NutriViva no Facebook é a nossa página no Facebook onde há uma constante actividade com pratos e ideias sobre Alimentação Viva.
O blog também está acessivel em ALIMENTACAOVIVA.COM e ALIMENTACAOVIVA.INFO
Visitem o meu blog em inglês (com traduçao automática)
Raw in Copenhagen
Ao deixar um comentário referente a um artigo, por favor colar o link desse artigo.

Badge Raw Food

Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Search/ Busca

Carregando...

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Ocorreu um erro neste gadget

Total de visualizações de página

sábado, 4 de outubro de 2008

Banco do Planeta


sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Como construir un desidratador de alimentos

Fogão solar caseiro


Confira como ferver água e cozinhar alimentos com um 'fogão solar' feito em poucos minutos, em casa.

Video: CNN - Entrevista Angela Stokes - sobre Alimentação Crua



Depois de um grave problema de tiroide, que a fez engordar até aos 136 kilos , a Angela perdeu cerca de 72 kilos ao longo de 2 anos, com Alimentação crua, melhorando incrivelmente a sua saúde....

Ela recomenda começar aos poucos nesta alimentação...indo aumentando o consumo de alimentos crus com a passagem do tempo...

Frutas e vegetais - A Farmácia de Deus



Uma Cenoura cortada parece-se com o olho humano. A pupila, íris e as linhas radiantes são identicas com o olho humano e SIM a ciência mostra agora que as cenouras aumentam o fluxo sangüíneo da função dos olhos.



Um tomate tem quatro câmaras e é vermelho. O coração é vermelho e tem quatro câmaras. Toda a investigação mostra que os tomates são, na verdade, puros alimentos para o coração.



As uvas para pendem num cacho que tem a forma do coração. Each grape looks like a blood cell and all of the research today shows that grapes are also profound heart and blood vitalizing food. Cada uva lembra uma célula sanguínea a investigaçãomostra que as uvas também são profundas vitalizadoras do coração.



Uma noz é parecida com um pequeno cérebro, um hemisfério esquerdo e direito. Mesmo as rugas ou pregas sobre as nozes são parecidas como o neo-córtex. Sabemos agora que as nozes ajudam a desenvolver cerca de 3 dúzias de neuro-transmissores que ajudam na função cerebral.



O Feijão pode realmente curar e ajudar a manter a função renal e sim, eles parecem exactamente como os rins humanos.



Aipo, Bok CHOY, ruibarbo parecem-se mesmo com ossos. Estes alimentos ajudam especialmente a estrutura óssea. Os ossos tem 23% de sódio e estes alimentos tem 23% de sódio. Se você não tem sódio suficiente na sua dieta alimentar o corpo puxa-lo a partir dos ossos, tornando-os fracos. Esses alimentos reconstitueam as necessidades esqueléticas do organismo.



Berinjela, Abacates e peras tem como alvo a saúde e função do útero e colo do sexo feminino, que são parecidos com estes órgãos. Hoje, a pesquisa mostra que quando uma mulher come 1 abacate por semana, ela equilibra hormônios, perde gordura adquirida durante a gravidez e previne cânceres cervicais. E como profundo é isto? Um abacate demora exatamente 9 meses a crescer a partir de uma flor de maturação até ao fruto. Existem mais de 14000 constituintes químicos nutricionais em cada um destes alimentos, a ciência moderna só estudou e nomeou apenas cerca de 141 deles.



Os Figos estão cheios de sementes e pendurados em pares quando crescem. Os figos aumentam a motilidade do esperma masculino e aumentam o número de espermatozóides, além de superarem a esterilidade masculina.



As azeitonas assistiem a saúde e a função dos ovários.



Toranjas, laranjas e outros citrinos parecem-se com glândulas mamárias da fêmea e, na verdade, ajudam a saúde das mamas e da circulação de linfa dentro e fora das mamas.



Hoje, a pesquisa mostra que as cebolas ajudam a limpar resíduos de materiais provenientes de todas as células do corpo. Elas ainda produzem lágrimas que lavam as camadas epiteliais dos olhos.

Jantar vegetariano acompanhado de concerto de guitarra portuguesa

Jantar vegetariano acompanhado de concerto de guitarra portuguesa ao vivo com o guitarrista João Manso. O evento irá ocorrer no dia 3 de Outubro (6ª feira) ás 20.00.

O local do evento será "O Nosso Espaço" que se situa na Rua dos Correeiros, 205, 2º andar (Baixa de Lisboa).
O preço será 15 €uros por pessoa. (Jantar + concerto).

Para inscrições agradeço que me enviem mail para migcostaper@gmail.com ou contactem para telem 914907446 ou 967055233.
Lugares limitados

João Manso nasceu em Lisboa em 1975, tendo dado os primeiros passos nas actas musicais na instrução primária com oito anos de idade.

Frequentou o instituto de Música Valentim de Carvalho onde estudou órgão através do método de ensino Yamaha.

Tem o 4º ano do Conservatório Regional de Setúbal, onde frequentou o curso de Viola Dedilhada na classe do professor José António Magalhães.

Frequentou igualmente o Conservatório Regional de Almada desde 1997 até 2001 com o professor Arménio de Melo, onde estudou Guitarra Portuguesa, seu instrumento de opção.

Durante 5 anos, leccionou música, num centro de ocupação dos tempos livres para jovens, no Conselho do Barreiro.

Realizou várias actuações desde 2000, quer em Portugal, quer no estrangeiro, sendo de salientar várias actuações com Luísa Amaro, que acompanhou Mestre Carlos Paredes em concertos por todo o Mundo, nomeadamente em 2001 no cineteatro Tivoli em Lisboa, com a participação especial de Fernanda Lapa.

Participou em trabalhos discográficos salientando a colaboração com Nick Hamilton intitulado "Twelve Old Songs"; Chaparro, Amor Global (2008), Reggae com Guitarra Portuguesa; assim como gravação de temas originais de sua autoria.

Por especial encomenda da Câmara Municipal da Moita, compôs e gravou o tema "Nos Braços do Tejo", integrado no cd-rom de apresentação desse concelho.

De destacar também que acompanhou vários Coros nomeadamente o Côro da Brisa, salientando o evento "14th International Festival of Advent and Christmas Music with Petr Eben Award" na cidade de Praga na República Checa , e o especial acompanhamento do Conservatório Regional de Setúbal representado pelos Paganinus e os Violinhos da Acordarte ao Orchestra Hall de Chicago nos EUA.

Cumprimentos

Miguel Pereira e Carlos Garcia

1º Semana Vegetariana nacional - Portugal

De 29 de Setembro a 5 de Outubro de 2008, diversas entidades promovem, pela primeira vez, a Semana Vegetariana. São sete dias, dedicados à promoção de um estilo de vida saudável, ético e ecológico.
Esta semana inclui o Dia Mundial do Vegetarianismo (01 de Outubro) e o Dia do Animal (04 de Outubro).

Esta Semana, aproveita as palestras, workshops, descontos em restaurantes e lojas, e promoções diversas, que irão ocorrer de Norte a Sul do país.

Entidades aderentes da Semana Vegetariana

- Semente - Centro Macrobiótico de Braga

- Restaurante Flôr de Coimbra,

- Projecto 270 (Costa da Caparica),

- Centro Vegetariano,

- Essência do Mundo - Lda,

- Efeito Verde - Lda,

- Etikweb,

- Restaurante Grão de Soja (Espinho),

- Restaurante As Tílias (Fundão),

- loja Casa do Bosque (Gondomar),

- Restaurante O Ribatejano (Faro),

- Restaurante O Espaço Saudável (Figueira da Foz),

- Restaurante O Ferreiro (Buarcos, Figueira da Foz)

- Ervanária Moderna (Linda-a-Velha),

- loja Bio Paladares e Companhia (Lisboa),

- Sociedade Portuguesa de Naturalogia (Lisboa),

- Associação Vegetariana Portuguesa (Lisboa),

- Associação Acção Animal (Lisboa),

- Crew Hassan (Lisboa),

- Associação GAIA (Lisboa),

- loja Eco Zen (Lisboa),

- Espaço Prama (Lisboa),

- Movimento Hare Krishna (Lisboa),

- Fernanda Botelho (Lisboa),

- Restaurante Da Terra (Matosinhos),

- Restaurante Oriente no Porto,

- Restaurante Nakité (Porto),

- Casa da Horta (Porto),

- Associação GAIA (núcleo Porto),

- Associação Acção Animal (núcleo Porto).

