Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

domingo, 26 de outubro de 2008

No mês das crianças é importante refletir sobre o mal da obesidade infantil

Quem nunca ouviu a história de João e Maria, filhos de uma pobre família que sem ter condições de criá-los decide deixá-los no meio da floresta. Na busca do caminho de volta para casa, João e Maria, famintos, encontram uma casa coberta por guloseimas e decidem comer. A dona da casa, uma bruxa, acolhe e os alimenta, para mais tarde, matá-los. Essa é uma historia infantil, fictícia, mas que nos fazem refletir sobre a importância do que comemos, principalmente, as crianças.

Nos dias atuais, a bruxa, conseqüência da má alimentação, é a obesidade. Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), existem hoje cerca de 17,6 milhões de crianças obesas em todo o mundo, com idade inferior a cinco anos. No Brasil, segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SEBEM), 15% das crianças e 8% dos adolescentes sofriam de problemas de obesidade, e oito em cada dez adolescentes continuam obesos na fase adulta.

A endocrinologista e psicanalista, Soraya Hissa de Carvalho explica que a obesidade é uma doença causada por um excessivo acúmulo de gordura no corpo. "A obesidade se não tratada pode gerar um distúrbio, que pode levar as crianças a terem doenças crônicas, como as cardíacas, hipertensão arterial, diabetes, além de problemas físicos emocionais na fase adulta", diz a médica.

Crianças até dez anos são consideradas obesas quando estão com mais de 19% do peso ideal para a sua idade. Acima de dez anos, a obesidade é diagnosticada a partir do cálculo do índice de massa corporal (IMC = peso [kg] dividido pela altura ao quadrado [m2]), de acordo com o seguinte quadro:

Diagnóstico da obesidade em crianças acima de 10 anos pelo IMC

Idade/anos

sobrepeso

obesidade

masculino

feminino

masculino

feminino

10

20

20

23

23

11

20

21

24

23

12

21

22

25

26

13

22

23

26

27

14

23

24

27

28

15

24

24

28

29

16

24

25

28

29

17

25

25

29

30

18

26

26

30

30

Lanches Escolares

Segundo Soraya as crianças ganham peso com facilidade devido a hábitos alimentares errados, carga genética, sedentarismo, distúrbios psicológicos e problemas na convivência familiar. Os lanches escolares são grandes vilões, já que, em sua maioria, são compostos por balas, sanduíches, pipocas, chocolates, enfim, tudo o que é calórico.

De acordo com o cardápio recomendado pela Sociedade Brasileira de Cardiologia, os lanches escolares não podem ultrapassar 400 calorias. Batata frita, hambúrguer e refrigerantes, por exemplo, somam 600 calorias quando consumidos juntos.

Soraya explica que essas guloseimas calóricas podem ser substituídas por lanches, também saborosos, porém saudáveis. "Uma bisnaga com geléia e queijo branco, maçã e suco de laranja contêm apenas 265 calorias e oferece um bom equilíbrio entre carboidratos e proteínas", explica a médica.

Tratamento

Muitos familiares ao depararem com um quadro de obesidade na família preocupam-se apenas com a alimentação, controle do peso e a atividade física, se esquecendo da parte psicológica.

Segundo a psicanalista, as piadinhas dos amigos de escola e até mesmo um comentário de familiares em relação ao físico podem geram um trauma na criança. "O tratamento psicológico é essencial tanto no processo de emagrecimento quanto para lidar com as conseqüências psicológicas da obesidade", diz Soraya.

Os familiares também devem participar do tratamento psicológico para melhor lidar com a situação. "Os pais devem enfatizar os alimentos que as crianças podem comer e os que não podem. Devem incentivá-los a participar do preparo dos alimentos mostrando como é divertido e interessante cozinhar. Com certeza elas vão ficar mais motivadas a comer, principalmente o que elas ajudaram a fazer. Jamais preparem uma alimentação diferenciada para a criança acima do peso, isso pode gerar constrangimento e até mesmo um trauma", reforça a médica.

As dietas não são aconselhadas as crianças. Medidas de curto prazo podem ocasionar o famoso efeito "sanfona", a repetida perda e ganho de peso e gerar uma desordem alimentar. "Uma alimentação em excesso, ou menos do que o recomendado, pode levar em uma ingestão inadequada de vitaminas, por exemplo, que são importantes para o crescimento. O que toda a família deve fazer é a re-educação alimentar. Só assim o peso adequado será mantido", orienta a endocrinologista.

Fonte:http://www.dzai.com.br/liegecamargos/noticia/montanoticia?tv_ntc_id=14665

0 comentários: