NutriViva no Facebook é a nossa página no Facebook onde há uma constante actividade com pratos e ideias sobre Alimentação Viva.
Visitem o meu blog em inglês (com traduçao automática)
Raw in Copenhagen
Ao deixar um comentário referente a um artigo, por favor colar o link desse artigo.

Badge Raw Food

Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Search/ Busca

Carregando...

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Bolívia prepara-se para passar a"Lei da Mãe Terra"



Evo Morales discursa na ONU
A Bolívia prepara-se para passar "Lei da Mãe Terra" momento histórico que vai conceder os direitos da natureza iguais aos dos seres humanos


Tradução e adaptação de Luís Guerreiro












Evo Morales discursa na ONU Wikimedia Commons






Com a colaboração de políticos e organizações de base, a Bolívia está decidindo  passar a Lei da Mãe Terra, que vai conceder à natureza os mesmos direitos e protecções, dos seres humanos. A parte de legislação, chamada de "la Ley de Derechos de la Madre Tierra", destina-se a promover uma mudança radical de atitudes e ações de conservação, para impor novas medidas de controlo sobre a indústria, e para reduzir a destruição ambiental.


A lei redefine os recursos naturais como bênçãos e confere os mesmos direitos à natureza que aos seres humanos, incluindo: o direito à vida e à existência; o direito de continuar os ciclos vitais e processos isentos de alteração humana, o direito à água pura e ar limpo , o direito ao equilíbrio, o direito de não ser poluída, e o direito de não ter estrutura celular modificada ou alterada geneticamente. Talvez o ponto mais controverso é o direito "de não ser afectada por mega-infra-estrutura e desenvolvimento de projetos que afectam o equilíbrio dos ecossistemas e as comunidades locais habitante".




No final de 2005, a Bolívia elegeu seu primeiro presidente indígena, Evo Morales. Morales é um campeão de rodeios para a protecção ambiental, requerendo mudanças dentro de seu país e na Organização das Nações Unidas.


A Bolívia, um dos países mais pobres da América do Sul, há muito tempo teve de lidar com as consequências de práticas destrutivas industriais e as mudanças climáticas, mas, apesar dos melhores esforços de Morales e membros de sua administração, as suas preocupações têm sido largamente ignoradas na ONU.
Ler mais






Selva














Apenas no ano passado, em 2010, ministro das Relações Exteriores boliviano, David Choquehuanca, expressou a sua angústia ", sobre a inadequação dos compromissos de redução de gases com efeito de estufa assumidos pelos países desenvolvidos no Acordo de Copenhaga".As suas observações foram pontuadas pela afirmação de que alguns especialistas previam uma subida da temperatura "superior a quatro graus acima dos níveis pré-industriais." "A situação é grave", Choquehuanca afirmou . "Um aumento de temperatura de mais de um grau acima dos níveis pré-industriais resultaria no desaparecimento da nossa geleiras nos Andes, e a inundação de várias ilhas e zonas costeiras".


Em 2009, logo após a resolução da Assembléia Geral de designar 22 de abril "Dia Internacional da Mãe Terra", Morales dirigindo-se à imprensa , afirmaou "Se queremos defender a humanidade, então precisamos salvar o planeta. Essa é a próxima grande tarefa da Organização das Nações Unidas ". Uma mudança na constituição da Bolívia no mesmo ano, resultou em uma reformulação do sistema jurídico - uma mudança a partir do qual esta nova lei surgiu.
Oceano














A Lei da Mãe Terra tem como fundamento vários dos dogmas da crença indígena, inclusive que humanos são iguais a todas as outras entidades. "Nossos avós nos ensinaram que nós pertencemos a uma grande família de  plantas e animais. Acreditamos que tudo no planeta faz parte de uma grande família", Choquehuanca disse . "Nós os povos indígenas podemos contribuir para resolver crises energéticas, climáticas, alimentares e  financeiras com os nossos valores." A regulamentação dará ao governo novos poderes legais para monitorizar e controlar a indústria do país.


"As leis existentes não são suficientemente fortes", disse Undarico Pinto, líder da Confederación Sindical Única de Trabajadores Campesinos de Bolivia (um grupo que ajudou a redigir a lei e que conta com cerca de 3,5 milhões de menbros). "Isso vai tornar a indústria mais transparente. Permitirá que as pessoas possamregular a indústria a nível nacional, regional e local."
Deserto














A Bolívia irá criar um Ministério da Mãe Terra, mas além disso, há poucos detalhes sobre como a legislação será implementada. O que está claro é que a Bolívia terá que equilibrar estes imperativos ambientais contra as indústrias - como o de mineração - que contribuem para o PIB do país.

Êxitos ou fracassos da Bolívia com esta implementação podem muito bem influenciar as políticas de países ao redor do mundo. "Vai ter enorme ressonância no mundo", disse o ativista canadiano Maude Barlow. "Vai começar com estes países do sul tentando proteger as suas terras e o seu povo da exploração, mas eu acho que vai ser usado também pelas comunidades nos nossos países, por exemplo, a luta contra as areias betuminosas de Alberta."



Gacier














O Equador tem objectivos semelhantes consagrados na Constituição, e está entre os países que já demonstraram apoio à iniciativa boliviana. Outros incluem a Nicarágua, Venezuela, São Vicente e Granadinas e Antígua e Barbuda.

A oposição à lei não se prevê, porque o partido de Morales - o Movimento ao Socialismo - detém a maioria nas duas casas do parlamento. Em 20 de abril, dois dias antes deste ano "International Mother Earth Day", Morales irá apresentar um projecto de tratado com a ONU, dando início ao debate com a comunidade internacional.

Leia o documento na íntegra (em espanhol) aqui aqui .

Montanhas









Fonte: PVPULSE

0 comentários: