Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Search/ Busca

Carregando...

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

sábado, 3 de março de 2007

Viver da Luz...

Imagem tirada +- 1 hora atrás



Praia de Alvor - Pôr do sol

Bolo de chocolate sem chocolate...

O morango é só para decoração...

O resto é que é bom... e sabe a chocolate... e é cru... e não faz mal...

(receita no livro Cozinha Vibrante)

É proibido proibir...

A autoridade, o controle - dá nisto...

Anoushka Shankar - Concert for George (2003)

Dedicada à Sílvia que comprou ontem uma guitarra...

Restrição calórica pode melhorar a resposta imune

Vários estudos em diversos países, ao longo dos anos, têm demonstrado que pessoas mais magras tem uma melhor qualidade de vida e vivem mais.

Recentemente (dezembro de 2006), pesquisadores da Universidade de Oregon, publicaram, no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences, uma nova pesquisa que pode explicar parcialmente estes importantes efeitos em nossa saúde. Nela, macacos Rhesus (espécie muito parecida com a nossa), foram submetidos a uma dieta hipocalórica (30% inferior ao consumo habitual), durante 42 semanas, e tiveram uma melhora no sistema imunológico, evidenciada principalmente pelo aumento na produção de células T e pela redução da produção de compostos inflamatórios.
Em outros estudos, a restrição calórica conseguiu diminuir o envelhecimento de células do sistema imune em ratos, moscas, peixes, aranhas e até minhocas, trazendo um benefício à saúde destes animais, uma vez que diminuiu à suscetibilidade às doenças infecciosas, muito comuns durante o processo de envelhecimento.

Dietas hiperprotéicas podem aumentar risco de câncer

Estudo preliminar publicado, em dezembro de 2006, por pesquisadores da Universidade de Washington, no American Journal of Clinical Nutrition, demonstrou que pessoas que mantém um peso saudável e consomem dietas com menores quantidades de calorias e proteínas possuem níveis mais baixos de fatores de crescimento plasmáticos e alguns hormônios como o IGF-1 (insulin-like growth factor 1). Existe forte evidência de que estes fatores estão ligados ao risco aumentado de câncer, especialmente de mama, próstata e cólon. Inclusive, o baixo consumo de proteínas e calorias beneficia os indivíduos de forma mais intensa do que aquele conseguido por atletas que consomem uma dieta hipercalórica e/ou hiperprotéica.

Neste estudo, os pesquisadores compararam indivíduos em três diferentes grupos: dieta vegetariana x treinamento de resistência com dieta ocidental (com mais calorias e proteínas que o primeiro grupo) x sedentários com dieta ocidental.
Os indivíduos do primeiro grupo consumiram em média 0,73 grama de proteína por quilo de peso corporal. Os corredores consumiram cerca de 1,6 grama de proteína por quilo de peso, e os sedentários, aproximadamente 1,23 g. A recomendação atual é de que a ingestão média deve ser de 0,8 grama por quilo de peso ao dia.

Ex: indivíduo com 55 kg (55 x 0,8 = 44 g de proteína ao dia).

Os achados demonstraram que os vegetarianos produziram quantidades significativamente menores de IGF-1 quando comparados aos 2 outros grupos.

Outro estudo publicado online em novembro no European Journal of Clinical Nutrition, pesquisadores coletaram informações sobre a dieta de 22.944 adultos saudáveis e encontraram que dietas com restrição de carboidratos e excesso de proteínas estavam associados com aumento da morbimortalidade.

Este estudo vem confirmar novamente a importância do aumento do consumo de cereais integrais, frutas e hortaliças, assim como da diminuição do consumo de produtos de origem animal, afim de beneficiar a saúde.

Dietas hiperprotéicas podem aumentar risco de câncer

Dietas hiperprotéicas podem aumentar risco de câncer

Estudo preliminar publicado, em dezembro de 2006, por pesquisadores da Universidade de Washington, no American Journal of Clinical Nutrition, demonstrou que pessoas que mantém um peso saudável e consomem dietas com menores quantidades de calorias e proteínas possuem níveis mais baixos de fatores de crescimento plasmáticos e alguns hormônios como o IGF-1 (insulin-like growth factor 1). Existe forte evidência de que estes fatores estão ligados ao risco aumentado de câncer, especialmente de mama, próstata e cólon. Inclusive, o baixo consumo de proteínas e calorias beneficia os indivíduos de forma mais intensa do que aquele conseguido por atletas que consomem uma dieta hipercalórica e/ou hiperprotéica.

Neste estudo, os pesquisadores compararam indivíduos em três diferentes grupos: dieta vegetariana x treinamento de resistência com dieta ocidental (com mais calorias e proteínas que o primeiro grupo) x sedentários com dieta ocidental.
Os indivíduos do primeiro grupo consumiram em média 0,73 grama de proteína por quilo de peso corporal. Os corredores consumiram cerca de 1,6 grama de proteína por quilo de peso, e os sedentários, aproximadamente 1,23 g. A recomendação atual é de que a ingestão média deve ser de 0,8 grama por quilo de peso ao dia.

Ex: indivíduo com 55 kg (55 x 0,8 = 44 g de proteína ao dia).

Os achados demonstraram que os vegetarianos produziram quantidades significativamente menores de IGF-1 quando comparados aos 2 outros grupos.

Outro estudo publicado online em novembro no European Journal of Clinical Nutrition, pesquisadores coletaram informações sobre a dieta de 22.944 adultos saudáveis e encontraram que dietas com restrição de carboidratos e excesso de proteínas estavam associados com aumento da morbimortalidade.

Este estudo vem confirmar novamente a importância do aumento do consumo de cereais integrais, frutas e hortaliças, assim como da diminuição do consumo de produtos de origem animal, afim de beneficiar a saúde.
quinta-feira, 1 de março de 2007

"...num futuro não muito distante as pessoas se alimentarão apenas de alimentos vegetarianos"

Dr. Janez Drnovšek: 'Posso antever que num futuro não muito distante as
pessoas se alimentarão apenas de alimentos vegetarianos'

Mensagem de apoio ao EVU Talks 2007 enviada pelo Presidente da República da Eslovênia

“Se em certos períodos da história humana as pessoas dependeram de alimentos de origem animal para não passarem fome, certamente este não é mais o caso agora. Podemos produzir alimentos vegetarianos suficientes para todas as pessoas do mundo.

Matar e torturar animais é um sinal de baixa consciência. Casa bem com os padrões prevalecentes do egoísmo e da ganância que regem o mundo. Esta é a razão principal porque temos tanto sofrimento humano em todo o mundo e tantas pessoas passando e morrendo de fome.

Uma sociedade mais equilibrada, baseada em uma consciência mais elevada, poderia garantir comida para todos, sem matar e comer animais. Não há dúvidas que os animais têm sentimentos e que podem ser felizes ou sofrerem. Mas as pessoas que os torturam e matam não têm sentimentos nem consciência. E os que comem animais mortos compartilham a responsabilidade.

Posso antever que num futuro não muito distante as pessoas se alimentarão apenas de alimentos vegetarianos. Comer animais será tão inimaginável quanto é hoje o canibalismo. E haverá muito mais harmonia e paz no mundo”.

Mensagem de apoio ao EVU Talks 2007 enviada pelo Presidente da República da Eslovênia, Dr. Janez Drnovšek: EVU Talks 2007 ocorrerá em Viena de 27 de abril a 1 de maio de 2007, com o tema 'A resposta vegetarian para a fome no mundo'.

União Vegetariana Européia
evu@euroveg.eu


Source/Quelle: Mensagem do Presidente da República da Eslovênia, Dr. Janez Drnovšek
Link: Mais informações
Link: Millions to Go Hungry by 2080 (Milhões passarão fome em 2080)
Link: União Vegetariana Européia

Date/Datum: 2007-02-25
URL: http://www.centrovegetariano.org/index.php?id=19975
Imprimir - Enviar
Fonte: EVANA
quarta-feira, 28 de fevereiro de 2007

Homem neolítico era intolerante ao leite, diz pesquisa

BBC Brasil 27 de fevereiro, 2007



Cientistas acreditam que mutação genética permitiu que homem moderno digerisse leite
Os homens do período neolítico não tinham a capacidade de digerir leite, de acordo com pesquisadores da University College de Londres.

O estudo, publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, analisou esqueletos de adultos que viveram na Europa entre 5480 e 5000 AC, o período Neolítico.

Acredita-se que esses esqueletos pertençam às primeiras comunidades de agricultores europeus.

Para digerir leite, os adultos precisam do gene produtor da enzima lactase, que quebra as moléculas de lactose, um dos principais açucares presentes na bebida.

O gene da lactase não estava presente no DNA extraído dos esqueletos neolíticos, sugerindo que os europeus do período eram intolerantes ao leite.



Lactase

Sem a lactase, beber leite pode causar inchaço, dores abdominais e diarréia.

“A habilidade de beber leite é um dos traços mais vantajosos que evoluíram nos europeus no passado recente”, disse Mark Thomas, que participou do estudo.

Os cientistas dizem que a rápida disseminação do gene é um perfeito exemplo de evolução.

“Apesar de os benefícios do leite não serem totalmente conhecidos, eles provavelmente incluem a vantagem de um fornecimento constante comparado com (…) as colheitas sazonais, suas propriedades nutritivas e o fato que, ao contrário da água, não é contaminado por parasitas, sendo mais seguro”, disse.

“A habilidade de beber leite deu a alguns dos europeus antigos uma grande vantagem de sobrevivência.”

Sobrevivência

A grande questão para os cientistas é descobrir como a população humana mudou e se aproveitou do leite.

Uma das teorias sugere que pequenos grupos que tinham a capacidade de tolerar a bebida se tornaram dominantes porque podiam criar gado e se aproveitar dos benefícios do leite.

Mas os pesquisadores londrinos dizem que é mais provável que a mutação genética tenha acontecido depois que os homens começaram a criar gado.

Segundo eles, o fato de que os esqueletos analisados não possuem o gene confirma essa teoria.

“É provável que a variante genética surgiu em um indivíduo no norte da Europa e, como era uma grande vantagem, se espalhou rapidamente”, disse Thomas. “Esse é provavelmente o traço genéticos mais vantajosos para os humanos nos últimos 30 mil anos.”

Hoje em dia, mais de 90% da população com origem do norte da Europa tem o gene, mas a intolerância ao leite continua comum nos tempos modernos, de acordo com nutricionistas.

Em algumas partes do mundo, como a Ásia e a África, a maioria das pessoas tem algum nível de intolerância à lactose.
segunda-feira, 26 de fevereiro de 2007

Leite pode provocar excesso de peso

Estudo lança alertas a crianças e adolescentes

Embora as crianças sejam incentivadas a beber bastante leite, um estudo publicado recentemente sugere que, quanto mais leite bebem, mais gordas serão. E que o leite desnatado é, nesse caso, pior do que o integral.


Segundo um estudo norte-americano feito com mais de 12 mil crianças, com idades entre nove e 14 anos, refere que as que consumiram mais leite pesavam mais do que os que consumiam menos. Deste modo, diz um artigo publicado na revista Archives of Pediatrics & Adolescent Medicine , as crianças que mais leite beberam são as que ganharam mais peso.


Mas houve uma descoberta surpreendente que contraria crenças antigas, até mesmo enraizadas entre os especialistas. De acordo com a líder do estudo, Catherine Berkey, «ao contrário da nossa hipótese, o leite desnatado e o leite com um por cento de gordura foram associados ao ganho de peso. Mas a gordura dos lacticínios, não».


O quadro pode ser decorrente do facto de os adolescentes consumirem leite com pouca gordura de forma mais despreocupada. Por isso, pode ser que não seja o leite em si, mas as calorias que o leite contém, as responsáveis pelo ganho de peso.


Um copo de 225 mililitros de leite normal possui 150 calorias, o de leite com um por cento de gordura, 100 calorias, e o leite desnatado, 85 calorias. «A mensagem a ser incorporada aqui é que as crianças não devem ingerir leite como uma forma de perder peso ou de tentar controlar o peso», disse Berkey. Estima-se que cerca de 16 por cento das crianças norte-americanas tenham excesso de peso.


Walter Willett, da Escola de Saúde Pública de Harvard, que também trabalhou no estudo, disse às agências internacionais estar preocupado com o grande número de publicidades envolvendo o leite. «A bebida básica deveria ser a água», justificou Willett, acrescentando que «em muitas partes do mundo, as crianças não bebem leite de nenhum tipo e todas acabam por ter ossos saudáveis.»


Um estudo publicado na revista Pediatrics mostrou que a prática de exercício físico é pelo menos tão importante quanto o consumo de comidas ricas em cálcio para a fortificação dos ossos. Segundo Willett, os vegetais de folhas verdes e outras comidas são alimentos ricos em cálcio que os norte-americanos não consomem.


A equipa de Willett acompanhou 12.829 crianças, com idades entre 9 e 14 anos em 1996, até 1999. As crianças preencheram com regularidade questionários sobre os seus hábitos alimentares e estilo de vida.


As crianças que beberam mais de três copos de leite por dia apresentavam probabilidades 25 por cento maiores de terem problemas de excesso de peso, ao contrário daquelas que consumiram dois ou três copos da bebida por dia.


Traduzido e adaptado por:
Paula Pedro Martins
Jornalista
MNI-Médicos Na Internet

Consumo de carne ligado a Cancro (cancer) da Mama

Trabalho publicado na revista Archives of Internal Medicine
As mulheres norte-americanas que comem carne vermelha todos os dias têm quase o dobro do risco de desenvolver Cancro da Mama, segundo um estudo da Harvard Medical School, EUA, publicado esta semana na revista Archives of Internal Medicine.

O estudo avança como causa possível para o aumento desse risco, as hormonas de crescimento administradas ao gado nos EUA, cujo uso, no entanto, é proibido na União Europeia.

Foram acompanhadas cerca de 90 mil mulheres, durante mais de uma década, todas pré-menopausicas e sem nenhum caso prévio de Cancro. O estudo começou em 1991, quando as mulheres tinham uma média etária de 36 anos.

Até 2003, as participantes preencheram questionários regulares para registar a frequência com que consumiam cerca de 130 tipos de alimentos e bebidas. De dois em dois anos, era-lhes perguntado se tinham desenvolvido Cancro da Mama.

Os cientistas descobriram que as mulheres com uma dieta muito rica em carne vermelha (vaca, porco e borrego) eram muito mais susceptíveis de desenvolver Cancros da Mama que reagem a hormonas.

Fontes: Público e Imprensa Internacional
MNI-Médicos Na Internet

Hidratos de carbono aumentam risco de Cancro (cancer) no Rim

(Hidratos de carbono = Carbo-hidratos em brasileiro)


Trabalho publicado no International Journal of Cancer
Pessoas que comem muito pão podem ter um risco maior de desenvolver Cancro no Rim, sugere um estudo do Instituto Farmacológico de Milão.

Segundo os cientistas do Instituto Farmacológico de Milão, massas e arroz também aumentariam moderadamente o risco de cancro, enquanto vegetais e outros reduziriam a tendência.

Num artigo publicado na revista especializada International Journal of Cancer, cientistas italianos asseguram que um alto nível de glicose em alimentos como pão, massa e arroz poderia ser o factor relacionado com o risco de tumores. Por outro lado, alimentos com menores níveis de glicose, como vegetais crus, entre outros parecem reduzir o risco de cancro no rim.


Para chegar a estas conclusões, os cientistas compararam o estilo de vida, o histórico médico e os hábitos alimentares de 767 adultos portadores de Cancro no Rim, com as condições de vida de outros 767 que não tinham a doença.

A organização britânica Cancer Research UK disse precisar de "mais provas científicas" para comprovar a validade do estudo. "Por enquanto, a única causa estabelecida e evitável de Cancro no Rim é estar acima do peso ou ter Obesidade, que responde por um em cada quatro casos, e o Tabagismo, que conta com uma proporção de um em cada cinco casos."

Lugar de médico é na cozinha

Fonte: A Tarde Online





Gonzalez prepara receitas com saúde

Por Tássia Novaes

No lugar do jaleco, um avental. É vestido de cozinheiro que o médico carioca Alberto Peribanez Gonzalez receita os remédios para curar seus pacientes. Da mistura de frutas, cereais e sementes saem pratos com poder medicinal. Os alimentos são aproveitados in natura sem perder os nutrientes e sem adição de componentes tóxicos.

Doutor pelo Instituto de Pesquisa Cirúrgica de Munique e membro da Sociedade Alemã de Cirurgia, Gonzalez testa receitas há quatro anos. “É um trabalho de investigação. Observo texturas, sabores, a consistência dos alimentos”, diz. O resultado das experiências resultou no livro “Lugar de médico é na cozinha”, um manual com dicas sobre o uso dos alimentos no combate de doenças repleto de receitas para manter o corpo saudável. Em Salvador, o lançamento do livro ocorreu neste sábado, 29, na Associação Baiana de Medicina.

Tudo começa com a busca pela cura. “Quem está em paz com o corpo encontra equilíbrio pessoal. No geral, as pessoas não dão importância para o que comem e aí está o grande equívoco. A ingestão maciça de fast-food só contribui para altos índices de obesidade e diabetes”, alerta o médico.

Segundo dados do IBGE, o maior índice de obesidade do país está entre as garotas que vivem nos grandes centros urbanos. Cerca de 2% dos adolescentes brasileiros são considerados obesos, sendo 1,8% meninos e 2,9% meninas. Os casos mais freqüentes ocorreram entre garotas do Sudeste urbano (4%) e a menor entre meninos do Nordeste rural (0,2%).

Em uma oficina de sobremesas realizada na última sexta-feira, 28, no restaurante Vida, em Ondina, Alberto preparou doces sem açúcar, manteiga, leite condensado ou outros ingredientes comuns no preparo das iguarias. O sabor adocicado é extraído diretamente da fruta sem utilizar nem mesmo o fogão para preparar os pratos.

Na base das receitas está a água de coco. Ingredientes como castanha-do-pará, amendoim, linhaça, tâmara, uva-passa e nozes ficam de molho na água de coco antes de virar sobremesa. “O coco vai bem em pratos doces e salgados. Faz muito bem à pele, possui ácido láurico que e é bastante eficaz no combate dos fungos, além de ser fácil de encontrar em qualquer lugar do país a preço acessível”, explica o médico.

Com o auxílio de um liquidificador, Gonzalez dá forma e sabor a sobremesas como o tradicional musse de maracujá. Mas, diferente do que muitos podem imaginar, a base do doce vem de uma outra fruta: a manga. “Misturada com linhaça banhada em água de coco dá aquela textura da gelatina. O maracujá acrescentamos para dar o gosto da sobremesa”, ensina. Já o sabor do açúcar é substituído pela uva-passa. Adiciona-se também uma pitada de salsa e em 15 minutos o musse está pronto para ir à geladeira. O segredo, segundo o médico, é não bater a linhaça. “Assim se evita o sabor cítrico”, diz.

Apesar de não ser popular na culinária baiana, a linhaça apresenta alto poder medicinal para o corpo das mulheres. Possui substâncias que previnem o câncer de mama e de útero, pode ser utilizado como agente regulador do ciclo menstrual além de oferecer suporte ao sistema ginecológico no período da menopausa. “Considero a linhaça a semente da mulher. É útil desde o nascimento até o fim da vida”, resume.

O apreço pela culinária é uma herança familiar. Descendente do povo basco, Alberto Gonzalez nunca teve receio de assumir as tarefas da cozinha. “Entre os bascos quem faz a comida é o homem”,conta. Bom de boca, o médico faz questão de provar tudo o que faz. “Ninguém precisa deixar de comer doces. O importante é se livrar das gorduras hidrogenadas e do açúcar refinado”, alerta.

No Rio de Janeiro, onde mora com a família, costuma organizar festas infantis com cardápio medicinal. “Organizo um buffet. Troco o refrigerante por extrato de tangerina com água de coco e outros sucos. E no lugar do brigadeiro entra uma mistura de tâmaras com caju”, conta. A eficácia medicinal é garantida, já o sabor fica por conta do paciente.

V i n a g r e

Utilidades
Vinagre para temperar, esterilizar, amaciar, neutralizar odor.
Mais que dar sabor aos alimentos, o ácido acético tem funções que podem facilitar o dia-a-dia e diminuir o orçamento doméstico.
A engenheira química Wilma Spinosa defende essa idéia.

Ela revela que na Europa o consumo por pessoa situa-se em 4 litros por ano e no Brasil em 0,6 litro por ano. Lá, o produto é utilizado na higienização de cachorros, na limpeza de carpetes e como conservante na indústria de alimentos.
"Eu mesma utilizo na limpeza diária e como amaciante de roupas; além de todas as aplicações, o vinagre é barato e diminui o custo da compra de produtos de limpeza."

Wilma Spinosa destaca a eficiência do ácido acético para limpar metais, cristais e avivar as cores das roupas. "Ele também pode ser usado para neutralizar odor em ambiente poluído por fumaça de cigarro".

Apesar de tantas utilidades, o Brasil consome pouco vinagre. "O brasileiro não tem esse hábito. Uma família de quatro pessoas consome apenas 750 ml por mês", informa.

Fonte: Jornal da Unicamp

A palavra vinagre deriva do termo francês "vinaigre", que quer dizer "vinho azedo".


A produção do vinagre envolve dois tipos de alterações bioquímicas:

1 - uma fermentação alcoólica de um carboidrato;

2 - uma oxidação do álcool até ácido acético.

-Existem diversos tipos de vinagres produzidos dependendo do tipo de material usado na fermentação alcoólica (sucos de frutas, xaropes contendo amiláceos hidrolisados).
Os benefícios atribuídos ao vinagre são quase miraculosos, para a saúde, quando provém do vinagre de cidra. Ele contém mais de trinta elementos nutritivos importantes, uma dúzia de minerais, de vitaminas, de ácidos essenciais e várias enzimas como a pectina, boa para o coração. Igualmente encontra-se ferro, vitamina B12, ácido fólico ( bom no combate à anemia) e cálcio.



* * *

Não é de hoje que o povo faz sua própria medicina. A Natureza sempre foi a farmácia do homem e dos animais. O homem primitivo e os animais confiavam no seu estoque de plantas para evitar ou curar moléstias, manter a saúde e vigor. Mas, eles mudavam freqüentemente de lugar, e então, a farmácia da natureza tinha filiais por toda a parte.
Em qualquer lugar do mundo onde houvesse um doente, ele acharia nos campos e matas seus remédios, o material com que preparar chás e ungüentos.

O Doutor DC JARVIS, famoso médico naturalista norte-americano, e suas descobertas maravilhosas sobre o vinagre de maçã natural e a medicina popular do Vermont-USA.

A cura para uma série de males pode estar num dourado, singelo, mas poderoso líquido, que na maioria das vezes nos passa despercebido: o vinagre de maçã natural, aquele vinagre feito da maçã in natura, com um pouco de açúcar mascavo (para enriquecer com os seus nutrientes preciosos e dar um excelente aroma ao produto final) e água microfiltrada.
Um vinagre de maçã natural carregado de substâncias “vivas”, sem conservantes, essências ou corantes, não pasteurizado ou esterilizado, nutritivo e poderoso coadjuvante nos processos fisiológicos e bioquímicos do corpo.
O vinagre de maçã natural mantém essa tradição dos bons vinagres feitos naturalmente. Ele contém a mãe do vinagre.

A natureza faz sua oferta generosa de provisão de ácidos, nos oferecendo as muitas formas de obtê-los. O vinagre de maçã natural é talvez, a mais poderosa fonte de ácidos orgânicos naturais, enzimas e complexos multi-vitamínicos benéficos ao homem.

Na Roma antiga, por exemplo, as famosas legiões romanas sempre tomaram o cuidado de transportar o vinagre em odres, pois sabiam da importância dessa dieta ácida, a qual tornava os soldados fortes, resistentes, e imunes aos ataques das doenças e fadiga.
Hipócrates, o pai da medicina, recomendava o realinhamento dos corpos vertebrais para o perfeito funcionamento dos órgãos e dosagens de vinagre de maçã para manter a plenitude física, evitar doenças e rejuvenescer o corpo.
Havia citações correntes na época em Roma, que se referiam aos “homens bebedores de vinagre”, os quais eram imunes às doenças e pareciam não envelhecer.
Na China também era comum o uso do vinagre.

O vinagre de maçã natural constitui hoje uma alternativa maravilhosa para a manutenção da saúde, retarda o envelhecimento, provocado principalmente pelos radicais livres, favorece a longevidade e uma boa qualidade de vida. Atualmente, há dezenas de trabalhos e pesquisas cientificas em Universidades e centros de pesquisas americanos e Europeus sobre a atuação do vinagre de maçã natural no corpo humano.

Retornando aos vermonteses o doutor D.C. Jarvis , que se tornou querido pelo esforço de ir ao encontro das necessidades do povo, escrevendo livros de medicina popular, afirma em seu famoso livro, best seller, “ Folk Medicine – A Vermont Doctor's Guide to good Health” , que as enfermidades como: artrite, osteoporose, reumatismo, pressão alta, gota, bursite, arteriosclerose, enfartos, derrames, fadiga crônica, dores de cabeça crônica, diabetes, rinites, e outras doenças degenerativas, etc, têm a mesma origem: acúmulo de cálcio no sangue .

Em suas observações e experiências chegou a conclusões seguras e revolucionárias: começou verificando que as chaleiras onde se fervem água, formam com o tempo, dura camada no fundo – resultado da precipitação de sais, cloretos, etc., e que, essa crosta, sob o efeito de vinagre de maçã, se dissolve, deixando a chaleira como nova.
Igualmente comprovou que, mergulhando cascas de ovos em líquido de vinagre de maçã, estas se dissolvem lentamente.

Investigou ademais, que pessoas que usavam o vinagre de maçã, eram muito mais saudáveis que as demais, e pareciam imunes as enfermidades e apresentavam uma extraordinária resistência física. Observou, nessa mesma localidade do Vermont, pessoas com mais de noventa anos, algumas com mais de cem anos de idade, trabalhando nas roças horas a fio sem apresentar grandes esforços, demonstravam vigor, bom ânimo, uma bela postura e excelente formação óssea, e diziam não adoecer.

Desse modo, e por outras vias, o doutor Jarvis chegou à conclusão de que o mesmo sucede com o corpo humano quando se toma o vinagre de maçã natural com água e mel, já que ele possui a faculdade de dissolver o cálcio excedente acumulado no organismo, permitindo que, ao absorvê-lo, os ossos se tornem mais fortes, menos expostos às fraturas e, sobretudo, em condições de ajudar na formação de tecidos mais elásticos, flexíveis, em favor do rejuvenescimento.

Assim, o mencionado médico fundamentou sua teoria no seguinte: nosso sangue pode ser de formação ligeiramente ácida ou alcalina. Isso depende em grande parte, da alimentação que habitualmente ingerimos.

Aponta ele outros motivos: diz, por exemplo, que o clima frio, favorece o aumento de alcalinidade do sangue; que as preocupações, o medo, a ira, bem como toda a atitude e comportamento emocional negativo têm o mesmo efeito. Desse modo, contribuímos para o aumento da alcalinidade sanguínea, desregulando o pH do sangue.

