Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Amaranto



É o nome de várias espécies de Amarantáceas, pertencentes aos gêneros Amaranthus celosia: o ama-ranto-branco (Celosia argentea, L.), erva de folhas alternas, sésseis, ou curto-pecioladas; o amaranto-cauda-de-raposa (Amaranthus caudatus, L.); o amaranto-gigantesco (Amaranthus afe-cones Sims, L.); o amaranto-globoso (Gomphrena globosa, L.); o amaranto-monstro (Amaranthus apecionus, Sims); o amaranto verde (Amaranthus viridis, L.).
O amaranto-branco “é planta cosmopolita tropical, cultivada em todos os jardins e mesmo subespontânea nos terrenos abandonados; o reflexo prateado que lhe dão as brácteas exea-riosas de suas flores tornam-na uma espécie muito apreciada como ornamental. . .

As sementes são antiscorbuticas, anti-helmínticas e anti-diarréicas, delas se extrai óleo com as mesmas propriedades medicinais”. (Pio Correia.)


Fonte: Plantas Medicinais


Uso de amaranto na alimentação pode reduzir níveis de colesterol


A semente do amaranto, que mede aproximadamente 1 milímetro de diâmetro e é extraída de uma planta originária do Peru, pode se tornar uma importante fonte de proteínas, cálcio e zinco na alimentação, além de contribuir para a redução dos níveis de colesterol. Pesquisadores da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP utilizaram as sementes e reduziram o colesterol de animais de laboratório. Agora estão desenvolvendo sua aplicação em barras de cereais, musli (mistura de cereais), pães, bolachas e saladas.


De acordo com o professor José Alfredo Gomes Arêas, coordenador do Laboratório de Bioquímica e Propriedades Funcionais dos Alimentos da FSP, o amaranto possui grande potencial nutritivo. "A semente possui cerca de 15% de proteínas, que tem uma qualidade biológica comparável à do leite e superior a de outros vegetais, como a soja e o feijão", afirma. "O amaranto também é rico em fibras e pode ser utilizado como fonte de zinco, fósforo e cálcio, elemento pouco encontrado em vegetais."


Experiências realizadas com coelhos de laboratório na FSP, que tiveram seu colesterol aumentado por uma dieta, demonstraram a capacidade do amaranto em reduzir os níveis plasmáticos de colesterol. "O efeito benéfico foi comprovado, mas serão necessários novos testes para medir a extensão da queda do colesterol em seres humanos", diz. "Outros estudos serão feitos para descobrir qual substância do amaranto provoca esta redução."


José Alfredo Arêas observa que a farinha do amaranto pode ser usada na dieta dos portadores de doença celíaca (alergia ao consumo de trigo), pois não foi verificada nenhuma reação adversa à sua ingestão.


Aplicações


De acordo com o pesquisador, a semente expandida pode ser consumida como pipoca e também vem sendo pesquisado seu emprego como matéria-prima em alimentos consumidos habitualmente pela população.


A semente do amaranto, em grão, como farinha ou pré-cozido, foi utilizada em saladas e na produção de pães, bolachas, barras de cereais e musli, em pequenas proporções. "O objetivo é a aumentar a quantidade utilizada nestes produtos, para potencializar os efeitos nutritivos e funcionais do amaranto", diz Arêas.


O amaranto é um arbusto que pode atingir até 2 metros de altura, com folhas grandes e panículas (tufos semelhantes às espigas) que concentram as sementes. "As folhas podem ser cozidas como a couve", observa o professor. "Para a produção de farinha, é necessário extrair das sementes o óleo, que tem altos níveis de ácidos graxos insaturados e também poderia ser usado na alimentação."


As pesquisas com o amaranto na FSP começaram em 1996, e uma parceria com a Embrapa de Planaltina (GO) introduziu o cultivo no Brasil. "O amaranto se adaptou bem ao cerrado brasileiro, pois possui raízes profundas para captação de água, o que facilita o plantio em climas relativamente áridos", aponta o professor Arêas. "A colheita pode ser feita em quatro meses, o que favorece seu uso na rotação de culturas com a soja e o milho."


Segundo o professor, a descoberta de utilidades para o amaranto é fundamental para que haja rentabilidade e os produtores possam aumentar a área plantada e reduzir o custo de produção. "Estima-se que deverá ser semelhante ao da produção da soja, que tornou-se mais barata com o aumento de sua utilização e com o cultivo em grande escala", aponta.


Mais informações: (11) 3066-7736, ramal 229, e-mail jagareas@usp.br


Por Júlio Bernardes - 28.04.2004 - Fonte: Agência USP de Notícias


Amaranto na Alimentação Viva


Na alimentação viva o amaranto pode ser consumido depois de germinado, servindo de acompanhamento para saladas ou para enriquecer cremes ou molhos.


Basta deixar de molho 8 horas.

0 comentários: