Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

quarta-feira, 6 de junho de 2007

A DIETA DO AQUECIMENTO GLOBAL


SÃO FRANCISCO. Um livro sobre nutrição a ser publicado em breve ensinará uma dieta capaz não só de reduzir o consumo de calorias, mas também o impacto negativo no meio ambiente das escolhas alimentares individuais.

Em Global warming diet (A dieta do aquecimento global, em tradução livre), a chef americana Laura Stec e o especialista em mudança climática Eugene Cordero concluem que não é suficiente ter uma refeição atraente e saborosa - também precisa ser amiga do meio ambiente.

"Um dos efeitos mais positivos sobre o meio ambiente que você pode conseguir está em seu prato no jantar" - particularmente na redução da pegada de carbono individual, ou seja, na quantidade de emissões geradas pela produção do que se come e usa.

A obra, prevista para chegar às livrarias no ano que vem, defende que as pessoas devem "comer produtos locais, mais orgânicos e escolher alimentos da estação". Também diz que "devem usar menos embalagens, comprar menores quantidades e cultivar a própria comida".

Enquanto o livro mais vendido e documentário premiado com o Oscar do ex-vice presidente dos Estados Unidos, Al Gore, Uma verdade inconveniente, alertaram os americanos para a crise ambiental provocada pelo aquecimento global, não discutiram o impacto das escolhas alimentares. O que foi "um grande engano", dizem os autores.

Eles revelaram que são necessários 5,5 kg de grãos e 9.463 litros de água para produzir apenas meio quilo de hambúrguer.

- Para produzir a carne, você precisa alimentar as vacas. Nos EUA, damos milho ao gado, uma lavoura de grande intensidade de carbono, pois requer muito fertilizante para o solo quase sem tempo de descanso - explicou Cordero.

Um estudo de 1999 da União dos Cientistas Preocupados mostrou que comer muito bife e frango, além de vegetais e frutas não-orgânicas, são a atividade mais danosa realizada pelos consumidores depois de dirigir um carro à gasolina.

O livro advoga pela escolha de uma agricultura sustentável e local e alimentos feitos a partir de vegetais, além da redução de resíduos orgânicos pela compostagem e parcimônia no uso de embalagens.

- Se você quiser cerejas ou tomates em dezembro, virão da Austrália - sugeriu Laura. - Não pedimos nada fora do comum. Apenas queremos um retorno às origens, com as pessoas prestando mais atenção à comida.

Laura e Cordero criticam o uso de plástico em sacolas de compra - 30 bilhões são usados nos EUA ao ano - sem falar nos 10 bilhões de papel, que requerem 14 milhões de árvores para serem feitos. Apenas 1% dos americanos levam suas próprias sacolas para as lojas.

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

The Global Warming Diet highlights three areas where food choices effect climate change: in the production and transportation of food, land management, and breeding of livestock. It is a smorgasbord of scientific fact and culinary art where the reader learns new ways to look at the climate crisis. At 250 pages, it offers a quick, enjoyable and informative read, and an entry point for readers new to the issues. It is expected to be release at the end of 2007, but presentations on the subject are happening now in the greater San Francisco Bay area.

Production and Transportation

The average meal travels 1500 miles to get to your dinner plate. It is common for food to be grown in the West, sold to a broker in the Midwest and resold to the area it was originally grown. Food production, manufacturing and distribution consume 12 - 20 percent of the U. S. energy supply. All this moving about adds "food miles" to dinner and greenhouse gases into the environment. The food is also less fresh, less tasty, and less nutritious. However, sometimes it actually saves energy eating food shipped from Bangladesh rather than growing it in California. Additionally, organic agriculture uses only a 1/3 less fossil fuel than conventional agriculture. So what DO we eat, and when?

Land Management

We are eating the planet alive, so we need to keep her soil healthy. Healthy soil "holds carbon," "twice the amount of carbon in the atmosphere and three times more than is stored in Earth's vegetation," says the Environmental Literacy Council. However, today's soil is exhausted from too much fertilizer, pesticides, tilling, irrigation, compaction, manure, erosion and deforestation. Unhealthy soil disturbs the "carbon cycle," or the "breathing cycle" of the planet.

Livestock

In December 2006, the U. N. Food and Agricultural Organization published "Livestock's Long Shadow." The report cites livestock as a major contributor to global warming, responsible for 18% of greenhouse gases that cause climate change, "a higher share than transport." Consider this:

* It takes 10 times more fossil fuels to produce a calorie of meat than a calorie of plant protein.
* Manure and animal gases produce methane, a gas with 23 times more "global warming potential" than CO2. They also produce nitrous oxide with 296 times worse than CO2. Methane produced by cows has the impact of adding 33 million cars to the roadways.
* U. S. factory farms produce nearly one billion tons of feces and urine annually or 5 million tons a day.

Solutions

Individual solutions include understanding and eating local, seasonal, organic food, eating fewer, happier animal products, and supporting energy alternatives and ideas like the Chicago Climate Exchange, the first legally binding carbon emissions market, which sells greenhouse gas credits "grown" by farmers. The Global Warming Diet addresses these subjects, inspiring a "save the planet" attitude by bringing food back to a central role in our lives with easy recipes, ideas for hosting fun "discussion parties" and simple tips on how to cook a global-cooling cuisine.

Fonte:
http://jbonline.terra.com.br/
http://www.globalwarmingdiet.org/

1 comentários:

LU disse...

Olá Luis! Me sinto em verdadeira comunhão com suas palavras, ideia e site. Estava justamente pensando sobre esse assunto da responsabilidade individual do que comemos com o impacte ambiental e social, quando resolvo dar uma volta no seu blog e encontro este maravilhoso post (nada é por acaso). Vou divulgar, é muito importante. Espero que tenhamos acesso ao livro facilmente e que seja um best-seller!
Muita paz e harmonia,
Luciana Bignardi