo pela Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) monitora a cor da fumaça emitida pelos veículos por meio de uma escala que associa tons de cinza aos níveis de emissão. “Quanto mais escuro, mais poluente é”, explica, ressaltando que a avaliação é muito subjetiva.

O dispositivo desenvolvido por Arditti, sob a orientação do professor Alex Lima Barros, usa como base para o monitoramento da fumaça a escala da Cetesb, mas o resultado é gerado de forma objetiva. O aparelho é acoplado ao escapamento dos veículos e, em seu interior, um feixe de luz é lançado sobre a fumaça emitida, que, dependendo de sua cor, pode absorver uma parte da luz. A outra parte é absorvida por uma célula solar de silício e transformada em energia elétrica, calculada por um voltímetro. Os valores gerados em função do espectro de luz absorvido são relacionados à escala da Cetesb e informam o quão poluente é a fumaça.

Segundo o estudante, além de confiável, o aparelho é barato – custa cerca de R$ 45 – e pode ser usado na maioria dos motores que queimam combustíveis fósseis. “Assim, é possível controlar as emissões de poluentes para combater o aquecimento global”, conclui.

Também receberam o Prêmio Jovem Cientista a Universidade de São Paulo e a Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha, de Novo Hamburgo (Rio Grande do Sul), na categoria mérito institucional, e uma menção honrosa foi concedida ao professor Carlos Alfredo Joly, da Universidade Estadual de Campinas, em reconhecimento ao seu trabalho na área de biodiversidade.


Thaís Fernandes
Ciência Hoje On-line
13/03/2007

Agradecimentos: A

Katana
Pelo envio do link deste artigo
sexta-feira, 16 de março de 2007

CANELONE DE BROTO DE BAMBU

Alternativa, bonita e saborosa

Deixe para trás a idéia de que comida crua não tem gosto. A alta gastronomia aderiu à bandeira dos naturalistas para provar que, além de saborosos, os pratos também são bonitos, sim. O chef JÚNIOR BELÉM, do Deloonix, em São Paulo, ensina uma receita do primeiro restaurante de raw food do Brasil

O CHEF JÚNIOR BELÉM

NASCIDO NOS ESTADOS UNIDOS, O RAW FOO-dism – ou crudivorismo – é a dieta que não esquenta os alimentos acima de 42ºC para preservar enzimas e vitaminas. Adotada pelos restaurantes, a raw food passou a fazer parte da alta gastronomia. Os pratos de folhas, grãos e temperos exóticos têm sabor apurado e caíram no gosto de famosos como Demi Moore e Robin Williams.

Inaugurado há dois meses na capital paulista, o Deloonix é o primeiro restaurante de raw food no Brasil. O nome vem de Delonix Regia, termo científico da árvore Flamboyant – o “o” a mais foi sugestão da numerologia. “A maneira como é feita a raw food acaba por preservar os componentes dos alimentos, deixando o sabor ainda mais rico”, diz Eduardo Magliano, um dos proprietários.

MÃO NA MASSA. O responsável pelas diferentes receitas do restaurante, que também serve pratos vegetarianos e frutos do mar, é o chef Júnior Belém. Antes de assumir a cozinha, ele passou quatro meses com Rafael Rosa, especialista brasileiro em raw. “A comida assim tem mais nutrientes, ajuda na digestão e retarda o envelhecimento”, avisa o chef.

O estilista Calvin Klein, freqüentador de restaurantes raw famosos, como o Quintessence de Nova York, considerou a lasanha do Deloonix a melhor do mundo. Apesar de trabalhosos e demorados, os pratos são muito saudáveis e bonitos, como o canelone de broto de bambu que ensinamos aqui.





CANELONE DE BROTO DE BAMBU

I

I NGREDIENTES:
(RENDE 1 PORÇÃO)

Para a massa:
•150g de broto de bambu
•Sal e pimenta a gosto
•Azeite extravirgem

Para o molho:
•Uma bandeja de shimeji
•50g de tomates frescos
•50g de tomates secos
•Azeite extravirgem
•Azeite de manjericão
•1 copo de água filtrada
•Sal e pimenta a gosto

Para o recheio:
•1 maracujá
•Tomilho e alecrim picados
•Sal e pimenta a gosto
•1 xícara (chá) de castanha-de-caju
•1 xícara (chá) de trigo

Para decorar:
•Folhas de alface frisée, mimosa, roxa e endívia
•Pimenta-rosa
•Azeite de pimentão
•Alga Heijiki

MODO DE FAZER



1. Para a massa, marine o bambu com sal, pimenta e azeite. Reserve.

2. Para o molho, bata no liquidificador os tomates e o azeite de manjericão.

3. Jogue o shimeji e a água, até formar um creme homogêneo. Tempere com sal e pimenta.
4 e 5 . O primeiro passo do recheio é preparar o queijo de castanha. Coloque o trigo dentro de um pote com água e deixe hidratar por 12 horas. Escorra e leve à geladeira por mais 12 horas, até brotar. Separe a água, reserve, e coloque os brotos na água novamente por mais 8 horas. Bata a água reservada com a castanha-de-caju até formar o queijo.

6. Misture ao queijo a polpa do maracujá, sal, pimenta, tomilho e alecrim.

7. Espalhe nos bambus marinados.
8. Corte os rolinhos em diagonal, jogue o molho e decore a gosto.

Vale a Pena
A beleza da apresentação e a preservação de os praticamente todos nutrientes da comida compensam o tempo e dos pratos da raw food.

http://revistaquem.globo.com/

Parábola: Céu e inferno íntimos

Conta-se que um dia um samurai, conhecido pela sua índole violenta, foi procurar um sábio monge em busca de respostas para suas dúvidas...

- Monge; ensina-me sobre o céu e o inferno.

O monge; de pequena estatura e muito franzino, olhou para o bravo guerreiro e, simulando desprezo, lhe disse:

- Eu não poderia ensinar-lhe coisa alguma, você está imundo.

- Seu mau cheiro é insuportável.

- Ademais, a lâmina da sua espada está enferrujada.

- Você é uma vergonha para a sua classe.

O samurai ficou enfurecido.

O sangue lhe subiu ao rosto e ele não conseguiu dizer nenhuma palavra, tamanha era sua raiva.

Empunhou a espada, ergueu-a sobre a cabeça e se preparou para decapitar o monge.

- Aí começa o inferno... - disse-lhe o sábio mansamente.

O samurai ficou imóvel.

A sabedoria daquele pequeno homem o impressionara.

Afinal, arriscou a própria vida para lhe ensinar sobre o inferno.

O bravo guerreiro abaixou lentamente a espada e agradeceu ao monge pelo valioso ensinamento.

O velho sábio continuou em silêncio.

Passado algum tempo o samurai; já com a intimidade pacificada, pediu humildemente ao monge que lhe perdoasse o gesto infeliz.

Percebendo que seu pedido era sincero, o monge lhe falou:

- Aí começa o céu...

Para nós, resta a importante lição sobre o céu e o inferno que podemos construir na própria intimidade.

Tanto o céu quanto o inferno, são estados de consciência que nós próprios elegemos no nosso dia-a-dia.

A cada instante somos convidados a tomar decisões que definirão o início do céu ou o começo do inferno.

Portanto, criar céus ou infernos; portas à dentro da nossa alma, é algo que ninguém poderá fazer por nós.

A porta entre nós e o céu não poderá abrir-se enquanto esteja fechada a que fica entre nós e o próximo...

Enviado para o meu scrapbook no Orkut pelo amigo Heitor

Brasileiros comem pouca verdura e muita gordura



O primeiro estudo feito no Brasil para detectar fatores que favorecem o surgimento de doenças não transmissíveis - chamado de Vigitel - mostrou como são os hábitos alimentares de pessoas acima de 18 anos. Os dados divulgados nesta terça-feira pelo Ministério da Saúde afirmam que os adultos consomem poucas verduras e frutas, mas muita carne com gordura.


De acordo com a pesquisa, o consumo de frutas e hortaliças em cinco ou mais dias da semana é menos freqüente entre os homens, ficando entre 5,4% em Macapá e 29,7% em Porto Alegre. Entre mulheres, a freqüência do consumo regular de frutas e verduras variou entre 9,1% em Macapá e 46% em Porto Alegre.

Em ambos os sexos, esse consumo aumenta intensamente com a idade. Entre 11% e 18% de homens e mulheres entre 18 e 24 anos de idade consomem regularmente frutas e hortaliças, contra 30% e 35% na faixa etária de maiores de 64 anos.

Situação semelhante ocorre com relação ao nível de escolaridade, particularmente no caso da população masculina: 13% dos homens com até oito anos de escolaridade consomem regularmente frutas e hortaliças contra 31% na escolaridade correspondente a 12 ou mais anos de estudo.

Carne com excesso de gordura
A freqüência de adultos que consomem carne vermelha gordurosa ou frango com pele é de 53,1% em Palmas e de 26,7% em Salvador. O consumo de carnes com excesso de gordura se mostra mais freqüente entre homens do que entre mulheres. As maiores freqüências do consumo de carnes com excesso de gordura entre homens são observadas em Cuiabá (62,0%), Campo Grande (62,5%) e Palmas (68,1%) e as menores, em Florianópolis (45%), Belém (43,6%) e Salvador (37,6%).

Entre mulheres, as maiores freqüências ocorrem em Belo Horizonte (39,1%), Campo Grande (40,6%) e Cuiabá (42,2%) e as menores, em Florianópolis (22,8%), Manaus (21,7%) e Salvador (17,5%). No estudo, observa-se que o consumo de carnes com excesso de gordura tende a ser bem mais freqüente em homens (51,2%) do que em mulheres (29%). Em ambos os sexos, a freqüência do consumo tende a diminuir com a idade e com o nível de escolaridade.

O Sistema de Monitoramento de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas Não Transmissíveis (Vigitel) foi realizado nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal durante o ano de 2006, por meio de entrevistas telefônicas. Foram entrevistadas 54 mil pessoas com idades acima de 18 anos.


Redação Terra
quinta-feira, 15 de março de 2007

Osho:O primeiro ponto a ser compreendido é o ego.

Osho - por uns considerado extremista, por outros considerado um dos grandes mestres espirituais do séc. XX


Uma criança nasce sem qualquer conhecimento, sem qualquer consciência de seu próprio eu. E quando uma criança nasce, a primeira coisa da qual ela se torna consciente não é ela mesma; a primeira coisa da qual ela se torna consciente é o outro. Isso é natural, porque os olhos se abrem para fora, as mãos tocam os outros, os ouvidos escutam os outros, a língua saboreia a comida e o nariz cheira o exterior. Todos esses sentidos abrem-se para fora. O nascimento é isso.

Nascimento significa vir a esse mundo: o mundo exterior. Assim, quando uma criança nasce, ela nasce nesse mundo. Ela abre os olhos e vê os outros. O outro significa o tu.

Ela primeiro se torna consciente da mãe. Então, pouco a pouco, ela se torna consciente de seu próprio corpo. Esse também é o 'outro', também pertence ao mundo. Ela está com fome e passa a sentir o corpo; quando sua necessidade é satisfeita, ela esquece o corpo. É dessa maneira que a criança cresce.

Primeiro ela se torna consciente do você, do tu, do outro, e então, pouco a pouco, contrastando com você, com tu, ela se torna consciente de si mesma.

Essa consciência é uma consciência refletida. Ela não está consciente de quem ela é. Ela está simplesmente consciente da mãe e do que ela pensa a seu respeito. Se a mãe sorri, se a mãe aprecia a criança, se diz 'você é bonita', se ela a abraça e a beija, a criança sente-se bem a respeito de si mesma. Assim, um ego começa a nascer.

Através da apreciação, do amor, do cuidado, ela sente que é ela boa, ela sente que tem valor, ela sente que tem importância. Um centro está nascendo. Mas esse centro é um centro refletido. Ele não é o ser verdadeiro. A criança não sabe quem ela é; ela simplesmente sabe o que os outros pensa a seu respeito.

E esse é o ego: o reflexo, aquilo que os outros pensam. Se ninguém pensa que ela tem alguma utilidade, se ninguém a aprecia, se ninguém lhe sorri, então, também, um ego nasce - um ego doente, triste, rejeitado, como uma ferida, sentindo-se inferior, sem valor. Isso também é ego. Isso também é um reflexo.
Primeiro a mãe. A mãe, no início, significa o mundo. Depois os outros se juntarão à mãe, e o mundo irá crescendo. E quanto mais o mundo cresce, mais complexo o ego se torna, porque muitas opiniões dos outros são refletidas.

O ego é um fenômeno cumulativo, um subproduto do viver com os outros. Se uma criança vive totalmente sozinha, ela nunca chegará a desenvolver um ego. Mas isso não vai ajudar. Ela permanecerá como um animal. Isso não significa que ela virá a conhecer o seu verdadeiro eu, não.

O verdadeiro só pode ser conhecido através do falso, portanto, o ego é uma necessidade. Temos que passar por ele. Ele é uma disciplina. O verdadeiro só pode ser conhecido através da ilusão. Você não pode conhecer a verdade diretamente. Primeiro você tem que conhecer aquilo que não é verdadeiro. Primeiro você tem que encontrar o falso. Através desse encontro, você se torna capaz de conhecer a verdade. Se você conhece o falso como falso, a verdade nascerá em você.

O ego é uma necessidade; é uma necessidade social, é um subproduto social. A sociedade significa tudo o que está ao seu redor, não você, mas tudo aquilo que o rodeia. Tudo, menos você, é a sociedade. E todos refletem. Você irá à escola e o professor refletirá quem você é. Você fará amizade com as outras crianças e elas refletirão quem você é. Pouco a pouco, todos estarão adicionando algo ao seu ego, e todos estarão tentando modificá-lo, de modo que você não se torne um problema para a sociedade.

Eles não estão interessados em você. Eles estão interessados na sociedade. A sociedade está interessada nela mesma, e é assim que deveria ser. Eles não estão interessados no fato de que você deveria se tornar um conhecedor de si mesmo. Interessa-lhes que você se torne uma peça eficiente no mecanismo da sociedade. Você deveria ajustar-se ao padrão.

Assim, estão interessados em dar-lhe um ego que se ajuste à sociedade. Ensinam-lhe a moralidade. Moralidade significa dar-lhe um ego que se ajuste à sociedade. Se você for imoral, você será sempre um desajustado em um lugar ou outro...

Moralidade significa simplesmente que você deve se ajustar à sociedade. Se a sociedade estiver em guerra, a moralidade muda. Se a sociedade estiver em paz, existe uma moralidade diferente. A moralidade é uma política social. É diplomacia. E toda criança deve ser educada de tal forma que ela se ajuste à sociedade; e isso é tudo, porque a sociedade está interessada em membros eficientes. A sociedade não está interessada no fato de que você deveria chegar ao auto-conhecimento.

A sociedade cria um ego porque o ego pode ser controlado e manipulado. O eu nunca pode ser controlado e manipulado. Nunca se ouviu dizer que a sociedade estivesse controlando o eu - não é possível.
E a criança necessita de um centro; a criança está absolutamente inconsciente de seu próprio centro. A sociedade lhe dá um centro e a criança pouco a pouco fica convencida de que esse é o seu centro, o ego dado pela sociedade.

Uma criança volta para casa. Se ela foi o primeiro lugar de sua sala, a família inteira fica feliz. Você a abraça e beija; você a coloca sobre os ombros e começa a dançar e diz 'que linda criança! você é um motivo de orgulho para nós.' Você está dando um ego para ela, um ego sutil. E se a criança chega em casa abatida, fracassada, foi um fiasco na sala - ela não passou de ano ou tirou o último lugar, então ninguém a aprecia e a criança se sente rejeitada. Ela tentará com mais afinco na próxima vez, porque o centro se sente abalado.

O ego está sempre abalado, sempre à procura de alimento, de alguém que o aprecie. E é por isso que você está continuamente pedindo atenção.

Você obtém dos outros a idéia de quem você é. Não é uma experiência direta.

É dos outros que você obtém a idéia de quem você é. Eles modelam o seu centro. Mas esse centro é falso, enquanto que o centro verdadeiro está dentro de você. O centro verdadeiro não é da conta de ninguém. Ninguém o modela. Você vem com ele. Você nasce com ele.

Assim, você tem dois centros. Um centro com o qual você vem, que lhe é dado pela própria existência. Esse é o eu. E o outro centro, que é criado pela sociedade - o ego. Esse é algo falso - é um grande truque. Através do ego a sociedade está controlando você. Você tem que se comportar de uma certa maneira, porque somente assim a sociedade irá apreciá-lo. Você tem que caminhar de uma certa maneira; você tem que rir de uma certa maneira; você tem que seguir determinadas condutas, uma moralidade, um código. Somente assim a sociedade o apreciará, e se ela não o fizer, o seu ego ficará abalado. E quando o ego fica abalado, você já não sabe onde está, você já não sabe quem você é.

Os outros deram-lhe a idéia. E essa idéia é o ego. Tente entendê-lo o mais profundamente possível, porque ele tem que ser jogado fora. E a não ser que você o jogue fora, nunca será capaz de alcançar o eu. Por estar viciado no falso centro, você não pode se mover, e você não pode olhar para o eu. E lembre-se: vai haver um período intermediário, um intervalo, quando o ego estará se despedaçando, quando você não saberá quem você é, quando você não saberá para onde está indo; quando todos os limites se dissolverão. Você estará simplesmente confuso, um caos.

Devido a esse caos, você tem medo de perder o ego. Mas tem que ser assim. Temos que passar através do caos antes de atingir o centro verdadeiro. E se você for ousado, o período será curto. Se você for medroso e novamente cair no ego, e novamente começar a ajeitá-lo, então, o período pode ser muito, muito longo; muitas vidas podem ser desperdiçadas...

Até mesmo o fato de ser infeliz lhe dá a sensação de "eu sou". Afastando-se do que é conhecido, o medo toma conta; você começa sentir medo da escuridão e do caos - porque a sociedade conseguiu clarear uma pequena parte de seu ser... É o mesmo que penetrar numa floresta. Você faz uma pequena clareira, você limpa um pedaço de terra, você faz um cercado, você faz uma pequena cabana; você faz um pequeno jardim, um gramado, e você sente-se bem. Além de sua cerca - a floresta, a selva. Mas aqui dentro tudo está bem: você planejou tudo.

Foi assim que aconteceu. A sociedade abriu uma pequena clareira em sua consciência. Ela limpou apenas uma pequena parte completamente, e cercou-a. Tudo está bem ali. Todas as suas universidades estão fazendo isso. Toda a cultura e todo o condicionamento visam apenas limpar uma parte, para que ali você possa se sentir em casa.

E então você passa a sentir medo. Além da cerca existe perigo.
Além da cerca você é, tal como você é dentro da cerca - e sua mente consciente é apenas uma parte, um décimo de todo o seu ser. Nove décimos estão aguardando no escuro. E dentro desses nove décimos, em algum lugar, o seu centro verdadeiro está oculto.

Precisamos ser ousados, corajosos. Precisamos dar um passo para o desconhecido.
Por um certo tempo, todos os limite ficarão perdidos. Por um certo tempo, você vai se sentir atordoado. Por um certo tempo, você vai se sentir muito amedrontado e abalado, como se tivesse havido um terremoto.
Mas se você for corajoso e não voltar para trás, se você não voltar a cair no ego, mas for sempre em frente, existe um centro oculto dentro de você, um centro que você tem carregado por muitas vidas. Esse centro é a sua alma, o eu.

Uma vez que você se aproxime dele, tudo muda, tudo volta a se assentar novamente. Mas agora esse assentamento não é feito pela sociedade. Agora, tudo se torna um cosmos e não um caos, nasce uma nova ordem. Mas essa não é a ordem da sociedade - essa é a própria ordem da existência.

É o que Buda chama de Dhamma, Lao Tzu chama de Tao, Heráclito chama de Logos. Não é feita pelo homem. É a própria ordem da existência. Então, de repente tudo volta a ficar belo, e pela primeira vez, realmente belo, porque as coisas feitas pelo homem não podem ser belas. No máximo você pode esconder a feiúra delas, isso é tudo. Você pode enfeitá-las, mas elas nunca podem ser belas...

O ego tem uma certa qualidade: a de que ele está morto. Ele é de plástico. E é muito fácil obtê-lo, porque os outros o dão a você. Você não precisa procurar por ele; a busca não é necessária. Por isso, a menos que você se torne um buscador à procura do desconhecido, você ainda não terá se tornado um indivíduo. Você é simplesmente mais um na multidão. Você é apenas uma turba. Se você não tem um centro autêntico, como pode ser um indivíduo?

O ego não é individual. O ego é um fenômeno social - ele é a sociedade, não é você. Mas ele lhe dá um papel na sociedade, uma posição na sociedade. E se você ficar satisfeito com ele, você perderá toda a oportunidade de encontrar o eu. E por isso você é tão infeliz. Como você pode ser feliz com uma vida de plástico? Como você pode estar em êxtase ser bem-aventurado com uma vida falsa? E esse ego cria muitos tormentos. O ego é o inferno. Sempre que você estiver sofrendo, tente simplesmente observar e analisar, e você descobrirá que, em algum lugar, o ego é a causa do sofrimento. E o ego segue encontrando motivos para sofrer...

E assim as pessoas se tornam dependentes, umas das outras. É uma profunda escravidão. O ego tem que ser um escravo. Ele depende dos outros. E somente uma pessoa que não tenha ego é, pela primeira vez, um mestre; ele deixa de ser um escravo.

Tente entender isso. E comece a procurar o ego - não nos outros, isso não é da sua conta, mas em você. Toda vez que se sentir infeliz, imediatamente feche os olhos e tente descobrir de onde a infelicidade está vindo, e você sempre descobrirá que o falso centro entrou em choque com alguém.

Você esperava algo e isso não aconteceu. Você espera algo e justamente o contrário aconteceu - seu ego fica estremecido, você fica infeliz. Simplesmente olhe, sempre que estiver infeliz, tente descobrir a razão.
As causas não estão fora de você.

A causa básica está dentro de você - mas você sempre olha para fora, você sempre pergunta: 'Quem está me tornando infeliz?' 'Quem está causando a minha raiva?' 'Quem está causando a minha angústia?'
Se você olhar para fora, você não perceberá. Simplesmente feche os olhos e sempre olhe para dentro. A origem de toda a infelicidade, da raiva e da angústia, está oculta dentro de você, é o seu ego.

E se você encontrar a origem, será fácil ir além dela. Se você puder ver que é o seu próprio ego que lhe causa problemas, você vai preferir abandoná-lo - porque ninguém é capaz de carregar a origem da infelicidade, uma vez que a tenha entendido.

Mas lembre-se, não há necessidade de abandonar o ego. Você não o pode abandonar. E se você tentar abandoná-lo, simplesmente estará conseguindo um outro ego mais sutil, que diz: 'tornei-me humilde'...

Todo o caminho em direção ao divino, ao supremo, tem que passar através desse território do ego. O falso tem que ser entendido como falso. A origem da miséria tem que ser entendida como a origem da miséria - então ela simplesmente desaparece. Quando você sabe que ele é o veneno, ele desaparece. Quando você sabe que ele é o fogo, ele desaparece. Quando você sabe que esse é o inferno, ele desaparece.

E então você nunca diz: 'eu abandonei o ego'. Você simplesmente irá rir de toda essa história, dessa piada, pois você era o criador de toda essa infelicidade...

É difícil ver o próprio ego. É muito fácil ver o ego nos outros. Mas esse não é o ponto, você não os pode ajudar.

Tente ver o seu próprio ego. Simplesmente o observe.

Não tenha pressa em abandoná-lo, simplesmente o observe. Quanto mais você observa, mais capaz você se torna. De repente, um dia, você simplesmente percebe que ele desapareceu. E quando ele desaparece por si mesmo, somente então ele realmente desaparece. Porque não existe outra maneira. Você não pode abandoná-lo antes do tempo. Ele cai exatamente como uma folha seca.

Quando você tiver amadurecido através da compreensão, da consciência, e tiver sentido com totalidade que o ego é a causa de toda a sua infelicidade, um dia você simplesmente vê a folha seca caindo... e então o verdadeiro centro surge.

E esse centro verdadeiro é a alma, o eu, o deus, a verdade, ou como quiser chamá-lo. Você pode lhe dar qualquer nome, aquele que preferir."

OSHO, Além das Fronteiras da Mente.

Copyright © 2006 OSHO INTERNATIONAL FOUNDATION, Suiça.
Todos os direitos reservados.

No sábado passado a festa aconteceu.














No sábado passado a festa aconteceu.

A Jacque (nutricionista), minha amiga de Belo Horizonte, MG, convidou um grupo de amigos para saborearem a minha receita "Castelo de Sonho"...uma experiencia crudivora...

As fotos mostram o resto... e o pessoal parece que gostou... Receita modificada pela Jacque


bebidas:

abacaxi + gengibre + hortelã
chá verde frio + agrião + limão + maçã


Eugénio e Ana Virginia, Jacque, Ana Paula e Cláudio, Fabi e Koji
alface lisa,
tomate cereja,
cenoura em cubos,
pepino,
pimentão vermelho- e amarelo,
repolho roxo,
castanha caju,
passas,
azeite extra virgem,
linhaça
gergelim,
agrião,
rucola,
hortelã,
sal a gosto
brotos (rebentos)
de alfafa

molho/creme abacate agrião



Ana Paula, Rafa com Lulu apreciando seu prato crudivoro


Ana Virginia segurando um "espectáculo" de salada e Ana Paula


Vídeo mostrando a receita

quarta-feira, 14 de março de 2007

Os vendedores de doenças



Este é um artigo que já foi publicado em vários sites, no entanto acho sempre importante de o relembrar


As estratégias da indústria farmacêutica para multiplicar lucros espalhando o medo e transformando qualquer problema banal de saúde numa “síndrome” que exige tratamento

Ray Moynihan, Alain Wasmes

Há cerca de trinta anos, o dirigente de uma das maiores empresas farmacêuticas do mundo fez declarações muito claras. Na época, perto da aposentadoria, o dinâmico diretor da Merck, Henry Gadsden, revelou à revista Fortune seu desespero por ver o mercado potencial de sua empresa confinado somente às doenças. Explicando preferiria ver a Merck transformada numa espécie de Wringley’s – fabricante e distribuidor de gomas de mascar –, Gadsden declarou que sonhava, havia muito tempo, produzir medicamentos destinados às... pessoas saudáveis. Porque, assim, a Merck teria a possibilidade de “vender para todo mundo”. Três décadas depois, o sonho entusiasta de Gadsden tornou-se realidade.

As estratégias de marketing das maiores empresas farmacêuticas almejam agora, e de maneira agressiva, as pessoas saudáveis. Os altos e baixos da vida diária tornaram-se problemas mentais. Queixas totalmente comuns são transformadas em síndromes de pânico. Pessoas normais são, cada vez mais pessoas, transformadas em doentes. Em meio a campanhas de promoção, a indústria farmacêutica, que movimenta cerca de 500 bilhões dólares por ano, explora os nossos mais profundos medos da morte, da decadência física e da doença – mudando assim literalmente o que significa ser humano. Recompensados com toda razão quando salvam vidas humanas e reduzem os sofrimentos, os gigantes farmacêuticos não se contentam mais em vender para aqueles que precisam. Pela pura e simples razão que, como bem sabe Wall Street, dá muito lucro dizer às pessoas saudáveis que estão doentes.
A fabricação das “síndromes”

A maioria de habitantes dos países desenvolvidos desfruta de vidas mais longas, mais saudáveis e mais dinâmicas que as de seus ancestrais. Mas o rolo compressor das campanhas publicitárias, e das campanhas de sensibilização diretamente conduzidas, transforma as pessoas saudáveis preocupadas com a saúde em doentes preocupados. Problemas menores são descritos como muitas síndomes graves, de tal modo que a timidez torna-se um “problema de ansiedade social”, e a tensão pré-menstrual, uma doença mental denominada “problema disfórico pré-menstrual”. O simples fato de ser um sujeito “predisposto” a desenvolver uma patologia torna-se uma doença em si.

O epicentro desse tipo de vendas situa-se nos Estados Unidos, abrigo de inúmeras multinacionais famacêuticas. Com menos de 5% da população mundial, esse país já representa cerca de 50% do mercado de medicamentos. As despesas com a saúde continuam a subir mais do que em qualquer outro lugar do mundo. Cresceram quase 100% em seis anos – e isso não só porque os preços dos medicamentos registram altas drásticas, mas também porque os médicos começaram a prescrever cada vez mais.

De seu escritório situado no centro de Manhattan, Vince Parry representa o que há de melhor no marketing mundial. Especialista em publicidade, ele se dedica agora à mais sofisticada forma de venda de medicamentos: dedica-se, junto com as empresas farmacêuticas, a criar novas doenças. Em um artigo impressionante intitulado “A arte de catalogar um estado de saúde”, Parry revelou recentemente os artifícios utilizados por essas empresas para “favorecer a criação” dos problemas médicos [1]. Às vezes, trata-se de um estado de saúde pouco conhecido que ganha uma atenção renovada; às vezes, redefine-se uma doença conhecida há muito tempo, dando-lhe um novo nome; e outras vezes cria-se, do nada, uma nova “disfunção”. Entre as preferidas de Parry encontram-se a disfunção erétil, o problema da falta de atenção entre os adultos e a síndrome disfórica pré-menstrual – uma síndrome tão controvertida, que os pesquisadores avaliam que nem existe.
Médicos orientados por marqueteiros

Com uma rara franqueza, Perry explica a maneira como as empresas farmacêuticas não só catalogam e definem seus produtos com sucesso, tais como o Prozac ou o Viagra, mas definem e catalogam também as condições que criam o mercado para esses medicamentos.

Sob a liderança de marqueteiros da indústria farmacêutica, médicos especialistas e gurus como Perry sentam-se em volta de uma mesa para “criar novas idéias sobre doenças e estados de saúde”. O objetivo, diz ele, é fazer com que os clientes das empresas disponham, no mundo inteiro, “de uma nova maneira de pensar nessas coisas”. O objetivo é, sempre, estabelecer uma ligação entre o estado de saúde e o medicamento, de maneira a otimizar as vendas.

Para muitos, a idéia segundo a qual as multinacionais do setor ajudam a criar novas doenças parecerá estranha, mas ela é moeda corrente no meio da indústria. Destinado a seus diretores, um relatório recente de Business Insight mostrou que a capacidade de “criar mercados de novas doenças” traduz-se em vendas que chegam a bilhões de dólares. Uma das estratégias de melhor resultado, segundo esse relatório, consiste em mudar a maneira como as pessoas vêem suas disfunções sem gravidade. Elas devem ser “convencidas” de que “problemas até hoje aceitos no máximo como uma indisposição” são “dignos de uma intervenção médica”. Comemorando o sucesso do desenvolvimento de mercados lucrativos ligados a novos problemas da saúde, o relatório revelou grande otimismo em relação ao futuro financeiro da indústria farmacêutica: “Os próximos anos evidenciarão, de maneira privilegiada, a criação de doenças patrocinadas pela empresa”.

Dado o grande leque de disfunções possíveis, certamente é difícil traçar uma linha claramente definida entre as pessoas saudáveis e as doentes. As fronteiras que separam o “normal” do “anormal” são freqüentemente muito elásticas; elas podem variar drasticamente de um país para outro e evoluir ao longo do tempo. Mas o que se vê nitidamente é que, quanto mais se amplia o campo da definição de uma patologia, mais essa última atinge doentes em potencial, e mais vasto é o mercado para os fabricantes de pílulas e de cápsulas.

Em certas circunstâncias, os especialistas que dão as receitas são retribuídos pela indústria farmacêutica, cujo enriquecimento está ligado à forma como as prescrições de tratamentos forem feitas. Segundo esses especialistas, 90% dos norte-americanos idosos sofrem de um problema denominado “hipertensão arterial”; praticamente quase metade das norte-americanas são afetadas por uma disfunção sexual batizada FSD (disfunção sexual feminina); e mais de 40 milhões de norte-americanos deveriam ser acompanhados devido à sua taxa de colesterol alta. Com a ajuda dos meios de comunicação em busca de grandes manchetes, a última disfunção é constantemente anunciada como presente em grande parte da população: grave, mas sobretudo tratável, graças aos medicamentos. As vias alternativas para compreender e tratar dos problemas de saúde, ou para reduzir o número estimado de doentes, são sempre relegadas ao último plano, para satisfazer uma promoção frenética de medicamentos.
Quanto mais alienados, mais consumistas

A remuneração dos especialistas pela indústria não significa necessariamente tráfico de influências. Mas, aos olhos de um grande número de observadores, médicos e indústria farmacêutica mantêm laços extremamente estreitos.

As definições das doenças são ampliadas, mas as causas dessas pretensas disfunções são, ao contrário, descritas da forma mais sumária possível. No universo desse tipo de marketing, um problema maior de saúde, tal como as doenças cardiovasculares, pode ser considerado pelo foco estreito da taxa de colesterol ou da tensão arterial de uma pessoa. A prevenção das fraturas da bacia em idosos confunde-se com a obsessão pela densidade óssea das mulheres de meia-idade com boa saúde. A tristeza pessoal resulta de um desequilíbrio químico da serotonina no célebro.

O fato de se concentrar em uma parte faz perder de vista as questões mais importantes, às vezes em prejuízo dos indivíduos e da comunidade. Por exemplo: se o objetivo é a melhora da saúde, alguns dos milhões investidos em caros medicamentos para baixar o colesterol em pessoas saudáveis, podem ser utilizados, de modo mais eficaz, em campanhas contra o tabagismo, ou para promover a atividade física e melhorar o equilíbrio alimentar.

A venda de doenças é feita de acordo com várias técnicas de marketing, mas a mais difundida é a do medo. Para vender às mulheres o hormônio de reposição no período da menopausa, brande-se o medo da crise cardíaca. Para vender aos pais a idéia segundo a qual a menor depressão requer um tratamento pesado, alardeia-se o suicídio de jovens. Para vender os medicamentos para baixar o colesterol, fala-se da morte prematura. E, no entanto, ironicamente, os próprios medicamentos que são objeto de publicidade exacerbada às vezes causam os problemas que deveriam evitar.

O tratamento de reposição hormonal (THS) aumenta o risco de crise cardíaca entre as mulheres; os antidepressivos aparentemente aumentam o risco de pensamento suicida entre os jovens. Pelo menos, um dos famosos medicamentos para baixar o colesterol foi retirado do mercado porque havia causado a morte de “pacientes”. Em um dos casos mais graves, o medicamento considerado bom para tratar problemas intestinais banais causou tamanha constipação que os pacientes morreram. No entanto, neste e em outros casos, as autoridades nacionais de regulação parecem mais interessadas em proteger os lucros das empresas farmacêuticas do que a saúde pública.
A “medicalização” interesseira da vida

A flexibilização da regulação da publicidade no final dos anos 1990, nos Estados Unidos, traduziu-se em um avanço sem precedentes do marketing farmacêutico dirigido a “toda e qualquer pessoa do mundo”. O público foi submetido, a partir de então, a uma média de dez ou mais mensagens publicitárias por dia. O lobby farmacêutico gostaria de impor o mesmo tipo de desregulamentação em outros lugares.

Há mais de trinta anos, um livre pensador de nome Ivan Illich deu o sinal de alerta, afirmando que a expansão do establishment médico estava prestes a “medicalizar” a própria vida, minando a capacidade das pessoas enfrentarem a realidade do sofrimento e da morte, e transformando um enorme número de cidadãos comuns em doentes. Ele criticava o sistema médico, “que pretende ter autoridade sobre as pessoas que ainda não estão doentes, sobre as pessoas de quem não se pode racionalmente esperar a cura, sobre as pessoas para quem os remédios receitados pelos médicos se revelam no mínimo tão eficazes quanto os oferecidos pelos tios e tias [2] ”.

Mais recentemente, Lynn Payer, uma redatora médica, descreveu um processo que denominou “a venda de doenças”: ou seja, o modo como os médicos e as empresas farmacêuticas ampliam sem necessidade as definições das doenças, de modo a receber mais pacientes e comercializar mais medicamentos [3]. Esses textos tornaram-se cada vez mais pertinentes, à medida que aumenta o rugido do marketing e que se consolidas as garras das multinacionais sobre o sistema de saúde.

(Tradução: Wanda Caldeira Brant) wbrant@globo.com

Bibliografia complementar:

* A revista médica PLoS Medecine traz, em seu número de abril de 2006, um importante dossiê sobre “A produção de doenças” – http://medicine.plosjournals.org/

* Na França, as revistas Pratiques (dirigida ao grande público) e Prescrire (destinada aos médicos) avaliam os medicamentos e trazem um olhar crítico sobre a definição das doenças.

*Jörg Blech, Les inventeurs de maladies. Manœuvres et manipulations de l’industrie pharmaceutique, Arles, Actes Sud, 2005.

* Philippe Pignarre, Comment la dépression est devenue une épidémie, Paris, Hachette-Littérature, col. Pluriel, 2003.


[1] Ler, de Vince Parry, “The art of branding a condition ”, Medical Marketing & Media, Londres, maio de 2003.

[2] Ler, de Ivan Illich, Némésis médicale, Paris, Seuil, 1975.

[3] Ler, de Lynn Payer, Disease-Mongers: How Doctors, Drug Companies, and Insurers are Making You Feel Sick, Nova York, John Wiley & Sons, 2002.

Autores:

Ray Moynihan
Jornalista especializado em saúde (British Medical Journal, The Lancet, The New England Journal of Medicine

Alain Wasmes
Jornalista.




Fonte: Revista Le Monde Diplomatique

Anestésico vulgar altera o cérebro de ratos

Enfim os pobres ratinhos é que continuam pagando...

Aquilo que parece ser não é... Este continua sendo um dos paradigmas da medicina ocidental...




A exposição a drogas anestésicas vulgares aumenta a produção de uma proteína cerebral que se pensa estar associada à doença de Alzheimer, revela um estudo em ratos.

A investigação agora conhecida reforça os receios de que as anestesias possam estar associadas a estados de demência em humanos.

Doses inaladas de halotano, uma categoria de medicamentos conhecidos por anestesias voláteis, aumenta a quantidade de uma proteína chamada amilóide no cérebro dos ratos, descobriram investigadores da Universidade da Pennsylvania em Philadelphia.

Cerca de 60 milhões de pessoas em todo o mundo recebem anestésicos voláteis todos os anos. Estas drogas são conhecidas por causar um 'declínio cognitivo pós-operatório' em muitos casos, podendo chegar a durar dias, semanas ou mesmo anos.

Se estas drogas aumentam a produção de amilóide beta, também podem estar associadas a demências a longo prazo, como o Alzheimer. O cérebro de pacientes com Alzheimer contém grande quantidade de amilóide beta, apesar da associação da molécula à doença ainda não ser conhecida.

Não há dados sobre se este efeito também ocorre em humanos mas até que mais informação seja recolhida, vai ser difícil dizer se os anestesistas deviam deixar de aplicar anestésicos voláteis, incluindo o halotano e o seu parente isoflurano, o mais comum do grupo.

Ainda assim, este estudo vem somar a um crescente conjunto de dados que dizem que estas drogas causam danos ao cérebro. "Cria um pouco mais de receio do que antes", diz Roderic Eckenhoff, um dos investigadores que publicou o estudo na revista Neurobiology of Aging. "Mas se precisamos de cirurgia, temos que a realizar."

Eckenhoff expôs ratos geneticamente modificados a altos níveis de amilóide beta e ratos normais a halotano e a isoflurano de forma intermitente durante 5 dias.

Os ratos geneticamente modificados expostos ao halotano tinham mais amilóide beta, apesar de serem cognitivamente normais, enquanto os ratos normais expostos a isoflurano mostraram um declínio na memória e na capacidade de aprendizagem, mostrando que estas drogas afectam o cérebro de mais de uma forma.

Eckenhoff salienta que as drogas podem não ter o mesmo efeito em humanos. Estes ratos não deviam desenvolver demência devido à produção de amilóide beta, enquanto os humanos desenvolvem.


Muitas pessoas têm mutações que as predispõem para o Alzheimer, apesar de actualmente não existir uma busca por essas mutações antes da cirurgia. Pessoas não idosas e sem predisposição não devem ter problemas após as cirurgias, diz ele. "Mas se temos uma dessas mutações, mesmo com 20 anos temos que nos preocupar."

A maioria dos anestésicos envolve uma injecção inicial seguida de anestésicos voláteis, que podem ser ajustados durante o procedimento para manter os paciente a dormir. Alguns peritos pretendem agora que o procedimento apenas utilize as drogas injectáveis como o propofol. Seria mais caro e manteria os doentes inconscientes mais tempo, o que aumenta os riscos gerais associados a esse estado.

NO mês passado, outro grupo de investigadores relatou que a exposição ao isoflurano aumenta os níveis de amilóide beta em células cerebrais em cultura. Os investigadores pensam que os anestésicos voláteis estabilizam as enzimas que governam a produção da amilóide beta, causando uma acumulação da molécula.

Os médicos deviam reunir evidências de amostras colhidas rotineiramente de operações ao cérebro, considera Rudolf Tanzi do Massachusetts General Hospital em Charlestown, membro da equipa de investigação. Levaria cerca de um ano a recolher as amostras e a verificar se quem recebeu anestésicos voláteis apresentam mais amilóide beta.

A Federal Drug Administration vai reunir para decidir acerca da segurança na utilização de uma vasta gama de anestésicos, mas ainda é muito cedo para pensar em proibir o isoflurano, diz Tanzi. Ainda assim, diz ele, os primeiros dados sugerem que nem todos os anestésicos voláteis têm o mesmo efeito que o isoflurano. "O desflurano, por exemplo, parece ser mais seguro, de acordo com os nossos dados."


Saber mais:

MassGeneral Institute for Neurodegenerative Disease


Fonte: simbiotica.org,