Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

sábado, 5 de julho de 2008

Substância do vinho tinto retarda efeitos do envelhecimento, mostra pesquisa


Uma substância presente no vinho tinto pode ser a chave contra uma série de problemas de saúde ligados ao envelhecimento dos mamíferos, afirma uma pesquisa americana. Num experimento com camundongos, os cientistas deram aos bichos grandes doses de resveratrol, e os animais ganharam uma velhice com muito mais qualidade de vida - embora não necessariamente vivessem mais que seus companheiros sem resveratrol.

A pesquisa, coordenada por David Sinclair, da Universidade Harvard, e Rafael de Cabo, do Instituto Nacional do Envelhecimento dos EUA, está na revista científica "Cell Metabolism". O que os pesquisadores viram foi uma forte correlação entre os efeitos do resveratrol e a chamada restrição calórica - ou seja, passar fome, mas sem ficar desnutrido.

Por razões que ainda são motivo de imenso debate entre os cientistas, a restrição calórica retarda o envelhecimento num sem-número de organismos, de vermes a camundongos (os testes em primatas, como os macacos e nós, ainda não foram concluídos). Em muitos casos, o procedimento pode mesmo prolongar significativamente a vida. No entanto, como pouca gente seria capaz de cortar até 50% das calorias em cada refeição, ou então comer apenas dia sim, dia não, a grande busca dos pesquisadores é achar um composto que reproduza esses resultados sem a fome que os acompanha.

Candidato forte - Por enquanto, o resveratrol do vinho tinto é o melhor candidato para conseguir essa façanha. No experimento relatado na "Cell Metabolism", os cientistas ministraram grandes doses da substância a camundongos de um ano (o equivalente à meia-idade humana). Um grupo controle recebeu uma dieta sem resveratrol, para comparação.

O resultado foi muito semelhante ao que se vê no caso da restrição calórica. Os bichos tiveram menos osteoporose, menos cataratas, situação cardiovascular melhor e menos perda de coordenação motora, embora, no geral, não vivessem mais do que o grupo controle. De qualquer maneira, a qualidade de vida dos bichos na velhice foi muito mais elevada.

Os pesquisadores dizem esperar que resultados parecidos sejam verificados em humanos. Já há planos, por exemplo, de testar o resveratrol contra a diabetes tipo 2. (Fonte: G1)

0 comentários: