NutriViva no Facebook é a nossa página no Facebook onde há uma constante actividade com pratos e ideias sobre Alimentação Viva.
O blog também está acessivel em ALIMENTACAOVIVA.COM e ALIMENTACAOVIVA.INFO
Visitem o meu blog em inglês (com traduçao automática)
Raw in Copenhagen
Ao deixar um comentário referente a um artigo, por favor colar o link desse artigo.

Badge Raw Food

Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Search/ Busca

Carregando...

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Ocorreu um erro neste gadget

Total de visualizações de página

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Agrotóxicos no seu estômago


24/09/2009 - 07h09
"Na safra passada, as empresas transnacionais, e são poucas (Basf, Bayer, Monsanto, Du Pont, Sygenta, Bungue, Shell química...), comemoraram que o Brasil se transformou no maior consumidor mundial de venenos agrícolas. Foram despejados 713 milhões de toneladas! Média de 3.700 quilos por pessoa. Esses venenos são de origem química e permanecem na natureza. Degradam o solo. Contaminam a água. E, sobretudo, se acumulam nos alimentos", escreve João Pedro Stédile, economista e integrante da coordenação nacional do Movimento dos Sem Terra (MST), em artigo publicado no jornal O Globo, 24-09-2009.

Eis o artigo.

Os porta-vozes da grande propriedade e das empresas transnacionais são muito bem pagos para todos os dias defender, falar e escrever de que no Brasil não há mais problema agrário. Afinal, a grande propriedade está produzindo muito mais e tendo muito lucro. Portanto, o latifúndio não é mais problema para a sociedade brasileira. Será? Nem vou abordar a injustiça social da concentração da propriedade da terra, que faz com que apenas 2%, ou seja, 50 mil fazendeiros, sejam donos de metade de toda nossa natureza, enquanto temos 4 milhões de famílias sem direito a ela.

Vou falar das consequências para você que mora na cidade, da adoção do modelo agrícola do agronegócio.

O agronegócio é a produção de larga escala, em monocultivo, empregando muito agrotóxicos e máquinas.

Usam venenos para eliminar as outras plantas e não contratar mão de obra. Com isso, destroem a biodiversidade, alteram o clima e expulsam cada vez mais famílias de trabalhadores do interior.

Na safra passada, as empresas transnacionais, e são poucas (Basf, Bayer, Monsanto, Du Pont, Sygenta, Bungue, Shell química...), comemoraram que o Brasil se transformou no maior consumidor mundial de venenos agrícolas. Foram despejados 713 milhões de toneladas! Média de 3.700 quilos por pessoa. Esses venenos são de origem química e permanecem na natureza. Degradam o solo. Contaminam a água. E, sobretudo, se acumulam nos alimentos.

As lavouras que mais usam venenos são: cana, soja, arroz, milho, fumo, tomate, batata, uva, moranguinho e hortaliças. Tudo isso deixará resíduos para seu estômago.

E no seu organismo afetam as células e algum dia podem se transformar em câncer.

Perguntem aos cientistas aí do Instituto Nacional do Câncer, referência de pesquisa nacional, qual é a principal origem do câncer, depois do tabaco? A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) denunciou que existem no mercado mais de vinte produtos agrícolas não recomendáveis para a saúde humana. Mas ninguém avisa no rótulo, nem retira da prateleira. Antigamente, era permitido ter na soja e no óleo de soja apenas 0,2 mg/kg de resíduo do veneno glifosato, para não afetar a saúde. De repente, a Anvisa autorizou os produtos derivados de soja terem até 10,0 mg/kg de glifosato, 50 vezes mais. Isso aconteceu certamente por pressão da Monsanto, pois o resíduo de glifosato aumentou com a soja transgênica, de sua propriedade.

Esse mesmo movimento estão fazendo agora com os derivados do milho.

Depois que foi aprovado o milho transgênico, que aumenta o uso de veneno, querem aumentar a possibilidade de resíduos de 0,1 mg/kg permitido para 1,0 mg/kg.

Há muitos outros exemplos de suas consequências. O doutor Vanderley Pignati, pesquisador da UFMT, revelou em suas pesquisas que nos municípios que têm grande produção de soja e uso intensivo de venenos os índices de abortos e má formação de fetos são quatro vezes maiores do que a média do estado.

Nós temos defendido que é preciso valorizar a agricultura familiar, camponesa, que é a única que pode produzir sem venenos e de maneira diversificada. O agronegócio, para ter escala e grandes lucros, só consegue produzir com venenos e expulsando os trabalhadores para a cidade.

E você paga a conta, com o aumento do êxodo rural, das favelas e com o aumento da incidência de venenos em seu alimento.

Por isso, defender a agricultura familiar e a reforma agrária, que é uma forma de produzir alimentos sadios, é uma questão nacional, de toda sociedade.

Não é mais um problema apenas dos sem-terra. E é por isso que cada vez que o MST e a Via Campesina se mobilizam contra o agronegócio, as empresas transnacionais, seus veículos de comunicação e seus parlamentares, nos atacam tanto.

Porque estão em disputa dois modelos de produção. Está em disputa a que interesses deve atender a produção agrícola: apenas o lucro ou a saúde e o bem-estar da população? Os ricos sabem disso e tratam de consumir apenas produtos orgânicos.

E você precisa se decidir. De que lado você está? (IHU on line)
24/09/2009 - 16h09

www.e-campo.com.br

Máfias farmacêuticas

Por Ignacio Ramonet*

Paris, setembro/2009 - Pouquíssimos meios de comunicação comentaram. A opinião pública não foi alertada. E, entretanto, as preocupantes conclusões do Informe final (1) publicado pela Comissão Européia, no dia 8 de julho, sobre os abusos em matéria de competição no setor farmacêutico, merecem ser conhecidas pelos cidadãos e amplamente divulgadas.

O que diz esse Informe? Em síntese? Que, no comércio de medicamentos, a competição não está funcionando, e que os grandes grupos farmacêuticos recorrem a todo tipo de jogo sujo para impedir a chegada ao mercado de medicamentos mais eficazes e, sobretudo, para desqualificar os genéricos, muito mais baratos. Conseqüência: o atraso no acesso do consumidor aos genéricos se traduz em importantes perdas financeiras, não apenas para os próprios pacientes, mas para a Assistência Social a cargo do Estado (ou seja, os contribuintes). Isto também oferece argumentos aos defensores da privatização dos Sistemas Públicos de Saúde, acusados de serem fossos de déficits no orçamento dos Estados.

Os genéricos são medicamentos idênticos - quanto aos princípios ativos, dosagem, fórmula farmacêutica, segurança e eficácia - aos medicamentos originais produzidos com exclusividade pelos grandes monopólios. O período de exclusividade e proteção da patente do remédio original vence após uma dezena de anos, quando então outros fabricantes têm direito de produzir os genéricos, que custam cerca de 40% mais barato. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e a maioria dos governos recomendam o uso de genéricos porque, por seu menor custo, favorecem o acesso equitativo à saúde das populações expostas a doenças evitáveis (2).

O objetivo dos grandes laboratórios consiste, por conseguinte, em retardar, por todos os meios possíveis, a data de vencimento do período de proteção da patente. O mercado mundial de medicamentos representa cerca de 70 bilhões de euros (3); e uma dezena de empresas gigantescas, entre elas as chamadas "Big Pharma" - Bayer, GlaxoSmithKline (GSK), Merk, Novartis, Pfizer, Roche, Sanofi-Aventis -, controlam metade desse mercado. Seus lucros são superiores aos obtidos pelos poderosos grupos do complexo militar-industrial. Para cada euro investido na fabricação de um medicamento de marca, os monopólios ganham mil no mercado (4). Ademais, três dessas companhias (GSK, Novartis e Sanofi) pretendem ganhar milhares de milhões a mais de euros nos próximos meses graças à venda maciça da vacina contra o vírus A (H1N1) da nova gripe (5).

Essas gigantescas massas de dinheiro dão às Big Pharma uma potência financeira absolutamente colossal, que usam particularmente para arruinar, mediante múltiplos julgamentos milionários perante os tribunais, modestos fabricantes de genéricos. Seus inumeráveis lobbies também fustigam permanentemente o Escritório Europeu de Patentes (OEP), cuja sede fica em Munique, para retardar a concessão de autorizações de entrada de genéricos no mercado. Além disso, realizam campanhas enganosas sobre esses remédios bioequivalentes e assustam os pacientes.

O resultado é que, segundo o recente Informe divulgado pela Comissão Européia, os cidadãos têm de esperar, em média, sete meses mais do que o normal para ter acesso aos genéricos, o que se traduziu, nos últimos cinco anos, em um gasto extra desnecessário de aproximadamente três bilhões de euros para os consumidores e em 20% de aumento para os Sistemas Públicos de Saúde.

A ofensiva dos monopólios farmacêutico-industriais não tem fronteiras. Também estariam implicados no recente golpe de Estado contra o presidente Manuel Zelaya em Honduras, país que importa todos os seus medicamentos, produzidos fundamentalmente pelas "Big Parma". Desde que Honduras entrou para a Aliança Bolivariana para os Povos da América (Alba), em agosto de 2008, Zelaya negociava um acordo comercial com Havana para importar genéricos cubanos, com a intenção de reduzir os gastos de funcionamento dos hospitais públicos de seu país. E, na Cúpula do dia 24 de junho, os presidentes da Alba se comprometeram a "revisar a doutrina sobre a propriedade industrial", ou seja, a qualidade de intocável das patentes em matéria de medicamentos. Estes dois projetos, que ameaçavam diretamente seus interesses, levaram os grupos farmacêuticos transnacionais a apoiar fortemente movimentos golpistas que derrubariam Zelaya em 28 de junho daquele mês (6).

Além disso, Barack Obama, desejoso de reformar o sistema de saúde dos Estados Unidos, que deixa sem cobertura médica 47 milhões de cidadãos, enfrenta a Irã do complexo farmacêutico-industrial. Aqui, as quantias em jogo são gigantescas (os gastos com saúde representam o equivalente a 18% do PIB) e controladas por um vigoroso lobby de interesses privados que reúne, além das Big Pharma, as grandes companhias de seguro e todo o setor de clínicas e hospitais privados. Nenhum desses atores quer perder seus opulentos privilégios. Por isso, apoiando-se nos grandes meios de comunicação mais conservadores e no Partido Republicano, estão gastando dezenas de milhões de dólares em campanhas de desinformação e de calúnias contra a necessária reforma do sistema de saúde.

É uma batalha crucial. E seria dramático ver as máfias farmacêuticas ganharem. Porque então redobrariam os esforços para atacar, na Europa e no resto do mundo, o avanço dos medicamentos genéricos e a esperança de alguns sistemas de saúde menos caros e mais solidários. IPS/Envolverde

(1) htpp://ec.europa.eu/comm./competition/sectors/pharmaceuticals/inquiry/index.html.
(2) Recordemos que 90% dos gastos da grande indústria farmacêutica para o desenvolvimento de novos medicamentos estão destinados a "doenças de ricos", que atingem apenas 10% da população mundial.
(3) Intercontinental Marketing Services (IMS) Health, 19 de março de 2000.
(4) Carlos Machado, "A máfia farmacêutica. Pior o remédio do que a doença", 5 de março de 2007 (www.ecoportal.net/content/view/full/67184).
(5) Léase, Ignácio Ramonet, "Os culpados da gripe suína", Le Monde Diplomatique em espanhol, junho de 2009.
(6) Observatório Social Centro-Americano, 29 de junho de 2009.

* Ignácio Ramonet é diretor do Le Monde Diplomatique em espanhol. Envolverde/IPS)

CAMPANHA SEGUNDA SEM CARNE

SOCIEDADE VEGETARIANA BRASILEIRA E SECRETARIA DO VERDE E DO MEIO
AMBIENTELANÇAM A CAMPANHA SEGUNDA SEM CARNE

O que os brasileiros comem no dia a dia? Você ficaria sem 'mistura' uma vez
por semana? Motivos há de sobra para atender a este convite, que será feito
pela Secretaria do Verde e do Meio Ambiente e pela Sociedade Vegetariana
Brasileira no dia 03 de outubro, quando será lançada a campanha Segunda sem
Carne. A intenção é incentivar as pessoas a deixarem de consumir carne ao
menos uma vez por semana, tendo assim benefícios à sua saúde e à saúde do
planeta. Ampliar o repertório de alimentos no cardápio das pessoas através
de um convite para deixar a carne de lado por um dia e testar novas
receitas.

A Campanha já conta com a parceria de entidades como movimento Slow Food São
Paulo, Instituto Polis, Revista dos Vegetarianos, Instituto Nina Rosa,
Prefeitura de São Lourenço da Serra, Agência de Noticias de Direitos
Animais, entre outros.

Lançado nos Estados Unidos em 2003, o movimento Meatless Monday (segunda sem
carne) vem ganhando adeptos em vários países e ficou famoso quando o beatle
Paul McCartney chamou a atenção da mídia ao lançar a campanha na Inglaterra,
acompanhado pela filha, a estilista Stela McCartney.

Ao diminuir o consumo de carne reduz-se, ao mesmo tempo, o desperdício de
água, o desmatamento, a desertificação, a extinção de espécies, a destruição
de habitats e até de biomas inteiros. A pecuária é responsável pela emissão
de cerca de 17% dos gases de efeito estufa no planeta. Mais da metade da
produção mundial de alimentos é destinada à ração para animais de abate.

Hoje se mata, em cerca de 15 dias, o mesmo número de animais que eram
abatidos em um ano na década de 1950 (dados da FAO). Esses animais levam uma
vida de sofrimento, medo e privação. Os métodos de criação e abate são
cruéis.

Uma dieta sem carne favorece a prevenção de doenças crônicas degenerativas,
como hipertensão arterial, doenças cardiovasculares, colesterol elevado,
diversos tipos de câncer e diabetes, segundo a Associação Dietética
Americana. A redução das carnes, com conseqüente aumento do consumo feijões
(leguminosas), frutas, cereais (de preferência integrais) legumes e verduras
é preconizada pelo Guia Alimentar para a População Brasileira do Ministério
da Saúde. Segundo a diretriz, os alimentos principais para uma alimentação
saudável são os cereais, pães e massas, frutas, legumes e verduras, feijões
e outros vegetais ricos em proteína. Cereais (de preferência integrais),
frutas, legumes, verduras e feijões devem, em conjunto, fornecer 55 a 75% do
total de energia diária da alimentação.

A Campanha é um convite a repensar nossa alimentação cotidiana, muitas vezes
pobre em nutrientes pelo simples desconhecimento da variedade de hortaliças
e verduras disponíveis. O consumo de comidas prontas, fast food ou
similares, facilitou a vida altamente urbanizada dos grandes centros,
diminuindo o tempo gasto com a alimentação. O preço de tudo isso é refletido
em nossa saúde, também nas experiências de sabor que perdemos. Alimentos
prontos, enlatados, cheios de conservantes, todos com o sabor parecido,
muitas vezes elaborado sinteticamente. A padronização dos temperos. A
restrição das experiências do paladar. O consumo desenfreado e a excessiva
praticidade destes alimentos também sugerem o questionamento de como estamos
gerenciando nossa saúde e de que maneira estamos educando as próximas
gerações para hábitos alimentares mais seguros.

O lançamento acontecerá no Parque Ibirapuera, onde os paulistanos terão
acesso a todas estas informações. Na Marquise do Parque haverá um caminho
com grandes fichas coloridas, espécie de jogo, onde estarão dispostas
informações, receitas e muito mais. As pessoas serão convidadas a percorrer
o caminho de tijolos coloridos e entrar em quatro estações temáticas
dispostas por este caminho: meio ambiente, ética, saúde e novos sabores.

Haverá exibição de filmes e palestras e apresentação e degustação de comida
com a presença de alguns chefs na Escola Municipal de Astrofísica Professor
Aristóteles Orsini, também no Ibirapuera, e serão distribuídos e sorteados
brindes como toy arts, receitas, camisetas, aventais e outros. Oficinas do
Gosto, promovidas pelo movimento Slow Food, serão promovidas gratuitamente
para crianças, onde será possível desenvolver o olfato e conhecer alguns
temperos. Haverá degustações no correr dos dois dias, oficina de compostagem
doméstica e prática de yoga. O lançamento é nacional, e a campanha é
coordenada pela Sociedade Vegetariana Brasileira.

Acompanhe a Campanha pelo site, blog e twitter:
http://diasemcarne.wordpress.com/
http://www.svb.org.br/<http://www.svb.org.br/http://twitter.com/diasemcarnesp>
segundasemcarne
http://twitter.com/diasemcarnesp<http://www.svb.org.br/http://twitter.com/diasemcarnesp>
http://twitter.com/SVBnacional

Lançamento da Campanha Segunda sem Carne
Data - 03 e 04 de outubro de 2009
Horário - das 12h às 18h
Local - Parque Ibirapuera - Marquise e Escola Municipal de Astrofísica
Professor Aristóteles Orsini

Programação:

03 DE OUTUBRO - SÁBADO

10h
Oficina de Compostagem Doméstica, com Leandro dos Santos Souza, da Escola
Municipal de Jardinagem (Parque Ibirapuera - Prédio da Administração - sala
05). A oficina mostra como produzir composto orgânico a partir dos resíduos
gerados diariamente em nossa casa, contribuindo para a saúde das plantas e
para a diminuição do lixo encaminhado aos aterros da cidade. A oficina tem
duração de 3 horas, é gratuita e oferece 50 vagas. Inscrições até dia 01/10,
pelo telefone 11 328 0663.

10h30
Prática de Hatha Yoga com Ana Cristina Pulcherio Ferreira, da escola Prema
Yoga, na frente do Planetário Professor Aristóteles Orsini.

12h
Lançamento da Campanha na Marquise do Ibirapuera, com presença de
autoridades que farão o percurso da exposição interativa. As pessoas poderão
participar da atividade até às 18h. A exposição é um percurso por uma
estrada colorida que traz informações, receitas culinárias e desenhos, com
parada por quatro estações temáticas com informações sobre saúde, meio
ambiente, ética e sabores.

OFICINAS DO GOSTO PARA CRIANÇAS - SLOW FOOD
Às 12h, 14h e 16h, na Tenda do Gosto - Marquise do Ibirapuera
Um convite para os pequenos refletirem sobre questões como para quê serve a
comida, de onde vem, a descobrir seus cheiros, texturas e gostos. As
inscrições devem ser feitas no local - 30 vagas por oficina. Distribuição de
toy arts para as crianças participantes.

PALESTRAS E EXIBIÇÃO DE VÍDEOS (Escola Municipal de Astrofísica Prof.
Aristóteles Orsini, próxima à Marquise) - grátis - 90 lugares, tíquetes
distribuídos no local meia hora antes do início da sessão ou palestra

13h
Exibição do filme Home (80`)
Dirigido pelo fotógrafo Yann Arthus-Bertrand e produzido por Luc Besson,
discute as principais questões ambientais da atualidade e mostra como a
humanidade interferiu no equilíbrio do planeta. São imagens aéreas da Terra,
que desvendam o estado do planeta abordando as mudanças climáticas, a
desertificação e o nível das águas. Exibição livre

14h30
Palestra com Eduardo Jorge, Secretário Municipal do Verde e do Meio Ambiente
de São Paulo

15h10
Exibição dos filmes A Farra do Boi na Amazônia (6`), Arroz vermelho da
Paraíba (3`) e O mar e nosso (3`) - recomendados para maiores de 12 anos

16h10
Alimentação e Meio Ambiente - os impactos da pesca predatória, pecuária na
Amazônia e introdução dos transgenicos na agropecuária, palestra com Rafael
Cruz, da Campanha de Transgenicos do Greenpeace.

16h40
Exibição do filme A carne e fraca (54`), do Instituto Nina Rosa
Alguma vez você já pensou na trajetória de um bife antes de chegar ao seu
prato? Nós pesquisamos isso para você e contamos neste documentário aquilo
que não é divulgado. Saiba os impactos que esse ato - de comer carne
representa para a sua saúde, para os animais e para o planeta. Com
depoimentos dos jornalistas Washington Novaes e Dagomir Marquezi, entre
outros - recomendado para maiores de 14 anos. Após exibição, Nina Rosa,
Ativista, presidente do Instituto Nina Rosa - projetos por amor à vida,
produtora de vídeos e livros sobre direitos dos animais, estará no local
para debate.

DEMONSTRAÇÕES CULINÁRIAS COM CHEFS (Escola Municipal de Astrofísica Prof.
Aristóteles Orsini, próxima à Marquise) - retirada de tíquetes meia hora
antes, no local - 20 lugares por demonstração

13h às 14h
Leila D - Galeria Orgânica
Artista experimentalista da culinária vegetariana há mais de 20 anos,
desenvolve pesquisa alimentar em gastronomia funcional. Traz em seu trabalho
toda sua experiência de viver em outros países como Japão, França, Alemanha
e EUA ,onde começou seu interesse pela culinária viva. Criadora do
restaurante Galeria Orgânica, 100% orgânico e vegetariano, que também
oferece todos os dias um menu cru, tem como proposta oferecer ao público um
novo conceito de alimentação: o "corpo sustentável", uma nova atitude
alimentar.

14h15 às 15h15
Augusto Pinto - Restaurante GOA
Chef e proprietário do Goa Gourmet Vegetariano. Sua formação em gestão e
produção cultural, área em que atuou por 20 anos até 2004 quando, ao se
tornar vegetariano, resolveu reciclar um restaurante do qual era sócio e
transformá-lo em um vegetariano mais sofisticado do que os existentes até
então. Atualmente, além de cuidar do GOA, se dedica à criação do Centro para
o Desenvolvimento da Alta Gastronomia Vegetariana no Bairro da Vila
Madalena, na cidade de São Paulo, com previsão de inauguração no dia 07 de
outubro, como parte das atividades de lançamento da Campanha Segunda sem
Carne.

15h30 às 16h30
Camila Taquari - Espaço Zym
O Espaço Zym busca valorizar a cultura, os sabores e os recursos naturais da
nossa terra trabalhando alimentos nativos pouco conhecidos como mangaba,
buriti, pana, castanha do baru e do licori e capim Napi.

16h45 às 18h
André Vieland - Vegacy
Chef e um dos proprietários do melhor restaurante vegano da cidade de São
Paulo, segundo o blog Vegetariana, da MTV. Desde 2005 o restaurante vem
conquistando admiradores, inclusive onívoros que trabalham pela região da
Av. Paulista.

04 DE OUTUBRO - DOMINGO

10h30
Prática de ioga com professor Orlando Alves, do Instituto Superior de
Estudos do Shaivismo, na frente do Planetário Professor Aristóteles Orsini.

12h às 18h
Exposição interativa na Marquise. A exposição é um percurso por uma estrada
colorida que traz informações, receitas culinárias e desenhos, com parada
por quatro estações temáticas com informações sobre saúde, meio ambiente,
ética e sabores.

OFICINAS DO GOSTO PARA CRIANÇAS - SLOW FOOD
Às 12h, 14h e 16h, na Tenda do Gosto - Marquise do Ibirapuera
Um convite para os pequenos refletirem sobre questões como para quê serve a
comida, de onde vem, a descobrir seus cheiros, texturas e gostos. As
inscrições devem ser feitas no local - 30 vagas por oficina. Distribuição de
toy arts para as crianças participantes.

PALESTRAS E EXIBIÇÃO DE VÍDEOS (Auditório da Escola Municipal de Astrofísica
Prof. Aristóteles Orsini, próxima à Marquise) - grátis - 90 lugares,
tíquetes distribuídos no local meia hora antes do início da sessão ou
palestra

12h
Exibição do filme Nação Fast Food (113`)
Adaptação do livro homônimo de Eric Schlosser, o filme fala sobre os riscos
à saúde da população e ao meio ambiente que a indústria do fast-food
provoca. Após descobrir que a carne usada para fazer o hambúrguer, servido
em seu estabelecimento, está contaminada, Don Henderson (Greg Kinnear),
executivo da maior rede de fast-foods dos EUA, faz uma jornada à origem dos
alimentos servidos em restaurantes como o dele e descobre fatos nada
agradáveis.- recomendado para maiores de 14 anos

13h20
Impactos para o meio ambiente, a saúde e os animais da alimentação centrada
na carne, palestra com Marly Winckler, presidente da Sociedade Vegetariana
Brasileira

14h50
Exibição do filme Meat the Truth (70`)
Documentário feito pelo "Partido dos Animais" da Holanda, resposta a Uma
Verdade Inconveniente, de Al Gore, que trata de algumas das causas do
aquecimento global, poluição e males afins, mas deixa a questão da pecuária
de lado - recomendado para maiores de 12 anos

15h
Mitos e verdades sobre alimentação vegetariana, Palestra com Ana Ceregatti,
nutricionista e integrante da Sociedade Vegetariana Brasileira.

15h30
Exibição do filme Como salvar o mundo (104`)
A história de um octogenário apaixonado pela agricultura biodinâmica em suas
andanças pela índia de solo saturado pela adubagem química.

17h20
Revolucionando a merenda, palestra com Lerner Ribeiro, prefeito de São
Lourenço da Serra, que trocou açúcar, carnes e enlatados na merenda escolas
por alimentos naturais, legumes, verduras e sucos, medida que teve reflexo
direto na melhora dos índices sociais e na redução da mortalidade infantil.

17h50
Alimentação Saudável - maravilhoso mundo de sabores, cores e diversidade,
palestra com Chef Tatiana Cardoso, do Moinho de Pedra

DEMONSTRAÇÕES CULINÁRIAS COM CHEFS (Escola Municipal de Astrofísica Prof.
Aristóteles Orsini, próxima à Marquise) - retirada de tíquetes meia hora
antes, no local - 20 lugares por demonstração

13h às 15h
Tatiana Cardoso - Moinho de Pedra
Chef formada pela Escola de Culinária Natural Gourmet Cookery School, em
Nova York, e pelo Instituto de Gastronomia e Nutrição. Em seu restaurante
natural/vegetariano gourmet Moinho de Pedra só entram produtos orgânicos e
nada de carne nem industrializados. Em seus pratos, a chef busca receitas
que, além de saudáveis, são saborosas e elaboradas, desfazendo a ideia de
quem acha que verduras e legumes são alimentos sem graça.

15h às 16h
Luisa Pereira - Surya Alimentos Orgânicos
Luisa Pereira apresentará pratos feitos com cacau orgânico. É ativista e
realiza eventos para divulgar o veganismo. A empresa Surya foi criada em
1995 pela empresária Clélia Angelon, vegetariana e praticante de yoga. A
empresa não utiliza ingredientes de origem animal e tem forte atuação no
campo da defesa dos animais.

16h às 17h
16:00-17:00 - Angélica C. Fonseca - Ecobrás
A Ecobras é uma empresa pioneira no Brasil que fabrica produtos com soja
orgânica.

17h às 18h
André Luiz - Maha Mantra
Apresentará receias com toque indiano. O restaurante Maha Mantra objetiva
proporcionar uma alimentação leve e saudável, combinando sabores e cores de
alimentos frescos, orgânicos e integrais.

A importância da alimentação infantil saudável

27/09/2009 - 07h09

O consumo de frutas e hortaliças no Brasil é apenas um terço do recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que seria de 400 gramas por dia. Além disso, avaliação feita pelo Ministério da Saúde em 14 mil crianças entre dois e cinco anos atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), em 2008, aponta que apenas 25,2% delas consomem frutas entre cinco e sete vezes por semana. Por outro lado, o consumo diário de bebidas adicionadas de mel, açúcar, rapadura corresponde a 47,9% nessa faixa etária.

A situação é ainda mais grave no caso de crianças entre cinco e dez anos, quando elas começam a decidir o que gostariam de comer. De um total de 15 mil crianças entrevistadas nessa faixa etária, 38,3% informaram consumir frutas diariamente, enquanto que 26,6% disseram que balas, biscoitos recheados, chocolates e outros doces fazem parte das suas dietas entre cinco e sete vezes na semana.

Uma alimentação deficiente tem inúmeras consequências para a criança. Entre as várias situações possíveis, as mais comuns são a má formação óssea e um comprometimento da formação da dentição, já que hoje em dia, o leite é muitas vezes substituído pelos refrigerantes. Por outro lado, o aumento do consumo de fast food e de frituras, bem como uma alimentação rica em gorduras traduz-se, na maioria dos casos, num aumento de massa gorda no organismo.

As crianças que apresentam uma alimentação desequilibrada possuem uma probabilidade elevada de se tornarem adultos afetados por alguns problemas de saúde, afirma a nutricionista.

O aumento do consumo de gorduras e frituras poderá estar associado a uma hipercolesterolemia bem como a hipertensão arterial, pelo fato de muitas vezes estar também implícito o aumento da ingestão de sal. Além disso, o excesso de açúcar pode provocar diabetes a longo prazo. Assim, o excesso de peso é apenas a face mais visível de uma alimentação desregrada.

Além destas complicações de saúde, podem surgir problemas psicológicos na criança pelo excesso de peso. A crueldade e a sinceridade dos colegas da escola podem provocar complexos na criança que, por sua vez, em casos mais extremos, podem originar doenças do comportamento alimentar como a bulimia ou a anorexia.
E se as crianças são, por um lado, influenciadas por um tipo de publicidade e marketing que deturpa a idéia de uma alimentação correta, com chocolates com uma percentagem maior de leite ou com cereais hipercalóricos, há depois outro tipo de publicidade que tem o efeito inverso, caso dos anúncios de moda que deturpam por seu lado o ideal de beleza.

E é quando estes diferentes tipos de influência se confrontam que surge o perigo de aparecimento de distúrbios alimentares.

Alimentação em casa e na escola
O problema de uma alimentação incorreta é muitas vezes menosprezado, tanto pelos pais como pela escola, porque não dói de imediato. Os pais deixam arrastar a situação e não tentam regrar nem corrigir a alimentação dos filhos.

Os pais têm de compreender que uma alimentação mais saudável, hoje, vai prevenir todo um conjunto de doenças, no futuro, como a diabetes, a hipercolesterolemia ou a obesidade.

A nutricionista alerta para outro erro cometido com frequência pelos pais, nomeadamente quando dão as mesmas quantidades de comida a uma criança e a um adulto. É errado, pois não têm as mesmas necessidades nutricionais. Há a tendência para, por exemplo, dar ao filho um prato cheio igual ao dos pais. No entanto, o prato de comida deverá ser menor, uma vez que, além do excesso de peso que cria a longo prazo, pode provocar uma sobrecarga renal.

É necessário adequar as quantidades à idade e peso da criança. A nutricionista Magda Serras dá, ainda, o exemplo do leite; “Uma criança com 1 ano de idade necessita de cerca de 800 miligramas (mg) de cálcio, enquanto a partir dos 6 até aos 12 precisa de uma dose entre 800-1200 mg. Esta necessidade volta a aumentar para os adolescentes a partir dos 12 – 1200 a 1300 mg”.

Nota Luis Guerreiro: Há outras fontes de cálcio mais saudáveis e mais facilmente assimiladas do que o leite de origem animal.

Contudo, a prática de uma alimentação errada não depende apenas dos pais. As escolas têm também responsabilidade neste assunto, pelo tipo de comida que disponibilizam nas cantinas, oferecendo uma dieta desequilibrada do ponto de vista nutricional, afirma Magda Serras.

Segundo a nutricionista, regra geral, nas prateleiras do bar da escola é mais fácil encontrar bolos, batatas fritas embaladas e fatias de pizza do que um sanduíche natural ou castanhas, que seria muito mais saudável.

Mesmo os pais, ao prepararem o lanche dos filhos, devem pensar duas vezes antes de mandar um bolo. Uma sanduíche natural não dá assim tanto trabalho a preparar e é muito mais saudável.

Todavia, em nível escolar, o cenário começa a melhorar. Além disso, só é preciso um pouco de imaginação para fazer pratos saudáveis e apelativos aos olhos dos pequenos! “Um dos truques que costumo ensinar é utilizar alimentos de várias cores no prato”, comenta a nossa entrevistada. O verde, o branco, o vermelho e o amarelo dos legumes tornam o prato muito mais apetitoso e apelativo.
Além disso, trata-se também de providenciar à criança todos os nutrientes presentes nos alimentos de diferentes cores, como o tomate, o pepino, o milho, a beterraba, entre outros. (JM Online)


www.ambientebrasil.com.br

Vc pode estar matando os BEIJA-FLORES. Não lhes dê açúcar.

Importante: BIÓLOGOS ALERTAM SOBRE A SAÚDE DO BEIJA-FLOR...
QUASE NINGUÉM SABE DISTO!
"ESSA FOTO FOI TIRADA NO PARQUE DAS ÁGUAS EM S.LOURENÇO - MG,
PEGUEI ESSE BEIJA FLOR DENTRO DO BALNEÁRIO. ESTAVA CAÍDO E NÃO CONSEGUIA SAIR....
É UM ESPETÁCULO, PARECE UM CHUMAÇO DE ALGODÃO DE TÃO LEVE..."
POR FAVOR, LEIA COM ATENÇÃO E DIVULGUE.

Saúde do Beija-flor

É comum quando gostamos de passáros, especialmente beija-flores,

fornecer-lhes água com açúcar nos bebedouros.

Entretanto saibam que

ISSO MATA O BICHINHO!!!

Deixem- me explicar melhor:

o açúcar em contato com a água forma um fungo que traz doença,

semelhante ao câncer, no biquinho do beija- flor.

A saída é plantar as flores que eles preferem ou comprar Thrill ou assemelhados, como o Néctar

que é vendido nos supermercados e já vêm adoçados sem adição de açúcar,

garantindo, desta forma, a saúde do bichinho!

O pacote custa R$ 6,70 e dura 2 ou 3 semanas dependendo da quantidade

de bebedouros que você tiver.

Além do mais você pode deixar a solução lá por 5 dias sem problemas,

enquanto que a água com açúcar tem que ser trocada diariamente, e o bebedouro deve ser fervido

e muito bem limpo para não matar o beija- flor.

O mais impressionante é que (quase) NINGUÉM SABE disso,

então, por favor, divulguem a informação pois é muito triste sabermos

que as pessoas que gostam de cuidar dos beija-flores

podem acabar provocando suas mortes e nunca vão saber que eles morreram com

o "veneno" que lhes demos com tanta boa vontade!

Informações diferentes sobre a Gripe A

O texto que se segue é de autor desconhecido porém tem matéria importante para reflexão...



_____________________________________________

Observem o mundo e observem como
as coisas estão a funcionar. Observem a quantidade de gente que não morre
devido à Gripe A. Observem que é irrisório. Observem, apesar disso, a
campanha GIGANTE, que está lançada um pouco por todo o mundo.

Os putos este ano nas matrículas do IST tinham que lavar as mãos
com álcool antes de entrar.

*Uma gripe que se cura à antiga, com leitinho quente e mel.*

Uma gripe da qual a maioria das pessoas não tem grande medo - quase
intuitivamente - mas no entanto a campanha continua. E *gradualmente o
medo vai crescendo*. De onde vem a motivação para tão brutal campanha
sensacionalista? As pessoas que implementam esta campanha estão realmente
informadas?

No IST sei que não estão, recebem as ordens de cima, os cartazes que têm que
ser colocados, as normas de segurança a que têm que aderir e pronto. Seguem
todos felizes achando que estão a fazer a sua parte. O IST deveria ser um
dos locais com maior número de gente inteligente por metro quadrado. E *ninguém
questiona*. É fácil perceber que noutros locais ainda menos se questionará.
*Faz-se e pronto*. É para o nosso bem, afinal de contas.

Esta campanha geral gera medo. Qual é o interesse desse medo? Bom, não
pretendo entrar por aí, quem desejar investigar basta procurar no google -
vou deixar alguns links no final. É apenas preciso alguma lucidez para
separar o trigo do joio. Para ignorar as partes de fanatismo e aceitar as
reais.

O que quero deixar é apenas um mote de alerta. Ao que tenho investigado *esta
vacina virá em 3 doses* distintas. E, ao que sei, está a ser prevista a não
cooperação popular com a vacinação, pelo que *está a ser implementado em
larga escala um sistema de vacinação obrigatória*, à luz da protecção da
saúde pública. Ainda mais preocupante parece-me ser a *alta probabilidade de
vir a "surgir" uma nova estirpe bem mais forte e mortífera* que esta, como
que jogada final - se não bastasse a campanha do medo, agora há um bixo que
é mesmo mt pior, agora sim, é melhor vacinarmo-nos.

Como muitos de vocês sabem, *não é a primeira vez que temos esta "gripe
suina"*. Aconteceu antes como experiência nos EUA, nos anos 70. *Ia ser a
pandemia do século*. Mas - no entanto - *desapareceu*. A *doença das vacas
loucas também ia ser o fim da picada. Já não se fala nela*. A *gripe das
aves era o fim do mundo. Não... de facto, já nem se ouve falar*. Agora é a
gripe suína - gripe A. E é com esta que se está a levar a cabo a cena que há
tanto tempo anda a ser experimentada.

Não é preciso muito para se achar estranho uma campanha tão massiva em
relação a uma gripe que mata menos que milhentas outras doenças. Que *em
Portugal já causou o número estrondoso de - pasme-se - zero
mortes*[1<http://www.who.int/csr/don/2009_05_19/en/index.html>
][2 <http://en.wikipedia.org/wiki/2009_flu_pandemic_by_country>]
. Zero
mortes é também o número de mortes na Alemanha, Suíça,
Dinamarca, Finlândia, Republica Checa, Polónia, Rússia, e tantos mais países
do mundo.

Mas claro, há países que têm números elevados nas mortes (são pouquissimos,
mas há - estando o brazil no topo com mais de 1000 mortes). Isto tudo
permite manipular as estatísticas como quisermos - e acho que *não é difícil
percebermos o quanto são manipuladas* - *as estatísticas e a comunicação
social*, pela campanha brutal a que estamos a assistir.

Mas não é preciso muita inteligência para ver que o que importa é a
percentagem de mortes de pessoas nas que foram contaminadas. E essa taxa -
observando todo o mundo e segundo as estatísticas de 30 de agosto da WHO
(nem gosto de citar estes tipos como fonte, mas enfim) - é de
1,12%[3<http://www.who.int/csr/don/2009_09_04/en/index.html>].
Ou seja em cada 100 pessoas até hoje infectadas, morreu uma e um bocadinho.
Digamos que não é muito eficiente. Se nos cingirmos à Europa esse valor
decresce para 0,23%. Irrisório.

Pegando no folheto informativo do ministério da saúde diz "Qual o período em
que uma pessoa infectada pode contagiar outras? *Os doentes podem infectar
outras pessoas por um período até 7 dias*". 7 dias. Depois passa. É uma
gripe, caramba. Caminha, chazinho, relax. E passou. Ou seja, cerca de 99%
das pessoas que contraíram a gripe A sobreviveram e curaram-se, sem vacinas.
Mas agora vem o frio, e o vírus vai mutar (não dúvido nada...) e tudo e
tudo.

Sabem quantas pessoas mata uma pneumonia? De acordo com a mesma fonte (WHO),
a pneumonia mata - só em crianças - 1,8 milhões por
ano[4<http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs331/en/>].
Mais que a SIDA, a malária, o sarampo e - obviamente - a Gripe A. A mesma
fonte diz que a pneumonia pode ser tratada com antibióticos. A mesma fonte
diz que apenas 20% dos afectados com pneumonia tem acesso a antibióticos. E
é ver as campanhas para salvar o 1,8 milhões de crianças que não recebem
algo tão simples como um antibiótico. A gripe nem precisa
de antibiótico para se curar. Como eu já disse basta leitinho e mel. No
entanto para esta gripe há uma campanha mundial. Há propaganda.

Não morreu ainda ninguém em Portugal com gripe A, no entanto é ver *TODOS OS
DIAS notícias nos jornais relativamente à gripe*. Novidades. Medidas de
segurança. Mais X mortos não sei onde. Dar a ideia de que é mesmo mesmo mau.
Na Europa é só 0,23% mau. Mas quem vê apenas telejornais diria que era a
pior coisa do mundo. Curioso não? Mas os jornais/televisões são todos
independentes, pensam por si mesmos, seguramente é uma coincidência andarem
todos a falar da mesma coisa, ao longo de tanto tempo, com informações tão
sensacionalistas, sobre algo que - convenhamos - não é assim tão grave.
Mesmo que a gripe se espalhasse como eles dizem... chazinho, torradas, mel e
leitinho quente.

Esta estirpe não é grave. Auguro que seja provável "aparecer" uma estirpe
bem mais mortífera. Auguro que fiquemos todos cheios de medo e imploremos
pela vacinação. Auguro que até alguns de vocês vão achar que quem não se
quiser vacinar é estúpido e está a por em risco a vida dos outros. Cada um
tem direito à sua opinião. Para esses, este email não serve para nada,
obrigado pela atenção até agora, podem fechar :)

A ideia que estou aqui a tentar transmitir é que nem tudo são rosas neste
nosso planetazinho azul. E que há interesses bem maiores que a saúde pública
por detrás destas campanhas. Assim como há interesses por detrás destas
pandemias. Assim como há interesse em que as pessoas não sejam saudáveis.
Assim como há interesses em que o nosso sistema imunitário não funcione
demasiado bem.

Compreender esses interesses, essas forças e as motivações por detrás delas
era ir mais além do âmbito deste email. *Aqui quero apenas motivar-vos a
investigarem, questionarem e tomarem uma decisão informada acerca de se
vacinarem ou não*, e de alertarem ou não outros para não o fazerem.

Vacina esta que - segundo a informação a que tenho acedido (quem tiver
informações em contrário partilhe):
- *Teve a sua patente preenchida 2 anos antes do surgimento do problema que
ela vêm prevenir*. O primeiro documento relativo à vacina foi submetido em
28 de Agosto de 2007, sendo que o surto de Gripe Suina surgiu no méxico em
Abril de 2009 [5<http://www.theoneclickgroup.co.uk/documents/vaccines/Baxter%20Vaccine%20Patent%20Application.pdf>
][6<http://birdflu666.wordpress.com/2009/07/17/baxter-to-conduct-safety-tests-of-own-h1n1-vaccines-in-new-zealand-no-independent-testing/>
]
- Mesmo que faça mal e tenha efeitos secundários, *os responsáveis não
poderão ser responsabilizados*, tendo sido assinado um documento dando
*imunidade
legal* para os envolvidos na produção das vacinas (wtf?!)
[7<http://birdflu666.wordpress.com/2009/07/18/us-government-gives-baxter-novartis-legal-immunity-for-injury-and-death-caused-by-their-h1n1-jab/>
][8<http://www.infowars.com/big-pharma-gets-legal-immunity-for-flu-vaccines/>
]
- A Baxter (empresa que patenteou a vacina) está a ser investigada por "sem
intenção" *ter espalhado vacinas com o virus da gripe das aves activo nelas*.
Por acidente. Mas foram só 72Kg de vacinas. Não é quase nada.
[9<http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=newsarchive&sid=aTo3LbhcA75I>
][10 <http://www.torontosun.com/news/canada/2009/02/27/8560781.html>]
- *Está a ser publicitada com alarmante sensacionalismo*. Reparem - por
exemplo - nesta entrevista. Reparem como ele fala. Na forma como ele passa a
mensagem da necessidade absoluta de vacinação. Esta é a mensagem que está a
ser impressa na nossa mente, continuamente. "espera, e se a gripe realmente
apanhar os jovens, e entrar nas universidades... e eles forem para casa 7
dias e se curarem e depois voltarem?" seria uma pergunta à qual eu gostaria
de ver a resposta. Reparem como ele não se alonga quando fala do que
acontece se realmente o vírus se espalhar. Vejam e atentem à forma como o
tipo passa a mensagem. http://www.youtube.com/watch?v=xQ66xb0P3HM (2:07)
- *Alguns países recusam aceitar a compra das vacinas sem
verem resultados concretos de testes à vacina*
[11<http://www.radio.cz/en/article/119066>
]
- Em alguns países, esses *testes serão feitos pela própria Baxter* (e não
por entidades independentes)
[12<http://birdflu666.wordpress.com/2009/07/17/baxter-to-conduct-safety-tests-of-own-h1n1-vaccines-in-new-zealand-no-independent-testing/>
]
- Mais de metade dos médicos de alguns locais (UK, Hong kong) manifestaram
a sua recusa a serem vacinados por não confiarem na vacina
[13<http://www.wddty.com/medics-refuse-to-take-new-swine-flu-vaccine.html>]
[14 <http://www.foxnews.com/story/0,2933,542950,00.html>]
- etc etc etc.

Isto tudo assente em algo que todos parecem estar seguros - e eu também não
duvido nada - de que virá uma "mutação" agora para o inverno que será bem
mais terrível e que irá matar muito mais gente. E isso é possível. É
provável. Continua-me a parecer muito mais perigosa a vacina.

Deixo-vos vários links, várias fontes de informação. A maioria deles têm
partes boas e más. Usem o vosso discernimento. Se alguém diz "ah o céu é
azul, e eu vi aliens no outro dia a esvoaçar lá" consigam ignorar os aliens
mas aceitem que o céu é azul, porque é verdade. Procurem isso. A Verdade.

Links e informação acerca do assunto:

Lei Marcial e problemas da vacina:
- Notícias na CNN interessantes (leiam também o texto que está à direita):
http://www.youtube.com/watch?v=Lt8FKYt1CW4&feature=related (9m19s)
- Documentários/palestras acerca do assunto:
1<http://www.youtube.com/watch?v=9uHs9TuSKNY>,
2 <http://www.youtube.com/watch?v=EHzo3dDo2ow>,
3<http://www.youtube.com/watch?v=IDFwEqgQ1qk>
- Notícias acerca dos perigos da vacina, e a possível ligação com doenças
nervosas: http://www.youtube.com/watch?v=lcnIojjzvvg (1m52s)
http://www.youtube.com/watch?v=omRg4m6PdCs (4m10s)
-

Dr. Len Horowitz:
- vídeo que ele lançou quando isto estava tudo a começar onde ele
<http://www.youtube.com/watch?v=GBeKB7aKzOs>explica como a cena funciona em
termos de interesses (10m41s)
- Site fluscam.com

<http://fluscam.com>Notícias:
- opinião e observações de vários cientistas acerca do deste
vírus<http://www.youtube.com/watch?v=RMFAtoV0kX0>
(1m24s)
- Fox News: estado de massachusetts aprova estatuto
<http://www.youtube.com/watch?v=RXSB2oca7f8>para que a policia possa *vacinar
as pessoas contra a sua vontade*, mete-las em quarentena, tirar os filhos
aos pais, incentivo às pessoas para reportarem os vizinhos que não levaram
vacinas... *vejam (2m39s)*
- Reportagem de 1979 acerca da Gripe
Suína<http://www.dailymotion.com/video/x9mh9f_swine-flu-1976-propaganda_webcam>.
Esclarece muito do que aconteceu - e que está a voltar a acontecer. A
propaganda brutal. Montes de publicidade na televisão. (16m01s)
- CBC adverte que alguns estudos mostram que a vacina pode aumentar o risco
de contrair Gripe
A<http://www.cbc.ca/health/story/2009/09/23/flu-shots-h1n1-seasonal.html>
- Site http://www.theflucase.com/ da jornalista que se atreveu a processar
judicialmente o FBI, a WHO, a baxter (entre tantos outros) devido a
bioterrorismo - relacionado com estas vacinas.

- Páginas de David Icke acerca do assunto:
*www.davidicke.com/swineflu*<http://www.davidicke.com/swineflu>
e www.davidicke.com/content/view/25191

- Livro on-line que expõe toda a situação da gripe A e
vacinações<http://www.whale.to/vaccine/sf.html>
- *Mais de 50% dos médicos do Reino Unido recusam-se levar a
vacina*<http://www.wddty.com/medics-refuse-to-take-new-swine-flu-vaccine.html>
- Mais notícias acerca de como a vacina causou mais danos que a
gripe<http://www.dailymail.co.uk/news/article-1206807/Swine-flu-jab-link-killer-nerve-disease-Leaked-letter-reveals-concern-neurologists-25-deaths-America.html>
no
passado
- Artigo sobre o perigo das
vacinas<http://juliosevero.blogspot.com/2007/04/medicina-assustadora.html>
- O grande massacre da gripe suína <http://www.whale.to/vaccine/swine.html>
- *Coisas estranhas em relação a esta
vacina*<http://www.legitgov.org/baxter_vaccine_oddities.html>


E tanto mais. Acima de tudo, se vierem vacinações forçadas, quarentenas
forçadas, lei marcial e cenas à filme, tenham a coragem de se opor. Conheçam
os vossos direitos. Basta mudar um pouco a nossa consciência para que certas
coisas nunca cheguem a acontecer. Como diz o David Icke, se chegar a esse
ponto (perca total dos nossos direitos), a não cooperação pacífica é a
melhor forma. Em número suficiente, muda tudo. Em número suficiente nem
chegará a esse ponto - apesar de estar tudo a ser tão minuciosamente
preparado para isso.


Obrigado aos que chegaram até aqui! Possam vocês tomar decisões informadas
acerca da vossa própria saúde. Possam vocês ter escolha. :)


Aquele abraço,

Fonte: Enviado por email por António Caldeira

Quinta dos 7 Nomes, Cooperativa Ecológica

Estou neste momento de visita a amigos na zona de Sintra.

Fiquei a conhecer a Quinta dos 7 Nomes, Cooperativa Ecológica



A Cooperativa existe numa pequena quinta com cerca de 7000 m2 com vista para a Serra de Sintra situada no Banzão e limitada pela Ribeira de Colares com construções de apoio que estão a ser recuperadas actualmente.Iniciou as suas actividades neste espaço em meados de Julho de 2007.

Na loja podem encontrar produtos frescos acabados de colher, frutas e hortícolas, produtos de mercearia como massas e bolachas, sumos e leites, alternativas não-lácteas, iogurtes e queijos, chás e chocolates, até produtos de limpeza e higiene pessoal podem ser encontrados na loja da cooperativa. Em comum uns com os outros têm a certificação BIO ou são ecologicamente correctos.

Os preços são normalmente abaixo daqueles encontrados no mercado biológico.

Conheci a Isabel (da "Quinta") e a Zizi (que é acupunctora entre outras coisas boas) que estavam de "serviço" nas vendas da loja excelente que se recomenda.

Workshop´s crudivorismo - Raw Food - Casa da Horta no Porto

Data: 11 de Outubro
Dia da semana: domingo
Entidade: Leite da Terra & Casa da Horta
Formador: Márcia Almeida
Duração: 4 H por nível
Horário: 10h00 às 14h00
Preço por nível: 40.00€
Morada: Rua de São Francisco, 12A - 4050-548 Porto - próximo a Igreja de São Francisco e Mercado Ferreira Borges.

E-mail: leitedaterra@gmail.com

Telefone: 222 024 123 e 965 493 081

http://casadahorta.pegada.net/

http://leitedaterra.blogspot.com/

Workshop de Cozinha Organic Vegan Raw