NutriViva no Facebook é a nossa página no Facebook onde há uma constante actividade com pratos e ideias sobre Alimentação Viva.
O blog também está acessivel em ALIMENTACAOVIVA.COM e ALIMENTACAOVIVA.INFO
Visitem o meu blog em inglês (com traduçao automática)
Raw in Copenhagen
Ao deixar um comentário referente a um artigo, por favor colar o link desse artigo.

Badge Raw Food

Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Search/ Busca

Carregando...

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Ocorreu um erro neste gadget

Total de visualizações de página

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Libélula: um sonho



O prédio-libélula, uma ideia para Nova York
O prédio-libélula, uma ideia para Nova York
O arquiteto franco-belga Vincent Callebaut divulgou sua visão conceitual do prédio Libélula, planejado para o coração de Nova York. É um jardim vertical, uma estufa arranha-céu, uma estrutura de tubos de 128 andares que aproveita a água da chuva e a luz do sol para abastecer de comida a cidade. A estrutura se inspirou nas asas de uma libélula. Isso garante que ela seja eficiente em suportar peso e em distribuir água pelos andares. Se não fosse eficiente, a evolução não teria feito assim.

Curso de Reeducação Alimentar e Alimentação Viva, Brasília



O Restaurante Girassol oferecerá o curso de Reeducação Alimentar e Alimentação Viva  no final de semana dos dias 24 e 25 de julho. Para muitos que já o fizeram, foi o início de um caminho pra redescobrir o verdadeiro funcionamento do seu corpo e da energia vital que o alimento traz para nós. Confira os detalhes em anexo.

Facilitadora: Ros'ellis Maior Moraes - nutricionista e educadora ambiental com 29 anos de experiência em alimentação natural.

Dias:
Sábado - de 8:30 às 12h
Domingo - 8:30 às 15 h (inclui almoço)
Local: Restaurante Girassol - 409 Sul.
Carga horária : 10 horas
Investimento: R$ 180,00

Restaurante Girassol e Escola da Natureza, Brasília, Brasil
Info:. 3242-1542
quinta-feira, 15 de julho de 2010

O Projecto Vénus




8 Casas Incriveis Construidas em Árvores


Top 8 Most Amazing Tree Houses

1.  ‘Free Spirit Spheres’  by Tom Chudleigh, 

2. The 4TreeHouse designed by Lukasz Kos


3. Sybarite - pré-fabricada com materiais reciclados.



4.  Mitchell Joachim, Lara Greden and Javier Arbona


5. designed by Takashi Kobayashi,


6. Cooperative Baumraum


7. Dustin Feider - O2 Sustainability Treehouse 


8.  TreeHouse Co.  Alnwick Garden - Amaior casa construida em árvores

Casas Vivas - Dr. Mitchell Joachim, Terreform


Legendas em português clicar em "subtitles"...


cities of the future
"Cérebro Verde"  uma ideia para um parque na Coreia. Competamente auto-sustentável.(Dr. Mitchell Joachim, Terreform)



Casas feitas de árvores vivas


Jane Goodall fala sobre o que nos separa dos macacos:Video

"Bom, o mais triste é que esses chimpanzés, que, mais que qualquer outra criatura, nos ensinaram um pouco de humildade,estão desaparecendo muito rápido na natureza.Eles estão desaparecendo pelas razões que todos aqui nesta sala sabem muito bem. O desmatamento, o crescimento da população que precisa de mais terra. Eles estão desaparecendo porque algumas madeireiras devastam áreas completamente. Eles estão desaparecendo do coração da África porque as grandes indústrias madeireiras vieram e construíram estradas, como as que querem fazer no Equador e em outros lugares onde as florestas permanecem intocadas, para extrair petróleo ou madeira".




Escolher legendas em "subtitles"...


Regeneração com nutrição adequada, superalimentos

Somos um organismo de auto-regeneração. Segundo o Dr. Deepak Chopra, autor de Cura Quântica, vamos substituir 98% de todas as nossas células dentro de um ano.
• A cada seis meses: novos ossos
• Todos os dez dias: um novo revestimento do estômago
• A cada três meses: novas células sanguíneas
• "98% das 100 triliões (milhares de milhão) de células que compunham o nosso corpo no ano passado não estão mais lá." Dr. Deepak Chopra, MD
Num ano, nós podemos reconstruir o nosso sangue,as nossas células,os nossos órgãos e, portanto, a nossa imunidade. Alterar a qualidade dos nutrientes, pode, literalmente, recriar-nos, de dentro para fora.


Com nutrição adequada o nosso organismo tem possibilidades imagináveis de auto-cura e regeneração.






quarta-feira, 14 de julho de 2010

Estudo prova que alimentos crus melhoram pessoas com fibromialgia


Quem não souber inglês pode usar o Google Translate para tradução automática.


Fibromyalgia syndrome improved using a mostly raw vegetarian diet: An observational study

Michael S Donaldson1 emailNeal Speight2 email and Stephen Loomis3 email
Hallelujah Acres Foundation, Shelby, NC USA
Center for Wellness, Charlotte, NC USA
Cleveland Physical Therapy Associates, Shelby, NC USA
 author email corresponding author email
BMC Complementary and Alternative Medicine 2001, 1:7doi:10.1186/1472-6882-1-7
The electronic version of this article is the complete one and can be found online at:http://www.biomedcentral.com/1472-6882/1/7
Received:20 June 2001
Accepted:26 September 2001
Published:26 September 2001
© 2001 Donaldson et al; licensee BioMed Central Ltd. This is an Open Access article: verbatim copying and redistribution of this article are permitted in all media for any purpose, provided this notice is preserved along with the article's original URL.

Abstract

Background

Fibromyalgia engulfs patients in a downward, reinforcing cycle of unrestorative sleep, chronic pain, fatigue, inactivity, and depression. In this study we tested whether a mostly raw vegetarian diet would significantly improve fibromyalgia symptoms.

Methods

Thirty people participated in a dietary intervention using a mostly raw, pure vegetarian diet. The diet consisted of raw fruits, salads, carrot juice, tubers, grain products, nuts, seeds, and a dehydrated barley grass juice product. Outcomes measured were dietary intake, the fibromyalgia impact questionnaire (FIQ), SF-36 health survey, a quality of life survey (QOLS), and physical performance measurements.

Results

Twenty-six subjects returned dietary surveys at 2 months; 20 subjects returned surveys at the beginning, end, and at either 2 or 4 months of intervention; 3 subjects were lost to follow-up. The mean FIQ score (n = 20) was reduced 46% from 51 to 28. Seven of the 8 SF-36 subscales, bodily pain being the exception, showed significant improvement (n = 20, all P for trend < 0.01). The QOLS, scaled from 0 to 7, rose from 3.9 initially to 4.9 at 7 months (n = 20, P for trend 0.000001). Significant improvements (n = 18, P < 0.03, paired t-test) were seen in shoulder pain at rest and after motion, abduction range of motion of shoulder, flexibility, chair test, and 6-minute walk. 19 of 30 subjects were classified as responders, with significant improvement on all measured outcomes, compared to no improvement among non-responders. At 7 months responders' SF-36 scores for all scales except bodily pain were no longer statistically different from norms for women ages 45–54.

Conclusion

This dietary intervention shows that many fibromyalgia subjects can be helped by a mostly raw vegetarian diet.

Uma dieta rica em antioxidantes melhora a resistência à insulina

Uma nova pesquisa acaba de ser apresentado na Reunião Anual da Sociedade de Endocrinologia,  realizada em San Diego, mostra que os antioxidantes naturais na dieta podem ser um poderoso meio para melhorar a resistência à insulina - mesmo em pessoas que são obesas e que sofrem de síndroma metabólico.



"Os efeitos benéficos de antioxidantes são conhecidos, mas foi revelado pela primeira vez uma de suas bases biológicas da ação - a melhoria da ação hormonal em indivíduos obesos com síndroma metabólico", afirmou num comunicado à imprensa o pesquisador Antonio Mancini, MD, um investigador da endocrinologia na  Universidade Católica do Sagrado Coração, em Roma, Itália.


O Dr. Mancini e os seus colegas pesquisadores investigaram os efeitos dos antioxidantes da dieta sobre a resistência à insulina em 16 homens e 13 mulheres entre 18 e 66 anos de idade. Todos os sujeitos da pesquisa eram obesos e insulino-resistentes, mas ainda não tinha desenvolvido diabetes. Os participantes do estudo foram divididos aleatoriamente em quatro grupos de tratamento. Todos os grupos foram submetidos a dietas de tipo mediterrânico média 1.500 calorias diárias de baixo teor calórico, contendo apenas 25 por cento  de proteína sendo o resto composto por  carboidratos/hidratos de carbono de baixo índice glicêmico (como cereais integrais que não provocam um aumento rápido no açúcar no sangue).


No entanto, enquanto um grupo comeu apenas esta dieta, o segundo grupo consumiu o mesmo tipo de comida, mas também tomou uma medicação oral que diminui a glicose no sangue chamado metformina (vendidos sob as marcas Glucophage, Glucophage XR, Glumetza, Glucophage e Riomet).Os grupos  três e quatro comeram uma dieta de estilo mediterrânico, também, mas enriquecida com porções extra de frutas e legumes que são conhecidos por ser ricas em antioxidantes; ao grupo  quatro também foi dado a metformina.


Todos os indivíduos da pesquisa  perderam aproximadamente a mesma quantidade de peso, mas apenas os dois grupos que consumiram a dieta antioxidante (grupos 3 e 4) tiveram uma diminuição significativa na resistência à insulina. O último grupo teve o melhor  resultado com base num teste oral de tolerância à glicose, segundo o relatório dos cientistas.


Embora os pesquisadores não tenham discutido a possibilidade, a capacidade da dieta antioxidante melhorar consideravelmente a resistência à insulina, sem qualquer medicação é um indício promissor de que dietas ricas em antioxidantes naturais  podem ajudar muitas pessoas que enfrentam esse problema  como pré-diabéticos que não podem tomar - ou não querem tomar - a metformina. Os efeitos secundários da medicamentação mais comuns (que ocorrem em um em cada três doentes) são náuseas, vômitos, gases, flatulência, diarréia e perda de apetite.


O Dr. Mancini apontou que há indícios de stress oxidativo, que pode resultar em danos às partículas do sangue e células, e desempenha um papel no síndroma metabólico. E pesquisas anteriores já mostraram que os antioxidantes podem impedir o dano oxidativo às células e às vezes até mesmo reparação de danos. Antioxidantes, que são encontrados naturalmente em muitos alimentos, incluindo frutas, verduras, legumes e nozes, incluem as vitaminas E e C, selênio e carotenóides, como beta-caroteno.






Os superalimentos como goji berriescacau cru, entre outros, são dos alimentos mais ricos em antioxidantes que existem.

Para mais informações:
http://www.endo-society.org/endo201...
http://www.naturalnews.com/antioxid...
http://diabetes.niddk.nih.gov/dm/pu...

terça-feira, 13 de julho de 2010

Identificados 365 resíduos de pesticidas em frutas e hortaliças

306283_fruta.jpg
Foto: PÚBLICO
O estudo revela que 3,5 por cento das amostras apresentaram vestígios de pesticidas em níveis superiores aos autorizados
Lusa

Mais de 360 diferentes resíduos de pesticidas foram identificados em frutas e hortaliças consumidas na Europa, 76 dos quais em cereais, segundo um estudo hoje divulgado pela Agência Europeia para a Segurança dos Alimentos (AESA).


No entanto, e de acordo com o estudo realizado no âmbito das novas normas que entraram em vigor na UE em meados de 2008, apenas 3,5 por cento das amostras apresentaram vestígios de pesticidas em níveis superiores aos limites máximos de resíduos (LMR) autorizados. “O relatório mostra que 96,5 por cento das amostras são consistentes com teores máximos de resíduos de agrotóxicos permitidos na UE”, refere a AESA num comunicado que acompanha o estudo. 

O estudo baseou-se em mais de onze mil amostras de nove diferentes produtos - laranjas, tangerinas, peras, batatas, cenouras, pepinos, espinafres, feijão e arroz sem casca - analisadas em 2008 nos 27 estados-membros da UE. 

A AESA concluiu também que é maior a presença de pesticidas nos alimentos importados de países fora da UE (7,6 por cento) do que nas amostras dos produtos produzidos na União Europeia (2,4). 

Quanto à comida para bebé (2062 amostras), 76 apresentaram resíduos de pesticidas e quatro excederam as normas máximas recomendadas. 

O relatório hoje divulgado não pode ser comparado com o do ano passado e com dados relativos a 2008, uma vez que as normas europeias para os resíduos químicos nos alimentos foram revistas a 1 de Setembro de 2008, tendo os Estados membros harmonizado os procedimentos. Anteriormente, cada país da União Europeia estabelecia suas próprias normas.

Ecoaldeias, lançamento do livro de Jonathan Dawson

Em Lisboa no dia 14 de Julho . No Porto, com Pedro Macedo e Pedro Jorge Pereira (que viveram algum tempo em ecoaldeias na Escócia e na República Checa), na Casa da Horta, Rua de São Francisco, 12A (à Ribeira da Alfândega, junto ao rio Douro), perto da Igreja de São Francisco, na quinta-feira, 15 de julho, às 21:30. Coorganizado no Porto por Edições Sempre-em-Pé, associação Casa da Horta e associação Campo Aberto.



Video: Parto Natural

Bruxelas propõe permitir aos países da UE de escolher livremente sobre OGM - AFP

A Comissão Europeia adoptou propostas que visam o desbloqueio dos pedidos muito controversos de cultivo de culturas GM na Europa, deixando os Estados que querem a oportunidade de restringir ou proibir-los mais facilmente.


Fonte: http://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5gjfnEqhkhvLfz0-yfO8h2LN4sh4g
segunda-feira, 12 de julho de 2010

Las Puertas de la Perception - Ayahuasca






Video: Zeitgeist, Addendum



Depois do primeiro filme "Zeitgeist" agora este Addendum que mostra como funciona o sistema monetário que nos mantém escravos com a divida eterna que temos que pagar.

Estudo: comer nozes ajuda a reduzir colesterol




Pesquisadores reuniram os resultados de 25 experimentos clínicos, que envolveram 583 participantes no total. O estudo reportou que ingerir 70 gramas de nozes de qualquer tipo se associava a declínios de 10,2 miligramas por decilitro em colesterol ruim, uma queda de 7,4%, e 10,9 miligramas em colesterol total, ou 5,1%.

O estudo, que apareceu na edição de 10 de maio do "Archives of Internal Medicine", foi parcialmente financiado por uma fundação da indústria de nozes, e dois dos autores recebem fundos de pesquisa de outras organizações representando as indústrias de nozes e amendoim.

Os autores registraram, porém, que alguns dos experimentos analisados não tinham financiamentos corporativos, e mesmo assim chegaram a conclusões similares.

"Nozes são ricas em gorduras insaturadas, um dos principais direcionadores da redução de colesterol", afirmou a principal autora, a Dra. Joan Sabate, professor de nutrição na Escola de Saúde Pública da Universidade Loma Linda, na Califórnia. "Elas são as fontes de proteínas mais ricas da flora, e também contêm fibras e fitoesterois, que concorrem com o colesterol para serem absorvidos. Foi demonstrado que todos esses nutrientes reduzem o colesterol".

O efeito foi mais pronunciado entre pessoas com colesterol LDL inicialmente mais alto, e entre aqueles que não eram obesos. Quanto mais nozes eram consumidas, maior o efeito.

Dieta de mulheres grávidas influencia no gene dos bebês, diz estudo

Mulheres que seguem uma dieta rica em gordura antes e durante a gravidez podem colocar seus filhos em risco de desenvolver defeitos congênitos, segundo disseram cientistas britânicos na última terça-feira.


Os pesquisadores, que estudam ratos, descobriram que a dieta de uma mulher grávida pode interagir com os genes que seu bebê herdará e influenciar o tipo ou a gravidade de defeitos congênitos, como doenças cardíacas e lábio leporino.


"Essas descobertas são muito importantes porque nós somos capazes de mostrar pela primeira vez que as interações gene-ambiente podem afetar o desenvolvimento do embrião no útero", disse Jamie Bentham, do Centro de Genética Humana Wellcome Trust, da Universidade de Oxford, que liderou o estudo.


"Sabemos que tanto uma dieta pobre como genes defeituosos podem prejudicar o desenvolvimento do feto, mas temos visto que os dois combinados para causar um risco muito maior de problemas de saúde. Estamos entusiasmados porque isso sugere que cardiopatias congênitas podem ser evitadas por meio de medidas como alterar a dieta materna", disse Bentham em comunicado sobre os resultados.


Cardiopatia congênita é a forma mais comum de defeito de nascença, e estudos anteriores já haviam mostrado que crianças nascidas de mães obesas ou com diabetes têm maior risco de ter o problema.


Também se sabia que determinadas alterações genéticas - como a deficiência no gene Cited2 - pode originar uma cardiopatia congênita, mas até agora os cientistas não sabiam se os fatores externos, como a dieta da mãe, poderiam interagir com as mudanças genéticas para afetar os bebês.


Os pesquisadores britânicos, cujos resultados foram publicados na revista Human Molecular Genetics, compararam ratos saudáveis com aqueles em que faltava o gene Cited2.


Deficiências no Cited2 resultam em defeitos cardíacos em ratos e humanos e também podem levar a um tipo grave de cardiopatia chamada isomerismo atrial, em que a assimetria entre os lados esquerdo e direito do coração é alterada.


Os pesquisadores alimentaram as fêmeas de ratos antes e durante a gravidez com uma dieta rica em gordura e, em seguida, estudaram o desenvolvimento dos bebês usando imagens de ressonância magnética. Os resultados foram comparados aos ratos do segundo grupo, cujas mães foram alimentadas com uma dieta equilibrada.


Entre os bebês ratos que eram deficientes em Cited2, o risco de isomerismo atrial mais que dobrou, e o risco de lábio leporino aumentou mais de sete vezes quando as mães foram alimentadas com uma dieta rica em gordura.


Essas mudanças não ocorreram na prole geneticamente normal de mães que receberam uma dieta rica em gordura, sugerindo que é a combinação de dieta e genes defeituosos que é responsável pelo maior risco de doenças.


Jeremy Pearson, diretor médico da Fundação Britânica do Coração, que financiou parte do estudo, disse que os resultados poderiam lançar luz sobre defeitos de nascença em seres humanos.


"Essa pesquisa mostra que a dieta durante a gravidez pode afetar diretamente os genes ativados nos filhos. O estudo foi feito com camundongos, mas um link semelhante pode existir em seres humanos, levando a alguns casos de cardiopatia congênita", afirma Pearson. Segundo ele, a pesquisa reforça a necessidade de as mulheres grávidas manterem uma dieta balanceada e evitarem comer alimentos muito gordurosos durante a gestação.


Fonte: Biomedcentral

Pesca de arrasto destrói o fundo do mar




A pesca de arrasto está a destruir o fundo do mar da Noruega. Cerca de 50% dos recifes já foram danificados ou destruídos. O governo da Noruega tem que agir implementando uma rede de reservas marinhas.


Fonte: Greenpeace