NutriViva no Facebook é a nossa página no Facebook onde há uma constante actividade com pratos e ideias sobre Alimentação Viva.
Visitem o meu blog em inglês (com traduçao automática)
Raw in Copenhagen
Ao deixar um comentário referente a um artigo, por favor colar o link desse artigo.

Badge Raw Food

Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Search/ Busca

Carregando...

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Como cultivar brotos/rebentos?


(em Português do Brasil)
As proteínas das plantas são facilmente assimiladas pelo corpo humano, são pobres em gorduras e praticamente não contém gordura saturada e colesterol.
As proteínas são construídas de “blocos” chamados aminoácidos. Dos oito aminoácidos essenciais, os brotos de feijão (moyashi ou mungo) são ricos em sete, superando a carne e o ovo em alguns casos.
O broto de alfafa possui grande quantidade de substâncias bioflavonóides (antioxidantes naturais produzidos pela planta como mecanismo de proteção) que atuam como anticancerígenos nas células humanas.
Vitaminas A, C e E previnem a oxidação de gorduras no sangue, inibindo assim a formação de radicais livres no organismo. Os brotos são boas fontes dessas vitaminas, principalmente A e C. Possuem também alta concentração de minerais.
São utilizados em dietas por atletas, substituindo a carne, além de ser utilizado como fitohormônio pelas pessoas que precisam de reposição hormonal e não podem fazê-lo através de produtos sintéticos.
“Para que uma substância seja assimilável pelo organismo, é necessário que na sua procedência seja transformada e vitalizada pela passagem em um organismo vivo, principalmente uma célula vegetal. A célula animal só poderá assimilar o nutriente vitalizado, quando composto de substância coloidal. Os cristalóides não são assimiláveis e acumulam-se no organismo produzindo inúmeros distúrbios”[1].



Grama de trigo germinada
:: Cultivando brotos (Rudolfo Pacheco [2]) ::
Brotos são uma fonte riquíssima em aminoácidos, vitaminas e outros. (Os brotos são fontes inestimáveis de vitaminas A, B, C, D, E, G, K, U, aminoácidos, sais minerais e carboidratos[3].
Além disto, não precisam de agrotóxicos, pois são colhidos prematuramente, ainda com altíssima energia vital.
A alimentação viva – ou raw food – é muito praticada em todo o mundo e pouco difundida no Brasil, embora bons restaurantes já tenham os germinados em seus cardápios.
Aprenda como germinar brotos em casa, além de aprender sobre as propriedades de cada espécie, incluindo o broto de grama de trigo (wheatgrass).

:: Como montar o seu germinário ::

Aqui apresentamos um método simples e rápido, mas muito eficaz, de fazer brotos em casa.
Em geral, os brotos comprados em supermercados ou comidos em restaurantes naturais são plantados em terra com fertilizantes, o que os torna mais vistosos e bem maiores do que os colhidos pelo método tradicional, explicado aqui. Se você optar por adicionar fertilizante, utilize somente o orgânico, extraído da alga marinha Kelps.
O que nós precisamos, basicamente, é de uma vasilha com tampa, que sirva de mini-estufa, e de um anteparo vazado (escorredor de macarrão ou peneira) que segure os brotos sem reter a água. A umidade é essencial para os brotos, mas eles não poderiam ficar sempre molhados porque não respirariam.
Nas lojas de tupperware ou em casas de 1,99 reais, encontramos diversas vasilhas que podem servir. O quebra-cabeças é apenas na hora de encontrar o escorredor de macarrão ou a peneira, pois a borda deve servir para manter sua base suspensa (onde ficarão os brotos), ou seja, não tocando o fundo da vasilha. Isto, porque a água que ficou nos brotos pode escorrer para o fundo da vasilha – e mantê-los molhados.
Encontramos as duplas dinâmicas vasilha-peneira e vasilha-escorredor em lojas de 1,99 – o que fez o germinário ter o seu custo bem reduzido, em comparação com os vendidos em casas especializadas.
Conseguimos uma vasilha de 5 litros, com tampa, e um escorredor que tem a mesmo diâmetro dela. Já a peneira teve que sofrer uma adaptação. Veja, na figura, que ele fica apoiado pelas curvas da vasilha, não pela borda (como é no caso do escorredor).
Veja que a tampa de nossa vasilha é furada. Isto é necessário porque os brotos devem respirar. Também há furos na parte lateral inferior da vasilha, logo abaixo da peneira (ou do escorredor) para que as raízes respirem.
Vamos fazer estes buracos? Pegue uma tesoura grande, de ponta. Abra-a ao máximo. Envolva-a totalmente em duas voltas de um pano de prato, deixando apenas a ponta mais fina de fora. Agora segure-a firmemente e pressione-a contra a tampa/vasilha, girando-a vigorosamente para ambos os lados. Os diâmetros dos furos podem variar de 5 a 8 milímetros.
Antes de utilizar a vasilha e o anteparo, sugiro lavá-los com sabão e um bom banho de água quente (não fervente, para não derreter). Elas ficam em depósitos que podem ter até ratos (quem sabe? É melhor prevenir, certo?).
Quanto à iluminação: os brotos se adaptaram melhor à germinação com luminosidade ambiente. Tentei a germinação em ambiente totalmente escuro, mas a diferença foi mínima. O mais importante é que os brotos germinados mais à luz produzem mais clorofila, o que torna alguns ligeiramente mais picantes.
Escolha um local arejado, iluminado e longe do alcance direto da luz do Sol para deixar as vasilhas. Outros locais podem causar mofo nos brotos e prejudicar a sua colheita.
O local deve oferecer a alternância do dia e da noite, para que o ambiente natural seja recriado da melhor forma possível.
Para ajudar no empilhamento das vasilhas, eu utilizo as tampas de cabeça para baixo, mas isto em nada interfere. Pode-se utilizar também uma fruteira de metal (15 reais, aproximadamente) para o empilhamento das vasilhas.
Aliás, nunca é demais relembrar o fator energia: não coloque suas vasilhas no chão, pois a água atrai qualquer tipo de vida – inclusive as indesejáveis. Coloque a vasilha de baixo sobre um banquinho ou mesa.
Ao manusear seus brotos, tenha pensamentos e sentimentos bons, pois ao final você vai literalmente “comer o que plantou”.

Um pequeno detalhe: a grama não molha devido aos finíssimos pêlos nas folhas. Esse efeito é suficiente para fazer o orvalho ficar assim.
Grama do Trigo para receita de Clorofila

Passo-a-passo ensinando como germinar a grama do trigo para extração de clorofila, fazer leite de germinado, suco verde e suco de luz do sol.
Fonte: http://www.tudosobreplantas.com.br

1 comentários:

Ramon disse...

nossa sua grama cresce bem mais rápido que a minha, vou colocar humos de minhoca em minha terra.