Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

domingo, 15 de abril de 2007

Cientistas pedem mais pressão externa para proteger Amazônia


Imagem de satélite mostra desmatamento na Amazônia

A comunidade internacional deveria exercer mais pressão sobre o governo brasileiro em favor da preservação da floresta amazônica, de acordo com estudiosos entrevistados pela BBC Brasil.

“O desaparecimento da Amazônia teria conseqüências reais em todo o mundo, e a comunidade internacional não está fazendo o suficiente para evitar isso”, afirma François-Michel Le Tourneau, geólogo do Centro de Pesquisa e Documentação sobre a América Latina.

“Se parte da floresta desaparacer, a evaporação que deveria formar chuvas sobre a Amazônia vai ser direcionada para o sul do continente e até para a Europa, devido à mudança no sistema geológico da região."

De acordo com o especialista, o resultado disso será um clima cada vez mais seco na Amazônia, enquanto que São Paulo, Buenos Aires e até algumas áreas da Europa deverão sofrer com chuvas mais intensas e inundações.

Importância mundial

A importância da floresta amazônica no equilíbrio mundial também foi destacada pelo antropólogo Martin von Hildebrand, diretor do programa Coama, para a preservação da Amazônia colombiana.

“Todos dependemos da floresta amazônica e por isso todos devemos lutar para que o Brasil a preserve. Mas, em contrapartida, a comunidade internacional também tem a obrigação de ajudar o Brasil”, justifica o antropólogo.

“Depois de terem destruído os seus próprios recursos a favor do crescimento, os países desenvolvidos não podem pedir que os brasileiros deixem de pensar em crescimento”.

Von Hildebrand sugere também que a comunidade internacional pague uma espécie de mesada para que o governo brasileiro “se comprometa a fundo” na preservação da floresta amazônica.

“Seria uma recompensa pelo que o país deixaria de ganhar com a exploração dessas terras. É um negócio justo, já que todo o mundo depende da Amazônia, e o território pertence aos brasileiros”, explica o antropólogo.

Pressão

A opinião de von Hidebrand coincide com a do sociólogo Benjamin Buclet, sociólogo político especializado em gestão do território.

“Esse dinheiro poderia ser aplicado em projetos de desenvolvimento sustentável que dariam ao brasileiros o crescimento econômico que desejam”, disse Buclet.

Os especialistas ressaltam a pressão internacional não deve ser confundida com imposição.

“O problema é que grande parte dos políticos e da população do Brasil consideram qualquer negociação internacional como intervenção estrangeira na Amazônia, e isso não deveria ser visto dessa forma”, diz o geólogo François-Michel Le Tourneau.

Já na opinião de Buclet, é preciso pressão internacional dos dois lados "para que a comunidade internacional leve propostas e para que governo brasileiro aceite negociar".

“A Amazônia nunca foi prioridade para o governo brasileiro, e a única forma de mudar essa visão é por meio da pressão internacional. Há muita boa vontade e pessoas qualificadas, mas o governo não consegue conciliar as suas promessas de crescimento com a preservação do meio ambiente”, afirma.

Fonte BBC Brasil

0 comentários: