Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

sexta-feira, 9 de março de 2007

Um terço das espécies de peixe do Rio Amarelo já se extinguiram


Mais de 30% das espécies de peixe do Rio Amarelo já se extinguiram, revelaram funcionários governamentais chineses esta semana. "Existiam mais de 150 espécies de peixes a viver no Rio Amarelo mas agora um terço desapareceu de vez", referiu o ministro da agricultura num jornal local.

O funcionário do ministério da agricultura também referiu que as capturas n rio declinaram em 40% e enfatizou o papel do Homem, com a construção de barragens e a poluição, nesta catástrofe ambiental. "A sobre-exploração, as descargas sucessivas e os projectos hidroeléctricos ao longo do rio degradaram o ecossistema fluvial", disse ele.

O governo chinês estima que 66% da água do Rio Amarelo esteja tão poluída que é imprópria para consumo humano. Jennifer Turner, chefe do fórum sobre o ambiente chinês do Woodrow Wilson International Center for Scholars em Washington, D.C., diz que as águas poluídas do rio são o reflexo de um problema nacional que ameaça tanto a vida selvagem como a saúde pública.

"O Rio Amarelo é o rio mãe", diz Turner, referindo-se ao facto de esta via fluvial ter sido crucial para o desenvolvimento da civilização chinesa no norte do país. "Se o rio mãe está doente, é uma forte indicação de que a China não tem capacidade para proteger os seus recursos hídricos."

O governo chinês também considera que perto de 70% dos rios e lagos do país estão fortemente poluídos.

O Rio Amarelo é o segundo maior rio da China, logo a seguir ao Yangtze, percorrendo perto de 5500 Km desde o planalto árido de Qinghai no Tibete à baía Bo Hai no Mar Amarelo. Ao longo do seu percurso, o rio é fonte de água para mais de 155 milhões de chineses.

Mas o rio tem sofrido uma diminuição do caudal nos últimos anos, a ponto de em anos de seca não chegar água a certas zonas. A redução da precipitação é apontada como causa desta redução e sugere que as alterações climáticas podem piorar o problema.


Ainda assim, a acção humana também tem responsabilidades, com as toneladas de água removida do rio para alimentar as florescentes cidades, industrias e campos agrícolas ao longo das margens. "O problema é o rápido desenvolvimento da bacia do rio nos últimos 25 anos", diz Turner.

Em 2006 o nível do rio atingiu mínimos históricos, uma situação que exacerba o problema da poluição. "A diluição é a solução para a poluição", diz Turner, "logo o rio estar a secar tem sido o golpe final para as populações de peixe."

Apesar das espécies extintas estarem perdidas para sempre, outras ainda podem ser salvas e as águas do rio podem ser limpas. Turner diz que tudo tem que começar com alterações políticas.

"As reformas económicas chinesas foram bem sucedidas porque descentralizaram a autoridade para os governos locais", explica ela, "mas a sua motivação é o desenvolvimento económico. Muitos dos problemas de poluição estão associados a corrupção e o governo central não tem tido poder para aplicar as leis ambientais."




O Rio Amarelo, também conhecido como Huang He, é o segundo mais longo rio da China, medindo 5.464 km com uma bacia de 752.000 km².

É de grande importância para a economia chinesa pois o seu vale tem terras férteis, bons pastos e importantes jazidas minerais.

Foi nesse rio que a civilização chinesa começou.

Domesticação do Rio Amarelo


Huang He na cidade de Lanzhou

O Rio Amarelo recebe no verão um grande volume de águas originadas do degelo nas montanhas no oeste da China, e isso causava grandes inundações períódicas em toda a bacia. O loesse trazido pelo rio sedimenta-se, causando seu assoreamento, agravando as enchentes. No início do estabelecimento humano, as enchentes repentinas causavam tantas mortes que os chineses ainda apelidam o Rio Amarelo de "Rio das Lamentações". Por causa destas eventualidades, os chineses demoraram séculos para ocupar de forma permanente a grande e fértil planície central da bacia do Rio Amarelo.

O controle das inundações surgiu em algum momento por volta de 2.200 a.C., quando um extenso sistema de diques, canais de escoamento e reservatórios foi construído, contendo o excesso de água proveniente do degelo e possibilitando o cultivo permanente da planície central.

A construção destes sistemas data de antes dos registros escritos, e por isso sua documentação posterior é cercada de lendas. Uma delas a atribui a um imperador lendário, Yü o Grande, que teria coordenado a construção dos diques e terminado com uma inundação que teria durado 13 anos. Após tal feito, ele teria sido alçado ao status de divindade. A lenda perpetrou-se na cultura chinesa posterior, e há um provérbio local que diz: "Não somos peixes graças a Yü".

Fontes: simbiotica.org e Wikipedia

0 comentários: