Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

sábado, 7 de julho de 2007

Vegetarianismo em Portugal: um século de história

capa da revista O VegetarianoAo contrário do que se possa pensar, o vegetarianismo não é uma tendência recente no nosso país, pois tem já, pelo menos, um século de história.
A primeira referência, actualmente conhecida, à divulgação do vegetarianismo em Portugal, remonta ao início do século XX (provavelmente 1908), com a criação da Sociedade Vegetariana de Portugal, fundada na cidade do Porto, pelo Dr. Amílcar de Sousa, e situada na Avenida Rodrigues de Freitas.
Essa mesma associação criou, em 1909, a revista “O Vegetariano”, designada por mensário naturista ilustrado, e dirigida pelo Dr. Amílcar de Sousa, um médico especializado em dietética e nutrição. A revista durou pelo menos até 1915.
A publicação apresentava além de variados artigos, ilustrados com fotografias de crianças e adultos vegetarianos, receitas vegetarianas e anúncios relacionados com a filosofia da revista. Publicitava-se comércio de fruta, pão integral, vinho sem álcool e outros alimentos naturais, consultórios de médicos naturistas, termas e estâncias naturistas. Num dos anúncios, de uma edição de 1914, vê-se menção a uma “Maison Végétarienne”, apresentada como um restaurante dietético com regime vegetariano, situado em Lisboa na Avenida da Liberdade. Numa outra publicidade na mesma edição, apresenta-se o “Grande hotel Frutí-Vegetariano. Único estabelecimento do género em Portugal”, situado na cidade do Porto na Rua dos Caldeireiros, onde se faziam tratamentos naturistas e serviam refeições vegetarianas.
Internacionalmente, em Maio de 1911 a revista já era conhecida. A edição da revista Vegetarian Messenger (revista publicada no Reino Unido, desde 1849 até 1953) dessa mesma data, menciona a revista portuguesa O Vegetariano. O Vegetariano era ainda enviado para alguns assinantes no Brasil e em países africanos (Angola e Cabo Verde).
A Sociedade Vegetariana de Portugal foi ainda responsável pela publicação de dezenas de livros (algumas traduções de autores estrangeiros) dedicados a um modo de vida mais saudável. A tónica nesses livros, assim como nos artigos publicados na revista, está nas razões de saúde e nas sociais (fome no mundo, por exemplo). Pouco se fala ainda de defesa animal ou ecologia. Alguns desses livros publicados foram: “O Vegetarianismo e Fisiologia Alimentar”, de H. Collière; “Dieta Frugívora e Renovamento Físico”, de O. L. M Abramowshi; “O Naturismo”, de Amílcar de Sousa; “O Vegetarianismo e Moralidade das raças”, de Jaime de Magalhães Lima; “A Cura da tuberculose pelo vegetarianismo”, de Paul Carton; “Parto sem Dor”, de William Taylor; “O Homem é Frugívoro”, de Ardisson Ferreira.
Numa edição da revista de 1914, refere-se a existência de 3289 sócios na associação!
Este movimento em favor do vegetarianismo, que se registou na cidade do Porto nas primeiras duas décadas do século XX, teve como impulsionadores médicos de renome e personalidades da burguesia portuense, adeptos de uma alimentação vegetariana e da saúde natural.

A partir da Sociedade Vegetariana de Portugal, no Porto, nasceram outros grupos de naturistas. O núcleo que se fixou em Lisboa tomou a denominação de Sociedade Naturista Portuguesa e oficializou-se a 13 de Outubro de 1912. Os principais membros fundadores da associação foram Luciano Silva e o Dr. Roberto Neves, e na época tinha 200 sócios. Por volta dos anos 30, o nome foi alterado para Sociedade Portuguesa de Naturalogia, que anos mais tarde se tornaria membro da União Vegetariana Europeia (EVU). Entre outros, um dos objectivos da SPN sempre foi a promoção do vegetarianismo, tendo para isso também criado nos anos 60 do século XX uma cantina vegetariana para os seus sócios. Esta associação criou também a revista “Vida Sã” que ainda hoje existe e é distribuída gratuitamente. A SPN mantém-se em actividade até aos dias de hoje com sede na Rua do Alecrim, nº 38 - 3º, em Lisboa.

No Congresso Mundial Vegetariano da União Vegetariana Internacional (IVU), realizado em 1923, na cidade de Estocolmo, Suécia, Portugal fez-se representar pela primeira vez, pelo capitão António Carvalho Brandão,
No Congresso de 1926, realizado em Londres, Inglaterra, ficou registado o nome do Dr. Bentes Castelo Branco, que expôs igualmente um tema. Até 1950 não existem mais alusões a Portugal nos vários Congressos da IVU.
Só em 1960 é mencionada a Sociedade Portuguesa de Naturalogia. No Congresso da IVU em 1960, realizado em Hannover, Alemanha, foi nomeado como vice-presidente em representação de Portugal, o Dr. Ângelo da Costa Cabral.
Noutro Congresso, realizado em 1964, foi aprovada como afiliada da IVU, a Ordem Esotérica Iniciática de Lisboa (associação que entretanto parece ter sido extinta). E desde 1992, Portugal não teve mais representantes nos Congressos da IVU.

Nos anos 60, aconteceram desentendimentos e deu-se a ruptura entre a SPN e um grupo grande de sócios que saiu da Sociedade e fundou a Associação Vegetariana Portuguesa. Mais tarde a direcção da SPN mudou e, nos anos 80, as duas associações tinham tão boas relações que se juntaram novamente, e como a SPN tinha mais sócios do que a AVP, esta última fundiu-se na sociedade "mãe", sendo a denominação AVP dada como extinta às autoridades competentes.

Na última década do século XX muitos ecologistas e organizações defensoras dos animais começaram campanhas para informar as pessoas sobre as vantagens de uma dieta vegetariana ou vegana. Estas campanhas foram dirigidas principalmente aos jovens, e foram de algum modo efectivas. Muitos estudantes tornaram-se, não apenas vegetarianos, mas também activistas.
Embora durante os últimos anos do século XX, tenha havido bastantes activistas nas principais cidades, e algumas páginas web pessoais, só em 2001 surgiu um projecto de divulgação e promoção do vegetarianismo, a nível nacional: galaxia-alfa.com. Um projecto web que continua mantido pelos fundadores e outros voluntários. Por ocasião do seu quarto aniversário, alterou, contudo a sua designação: de Galáxia Alfa passou a designar-se Centro Vegetariano. As actividades do Centro Vegetariano são desenvolvidas principalmente na ou através da Internet, e incluem: publicação de artigos e receitas; envio de boletins periódicos; esclarecimento de dúvidas dos visitantes; e manutenção de uma loja com produtos veganos seleccionados. O Centro tem também diversos livros publicados, informativos e de receitas.

Em Março 2004, surgiu no mercado a revista mensal Cozinha Vegetariana, lançada pela editora Presspeople e com uma tiragem de 30.000 exemplares. A revista publicava cerca de duas dezenas de receitas, assim como algumas informações relacionadas com um modo de vida mais saudável. Esta publicação tornou acessível ao grande público a culinária vegetariana. A partir de Julho de 2006, passou a designar-se Cozinha Saudável e Vegetariana, deixando durante alguns meses de contemplar apenas receitas vegetarianas; embora mais recentemente tenha novamente começado a publicar receitas exclusivamente vegetarianas.
Em Julho de 2004, apareceu também a revista Cozinha Natural, da editora Mercuriana, com uma tiragem de 10.000 exemplares. Esta revista contempla receitas vegetarianas, veganas e macrobióticas. Embora não tenha tido a pujança inicial da revista Cozinha Vegetariana, esta tem alargado o seu leque de mercado e continua a crescer.

A partir de 2002, alguns activistas tentaram fundar uma nova associação vegetariana, sendo que a iniciativa mais promissora está agora na sua fase inicial. Foi fundada recentemente a Associação Vegetariana Portuguesa. Esta Associação foi oficializada no final de 2006, mas tem vindo a promover actividades desde 2004.

Em suma, o vegetarianismo em Portugal está a renascer rapidamente, com novos restaurantes vegetarianos a abrirem e muitos dos tradicionais a oferecerem opções vegetarianas. Entretanto, nos últimos anos, foram também criadas várias empresas com oferta de produtos vegetarianos, sobretudo alimentos. Muitas associações e empresas têm também levado a cabo a realização de eventos (feiras, palestras, workshops de cozinha vegetariana) relacionados com o vegetarianismo, respondendo assim ao crescente interesse pelo assunto.
A história do vegetarianismo em Portugal continua a escrever-se, uma vez que, tal como há um século atrás, o interesse por esta alimentação e estilo de vida mantêm-se. E, actualmente, devido ao novo contexto social, cultural e económico, as motivações são ainda mais para aderir ao vegetarianismo, e a transição de um regime alimentar com produtos animais para um regime sem produtos animais está também mais facilitada e acessível a todos.



Sítios web:
http://spn.eco-gaia.net
http://www.centrovegetariano.org
http://beijaflornatural.com
http://www.avp.pt.vu


Referências:
http://www.ivu.org/history/societies/portugal.html
ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/1645.pdf
Revista Beijaflor Natural, nº56, Maio 2006, pp. 40-41.

0 comentários: