NutriViva no Facebook é a nossa página no Facebook onde há uma constante actividade com pratos e ideias sobre Alimentação Viva.
O blog também está acessivel em ALIMENTACAOVIVA.COM e ALIMENTACAOVIVA.INFO
Visitem o meu blog em inglês (com traduçao automática)
Raw in Copenhagen
Ao deixar um comentário referente a um artigo, por favor colar o link desse artigo.

Badge Raw Food

Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Search/ Busca

Carregando...

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Ocorreu um erro neste gadget

Total de visualizações de página

domingo, 15 de junho de 2008

Superalimentos

Claudia Sá

Os superalimentos estão na moda pelo mundo fora. E por boas razões. Diferentemente da maior parte das modas, esta está para ficar e é benéfica para todos os que a ela aderirem.
Tendo sido introduzidos no mundo ocidental nas últimas duas décadas por nutricionistas de renome como Ann Wigmore, Gabriel Cousens ou David Wolfe, os superalimentos rapidamente se celebrizaram e muitas são as pessoas que hoje em dia os utilizam regularmente como parte do seu menu alimentar diário.

E o que são os superalimentos?
São alimentos superconcentrados energeticamente, dando-nos uma enorme quantidade de nutrientes de uma forma natural, equilibrada e facilmente assimilável pelo nosso organismo. São dádivas da natureza, substâncias 100% naturais que têm uma capacidade extraordinária de transformar a nossa saúde. Estes alimentos vão muito para além da simples nutrição que outros alimentos nos dão. Eles desempenham um papel importante na prevenção de muitas das doenças da nossa sociedade actual e são extremamente válidos como parte integrante de um estilo de vida saudável. Alguns exemplos mais conhecidos são: Goji berries, erva de trigo (wheatgrass), clorela, spirulina, cacau cru, maca, etc.

Como nos podem ajudar?
Nos dias de hoje é muito difícil obtermos tudo o que o nosso corpo necessita (mente, emoções e espírito também incluídos) através dos alimentos. O solo está empobrecido e consequentemente os valores nutricionais dos alimentos decresceram de uma forma alarmante nos últimos 60 anos (principalmente com o advento dos pesticidas usados em massa). A isto acresce o stresse a que estamos expostos diariamente através da multitude de químicos existentes na nossa sociedade moderna.

Os superalimentos vêm em nosso auxílio. Todas as pessoas podem beneficiar com o seu uso; o mínimo que podem fazer por nós é aumentar o nosso nível de energia, encher-nos de força para que consigamos dar conta dos múltiplos afazeres das nossas vidas super ocupadas e também reforçando o sistema imunitário para estarmos sempre em excelente forma e saudáveis.

Tantos de nós hoje em dia nos habituamos a sentir cansados e desgastados, ou tendo que lidar com sintomas crónicos como Síndroma Pré-Menstrual, má digestão, irritabilidade, dores de cabeça, etc. Não tem que ser assim; não fomos criados para sofrer. É nosso direito de nascença termos saúde, alegria, amor, satisfação, abundância .... Os superalimentos ajudam-nos a voltar a encontrar estas qualidades em nós, muitas vezes perdidas ou esquecidas.

O começo da viagem
Cada pessoa é um mundo à parte, tem necessidades e gostos diferentes e por isso devem iniciar a viagem pelo mundo dos superalimentos, experimentando os que lhe chamam mais a atenção, guiando-se pela sua intuição e curiosidade, e depois julgando por si próprio os que se adaptam melhor a si.
Não há uma dosagem recomendada para a maior parte destes alimentos. Todos eles são 100% naturais, do reino vegetal, sem nenhuns efeitos secundários prejudiciais. Não existe o risco de sobredosagem. Mas há que ter em conta que eles são extremamente concentrados/potentes e como tal, se ingerir demasiada quantidade num curto espaco de tempo, é natural que o corpo reaja com uma crise de cura e terá depois de fazer um esforço extra para reencontrar o equilíbrio perdido. O melhor então será começar com doses pequenas, ver como o corpo reage e aumentar progressivamente até uma dosagem que lhe seja confortável e proporcione os efeitos desejados.


Uma última nota: Devem preferir-se produtos alimentares sem pesticidas, ou seja, biológicos ou colhidos selvagens. São muito mais saborosos e saudáveis e ajuda-nos a tomar responsabilidade e fazer parte do movimento da cura do nosso planeta. Tratar da Terra é cuidar da nossa casa e da casa das gerações futuras, dos nossos filhos, netos, bisnetos... Todos podemos contribuir de uma forma útil, prática e lógica para o embelezamento do nosso mundo, ao comprarmos alimentos ecológicos. Apoiar os agricultores biológicos é apoiar o ambiente, a sustentabilidade, a ecologia. Eles são heróis dos tempos modernos, pois são eles que estão a fazer o valioso trabalho de reconversão dos nossos solos empobrecidos, permitindo assim que a natureza volte ao seu estado natural de riqueza, beleza, força e abundância. O tempo dos pesticidas acabou. A era dos biológicos está para ficar.

Fonte: Centro Vegetariano