Uma reação do sangue excessivamente alcalina favorece a vida das bactérias perigosas. Elas vivem e proliferam num meio alcalino em torno de 7,2 a 7,8 na escala de pH.
Além dessa alcalinidade excessiva provocar depósitos de cristais endurecedores.
Dependendo da região do corpo onde estes cristais se alojarem provocarão no decorrer do tempo doenças ou disfunções correspondentes, se depositam nas juntas ou articulações, provocam a artrite, bursite, etc.

Por outro lado, recomenda o referido médico, a necessidade da atividade física prazerosa, pois aponta que o sedentarismo contribui para o aumento da alcalinidade ou o espessamento do sangue.
Diz, por exemplo, que é favorável que o sangue seja ligeiramente ácido, para que se torne mais fluídico e regue todo o organismo sem dificuldade alguma e não provoque precipitação de cálcio pelo corpo.

O consumo abundante de farinha de trigo refinada, açúcar refinado, carnes, enlatados, cremes, refrigerantes, doces, etc, são prejudiciais à saúde porque contribui para o aumento da alcanilidade; torna o sangue mais espesso e dificulta a circulação pelo sistema, aumentando a pressão arterial das veias e vasos, os quais com o tempo, vão se obstruindo e endurecendo, porque a alcanilidade favorece os depósitos de cálcio e de outras substâncias terrosas danosas ao sistema.

Afirma o doutor Jarvis que a grande maioria das doenças tem como veículo o próprio sangue impuro, que distribui e deposita constantemente substâncias mortais pelo sistema ao longo dos anos.


A purificação do sangue é de fundamental importância para reverter esse processo de endurecimento e envelhecimento precoce das várias estruturas moles do corpo e o secamento ou calcificação das articulações.

Em suas experiências, percebeu o valor extraordinário do vinagre de maçã natural no tratamento e prevenção de doenças, chegando a conclusões surpreendentes e esclarecedoras.
Notou a relação intima do potássio contido no vinagre de maçã natural com a saúde.
A medicina popular do Vermont sustenta que o potássio é o mais importante dos minerais – o mineral dos “deuses”.
O que o cálcio é para os ossos, o oxigênio para os pulmões, é o potássio para o sistema nervoso.
O potássio é tão necessário à vida de qualquer ser, que sem ele não haveria vida. Ele é a ponte bioquímica que atrai os nutrientes para dentro das células.
Esse mineral nunca é encontrado isolado, está sempre associado a um ácido: observou, por exemplo, que o cálcio é solúvel quando em contato com um ácido como o do vinagre de maçã.
Por outras vias concluiu então, que o cálcio se precipita em meio alcalino e se dissolve em meio ácido.
O cálcio excedente é um dos principais agentes endurecedores e obstrutores.

A literatura médica nos diz que toda a gama de reação fisiológica do líquido extracelular tende para a alcalinidade.
O sangue representa um quarto do líquido extracelular.
O sangue tem sempre uma reação alcalina.
Se esta alcalinidade for aumentada, ele engrossa e precipita os seus sólidos em pequenos flocos, formando os depósitos de cálcio.
As paredes dos pequeninos vasos arteriais permitem a passagem da parte fluídica do sangue, da mesma forma que a tinta passa através do mata-borrão.
Os pequeninos coágulos obstrui alguns capilares e, depois de algum tempo, há uma retenção de sangue, com o conseqüente aumento da pressão arterial e posteriormente deposição de cálcio e outras substâncias minerais.

Por outro lado, têm-se inúmeras provas de que o potássio controla o aproveitamento do cálcio no nosso organismo.

Tomando o vinagre de maçã natural carregado de potássio apressa-se a consolidação ou o fortalecimento de um osso fraturado ou desmineralizado.
A falta de potássio na dieta compromete a estatura dos indivíduos, sua ausência também provoca o enrijecimento da musculatura, das partes moles do corpo, os cabelos caem, a pele enruga, as unhas se quebram, as artérias se entopem e perdem sua elasticidade ou flexibilidade, e os ossos se desmineralizam e enfraquecem.

O cheiro (odor) de quem é omnivoro, vegetariano ou crudivoro

Este é um assunto que poderá levantar polémica pois ninguém gosta que lhe digam que cheira mal.

Mas esse é um facto que cada vez noto mais. Muitas pessoas que conheço que são omnivoras (comem de tudo) tem um cheiro fétido quando me aprozimo delas.

Para entender fiz a experiencia em mi m próprio de não tomar banho durante 5 dias (custou um bocado) e o interessante é que mesmo assim não consigo cheirar tão mal como certas pessoas que conheço mesmo eles(as) tomando banho todos os dias.
Fiz também a experiencia de não lavar os dentes e a boca durante 3 dias consecutivos e verifiquei que mesmo assim os meus conhecidos, omnivoros continuavam a cheirar mal (um cheiro a podre fazendo lembrar uma carne em putrefacção).

Levei a experiencia mais longe e pedi a alguns amigos ovo-lacto-vegetarianos vegetarianos (com quem tenho mais confiança) para poder cheirar a sua boca mais de perto, não é algo que faça todos os dias claro. (risos)

E adivinhem - cheiravam mal também.

Aproveitei para fazer mais um teste sacrificando a minha alimentação de crus - passei dois dias a comer comida vegan cozida.
Passados os dois dias soprei para a minha mão e cheirei imediatamente -
resultado e conclusão - cheirava mal.

Mas o mais incrivel (pois isso não andei nem a cheirar nem a ver nos outros) foi o cheiro das fezes - muito mais pestilento e escuro do que quando como só crus.

Podem dizer que não é um método cientifico mas que apresenta resultados - apresenta.

Prefiro 100 mil vezes o cheiro mais natural do que os outros todos...

Se quiserem curar o ambiente curem os ambientalistas.

(baseado no trabalho de David Wolfe)


O meio ambiente interior (no corpo humano) afecta directamente o exterior.

Se você estiver carregado com iões negativos pela terra, o "hormos" e moléculas que são os iões negativos vindos da terra - quando você vai para a rua, os iões positivos na atmosfera, do ozono e do oxigénio tentam copular com os iões negativos do seu corpo.

Quando se come super-comida como a comida crua, comida rica em minerais, enzimas, vitaminas e todos os nutrientes que existem ficamos carregados dessa energia de iões negativos e passamos a atrair a energia existente, que é a dos iões positivos na atmosfera, em vez do nosso vizinho do lado que come comida desnaturada.

Mesmo numa cidade poluída isso acontece pois as partículas minúsculas (iôes positivos) dirigem-se para si em vez de quem está carregado de iões negativos.

Positivo « atrai » Negativo isto é física básica.

Quem não acredita nisto também não acredita em relâmpagos. Pois a descarga ai é muito mais evidente.

E essa energia existente na atmosfera é atraída para si, para criar um casamento energético com o "hormos" e criar água, esse é o bio-produto do acasalamento do "masculino/feminino" - água.

Então esta é uma discussão verdadeiramente interessante pois estamos a descobrir a chave do funcionamento e da alquimia da interaação energética do nosso corpo com o universo e o mais interessante é que mesmo que não entendam ou não queiram entender o que estou a dizer - a única coisa que tem que fazer é comer a comida cozida ou a crua e depois sentirem a diferença.

E isso vai afectá-lo(a) mesmo se você for um cientista ou um guru espiritual, ou mesmo que esteja nas "tintas" para o que eu estou a dizer.

Livro e projecto para acabar com a fome e não só

Estou escrevendo um livro com a intenção de ajudar gente necessitada a ter alimentos frescos e puros. Baseado no meu trabalho de vários anos de investigação sobre Alimentação Viva e crua (vegetal), acredito que esta poderá ser uma solução para ajudar muita gente e acabar com o flagelo de animais.

Vai chamar-se "Cozinha Vibrante".

Para evitar desperdício de papel e tornar o livro mais barato e navegável. O livro vai ser em formato electrónico. Assim poderão imprimir só as partes que interessarem.

Os lucros deste livro serão investidos na criação de uma ONG com vista á divulgação desta alimentação em países e lugares com populações em dificuldade.

Em vez de enviarmos farinha que "entope" todo o mundo queremos enviar plantas, fruta e sementes para quem necessitar. Ajudar os outros não é dar esmola mas sim ensinar a sustentabilidade não só do corpo/organismo mas também do meio ambiente e social.

É ESSE O MEU SONHO! E VAI REALIZAR-SE!

Este vai ser o meu trabalho principal daqui para a frente.

Aproveito para convidá-los a participar neste projecto pois vai ser necessário muita ajuda. Não só monetária mas também moral, logística e directa. Apelo aos donos das comunidades para usarem a sua influencia junto dos seus membros.

Vou fazer contactos com pessoas de vários países para colaborarem neste projecto.

Apelo a todos, independentemente da raça, religião, filosofia, profissão ou visão politica para participarem.

Ajudar os outros é ajudar-mo-nos a nós próprios!

E isso só nos trará alegria e sentido de união.

Portanto amigos, espalhem a noticia - vamos levar a "Cozinha Vibrante" a todo o mundo!

"What a wonderfull world!"

Obrigado

Luís Guerreiro

P.S: - Por favor divulguem também noutras comunidades.