NutriViva no Facebook é a nossa página no Facebook onde há uma constante actividade com pratos e ideias sobre Alimentação Viva.
O blog também está acessivel em ALIMENTACAOVIVA.COM e ALIMENTACAOVIVA.INFO
Visitem o meu blog em inglês (com traduçao automática)
Raw in Copenhagen
Ao deixar um comentário referente a um artigo, por favor colar o link desse artigo.

Badge Raw Food

Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Search/ Busca

Carregando...

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Ocorreu um erro neste gadget

Total de visualizações de página

sábado, 12 de junho de 2010

Vídeo: A importância do alho para a saúde.

A vitalidade e alquimia dos alimentos


Conceição Trucom

Os alimentos de origem vegetal, crus e vivos, nos oferecem espontaneamente tudo o que captaram da Terra, do Sol e de Deus. Cabe a cada um de nós recebê-los!

O SerViço e a Alquimia
Os alimentos de origem vegetal, crus e vivos, nos oferecem espontaneamente tudo o que captaram da Terra, do Sol e de Deus. Cabe a cada um de nós recebê-los! Deixá-los chegar e fazer parte de nós.
Os alimentos do reino vegetal têm um propósito: oferecer seu Viço, seus agentes nutricionais e energéticos, seus componentes da terra (energia telúrica), do nosso astro-rei o Sol (energia solar) e do Cosmos (energia cósmica), para que sejamos Seres em estado de Viço, ou seja, em SerViço.

A Convergência da Soja



por  Dr José Carlos B Peixoto, médico


            Até os idos dos anos 70, acreditem: a soja era pouco conhecida no Brasil. A introdução deste exótico feijão em nosso país pode ter sido por volta do final do século XIX.
            O que o marketing conseguiu fazer deste produto - a melhor coisa que a indústria alimentar jamais poderia ter produzido, é espetacular. Fez  um vegetal impróprio para a alimentação humana até meados do século passado se tornar a síntese da comida saudável, sendo adicionado a praticamente tudo que se come no mundo ocidental. Um fenômeno, sem dúvida.

A Biologia do Pensamento - Bruce Lipton


A Biologia da Percepção - Uma nova forma da ciência a olhar a evolução da vida.







"Os cientistas sabem que os genes não controlam a vida, mas a maior parte da informação ainda nos diz o contrário. As pessoas atribuem inicialmente as suas deficiências e doenças a disfunções genéticas. As crenças sobre os genes levam-nas a verem-se como "vítimas" da hereditariedade.

EPIGENÉTICA - os genes não controlam - vídeos



O desenvolvimento e a manutenção de um organismo são orquestrados por uma série de reações químicas que ligam e desligam o seugenoma em determinados momentos e locais. Aepigenética é o estudo dessas reações e dos fatores que as influenciam.


O nosso genoma responde dinamicamente ao "ambiente" - stress, alimentação, comportamento, exposição a diferentes toxinas e tantos outros fatores ativam os interruptores químicos que regulam a expressão dos nossos gens. Esses interruptores químicos formam o nosso epigenoma - uma espécie assim de "sombra" do nosso genoma.

O SOL também alimenta!

Dados do New England Journal estimam que pelo menos 1 bilhão de pessoas no mundo têm deficiência ou insuficiência de vitamina D.

Níveis ideais de vitamina D podem trazer vários benefícios:

- absorção mais eficiente do cálcio;
- redução significativa no risco de quedas (22%);
- e feito protetor no risco de fraturas na osteoporose;
- melhor desenvolvimento da massa óssea.

A CARTA DA TERRA



PREÂMBULO 

Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a humanidade deve escolher o seu futuro. À medida que o mundo torna-se cada vez mais interdependente e frágil, o futuro enfrenta, ao mesmo tempo, grandes perigos e grandes promessas. Para seguir adiante, devemos reconhecer que, no meio da uma magnífica diversidade de culturas e formas de vida, somos uma família humana e uma comunidade terrestre com um destino comum. Devemos somar forças para gerar uma sociedade sustentável global baseada no respeito pela natureza, nos direitos humanos universais, na justiça econômica e numa cultura da paz. Para chegar a este propósito, é imperativo que nós, os povos da Terra, declaremos nossa responsabilidade uns para com os outros, com a grande comunidade da vida, e com as futuras gerações. 

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Especialista informa: Glutamato Monossódico e Aspartame causam DDA



Hiperatividade. Causa está na mesa, adverte psiquiatra


O médico psiquiatra Juarez Calegaro afirma que 
aspartame, glutamato monossódico, ômega 6 e outros produtos presentes na maioria de saborosos temperos, reduzem a capacidade defensiva do corpo afetam o cérebro e ameaçam a saúde em geral.

Problemas de linguagem, memória, habilidades motoras e instabilidade emocional. Estes são alguns dos sintomas que afetam milhares de crianças portadoras da desordem conhecida na medicina como déficit de atenção – DDA – e que pode ser, em parte, prevenida e 
tratada com alimentação correta.

Essa nova visão do tratamento infantil foi apresentada pelo psiquiatra Juarez Calegaro no IV Congresso Internacional de Nutrição Clínica Funcional, na Fecomércio, em São Paulo, dia 13 de setembro.
Excesso que prejudica


De acordo com Callegaro, 
o consumo excessivo de alguns alimentos, como carboidratos refinados e aspartame, interferem no funcionamento cerebral, matando as células que fabricam neurotransmissores tranqüilizantes, responsáveis por inibir a excitação produzida pelo neurotransmissor glutamato. Em quantidade desproporcional no cérebro, o glutamato provoca os sintomas da hiperatividade.

“O açúcar também estimula a proliferação de cândida, fungo portador de toxinas que bloqueiam a produção de ATP. Essa é a bateria mais usada pelo cérebro para produzir neurotransmissores como o Gaba, cuja função é focalizar a atenção e frear a hiperexcitação psicomotora causadora da hiperatividade” observa o especialista.

O Dr. Calegaro acrescenta que essas toxinas 
intoxicam o pâncreas, diminuindo a capacidade de suas enzimas quebrarem o glúten do trigo, a caseína do leite e as proteínas da soja, elementos que produzem opióides e anfetaminas que geram dependência, excitação e distúrbios de aprendizagem.
Na mesa, inimigos disfarçados

Outro elemento que eleva o estresse oxidativo no cérebro, atrapalhando seu funcionamento normal e ocasionando a síndrome, é o ômega 6. Trata-se de um nutriente presente em margarinas, em alimentos ricos em gorduras hidrogenadas e em gorduras animais, como carne vermelha, salmões criados em cativeiro, galinhas e ovos de granja. Além de agravar os problemas de aprendizagem e a excitação afetiva e psicomotora, o ômega 6 também provoca depressão do sistema imunológico, facilitando o ataque de vírus que retêm chumbo no cérebro e intensificam o problema.

“Hoje, uma em cada quatro crianças tem acúmulo de chumbo no cérebro. Chumbo e mercúrio são retidos também por substâncias produzidas pela soja, pelo chocolate, café instantâneo e, pasmem, pelo famoso espinafre, tido como alimento muito saudável para as crianças”, explica o psiquiatra.

O psiquiatra Juarez Calegaro, que é também autor do livro Mente Criativa, a aventura do cérebro bem nutrido, afirma que a exposição aos elementos contaminadores do meio ambiente como agrotóxicos e metais tóxicos, corantes artificiais e gorduras trans agravam igualmente a hiperatividade. Outros vilões são os alimentos que provocam alergia e os que contêm glutamato monossódico, substância presente em mais de cinco mil produtos salgados, como miojo, molho shoyu e os caldos para temperos.
Cuidados antes da gravidez

É importante ressaltar, no entanto, que não é só a alimentação das crianças que influencia o quadro da hiperatividade infantil: o que as mães comem durante a gravidez e o período de amamentação também faz muita diferença. “Mulheres que desejam ser mães devem fazer o exame de mineralograma capilar e testes de urina seis meses antes de engravidar, para identificar e corrigir caso tenham grandes concentrações desses elementos que geram o distúrbio”, recomenda Callegaro.

De acordo com o especialista, a boa nutrição evitaria 85% das malformações congênitas responsáveis por problemas neurológicos, como autismo e esquizofrenia. Outro cuidado que deve ser tomado é o controle da concentração de fungos no corpo da mãe, já que crianças contaminadas por cândida no parto têm sua imunidade prejudicada e precisam ingerir substâncias antifúngicas por toda a vida.
Trânsito livre para alimentos saudáveis

O psiquiatra lembra, contudo, que há alimentos que combatem os sintomas do déficit de atenção. É o caso de ervas como valeriana e taurina, que agem como calmante através do leite materno. Além disso, é recomendável sempre dar preferência a alimentos naturais e orgânicos, livres de agrotóxicos, corantes e outras substâncias artificiais e altamente prejudiciais ao organismo.

O Dr. Juarez Calegaro conclui afirmando que nos casos graves de hiperatividade, também é possível lançar mão de remédios por curto período de tempo. “Eles são aplicados no primeiro momento e retirados à medida que são descobertas e tratadas as causas mais profundas, relacionadas com alimentação, fatores psicológicos e falta de exercícios e de descanso suficiente”.
 

A nutrição deve servir as pessoas e não interesses egoístas

Luís Guerreiro


O que falta mesmo é as pessoas começarem a comer produtos locais, biológicos ou naturais, da estação e de forma variada sem exagerarem neste ou naquele alimento.


A nutrição que se aprende, como todas as ciências médicas, são subsidiadas por grandes interesses. Num mundo em que se estão a dar grandes passos na física quântica já não cabe o modelo bioquímico ensinado. Será bom começarmos a olhar para os alimentos como energia sem separá-los em elementos/nutrientes que não funcionam só por si mas sim em conjunto. A matemática da nutrição que se ensina falha muito porque esquece o final da equação - a energia obtida - e essa só se consegue quando estamos em paz (para as células absorverem). Só se consegue quando os alimentos são integrais e da forma como a natureza os preparou - perfeitos.


Sem ofender os burros (que são animais inteligentes), o ser humano (burro) ganharia muito se observasse os animais selvagens e aprendesse a comer outra vez. A matemática da alimentação só tem criado cada vez mais doenças degenerativas.


Aos nutricionistas


Revejam aquilo que aprenderam e tenham coragem para mudar sem se subordinarem exclusivamente a interesses egoístas do grande monopólio alimentar.

O Codex Alimentarius quer criar niveis aceitáveis da melamina!

A principal questão de uma reunião recente do Comitê do Codex sobre Contaminantes em Alimentos (CCCF) era o desejo geral da Comissão de adoptar um padrão de níveis aceitáveis de contaminação da melamina nos alimentos.


A melamina não existe de forma natural nem no solo, água ou ar - é uma criação humana. O nível aceitável deve ser zero.




quinta-feira, 10 de junho de 2010

ALGAS - IGUARIAS DO MAR



As algas tem tido um destaque especial aqui no blog. Mais dois artigos que elucidam bem a importância destes alimentos.


ALGAS - IGUARIAS DO MAR

in revista O SEGREDO DA TERRA - 2010 Jan 
Carlos Campos Ventura*
Com notas de Luís Guerreiro

As algas foram dos primeiros alimentos a ser consumidos pelo Homem; na verdade, todas as populações costeiras, com maior ou menor frequência, as consumiam. Mas em muitas regiões o seu consumo caiu em desuso. Porem, se isto se deu em Portugal e na maioria das costas europeias, as algas continuaram a servir de alimento noutros continentes.

WorkShop Cozinha Criativa e Alimentação Saudável



Com Luís Guerreiro
3 de Julho - Sábado 

Programa:
Nutrição Consciente. Conhecer os alimentos que nos ajudam a obter e a manter a saúde. Tomar responsabilidade pela nossa alimentação de forma a não dependermos de suplementos sintéticos ou medicamentos e nos libertarmos de produtos que nos podem prejudicar.
Boas combinações alimentares. Truques para comer sem engordar, sem acumular toxinas e sem passar fome.
Desenvolvimento de pratos atractivos, coloridos e saborosos usando o melhor que a natureza nos oferece. 
Introdução a:
- Leites vegetais
- Sumos e batidos funcionais
- Super alimentos
- Germinação de sementes
- Substituição de alimentos
- Cremes e molhos
- Saladas
- O uso das algas
- Sobremesas 
Contribuição:
* 40 euros (Almoço e lanche incluídos) 
Inscrições:
* 912447865
* lugardossentidos@hotmail.com


http://lugardossentidos.com/


Morada:
Rua Santiago Kastner nº15, 1ºDto.
Santa Marta do Pinhal
CORROIOS

Como Chegar a partir de:
Localização no Google Maps: 
 Ver Lugar dos Sentidos num mapa maior

Educação Ambiental com Culinária Viva



Apresentamos a CULINARIA VIVA como uma ferramenta de EDUCAÇÃO AMBIENTAL, que nos leva a uma prática de DIGESTÃO AMBIENTAL pessoal, economizando a energia do nosso próprio corpo, despoluindo nossos rios internos, desintoxicando o corpo e nos tornando mais criativos e cuidadosos com tudo que vive e nos cerca.

Gorilas provam como vegetarianismo faz bem à saúde



Fátima Chuecco

09 de junho de 2010



Infelizmente, os pesquisadores, especialmente os interessados em doenças degenerativas, ainda não perceberam o quanto poderia ser valioso um estudo profundo sobre a alimentação dos gorilas, de qualquer uma das cinco espécies existentes no planeta. Além de serem primatas (nosso primos mais próximos na escala evolutiva), os gorilas podem pesar até 180 quilos e atingir 2 metros de altura. E tudo isso com uma alimentação à base de frutas, folhas, raízes e brotos de bambu que, raramente, é acrescida de algum inseto como cupim(formigas).

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Shatawari - Asparagus racemosus e Asparagus officinalis (Espargos)

Adaptação de Luís Guerreiro dos trabalhos e sites referidos

Nome Botânico: Asparagus racemosus
Sanskrito: Shatawari
Outro (tradução do Sanskrito): Aquela que possui 100 maridos
Inglês: Wild asparagus


Encontrado nas altas florestas no norte da Índia, é o principal tônico rejuvenescedor Ayurvedico  para o sistema reprodutor feminino. Mas, é também uma erva indicada na debilidade sexual e na infertilidade em ambos os sexos. 





Compostagem Doméstica – uma solução para todos os gostos

Maria João Carvalho

A Compostagem é um processo de valorização da matéria orgânica, que consiste na degradação biológica de resíduos orgânicos domésticos, originando uma substância designada por composto. Se compostar, as suas plantas vão agradecer.



terça-feira, 8 de junho de 2010

Cozinha Criativa com Algas




É com muito prazer que damos continuidade aos pratos de algas. Já no próximo dia 26 de Junho na Quinta dos Sete Nomes em Colares. Inscrições abertas!!
segunda-feira, 7 de junho de 2010

Sobre a Soja - Sonia Hirsch





 entrevista com Sonia Hirsch (*)


(*) pesquisadora, jornalista e escritora
especializada em promoção da saúde


   NÃO COMA FEIJÃO DE SOJA

A soja é muito ácida. Só serve para comer depois de ser fermentada em
forma de missô, shoyu, tempê e nato.

----

Sonia Hirsch, você agora é contra a soja?

Nunca fui a favor, a não ser nas formas fermentadas: misso, shoyu, tempê, natô. Já no meu primeiro livro, Prato feito, que é de 1983, aviso que a soja não deve ser consumida como feijão.

Mas seus livros dão muitas receitas de tofu.

Tofu é bom de vez em quando, porque parte da acidez da soja sai no soro. O tofu é feito de leite de soja talhado. Funciona muito bem para substituir o queijo quando a gente está querendo parar de comer laticínios, mas não dá para abusar. O mundinho natural e macrô adora, mas eu mesma como pouco, porque minha pele não gosta.
E a carne de soja? Você dá uma receita de picadinho de carne de soja
no Prato feito.

Essa receita foi uma exceção, é a única que você encontra em todo o meu trabalho. Está lá como uma homenagem ao Bira, cozinheiro macrô que morou muito tempo no Rio e ficou famoso pelo picadinho. Eu mesma já não gostava de carne de soja na época, início dos anos 80; achava aquele negócio muito esquisito. Mas o Bira fez o picadinho num evento do Circo Voador na Quinta da Boa Vista, a galera gostou e eu pensei: vou botar a receita, afinal ele merece... Depois fiz a autocrítica no próprio livro, a partir da décima edição. Demorou...
Mas afinal, por que você está revoltada com a soja?
Estou revoltada com o uso que estão fazendo dela. Porque o consumo liberal de soja é muito prejudicial à saúde, tanto em forma de comida e bebida quanto em fórmulas farmacêuticas para suplementação hormonal.
Prejudicial, como assim? A soja não é o tesouro da Ásia?

O cultivo da soja na Ásia é muito antigo, tanto que ela é um dos cinco grãos sagrados dos chineses, junto com arroz, trigo, cevada e painço; mas não para fins alimentares. Seu dom é agrícola. Por ser muito rica em proteínas, a soja, que é uma leguminosa como todos os feijões, é também muito rica em nitrogênio, elemento essencial para a fertilidade do solo. Plantar a soja entre as outras culturas e cortá-la quando as favas de feijão se formam, deixando-a apodrecer no solo, traz o maior benefício para a lavoura. Sem ela a terra se esgotaria. Como alimento, porém, ela tem inúmeros inconvenientes. Como todos os feijões, mas muito mais acentuados.
Os feijões são inconvenientes?

Hipócrates já dizia que os feijões são tão ricos em nutrientes que poderíamos viver só deles - se não fossem tão tóxicos. Por isso, recomendava comer os feijões em pequena quantidade e sempre acompanhados por algum cereal, para equilibrá-los. A uma pessoa doente, Hipócrates proibia os feijões. O dr. Barcellos, médico, em sua dieta contra o câncer e todas as alergias, proíbe os feijões todos. Inclusive o amendoim e os feijões verdes, como a vagem, a ervilha fresca, o petit-pois. Aponta como problema a qualidade extremamente
ácida e tóxica das proteínas dos feijões. E realmente, se você pára de comer feijão as indisposições melhoram. Feijão é coisa para gente saudável!
Mas e a soja?

Então, a soja é o mais protéico de todos os feijões, por isso o mais tóxico. Hoje existem muitos estudos esclarecendo vários pontos. Um: a soja contém altos níveis de ácido fítico, ou fitatos, que reduzem a assimilação de cálcio, magnésio, cobre, ferro e zinco em adultos e
crianças, prejudicando a saúde e o crescimento. E os métodos convencionais, como deixar de molho, germinar os grãos ou cozinhar longamente em fogo baixo, não neutralizam o ácido fítico da soja; somente a fermentação tem esse poder. Dois: a soja contém inibidores
de tripsina que interferem na digestão das proteínas e podem causar distúrbios pancreáticos e retardo no crescimento. Três: desde 1953 é conhecido o impacto negativo das isoflavonas sobre a saúde humana. A esse respeito, você encontra uma lista de 150 estudos científicos que não podem ser ignorados em
www.westonaprice. org/soy/dangersi soflavones. html#studies  .
Mas as isoflavonas não são fitoestrógenos, bons para reposição hormonal?

Os fitoestrógenos da soja atrapalham as funções endócrinas, têm o potencial de causar infertilidade e de promover câncer de seio em mulheres adultas. São poderosos agentes inibidores da tiróide, causando hipotiroidismo e podendo provocar câncer de tiróide.
Nesse caso, as mulheres japonesas, que consomem tanta soja, não
deveriam estar mal de saúde?

Pra começar, elas não consomem tanta soja; vivem muito mais de arroz, algas marinhas, vegetais, peixes e frutos do mar. Da soja usam basicamente misso, que é a massa fermentada e salgada de soja; shoyu ou tamari, que são molhos fermentados de soja; e nattô, que é o próprio feijão de soja fermentado, com gosto e sabor fortíssimos. Aqui, ao contrário, as pessoas estão usando qualquer coisa de soja achando que é bom - leite de soja, tofu, proteína de soja, extratos de soja. Uma japonesa obtém da soja uma média de 10 mg de isoflavonas por dia. As brasileiras estão ingerindo por dia 150 mg de isoflavonas
(genisteína, genistina, daidzaína) em cápsulas, ou seja, dez vezes mais do que a média das japoneses consome.
Mas elas têm menos câncer de seios e ovários.

Sim, mas é porque a alimentação delas, como um todo, é menos rica em estrogênio e seus análogos do que a dieta ocidental, abundante demais em leite, laticínios, carne vermelha, frango e ovos, todos conectadíssimos ao surgimento de doenças crônicas e degenerativas.
E os milhões de crianças que se alimentam de leite de soja, correm algum risco?
Vários. Um deles é o desenvolvimento de distúrbios na tiróide. Não sei se você notou que há uma epidemia de problemas na tiróide hoje em dia. De onde vem isso? Do stress, mas também da alimentação. Um estudo mostra que bastam 30 g de tofu por dia, durante um mês, para causar problemas na tiróide.
Um ponto positivo parece ser a presença de uma forma de vitamina B12 na soja...

A vitamina B12 só existe nos organismos animais. A gente produz B12 dentro do corpo. Nos vegetais você a encontra em uma ou outra microalga, ou então em forma análoga. Acontece que os análogos da vitamina B12 que a soja contém não são absorvidos e ainda aumentam a necessidade de B12 no organismo. Pior: comidas à base de soja aumentam
também a necessidade de vitamina D.
E a proteína da soja, serve para alguma coisa?
Não entendo por que alguém vai querer uma proteína tão desnaturada, já que é processada em alta temperatura até virar proteína isolada de soja, proteína vegetal texturizada. O processamento da proteína de soja resulta na formação da tóxica lisinoalanina e das altamente carcinogênicas nitrosaminas. Fora um conteúdo extra de alumínio em grande quantidade - e o alumínio é tóxico para o sistema nervoso, para os rins, para a medula óssea...
Você tem mais algum horror pra contar sobre a soja?

Só mais um: o ácido glutâmico livre, MSG, GMS, glutamato monossódico ou simplesmente glutamato de sódio, é uma poderosa neurotoxina formada naturalmente durante o processamento da soja. Estimula a tal ponto nossos receptores de sabor no cérebro que pode matar neurônios. São documentados os casos de morte súbita por excitotoxinas, outro apelido 
 dessas neurotoxinas, entre as quais se inclui o aspartame. Ainda assim, esse derivado da soja está espalhado por inúmeros produtos industrializados (bem como o aspartame). E nos próprios alimentos à base de soja, mais glutamato é adicionado para realçar o sabor sem que seja preciso avisar no rótulo, já que se trata de um derivado "natural" da soja, então a lei dispensa.
Como se pode evitar o consumo de glutamato?

Lendo os rótulos, evitando produtos industrializados, preferindo comer o que está ainda na sua forma natural. E, num restaurante japonês, pedindo missoshiro sem ajinomoto, que é o próprio glutamato. Eles tentam recusar, porque a sopa de misso já está pronta, mas você repete com firmeza e eles preparam outra na hora. Não existe nada mais fácil, saudável e nutritivo do que uma missoshiro: o lado maravilhoso da soja.







Fonte: http://correcotia.com/soja/index.html


Mais sobre a soja aqui no blog

Oficina de Algas - Fotos