Fonte: http://www.semanavegetariana.com/

Sobre os Mirtilos

images/articles/blueberry spoon.jpgCom um delicioso sabor semi-doce e uma atractiva cor azul púrpura, os mirtilos estão repletos de nutrientes saudáveis. São uma fruta pequena e conveniente para se usar em muitas receitas como batidos, molhos, saladas e doçarias. Ou também se podem simplesmente lavar e comer à mão-cheia, sem necessidade de descascar ou cortar! Atractivos, pobres em calorias e supernutritivos, os mirtilos merecem um lugar privilegiado à nossa mesa.

HISTÓRIA
Originários da América do Norte, Ásia e Europa Central, os mirtilos têm sido consumidos pelo homem desde tempos pré-históricos. Em Portugal, encontram-se em regiões onde o Inverno é muito rigoroso, como a zona do médio Vouga.
Existem mais de 30 espécies que crescem em regiões distintas e centenas de diferentes variedades. Os mirtilos cultivados têm um sabor ligeiramente doce e os selvagens são mais adstringentes.

Alimentação vegetariana substitui remédio na redução do colesterol



Estudo da Associação Médica Americana revela que uma dieta pobre em gordura animal tem praticamenteo mesmo resultado da medicação.

A famosa dieta vegetariana, rica em fibras e livre de qualquer tipo de gordura animal, reduz de forma significativa o nível de colesterol ruim (LDL) no sangue. Pesquisa publicada ontem no Jornal da Associação Médica Americana (Jama) revelou que esse tipo de alimentação é capaz de diminuir a taxa de LDL com praticamente a mesma eficácia de algumas estatinas, medicamentos utilizados para controlar quantidades elevadas da substância.

Segundo o estudo, a redução do colesterol entre as pessoas vegetarianas foi de 29%, enquanto que os pacientes que usaram o remédio conseguiram uma diminuição de 31%. Em um terceiro grupo, que aderiu a uma dieta com pouca quantidade de gordura, a taxa decresceu apenas 8%.

"O resultado obtido pelos vegetarianos é explicado pela forte presença de frutas, legumes e verduras na dieta (ricos em antioxidantes) e pela ausência de gordura animal", afirma o nutrólogo Daniel Magnoni, do Hospital do Coração (HCor). Segundo o médico, a placa de gordura só se deposita na parede das artérias quando o LDL é oxidado. "Por isso é tão importante consumir substâncias antioxidantes", diz.

Levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), em 20 cidades, incluindo São Paulo, constatou que 40% da população tem nível de colesterol entre 200 e 240 miligramas por decilitro. O ideal é não ultrapassar 200mg/dl. "Apesar de estar acima do recomendado, esse percentual de brasileiros é o que mais pode se beneficiar da dieta como tratamento", garante Marcus Bolivar Malachias, coordenador do Selo SBC/Funcor de Qualidade de Alimentos.

Segundo ele, uma alimentação controlada é capaz de reduzir pelo menos 30% do colesterol, pois o restante é produzido pelo fígado. Mas, de acordo com Magnoni, apesar do bom resultado do estudo americano em relação à dieta, as pessoas não devem deixar de comer carne de uma hora para outra sem substituir por outra fonte de proteína.

O nutricionista George Guimarães, da Nutriveg Consultoria, explica que o vegetarianismo causa problemas ao organismo apenas quando mal usado. "Não existe nada de tão essencial à saúde humana que não possa ser encontrado nos vegetais. É só saber quanto deve ser consumido", garante.

Os vegetarianos são divididos em três categorias: os ovo-lacto-vegetarianos, que consomem ovos e laticínios; os lacto-vegetarianos, que ingerem laticínios e os vegetarianos puros, que não comem qualquer produto de origem animal, inclusive mel. Para o nutricionista, é possível substituir a proteína da carne com produtos à base de soja. "Os vegetarianos precisam ficar atentos para o consumo adequado de ferro, vitamina B12 e cálcio, nutrientes que estão presentes nos alimentos de origem animal", conclui.’

Fonte: http://prevencao.cardiol.br

Lançamento do livro “Palavras do Silêncio” Words from Silence

Mariângela Maia (Ryosen), psicóloga e monja budista, lança seu primeiro livro “Palavras do Silêncio”.
O livro é a junção de duas artes tradicionais japonesas: haikais livres e ilustrações em sumi.ê (pintura em nanquim) realizadas pela Mestra Böhm e é apresentado por Odete Lara, escritora e tradutora de mestres budistas.
"Palavras do Silêncio" - O livro- nasceu no mosteiro Zen Pico de Raios (Ouro Preto-MG), onde a autora é monja residente desde 1998. Neste lançamento acompanha um DVD homônimo, com 6 poemas animados apresentados em inglês, português e chinês.

Venha participar...Mais que um lançamento: uma preciosa oportunidade para apreciarmos o breve encontro que temos com os outros

Data: 5 de outubro
Horário:
17h
Local: Instituto LAM RIM: Rua J
equitibá, 50, Vale do Sereno (próximo do BH Shopping)
veja mapa no site: www.lamrim.com.br

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

O engano da Soja

Adaptação de Luis Guerreiro

Muitas pessoas viradas para hábitos alimentares saudáveis num esforço para melhorar a sua alimentação começam a comer tofu e outros produtos da soja em vez de carne ou de ovos. A indústria da soja quer nos fazer crer que esta é uma jogada inteligente para a sua saúde cardíaca, mas, na realidade a soja processada,incluindo o tofu, não é uma comida saudável. Nos meus anos de alimentação vegetariana fui eu próprio enganado, consumindo imenso produtos derivados da soja. A grande maioria dos sites dedicados ao vegetarianismo e veganismo continuam divulgando a soja como alternativa saudável e um substituto para a carne e outros produtos de origem animal. Porem imensos estudos provam que a soja não só não é alternativa como também é altamente prejudicial para a saúde.
Infelizmente a industria da soja é tão poderosa que consegue convencer inclusive nutricionistas a recomendarem os seus produtos como alimentos funcionais. Para isso fazem campanhas enormes junto desses profissionais de saúde, oferecem seminários e livros, etc, e conseguem que "prestigiados" professores de universidades publicas e privadas promovam o seu "lixo" comestivel.

A nivel ecológico, a soja é também responsável pelo desmatamento de imensas áreas e destruição de habitats das mais variadas espécies.

Segundo a Drª Kaayla T. Daniel, PhD (doutorada em Ciências Nutricionais e Terapias Anti-Envelhecimento), na Ásia, as pessoas comem pequenas quantidades de produtos soja integral, na comida ocidental a soja processada é separada em dois produtos - proteína e óleo. "Não há nada seguro ou natural nesses produtos," diz a Drª Kaayla.

"Hoje, os métodos da alta tecnologia de transformação falham, não só para remover os anti-nutrientes e toxinas que estão naturalmente presentes na soja, mas deixam resíduos tóxicos e cancerígenos criado pela alta temperatura, pressão alta, banhos ácidos e alcalinos, petróleo e solventes", ela continua .

A soja contém fitatos que bloqueiam a absorção mineral e inibidores de tripsina que bloqueiam a boa digestão.

O tofu é um melhoramento porque é um produto de soja integral, mas ele ainda contém os anti-nutrientes acima mencionados.Problemas de saúde ligados à soja.

Entre os muitos problemas de saúde ligados a uma alta dieta de soja são:

• Problemas da tiróide, incluindo o ganho de peso, letargia, mal-estar, fadiga, perda de cabelo, e perda de libido
• Puberdade prematura e outros problemas de desenvolvimento em bebês, crianças e adolescentes
• Câncer (cancro em Portugal)
• Dano cerebral
• Distúrbios reprodutivos
• Alergias

Entretanto, os estudos revisados pelo Drª. Kaayla e colegas constataram que a soja não é confiável para baixar o colesterol e os níveis de homocisteína, constatou-se que pode aumentar o risco de doença cardíaca, acidente vascular cerebral e defeitos congênitos.

Como resultado, ela e outros especialistas enviaram uma petição de 65 páginas ao FDA para pedir-lhes para retirarem a alegação de saúde que diz "a soja previne doenças cardíacas" que eles aprovaram em 1999.

É muito importante saber também que as crianças e bebês, que estão ainda em desenvolvimento, são particularmente vulneráveis à soja, e aos efeitos de seus hormônios (hormonas em Portugal) que imitam os dos seres humanos. Um estudo do Lancet mostrou que a exposição diária de lactentes aos químicos que imitam o estrogênio que consomem fórmulas (leite, etc) de soja foi de 6 a 11 vezes maior do que os adultos que consomem alimentos de soja.

E a concentração desses hormônios era de 13000 a 22000 vezes superior ao do estrogênio no sangue. Um bebé exclusivamente alimentado com fórmula de soja recebe o equivalente em estrogênicos (com base no peso corporal) de até cinco pílulas de controle nascimento por dia.

Então, por favor não alimente o seu bebé com fórmulas infantis de soja. Os efeitos são tão potentes que mesmo as mulheres grávidas devem evitar comer produtos de soja para a segurança de seu futuro filho.

E ainda há mais:

• Os feijões de soja são altos em toxinas naturais , também conhecidos como antinutrientes. Isso inclui uma grande quantidade de inibidores de enzimas que anulam as enzimas necessárias para a digestão. Além disso, estes inibidores de enzimas não são devidamente anulados pelo cozimento. O resultado é stress gástrico e distúrbios crônicos e deficiências na absorção de aminoácidos, que pode resultar em disturbios do pancreas e no perigoso câncer pancreático.

• A soja contem hemaglutininas, o que faz com que as células vermelhas se agreguem. A soja tem substancias que atrasam o crescimento, e se bem que estas substâncias sejam reduzidas na transformação, elas não são totalmente eliminadas.

• A soja contem contém bociogênico, que muitas vezes pode levar à depressão da função tiroidica

• A maioria da soja (80%) é geneticamente modificada, e contêm um dos mais elevados níveis de contaminação de agrotóxicos (pesticidas) de todos os alimentos.

• A soja tem indices muito elevados de fitatos, que impedem a absorção de minerais, incluindo cálcio, magnésio, ferro e zinco, que são co-fatores da bioquímica optimizada do corpo.

Algumas maneiras seguras de desfrutar da soja

Existem alguns tipos de produtos da soja que são saudáveis, e todos eles são fermentados. Após um longo processo de fermentação, o ácido fítico e os níveis de antinutrientes da soja são reduzidos, e as suas propriedades benéficas - como a criação de probióticos naturais - tornam-se disponíveis para o sistema digestivo.

A fermentação também reduz grandemente os níveis perigosos de isoflavonas, que são similares ao estrogênio na sua estrutura química, e podem interferir com a acção da produção do seu próprio estrogênio.

Então, se você deseja desfrutar da soja e comê-la sem prejudicar a sua saúde - e, de facto, ganhar benefícios na saúde - a seguir vão algumas opções saudáveis :

1. Natto, soja fermentada com uma textura pegajosa e forte, com sabor a queijo. É rico em nattokinase, um poderoso refinador do sangue.

Natto é a maior fonte de vitamina K2 sobre o planeta e é rica em bactérias Bacillus subtilis. Pode ser geralmente encontrado em qualquer supermercado asiático.

2. Tempeh, um bolo de soja fermentado com uma textura firme, com sabor a cogumelo.

3. Miso, uma pasta de soja fermentada com um sabor salgado, textura amanteigada (comumente usado em sopa miso).

4. Shoyu: tradicionalmente, molho de soja, é feito pela fermentação da soja, sal e enzimas, porém muito cuidado porque muitas variedades no mercado são feitas artificialmente utilizando um processo químico e contém caramelo (açucar).

Lembre-se, no entanto, que todos os produtos processados de soja - leite de soja, hambúrgueres de soja, queijo de soja, barras de soja energéticas, sorvete de soja, proteína de soja em pó, etc - não são saudáveis. E, para realmente evitar todos os tipos de produtos prejudiciais da soja, é preciso evitar alimentos processados porque a grande maioria deles contêm ingredientes da soja.

"A melhor- e talvez a única maneira de evitar completamente a soja na alimentação é comprar alimentos naturais e prepará-los em casa", diz a Drª Kaayla.

Mais de 100 estudos revelando os efeitos adversos das isoflavonas da soja

1953
Cheng C and others. Estrogenic Activity of Isoflavone Derivatives Extracted and Prepared from Soybean Meal. Science 1953;118:164-5.
1954
Carter M and others. Effect of Genistin on Reproduction of the Mouse. J Nutr 1954;55:639.
1956
Matrone G and others. Effect of Genistin on Growth and Development of the Male Mouse. J Nutr, 1956, 235-240.
1962
Wong E. Estrogenic Activity of Red Clover Isoflavones and Some of Their Degradation Products. J Endocrinology 1962;24:341-348.
1963
Magee AC. Biological Responses of Young Rats Fed Diets Contain Genistin or Genistein. J Nutr 1963;80:151.
1966
Folmon Y and others. The interaction in the Immature Mouse of Potent Estrogens with Coumestrol, Genistein and other Utero-Vaginotropic

Compounds of Low Potency. J Endrocrin 1966;34:215-225.
1967
Braden and others. The oestrogenic activity and metabolism of certain isoflavones in sheep. Australian Journal of Agricultural Research 1967, 18:335-348.
1972
Shutt DR.
Steroid and Phytoestrogen Binding to Sheep Uterine Receptors in Vitro. J Endocrin 1972;52:299-305.
1972
Rackis JJ. Biological Effects. Soy Beans: Chemistry and Technology, AK Smith and SK Circle, eds. Avi Publishing, Inc. Westport, CT, 1972.
1975
Farnsworth NR and others. Potential Value of Plants as Anti-fertility Agents. J Pharm Sci.
1976
Chemical Carcinogens, MF Beringer, ed. American Chemical Society, pp 658 – 664.
1976
Leopold AS and others. Phytoestrogens: Adverse effects on reproduction in California Quail. Science, 1976 Jan 9;191(4222): 98-100.
1976
Kimura S and others. Development of malignant goiter by defatted soybean with iodine-free diet in rats. Gann 1976, 67:763-765.
1976
Shutt DR
. The Effects of Plant Estrogens in Animal Reproduction. Endeavour 1976:110-113.
1976
Lindner HR. Occurrence of Anabolic Agents in Plants and their Importance. Environment Quality Supplement 1976;5:151-158.
1977
Hormonally Active Substances in Foods: A Safety Evaluation. Report #66. Council for Agricultural Science and Technology, Report #66 1977 Mar;66.
1978
Martin PM and others. Phytoestrogen interaction with estrogen receptors in human breast cancer cells. Endocrinology 1978 Nov;103(5):1860-7.
1980
Drane HM and others. Oestrogenic activity of soya-bean products. Food Cosmetics and Technology 1980 Aug;18(4):425-427.
1980
Mathieson R and Kitts W. Binding of Phytoestrogen and Estradiol 17-B by Cytoplasmic Receptors in the Pituitary Gland and Hypothalamus in the Ewe. J Endocrinol 1980;85:317-25.
1985
Jones and others. Naturally Occurring Estrogens in Food--A Review. Journal of Food Additives and Contamination 1985;2(2):73-106.
1985
Setchell KD. Non Steroidal Estrogens of Dietary Origin. Estrogens in the Environment, John A McLaughlin, ed. Elsevier, 1985:69-83.
1987
Hughes CI Jr. Effects of phytoestrogens on GnRH-induced luteinizing hormone secretion in ovariectomized rats. Reprod Toxicol 1987-88;1(3):179-81.
1987
Setchell, KD and others. Dietary estrogens - a Probable Cause of Infertility and Liver Disease in captive cheetahs. Gastroenterology Aug 93(2):225-233.
1989
Kaldas RS and Hughes CL Reproductive and General Metabolic Effects of Phytoestrogens in Mammals. Reprod Toxicol 1989;3:81-89
1989
Markovitz J and others. Inhibitory Effects of the Tyrosine Kkinase Inhibitor Genistein on Mammalian DNA Topoisomerase II. Cancer Res 1989 Sep 15;49(18):5111-7.
1989
Jones AE. Development and Application of High Performance Chromatographic Method for the Analysis of Phytoestrogens. Jour Sci Food Agric 1989;46:157-164.
1990
Yamashita Y and others. Induction of Mammalian Topisomerase II Dependent DNA Cleavage by Nonintercalative Flavonoids, Genistein and Orobol. Biochem Pharmacol 1990 Feb 15;39(4):737-44.
1991
Y Ishizuki and others. The Effects on the Thyroid Gland of Soybeans Administered Experimentally in Healthy Subjects. Nippon Naibunpi Gakkai Zasshi 1991, 767: 622-629.
1991
Pelissero C and others. Estrogenic Effect of Dietary Soy Bean Meal on Vitellogenesis in Cultured Siberian Sturgeon Acipenser baeri. Gen Comp Endocrinol 1991 Sep;83(3):447-57 83:447-457.
1991
O'Dell TJ and others. Long-term Potentiation in the Hippocampus is Blocked by Tyrosine Kinase Inhibitors. Nature 1991 Oct; 353(6344):558-60.
1991
Atluru S and Atluru D. Evidence that Genistein, a Protein-tyrosine Kinase Inhibitor, Inhibits CD28 Monoclonal-antibody-stimulated Human T cell proliferation. Transplantation 1991 Feb;51(2):448-50.
1992
Bulletin de L'Office Federal de la Santé Publique, No 28, July 20, 1992.
1992
Mayr U. Validation of Two In Vitro Test Systems of Estrogenic Activities with Zearelenone, Phytoestrogens and Cereal Extracts. Toxicology 1992;72:135-149.
1992
Traganos F and others. Effects of genistein on the growth and cell cycle progression of normal human lymphocytes and human leukemic MOLT-4 and HL-60 cells. Cancer Res 1992 Nov 15;52(22):6200-8.
1993
McCabe MJ Jr and Orrenius S. Genistein induces apoptosis in immature human thymocytes by inhibiting topoisomerase-II. Biochem Biophys Res Commun 1993; 194(2):944-50.
1993
Nicklas RB and others. Odd chromosome movement and inaccurate chromosome distribution in mitosis and meiosis after treatment with protein kinase inhibitors. J Cell Sci 1993 Apr;104 part 4:961-73.
1994
Cassidy A and others. Biological Effects of a Diet of Soy Protein Rich in Isoflavones on the Menstrual Cycle of Premenopausal Women. Am J Clin Nutr 1994 Sep;60(3):333-340
1994
Packer AI and others. The ligand of the c-kit receptor promotes oocyte growth. Dev Biol 1994 Jan;161 (1):194-205.
1994
Watanabe S and others. Hepatocyte Growth Factor Accelerates the Wound Repair of Cultured Gastric Mucosal Cells. Biochem Biophys Res Comm 1994;199(3).
1994
Setchell KD and others. Nonsteroidal estrogens of dietary origin: possible roles in hormone-dependent disease. Am J Clin Nutr 1984 Sep;40:569-78.
1994
Santti R and others. Developmental estrogenization and prostatic neoplasia. Prostate 1994;24(2):67-78.
1995
Keung WM. Dietary estrogenic isoflavones are potent inhibitors of B-hydroxysteroid dehydrogenase of P testosteronii. Biochem Biophys Res Commun 1995 Oct 24; 215(3):1137-1144.
1995
Makela SI and others. Dietary Soybean May Be Antiestrogenic in Male Mice. J Nutr 1995 Mar;125(3):437-45.
1995
Makela SI and others. Estogen-specific 17 beta-hydroxysteroid oxidoreductase type 1 (E.C.1.1.1.62) as a possible target for the action of phytoestrogens. Proc Soc Exp Biol Med 1995 Jan;208(1):51-9.
1995
Woodhams DJ. Phytoestrogens and parrots: The anatomy of an investigation. Proceedings of the Nutrition Society of New Zealand. 1995, 20:22-30.
1995
Irvine C and others. The Potential Adverse Effects of Soybean Phytoestrogens in Infant Feeding. New Zealand Medical Journal. 1995 May 24:318.
1995
Robertson IGC. Phytoestrogens: Toxicology and Regulatory Recommendations. Proc Nutr Soc of NZ 1995;20:35-42.
1996
Petrakis NL and others. Stimulatory influence of soy protein isolate on breast secretion in pre-and postmenopausal women. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev 1996 Oct;5(10):785-794.
1997
Dees C and others. Dietary estrogens stimulate human breast cells to enter the cell cycle. Environ Health Perspect 1997 Apr;105 (Suppl 3):633-636.
1997
Kulling SE and Metzler M. Induction of Micronuclei, DNA Strand Breaks and HPRT mutations in cultured Chinese hamster V79 cells by the phytoestrogen coumoestrol. Food Chem Toxicol 1997 Jun; 35(6):605-13.
1997
Wang C and Kurzer MS. Phytoestrogen concentration determines effects on DNA synthesis in human breast cancer cells. Nutr Cancer 1997;28(3):236-47.
1997
Connolly JM and others. Effects of dietary menhaden oil, soy, and a cyclooxygenase inhibitor on human breast cancer cell growth and metastasis in nude mice. Nutr Cancer 1997;29(1):48-54.
1997
Wang C and Kurzer MS. Phytoestrogen concentration determines effects on DNA synthesis in human breast cancer cells. Nutr Cancer 1997;28(3):236-47.
1997
Anderson D and others. Effect of various genotoxins and reproductive toxins in human lymphocytes and sperm in the Comet assay. Teratog Carcinog Mutagen 1997;17(1):29-43.
1997
Rao CV and others. Enhancement of experimental colon cancer by genistein. Cancer Res 1997 Sep 1;57(17):3717-22.
1997
Divi RL and others. Antithyroid Isoflavones from the Soybean. Biochem Pharmacol 1997 Nov 15; 54:1087-96.
1997
Setchell KD and others. Exposure of infants to phyto-oestrogens from soy-based infant formula. Lancet 1997;3530(9070):23-27.
1998
Sheehan DM. Herbal medicines, phytoestrogens and toxicity:risk:benefit considerations. Proc Soc Exp Biol Med 1998 Mar;217(3):379-85.
1998
Strauss L and others. Dietary phytoestrogens and their Role in Hormonally Dependent Disease. Toxicol Lett 1998 Dec 28;102-103:349-54.
1998
Morris SM and others. p53, mutations, and apoptosis in genistein-exposed human lymphoblastoid cells. Mutat Res 1998 Aug 31;405(1):41-56.
1998
Santti R and others. Phytoestrogens: Potential Endocrine Disrupters in Males. Toxicol Ind Health 1998 Jan-Apr;14(1-2):223-37.
1998
Cheek AO and others. Environmental Signalling: a biological context for endocrine disruption. Environ Health Perspect 1998 Feb;106 suppl 1:5-10.
1998
Setchell KD and others. Isoflavone content of infant formulas and the metabolic fate of these early phytoestrogens in early life. Am J Clin Nutr 1998 Dec;68(6 Suppl):1453S-1461S.
1998
McMichael-Phillips DF and others. Effects of soy-protein supplementation on epithelial proliferation in the histologically normal human breast. Am J Clin Nutr 1998 Dec;68(6 Suppl):1431S-1435S.
1998
Strauss and others. Genistein exerts estrogen-like effects in make mouse reproductive tract. Mol Cell Endocrinol 1998 Sept 25;144(1-2):83-93.
1998
Irvine CH and others. Daily intake and urinary excretion of genistein and daidzein by infants fed soy- or dairy-based infant formulas. Am J Clin Nutr 1998 Dec;68(6 Suppl):1462S-1465S.
1999
Casanova M and others. Developmental effects of dietary phytoestrogens in Sprague-Dawley rats and interactions of genistein and daidzein with rat estrogen receptors alpha and beta in vitro. Toxicol Sci 1999 Oct;51(2):236-44.
1999
Fisher JS and others. Effect of neonatal exposure to estrogenic compounds on development of the excurrent ducts of the rat testis through puberty to adulthood. Environ Health Perspect 1999 May;107(5):397-405.
1999
Pan Y and others. Effect of estradiol and soy phytoestrogens on choline acetyltransferase and nerve growth factor mRNAs in the frontal cortex and hippocampus of female rats. Proc Soc Exp Biol Med 1999 Jun;221(2):118-25.
1999
Kulling SE and others. The phytoestrogens coumoestrol and genistein induce structural chromosomal aberrations in cultured human peripheral blood lymphocytes. Arch Toxicol 1999 Feb;73(1):50-4.
1999
Abe T. Infantile leukemia and soybeans--a hypothesis. Leukemia 1999 Mar;13(3)317-20.
1999
Hilakavi-Clarke and others Exposure to genisten during pregnancy increases carcinogen-induced mammary tumorigenesis in female rat offspring. Oncol Rep 1999 Sep-Oct;6(5):1089-95.
1999
Nagata C and others. Hot flushes and other menopausal symptoms in relation to soy product intake in Japanese women. Climacteric 1999 Mar;2(1):6-12.
2000
Gee JM and others. Increased induction of aberrant crypt foci by 1,2-dimethylhydrazine in rats fed diets containing purified genistein or genistein-rich soya protein. Carcinogenesis 2000 Dec;21(12):2255-9.
2000
Cassanova N and others. Comparative effects of neonatal exposure of male rats to potentand weak (environmental) estrogens on spermatogenesis at puberty and the relationship to adult testis size and fertility: evidence for stimulatory effects of low estrogen levels.
Endocrinology 2000 Oct;141(10):3898-907.
2000
Watanabe S and others. Effects of isoflavone supplement on healthy women. Biofactors 2000;12(1-4):233-41.
2000
Yang J and others. Influence of perinatal genistein exposure on the development of MNU-induced mammary carcinoma in female Sprague-Dawley rats. Cancer Lett 2000 Feb 28;149(1-2):171-9.
2000
Salti GI and others. Genistein induces apoptosis and topoisomerase II-mediated DNA breakage in colon cancer cells. Eur J Cancer 2000 Apr;36(6):796-802.
2000
Lephard ED and others. Phytoestrogens decrease brain calcium-binding proteins but do not alter hypothalamic androgen metabolizing enzymes in adult male rats. Brain Res 2000 Mar 17;859(1):123-31.
2000
Strick R and others. Dietary bioflavonoids induce cleavage in the MLL gene and may contribute to infant leukemia. Proc Natl Acad Sci USA 2000 Apr 25;97(9):4790-5.
2000
Chang HS and Doerge DR. Dietary genistein inactivates rat thyroid peroxidase in vivo without an apparent hypothyroid effect. Toxicol Appl Pharmacol 2000 Nov 1;168(3):244-52.
2000
Gee JM and others. Increased induction of aberrant crypt foci by 1,2-dimethylhydrazine in rats fed diet containing purified genistein or genistein-rich soya protein. Carcinogenesis 2000;21:2255-2259.
2000
Ikeda T and others. Dramatic synergism between excess soybean intake and iodine deficiency on the development of rat thyroid hyperplasia. Carcinogenesis 2000 Apr;21(4):707-13.
2000
Nagata C and others. Inverse association of soy product intake with serum androgen and estrogen concentrations in Japanese men. Nutr Cancer 2000;36(1):14-8.
2000
Chang HC and others. Mass Spectrometric determination of Genistein tissue distribution in diet-exposed Sprague-Dawley rats. J Nutr 2000 Aug;130(8):1963-70
2000
Flynn KM and others. Effects of genistein exposure on sexually dimorphic behaviors in rats. Toxicol Sci 2000 Jun;55(2):311-9.
2000
Habito RC and others. Effects of replacing meat with soyabean in the diet on sex hormone concentrations in healthy adult males. Br J Nutr 2000 oct;84(4):557-63.
2000
Pino AM and others. Dietary isoflavones affect sex hormone-binding globulin levels in postmenopausal women. J Clin Endocrinol Metab 2000;85:2797-2800.
2000
Quella SK and others. Evaluation of soy phytoestrogens for the treatment of hot flashes in breast cancer survivors: A North Central Cancer Treatment Group Trial. J Clin Oncol 2000 Mar;18(5):1068-1074.
2000
Kotsopoulos D and others. The effects of soy protein containing phytoestrogens on menopausal symptoms in postmenopausal women. Climacteric 2000 Sep;3(3):153-4.
2000
Messina M. soyfoods and soybean phyto-oestrogens (isoflavones) as possible alternatives to hormone replacement therapy. Eur J Cancer. 2000 Sep ;36 Suppl 4 :271-2.
2001
Badger TM and others. Developmental effects and health aspects of soy protein isolate, casein and whey in male and female rats. Int J Toxicol 2001 May-Jun;20(3);165-74.
2001
Doerge DR and others. Placental transfer of the soy isoflavone genistein following dietary and gavage administration to Sprague Dawley rats.Reprod Toxicol 2001 Mar-Apr;15(2):105-10.
2001
Newbold RR and others. Uterine adenocarcinoma in mice treated neonatally with genistein. Cancer Res 2001 Jun 1;61(11):4325-8.
2001
Declos KB and others. Effects of dietary genistein exposure during development on male and female DC (Sprague-Dawley) rats. Reprod Toxicol 2001 Nov;15(6):647-63.
2001
Thigpen JE and others. Effects of the dietary phytoestrogens daidzein and genistein on the incidence of vulvar carcinomas in 129/J mice. Cancer Detect Prev 2001;25(6):527-32.
2001
de Lemos ML. Effects of soy phytoestrogens genistein and daidzein on breast cancer growth. Ann Pharmacother 2001 Sep;35(9):118-21.
2001
Ju YH and others. Physiological concentrations of dietary genistein dose-dependently stimulate growth of estrogen-dependent human breast cancer (MCF-7) tumors implanted in athymic nude mice. J Nutr 2001 Nov;131(11):2957-62.
2001
Zhang QH and others. Inhibitory effect of genistein on the proliferation of the anterior pituitary cells of rats. Sheng Li Xue Bao 2001 Feb;53(1):51-4.
2001
Nagao T and others. Reproductive effects in male and female rats of neonatal exposure to genistein. Reprod Toxicol 2001 Jul-Aug;15(4):399-411.
2001
Slikker W Jr and others. Gender-based differences in rats after chronic dietary exposure to genistein. Int J Toxicol 2001 May-Jun;20(3):175-9.
2001
den Tonkelaar I and others. Urinary phytoestrogens and postmenopausal breast cancer risk. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev 2001 Mar;10(3):223-8.
2001
Bennetau-Pelissero C and others. Effect of genistein-enriched diets on the endocrine process of gametogenesis and on reproduction efficiency of the rainbow trout Oncorhynchus mykiss. Gen Comp Endocrinol 2001 Feb;121(2):173-87.
2001
Patisual HB and others. Soy isoflavone supplements antagonize reproductive behavior and estrogen receptor alpha- and beta-dependent gene expression in the brain. Endocrinology 2001 Jul;142(7):2946-52.
2001
Whitten PL and Patisaul HB. Cross-species and interassay comparisons of phytoestrogen actions. Environ Health Perspect 2001 Mar;109 Suppl 1:5-20.
2001
Shibayama T and others. Neonatal exposure to genistein reduces expression of estrogen receptor alpha and androgen receptor in testes of adult mice. Endocr J 2001 Dec;48(6):655-63.
2001
Lephart ED and others. Dietary soy phytoestrogen effects on brain structure and aromatase in Long-Evans rats. Neuroreport 2001 Nov 16;12(16):3451-5.
2001
Allred CD and others. Soy diets containing varying amounts of genistein stimulate growth of estrogen-dependent (MCF-7) tumors in a dose-dependent manner. Cancer Res 2001 Jul 1;61(13):5045-50.
2001
Allred CD and others. Dietary genistin stimulates growth of estrogen-dependent breast cancer tumors similar to that observed with genistein. Carcinogenesis 2001 Oct;22(10):1667-73.
2001
St. Germain A and others. Isoflavone-rich or isoflavone-poor soy protein does not reduce menopausal symptoms during 24 weeks of treatment. Menopause 2001 Jan-Feb;8(1):17-26.
2002
Jefferson W and others. Assessing estrogenic activity of phytochemicals using transcriptional activation and immature mouse uterotrophic responses. J Chromatogr B Analyt Technol Biomed Life Sci 2002 Sep 25;777(1-2):179.
2002
Kulling S and others. Oxidative metabolism and genotoxic potential of major isoflavone phytoestrogens. J Chromatogr B Analyt Technol Biomed Life Sci 2002 Sep 25;777(1-2):211.
2002
Doerge D and Chang H. Inactivation of thyroid peroxidase by soy isoflavones, in vitro and in vivo. J Chromatogr B Analyt Technol Biomed Life Sci 2002 Sep 25;777(1-2):269.
2002
Whitehead SA and others. Acute and chronic effects of genistein, tyrphostin and lavendustin A on steroid synthesis in luteinized human granulosa cells. Hum Reprod 2002 Mar;17(3):589-94.
2002
Foster WG and others. Detection of phytoestrogens in samples of second trimester humanamniotic fluid. Toxicol Lett 2002 Mar 28;129(3):199-205.
2002
Klein SL and others. Early exposure to genistein exerts long-lasting effects on the endocrine and immune systems in rats. Mol Med 2002 Nov;8(11):742-9.
2002
Silva E and others. Something from "nothing"--eight weak estrogenic chemicals combined at concentrations below NOECs produce significant mixture effects. Environ Sci Technol 2002 Apr;36(8):1751-6.
2002
Doerge DR and DM Sheehan. Goitrogenic and estrogenic activity of soy isoflavones. Environ Health Perspect 2002 Jun;110 suppl 3:349-53.
2002
Ju YH and others. Dietary genistein negates the inhibitory effect of tamoxifen on growth of estrogen-dependent human breast cancer (MCF-7) cells implanted in athymic mice. Cancer Res 2002 May 1;62(9):2474-7.
2002
Guo TL and others. Genistein modulates splenic natural killer cell activity, antibody-forming cell response and phenotypic marker expression in F(0) and F(1) generations of Sprague-Dawley rats. Toxicol Appl Pharmacol 2002 Jun 15;181(3):219-27.
2002
Patisaul HB and others. Genistein affects ER beta- but not ER alpha-dependent gene expression in the hypothalamus. Endocrinology 2002 Jun;143(6):2189-97.
2002
Whitten PL and others. Neurobehavioral actions of coumestrol and related isoflavonoids in rodents. Neurotoxicol Teratol 2002 Jan-Feb;24(1):47-54.
2002
Nicholls J and others. Effects of soy consumption on gonadotropin secretion and acute pituitary responses to gonadotropin-releasing hormone in women. J Nutr 2002 Apr;132(4):708-14.
2002
Kumar NB and others. The specific role of isoflavones on estrogen metabolism in premenopausal women. Cancer 2002 Feb 15;94(4):1166-74.
2002
You L and others. Combined effects of dietary phytoestrogen and synthetic endocrine-active compounds on reproductive development in Sprague-Dawley rats: genistein and methoxychlor. Toxicol Sci 2002 Mar;66(1):91-104.
2002
Degen GH and others. Transplacental transfer of the phytoestrogen daidzein in DA/Han rats. Arch Toxicol 2002 Feb;76(1):23-9.
2002
Sharpe RM and others. Infant feeding with soy formula milk: effects on the testis and on blood testosterone levels in marmoset monkeys during the period of neonatal testicular activity. Hum Reprod 2002 Jul;17(7):1692-703.
2002
Chiang, CE and others. Genistein Inhibits the Inward Rectifying Potassium Current in Guinea Pig Ventricular Myocytes. J Biomed Sci 2002;9:321-326.
2002
Yellaya S and others. The phytoestrogen genistein induces thymic and immune changes: a human health concern? Proc Natl Acad Sci USA 2002 May 28;99(11):7616-21.
2002
Lephard ED and others. Neurobehavioral effects of dietary soy phytoestrogens. Neurotoxicol Teratol 2002 Jan-Feb;24(1):5-16.
2002
Newbold R and others. Increased uterine cancer seen in mice injected with genistein, a soy estrogen, as newborns. Cancer Research 2002 Jun 1;61(11):4325-8.
2002
Balk JL and others. A pilot study of the effects of phytoestrogen supplementation on postmenopausal endometrium. J Soc Gynecol Investig 2002 Jul-Aug;9(4)238-42.
2003
Gardner-Thorpe D and others. Dietary supplements of soya flour lower serum testosterone concentrations and improve markers of oxidative stess in men. Eur J Clin Nutr 2003 Jan;57(1):100-6.
2001
Bell DS and others. Use of soy protein supplement and resultant need for increased dose of levothyroxine. Endocr Pract 2001 May-Jun;7(3):193-4).
2002
Jefferson WN and others. Neonatal exposure to genistein induces estrogen receptor (ER)alpha expressionand multioocyte follicles in the maturing mouse ovary: evidence for Erbeta-mediated and nonestrogenic actions. Biol Reprod 2002 Oct;67(4):1285-96.
2003
Wisniewski AB and others. Exposure to genistein during gestation and lactation demasculinizes the reproductive system in rats. Journal of Urology, April 2003 169:1582-1586.
2003
Penotti M and others. Effect of soy-derived isoflavones on hot flushes, endometrial thickness, and the pulsatility index of the uterine and cerebral arteries. Fertil Steril 2003 May;79(5):1112-1117).
2003
Nikander E and others. A randomized placebo-controlled crossover trial with phytoestrogens in treatment of menopause in breast cancer patients. Obstetrics and Gynecology 2003;101:1213-1220.
2003
Hartley DC and others. The soya isoflavone content of rat diet can increase anxiety and stress hormone release in the male rat.
Psychopharmacology (Berl) 2003 Apr ;167(1) :46-53.


Fontes:
http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2008/09/18/what-s-so-bad-about-tofu.aspx - visitado em 02 de Outubro de 2008
http://www.westonaprice.org/soy/index.html - visitado em 02 de Outubro de 2008
http://www.westonaprice.org/soy/dangersisoflavones.html - visitado em 02 de Outubro de 2008
http://vm.cfsan.fda.gov/%7Edjw/pltx.cgi?QUERY=soy - visitado em 02 de Outubro de 2008

terça-feira, 30 de setembro de 2008

"Bactérias amigas" podem minorar as chances de desenvolvimento de eczema do bebê, mostra novo estudo

Por Fiona Macrae - Daily Mail
27 de setembro de 2008


Pensando em começar uma família? Tendo probióticos na gravidez poderia reduzir a possibilidade do seu bebé de desenvolver excema, mostra um novo estudo.

Mães que tomaram um suplemento probiótico no último mês de gravidez e nos primeiros meses de aleitamento materno tiveram bebés com duas vezes menos probabilidades de desenvolver a condição da pele.

Quando eles foram testados aos dois anos, aqueles expostos aos probióticos tiveram metade de chances de contrair eczema comparados com aqueles expostos a um placebo em pó.

No entanto, o efeito só se aplica a um dos dois tipos de probióticos testados.

As outras bactérias testadas no estudo, Bifidobacterium animalis, pouco fizeram para evitar eczema, relata o estudo publicado no Jornal de Alergia e Imunologia Clínica da Nova Zelândia.

Os pesquisadores pediram a cerca de 300 mulheres para tomar cápsulas probióticas no último mês de gestação e durante o aleitamento.

O conteúdo das cápsulas também foram espalhados sobre o bebé, comida e bebidas.

Todos os bebês estudados tinham uma história familiar de alergias, o que os colocava em maior risco de eczema.

A outro grupo de mulheres eram fornecidas cápsulas placebo de aspecto idêntico, segundo o Diário de Alergia e Imunologia Clínica relata.

Os ensaios revelaram que aqueles expostos ao Lactobacillus rhamnosus, um dos dois tipos de probióticos testados, eram duas vezes menos susceptíveis de ter eczema.

Mas o outro suplemento, Bifidobacterium animalis pouco fez para evitar a condição que afeta 1.7 milhões crianças em idade escolar na Grã-Bretanha.

Os pesquisadores, das universidades de Wellington e de Otago, disseram que o estudo sugeriu que o primeiro suplemento poderia ajudar a evitar eczema em bebês predispostos à doença.

Uma pesquisa publicada no início deste ano revelou que os probióticos podem cortar as chances de desenvolvimento de eczema em 30 por cento.

No entanto, outros estudos têm dúvidas, como as pesquisas feitas pela Consumers' Association descrevendo as provas para os produtos como «desigual».

Pesquisa anterior sugeriu que os probióticos ajudam a evitar doenças no intestino como a colite ulcerosa, proteger as crianças contra alergias e até podem reduzir o risco de cancro do cólon.

As bebidas, iogurtes, pós e cápsulas - regularmente tomadas por dois milhões de britânicos - diz-se servirem para reforçar a digestão e a saúde, aumentando o número de bactérias "amigas" no intestino.

Mas os especialistas advertiram também que muitos produtos não contêm o tipo certo de bactérias ou de a quantidade ser muito baixa para serem eficazes.

Além disso, grandes quantidades de açúcar são muitas vezes utilizados para fazer probiótico drinks saborosos, o que levou a que alguns sejam mais doces que a Coca-Cola.

Conclusão (Luis Guerreiro): Podemos recorrer ao kefir para obter todo o tipo de bactérias amigáveis

Tradução livre: Luis Guerreiro

SUCO VERDE


(rende cerca de 300ml)

1 pepino ou 1 abobrinha verde ou 1 chuchu

1 maçã

1 beterraba pequena ou 1 inhame ou 1 pedaço de abóbora

1 cenoura

Alternar folhas (couve, chicória, agrião, alface, repolho, acelga, etc...) Pode ser 3 tipos, - cerca de 3 folhas de cada.

Para diferenciar o sabor, alterne os temperos: salsa, gengibre, etc.

Sementes germinadas (trigo, aveia, gergelim) ou castanhas hidratadas (nozes, amêndoas, castanha do Pará, semente de linhaça).

No copo do liquidificador, coloque o pepino junto à hélice, depois as maçãs, se quiser ainda inhame, beterraba ou abóbora picados. Ligue o liquidificador e soque os ingredientes com a cenoura. Se a ordem correta for respeitada, o giro da hélice e a socagem com cenoura formarão uma papa, girando no sentido do liquidificador.

Aí pode haver uma coagem, se a papa estiver muito espessa. Acrescente as folhas, os temperos, as sementes e/ou as castanhas. Bata novamente no liquidificador. Coe.

PARA GERMINAR - trigo em grão, aveia em grão, semente de girassol, etc: Deixar de molho na água, toda a noite. No dia seguinte, escorra a água e deixe as sementes em uma peneira ou escorredor e regue de 6 a 8 horas. No outro dia, as sementes estão apontando um "narizinho". Estão germinadas.

PARA HIDRATAR – deixe as castanhas ou semente de linhaça de molho, á noite, em água. No dia seguinte, use-as no suco.

PARA COAR – será necessário um coador de vual. O vual é encontrado em qualquer casa de tecidos. Corte o tecido deixando um círculo, queime as bordas com uma vela. Fure as bordas com um incenso (deixando buracos para passar o elástico). Passe o elástico e dê um nó. Está pronto o coador.

PARA BEBER – Depois de coar, acrescente um fio de azeite extra-virgem ao suco (para absorção das vitaminas lipossolúveis).

Esta e outras receitas vivas, se encontram no livro "LUGAR DE MÉDICO É NA COZINHA" escrito pelo Dr Alberto Peribanez Gonzalez

Sorvete de leite materno (humano)


A Peta, que atua pela defesa dos animais, quer acabar com o uso de leite de vaca na fabricação de sorvetes. O grupo enviou uma carta nesta terça-feira para a empresa Ben & Jerry’s pedindo que ela troque o leite do animal usado em seus produtos por leite humano, como informa o site G1. A solicitação foi feita depois do anúncio de um restaurante suíço, que vai comprar leite materno para usar em seus pratos de sopas, cozidos e molhos.

O texto direcionado a Ben Cohen e Jerry Greenfield, co-fundadores da empresa de sorvetes, diz que a iniciativa aliviaria o sofrimento das vacas e seus bezerros, além de trazer benefícios para a saúde dos consumidores.

– O fato de os adultos consumirem enormes quantidades de laticínios feitos com leite destinado a bezerros simplesmente não faz sentido – diz Tracy Reiman, vice-presidente executiva da organização, que assina a carta. – Todos sabem que leite materno é o melhor para humanos. Com essa troca, a Ben & Jerry's faria um grande favor para os consumidores e vacas – completa.



Segundo o Peta, o consumo de laticínios está associado a diabetes, alergias e obesidade, além de câncer na próstata e ovário. O grupo também afirma que as vacas são obrigadas a engravidar a cada nove meses, para produzir leite para consumo dos humanos.

– Depois de muitos anos vivendo em conduções imundas e tendo de produzir dez vezes mais leite do que fariam naturalmente, seus corpos exaustos são transformados em hambúrgueres ou ingredientes para sopas – diz outro trecho da carta.

Sucos funcionais refrescam e protegem contra doenças


Sucos fazem bem para a saúde, pois mantêm o corpo hidratado e bem nutrido. Mas você sabia que um suco pode ajudar a evitar o câncer? Controlar a diabetes? Retardar o envelhecimento? Pois é. Muito além da boa e velha limonada, os sucos funcionais prometem refrescar e cuidar da saúde ao mesmo tempo.

"Os sucos funcionais são aqueles que além das propriedades nutricionais advindas da própria fruta e dos vegetais, fornecem um 'quê' a mais, na prevenção de doenças, no combate a algumas infecções e até no retardo dos sintomas", explicou ao G1 a nutricionista Juliana Menegazzi, da casa de sucos Xandis, no Itaim Bibi, em São Paulo. "Não são remédios, nem são curativos, mas são coadjuvantes no tratamento de algumas enfermidades", diz ela.

Há muitos exemplos de sucos com essas propriedades "medicinais". "Uma das frutas mais interessantes é a romã, que tem uma série de benefícios. Estudos demonstram que ela pode ter um papel importante na prevenção do câncer, especificamente o de próstata", conta Menegazzi. "Ela também é antioxidante, ou seja, retarda o envelhecimento das células e fortalece cabelo e a pele. A romã é um alimento dos deuses", diz a nutricionista.

Outro exemplo é a yacon, uma raiz andina pouco vista aqui no Brasil e conhecida como "batata dos diabéticos". "Ela retarda a absorção de glicose e assim ajuda no controle da glicemia", explica ela. Há muitas outras mais comuns na mesa brasileira, como o tomate, que também tem propriedades anticâncer.

Quem prova, aprova - A universitária Kelly Anne Vieira, de 22 anos, sempre preferiu "o gosto natural da fruta ao artificial do refrigerante". Embora costume mais tomar sucos "comuns" de frutas, às vezes ela acrescenta semente de linhaça, pelas suas propriedades funcionais.

Para o chefe de cozinha Leonardo Olim, de 23, o amor pelos sucos vêm da infância. "Minha mãe sempre deu ênfase aos sucos", conta ele. Ele aproveita seu talento na cozinha para fazer opções funcionais em casa, acrescentando aveia, mel e iogurte às suas criações.

Os efeitos, no entanto, só aparecem em quem consome os sucos funcionais regularmente. "Não adianta consumir uma única vez, tem que fazer parte da dieta diária. Não adianta esperar um efeito milagroso", aconselha Juliana Menegazzi. (Fonte: Marília Juste/ G1)

ONU propõe que se coma menos carne para lutar contra a mudança climática


da France Presse, em Londres 07/09/2008

As pessoas deveriam reduzir o consumo de carne como contribuição pessoal
para combater a mudança climática, segundo um especialista da ONU em
entrevista a um jornal britânico.


Rajenda Pachauri, presidente do IPCC (Painel Intergovernamental de
Especialistas das Nações Unidas sobre Mudança Climática) declarou ao
jornal "The Observer" que as pessoas deveriam começar a deixar de comer
carne um dia por semana para, posteriormente, ir reduzindo ainda mais o
consumo.


O economista indiano argumenta que uma mudança na dieta seria muito
importante na luta contra a mudança climática porque, com a redução do
consumo de carne, se reduziria também as emissões de gases de efeito
estufa e problemas ambientais como a destruição de habitats naturais pela
criação de gado.


Em um relatório de 2007, o IPCC alertou que, se não forem tomadas medidas,
a mudança climática provocará a fome, secas, tempestades e perdas em massa
de espécies.


Este grupo ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 2007 junto com o
ex-vice-presidente americano Al Gore.

Nós podemos deter a epidemia de câncer


Do International Herald Tribune

20/09/2008


Dr. David Servan-Schreiber

Atualmente há uma epidemia de câncer. Um entre três americanos será diagnosticado com câncer, freqüentemente antes da idade de 65 anos. Eu estive do lado errado desta estatística desde os 31 anos de idade, quando descobri que tinha câncer no cérebro.

Desde 1940, nós estamos vendo nas sociedades ocidentais um aumento rápido e acentuado dos tipos comuns de câncer. Na verdade, o câncer em crianças e adolescentes está aumentando em 1% a 1,5% ao ano desde os anos 60. E esses são cânceres para os quais não há prevenção.

Para a maioria dos cânceres comuns - próstata, mama, cólon, pulmão - as taxas são duas vezes maiores no Ocidente do que nos países asiáticos. Mas os asiáticos que emigram para os Estados Unidos alcançam as taxas dos americanos em uma ou duas gerações. Enquanto na Ásia, os asiáticos são protegidos não pelos seus genes, mas pelo seu estilo de vida.

De fato, estudos modernos mostram que no máximo 15% dos cânceres se devem - e apenas em parte - a defeitos genéticos herdados; 85% não são.

Mas o câncer corre nas famílias: um estudo fundamental no "New England Journal of Medicine" mostrou que as crianças adotadas após o nascimento, filhos de pais que morreram de câncer antes dos 50 anos, apresentavam o risco de câncer dos seus pais adotivos, não dos biológicos. O que é passado de uma geração para outra são os hábitos causadores de câncer e as exposições ambientais, não apenas os genes causadores de câncer.

Nós continuamos investindo 97% de nossos fundos de pesquisa de câncer em melhores tratamentos e detecção precoce. Apenas 3% é investido em lidar com as causas.

Eu fui um membro fundador da Médicos Sem Fronteira, Estados Unidos. Eu trabalhei como médico voluntário no Iraque, Guatemala, Tadjiquistão e Kosovo. Eu tenho conhecimento de epidemias em campos de refugiados. Nenhuma epidemia de cólera pode ser detida por detecção precoce e tratamento por antibióticos - por mais eficazes e importantes que sejam. Isso porque os casos sempre se desenvolvem em um ritmo mais rápido do que nossa capacidade de tratar pacientes individuais.

Nos anos 1800, o Reino Unido e os Estados Unidos enfrentaram várias grandes epidemias de cólera. Eles conseguiram detê-las sem antibióticos. Os cientistas e médicos da época ainda nem tinham descoberto o conceito de germes, mas líderes com visão e preocupação suficientes decidiram agir em relação àquela que era a mais provável causa ambiental: as fontes de água contaminadas nos bairros com a maioria dos casos. A cólera recuou.

É irônico pensar que se tivéssemos antibióticos na época, e contássemos com eles para lidar com a doença da mesma forma que contamos com tratamentos anticâncer, nós poderíamos nunca ter controlado a cólera.

Nós dispomos de muito mais dados sobre a maioria das causas prováveis da epidemia moderna de câncer do que nossos antepassados dispunham sobre a cólera.

O Fundo Mundial de Pesquisa do Câncer publicou um relatório em 2007 que concluiu que a maioria dos casos de câncer nas sociedades ocidentais poderia ser evitado com mudanças no estilo de vida: 40% com mudanças na dieta e atividade física (mais vegetais e frutas, menos açúcar, menos carne vermelha, caminhadas regulares ou atividade equivalente por 30 minutos, seis vezes por semana), 30% com o abandono do fumo e cerca de 10% com a redução do consumo de álcool.

Nós agora até mesmo temos dados sobre como alimentos específicos como brócolis e repolho, alho e cebola, chá verde ou açafrão ajudam diretamente a matar as células cancerosas e a reduzir o crescimento dos novos vasos sangüíneos que elas precisam para se desenvolverem em tumores.

A redução da exposição a muitos dos carcinógenos químicos bem caracterizados em nossos ambientes modernos (pesticidas, estrogênios, benzeno, bifenis policlorinados (PCBs), PVCs e o bisfenol A, resultante do aquecimento de líquidos em recipientes plásticos, alquilfenóis em produtos de limpeza, parabenos e ftalatos em cosméticos e xampus, etc.) contribuiriam ainda mais para reduzir o risco de câncer.

Mas ao nem discutir e nem investir em pesquisa e programas preventivos baseados nestes fatos científicos estabelecidos, nós estamos promovendo um senso de desesperança em relação ao câncer.

A maioria das pessoas continua vendo o câncer como uma forma de loteria genética, quando claramente não é. Apesar de todos nós devermos nos guardar contra a falsa esperança em relação ao câncer, nós devemos nos guardar ainda mais veementemente contra esta falsa desesperança. E devemos começar a ajudar nossa sociedade, e a cada um de nós, a tratar das causas desta epidemia moderna.

Dr. David Servan-Schreiber é professor clínico de psiquiatria da Universidade de Pittsburgh e membro fundador da Médicos Sem Fronteira, Estados Unidos, é autor de "Anticâncer -Prevenir e Vencer Usando Nossas Defesas Naturais".

Tradução: George El Khouri Andolfato
Adaptação:Luis Guerreiro
Fonte da foto: Dailymail

A Orquestra de Legumes comemora uma década de música


Um pepinofone uma rubarpa e cenouras transversais: depos de 10 anos, os austríacos da Orquestra de Legumes criam música orgânica eletrônica com instrumentos exclusivamente da cesta, de Hong Kong, a Belfast.

"O conceito pode fazer rir. Mas a nossa formação é única na sua magnitude e seriosidade", diz Tamara Wilhelm, um dos 12 membros deste grupo que tem as suas raízes em Kraftwerk, bem como em John Cage.

Do mundo da música, mas também arquitetura, design, artes visuais e vídeo criativo, a orquestra tem desenvolvido uma combinação com universos próprios requinte e tecnologia de plantas.

"Nós produzimos o que poderíamos chamar uma música eletrônica orgânica", explica Tamara Wilhelm.

"Sem a tecnologia, incluindo, microfones e amplificadores sofisticados, a nossa música não poderia existir. Mas, no palco tocamos ao vivo sem loops gravados, a fim de preservar nos concertos o caráter de uma performance artística", diz ela.

O resultado é uma música literalmente inacreditável, principalmente de percussão, onde o grito agudo do repolho, o silvo da cenoura, o choque da berinjela , o carinho do alho porro e o "trompetear" do pepino compôem um melodioso hipnótico entre techno e baleias cantando.

"As hortaliças podem criar um som bastante singular, o que seria muito difícil de reproduzir com sintetizadores", diz Jörg Piringer.

Tocar vegetais não é fácil: cada apresentação do grupo é precedida por uma visita ao mercado, devido à natureza perecível dos instrumentos do "krautrock" tão especial.

"São precisos 70 quilos de legumes por concerto e três horas para elaborar cerca de quarenta instrumentos utilizados", alguns tem de ser várias vezes substituídos por concerto, principalmente devido ao calor, diz ele.

Entre as criações mais originais figuram a "rubarpa" baseada em fios de ruibarbo, e o pepinofone consistindo de uma cenoura, um pepino e um pimento (ão).

Já foram convidados a realizar concertos em Singapura , Hong Kong e Moscou (Moscovo), tocaram no "Transmusicales Rennes" (França) e em Belfast, a Orquestra, que deu cerca de 200 shows até o momento, também tem que ter em conta os produtos locais e climas.

"Na Ásia, não se encontram os rabanetes habituais. Na Itália, é frequentemente demasiado quente. E, na Grã-Bretanha, as cenouras estão cheias de água , disse Tamara Wilhelm.

"Não é fácil, mas isso é o que torna a experiencia emocionante. O facto de nos limitarmos aos vegetais exige sempre uma busca de novas idéias. O tema é inesgotável", diz ela.

O grupo, cujo vídeo foi visualizado quase dois milhões de vezes no site YouTube, também tem a particularidade de oferecer ao público uma sopa - vegetal bem entendida - no final da maioria dos seus concertos.





Tradução livre e adaptação de Luis Guerreiro

Fontes:
Le Point
Le Post