NutriViva no Facebook é a nossa página no Facebook onde há uma constante actividade com pratos e ideias sobre Alimentação Viva.
Visitem o meu blog em inglês (com traduçao automática)
Raw in Copenhagen
Ao deixar um comentário referente a um artigo, por favor colar o link desse artigo.

Badge Raw Food

Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Search/ Busca

Carregando...

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Coentros: Muito mais do que aroma… FERNANDA BOTELHO

feature photo

Introdução

O coentro – Coriandrum sativum – é uma planta da família das umbelíferas, é anual e muito aromática, de folhas superiores finalmente recortadas e flores pequenas de cor branca ou rosa. As sementes muito redondas de cor bege são muito apreciadas na culinária.

História

Embora de origem incerta, sabe-se que os antigos egípcios já a utilizavam para embalsamar os corpos. É provavelmente originária da bacia do Mediterrâneo onde os gregos e os romanos a utilizavam em pratos e bebidas. Na Idade Média era cultivada nos jardins dos mosteiros. É também conhecida por salsa árabe ou chinesa e é hoje cultivada um pouco por todo o mundo. Em inglês é conhecida por coriander e em espanhol por cilantro. Muito utilizado na cozinha indiana e árabe, tanto as sementes como as folhas. Entre nós é mais comum utilizarem-se as folhas na confecção de vários pratos e as sementes no fabrico de confetis e outros doces.

Propriedades

É digestivo, anti-séptico e calmante. Na Índia é considerado afrodisíaco, serve para aumentar as glândulas mamárias.
O coentro tem quatro vezes mais caroteno do que a salsa e três vezes mais cálcio do que esta. Tem ainda proteínas, sais minerais, vitamina B e niacina. As folhas são muito ricas em ferro e vitamina C.
Tanto os coentros como a salsa ajudam a neutralizar o hálito do alho.
A tisana das folhas combate ainda a fadiga e alguns tipos de enxaquecas. As suas sementes são um excelente digestivo quando mastigadas depois da refeição.
Alivia dores de estômago em caso de digestões difíceis, vómitos e flatulência, estimulando o apetite e ajudando a secreção gástricos e intestinais.
Na medicina chinesa inalam-se os vapores dos ramos dos coentros e massaja-se o corpo com chá para acalmar a comichão e eliminar as borbulhas do sarampo.
Na antiguidade, os coentros eram mais utilizados pelas suas propriedades medicinais, mas hoje em dia é mais comum serem usados na culinária.

Culinária

As sementes dos coentros devem ser adicionadas no princípio da cozedura.
A incorporação de coentros nos pratos com leguminosas favorece reabsorção dos gases intestinais.
Pode ainda ser utilizado para aromatizar a cerveja.
As sementes servem para aromatizar o gin e fabricar licores digestivos. Servem ainda para aromatizar vinagre e vários tipos de conservas como puré de tomate, pêras ou maçãs, salsichas ou patés.
Na Índia é um ingrediente essencial do caril em pó.
Tantos as folhas como as sementes salientam o sabor da choucroute, beterraba, cornichons, cogumelos, alcachofras e salada várias, especialmente de batata.
Um ou dois grãos de coentros esmagados numa chávena de café concedem-lhe um excelente sabor.

Jardim

Embora cultivada como erva aromática, convém separá-las das plantas de jardim, pois o forte aroma da folha e sementes frescas pode ser prejudicial a algumas plantas. Mas sabe-se que afasta os afídeos aos quais é imune.
Quando associada com o funcho, impede a formação das suas sementes, enquanto que ajuda a germinar as do anis.
As suas lindas e delicadas flores fazem lindos canteiros e atraem abelhas.
O aroma das suas sementes vai-se tornando mais intenso e agradável à medida que estas vão amadurecendo.

Sobre o autor

O Autor
FERNANDA BOTELHO é especialista em plantas aromáticas e medicinais, tendo frequentado vários cursos de plantas medicinais em Londres onde também trabalhou nessa área. Estudou na SSHM (Scottish School of Herbal Medicine). Tem vindo a desenvolver acções de formação para professores e alunos sobre plantas medicinais em escolas e nos encontros nacionais de Eco-Escolas. Desenvolveu ateliers de plantas medicinais nos jardins de Monserrate, Parque da Pena e Capuchos, Sintra, onde instalou jardins de plantas medicinais. Colabora há três anos com artigos mensais na revista Jardins. Actualmente participa em projectos de educação ambiental com a Naturanima.

0 comentários: