Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

sábado, 12 de junho de 2010

A vitalidade e alquimia dos alimentos


Conceição Trucom

Os alimentos de origem vegetal, crus e vivos, nos oferecem espontaneamente tudo o que captaram da Terra, do Sol e de Deus. Cabe a cada um de nós recebê-los!

O SerViço e a Alquimia
Os alimentos de origem vegetal, crus e vivos, nos oferecem espontaneamente tudo o que captaram da Terra, do Sol e de Deus. Cabe a cada um de nós recebê-los! Deixá-los chegar e fazer parte de nós.
Os alimentos do reino vegetal têm um propósito: oferecer seu Viço, seus agentes nutricionais e energéticos, seus componentes da terra (energia telúrica), do nosso astro-rei o Sol (energia solar) e do Cosmos (energia cósmica), para que sejamos Seres em estado de Viço, ou seja, em SerViço.

Mas, não basta ganhar um presente, temos que recebê-lo, assimilá-lo, para então fazer parte de nós, da alegria e gratidão causada pelo presente verdadeiramente recebido.
Entretanto, quando um ladrão nos aborda, permitindo ou não, ela irá nos roubar o que temos de maior e melhor em nossa vida: nosso corpo e alma.
É ato de amor e respeito ser cúmplice do nosso corpo e vida, e praticar um "banho interno diário" que favoreça o necessário alívio da sobrecarga intoxicante da vida moderna. E, é sábio, aproveitar este ato de afeto (corpo e alma unidos no mesmo movimento), para nutrir e vitalizar todas as células, órgãos, vísceras e sistemas, entre eles nossas mentes, representadas fisicamente pelo cérebro. Para tanto, o certo é conhecer os alimentos que têm tal poder, para aumentar seu consumo diário, como também, para poder evitar conscientemente, os alimentos que nos desvitalizam e minam nossa saúde e poder pensante.
A Alquimia e o SerViço
Os alimentos do reino vegetal - frutas, folhas, raízes, brotos e sementes -, enquanto vivos e crus, são ofertas viçosas da mãe natureza.  Eles já trazem em sua composição nutrientes conhecidos como carboidratos, proteínas e gorduras, importantes para nos dar energia, construção e manutenção de nossas células e corpos. São os chamados macronutrientes. A esta parte bem física dos alimentos colocarei a responsabilidade de 10% pela sustentação da vida, e é o máximo que uma pessoa intoxicada pode assimilar destes alimentos.
Aos outros 90%, que classificarei de parte "alquímica", por serem em mínimas concentrações ou mesmo invisíveis (forças energéticas da terra e do sol), só plenos no alimento cru e vivo, colocarei a responsabilidade pela sustentação do corpo, da alma e do espírito alinhado com a luz. São estes 90% que ancoram a força, a luz. Esta é a parte que uma pessoa vai acessar e assimilar quanto mais desintoxicada estiver.
Grau intoxicação x Capacidade de Assimilação do alimento vegetal cru e vivo 
Grau de Intoxicação
Capacidade de assimilação nutricional-energética

Após consumo
Elevado
7% máximo
Sente fraqueza e fome
Médio
10% máximo
Ainda sente fraqueza e fome
Baixo ocasional
Acima de 10%
Aumenta saciedade, lucidez, equilíbrio emocional
Baixo diário
Próximo ao 100%
Vitalidade, lucidez, inspiração, amparo, expansão
Purificado
> 100% (até infinito)
Amor, gratidão, iluminação

Estes 90%, além de participarem da digestão e assimilação dos nutrientes mais densos (aqueles 10%), irradia vitalidade para mais purificação, transformações e expansão do Ser, que se impregna de Viço e vive em estado de Viço, em SerViço. Ou seja, sempre haverá energia sobrante. Nestes 90% encontramos alguns elementos biologicamente ativos (vivos) denominados:
- enzimas (se o alimento estiver cru e vivo) - agentes de informação específica e precisa para a função digestiva e todas as reações energeticamente econômicas do organismo;
- sais minerais - agentes de comunicação rápida e precisa entre todas as células, já que são responsáveis por todas as reações eletroquímicas conduzidas pelos 60-70% de água presentes num organismo humano e adulto;
- vitaminas - agentes de vitalização do corpo e do poder pensante (alma);
- fibras - agentes de absorção dos excretos, modulação do processo de assimilação digestiva e nutrição da flora intestinal;
- antioxidantes - agentes que impedem a oxidação e degeneração precoce das células e do poder pensante.
Além destes elementos já identificados pela ciência, existem infinitos outros, que classifico como Alquimia da Mãe Terra, do Sol e de Deus. Esta é a parte invisível, sagrada e poderosa, pois é a que nos permite sintonizar, vibrar em sintonia, com estes Seres: a Terra, o Sol e Deus. Neste momento sentimos: Amor - Gratidão - Somos todos Um!
E, graças à elevada presença, principalmente nos alimentos da cultura orgânica, desta fração alquímica, os vegetais crus e vivos, são exatamente os que oferecem aos órgãos e sistemas de excreção, a sua cumplicidade mais afetiva e efetiva. Só quando consumidos crus e frescos, fornecem ao organismo sua água estruturada com informações de limpeza, nutrição e vitalização.
Na prática
Aqui, o objetivo é que você compreenda, didaticamente, como classificar os alimentos pela sua força vital, simplificando os critérios de escolha e seleção. Nada de tabelas: só a compreensão.
No livro "Você sabe se desintoxicar" (Dr. Soleil - Ed. Paulus), os alimentos estão classificados em quatro categorias, de acordo com o seu grau de VITALIDADE ou força alquímica.
Este conceito foi criado pelo Dr. Edmond Bordeaux-Szekely e pode ser de grande ajuda para nos orientar nas escolhas alimentares, sem precisar de qualquer intelectualização.

Aqui, o objetivo é que você compreenda, didaticamente, como classificar os alimentos pela sua força vital, simplificando os critérios de escolha e seleção. Nada de tabelas: só a compreensão.
No livro "Você sabe se desintoxicar" (Dr. Soleil - Ed. Paulus), os alimentos estão classificados em quatro categorias, de acordo com o seu grau de VITALIDADE ou força alquímica.
Este conceito foi criado pelo Dr. Edmond Bordeaux-Szekely e pode ser de grande ajuda para nos orientar nas escolhas alimentares, sem precisar fazer uso de tabelas ou memorizações.
Alimentos BIOGÊNICOS: geram e expandem a vida
Potencial nutricional: qualitativo, elevado e rápido.
Potencial energético: infinito, pois ainda não é possível ser mensurado.
São as sementes germinadas e os brotos produzidos a partir dos cereais (grãos), das frutas oleaginosas (linhaça, girassol, gergelim etc.), das leguminosas (feijões), das ervas e das hortaliças. Idealmente, focando o aspecto da elevada qualidade energética e nutricional, deveriam ser a base da alimentação saudável. Ou seja, todos os dias consumir, ainda que em pequena quantidade, variedades de germinados e/ou brotos. 
Sê-Mentes são alimentos do reino vegetal cuja composição nutricional guarda enorme semelhança com a celular do cérebro humano, parte física das nossas Mentes (Lógica e Espontânea), além de muitos sais minerais.
•    Sê-Mentes: 30 a 40% proteínas + 30 a 60% gorduras nutricionais
•    Células cerebrais e nervosas: lipoproteínas (lipo significa gordura)
Biológica e energeticamente, o desejo de toda Sê-Mente é um dia germinar e virar uma planta, continuação da sua espécie, do seu propósito alquímico na Terra. Até que elas encontrem as condições ideais para que tal aconteça (umidade, calor e pouca luz), ela se preserva, com suas cascas (fibras duras e ásperas) e substâncias anti-nutricionais (ácido fítico, inibidores de tripsina etc.) para que fungos, carunchos e humanos a não a consumam. Guardam ainda, no seu pequeníssimo espaço (um verdadeiro chip) riqueza de antioxidantes, vitaminas, sais minerais, enzimas (aminoácidos), hormônios vegetais, estimulantes biológicos etc., todos fundamentais e prontos para explodirem funcionalmente no momento da germinação.
Energeticamente representam um pequeno Ser com todo o seu Viço e material genético para expandir, crescer e frutificar: gerar vida!
Ao ingerirmos o alimento germinado, broto – cru e vivo – é exatamente este conjunto de informação e comando que ocorre em nossas células: explosão de vitalidade e regeneração. Vida viva!

Alimentos BIOATIVOS: ativam a vida
  • Potencial nutricional: quantitativo, elevado e rápido.
  • Potencial energético: infinito, pois ainda não é possível ser mensurado.
São as frutas, legumes, ervas e hortaliças, leguminosas, sementes oleaginosas e cereais integrais maduros (crus, mas não germinados). Ricos em macronutrientes e substâncias biologicamente ativas como as enzimas, vitaminas, antioxidantes e sais minerais, oferecem aos que os consomem a informação: manter a vida ativa, mineralizada, vitalizada, viva!
Do ponto de vista quantitativo, devem ser considerados como a base da alimentação humana. Por este motivo, é importante que façam parte do consumo diário, em quantidades significativas e adequadas a cada idade, sexo e tipo de atividade. Pesquisas apontam que o ideal seria o consumo de mínimo 50% destes alimentos enquanto frescos e crus. Não valem alimentos por demais maduros pois neste caso o comando enzimático é acidificar para degradar, desintegrar e adubar a terra.
Crus e frescos, vivos têm a capacidade de transferir as boas energias da Terra, do Sol e de Deus para o corpo e a alma. Para estarem vitalmente ativos devem ser consumidos frescos, no ponto certo da maturidade, sem agrotóxicos e crus. No caso das leguminosas (feijões), após 48 horas de molho, ou seja, em processo de germinação.
Os alimentos bioativos apresentam extraordinárias propriedades depurativas. Sua riqueza em fibras e água estruturada; assegura uma verdadeira faxina no tubo digestivo, levando embora, junto com as fezes e demais excretos, uma grande quantidade de toxinas, resíduos, mucos e venenos.
Sua riqueza em sais minerais oferece a possibilidade, desde que consumidos diariamente, crus e vivos, de manter o organismo alcalinizado e mineralizado, portanto com seu metabolismo eletroquímico realizando comunicação precisa e eficiente entre todas as células, órgãos e sistemas, entre eles o cardiológico e cerebral.
Juntamente com os germinados, os bioativos são os alimentos mais ricos em substâncias biologicamente ativas, hoje famosos com a classificação de nutracêuticos: alimentos que nutrem e curam.
Ingeridos crus e frescos, idealmente de cultura orgânica, fornecem ao organismo o alimento mais adequado à saúde humana. Os alimentos que geram a vida (os biogênicos) e os alimentos que ativam a vida (os bioativos) são considerados alimentos vivos; sagrados. Ofertam seu Viço – nutricional e energético - para assegurar a vida e o bem-estar do ser humano. Seu consumo diário – mínimo 50% - resulta inevitavelmente, em desintoxicação (purificação), vitalidade e saúde plena, em qualquer idade ou momento evolutivo.
Por que frescos e crus? Porque as enzimas e algumas vitaminas, que são termo degradáveis, estarão vivas e ativas. Uma vez cozidos, grande parte das suas funções biológicas morrem ou perdem poder.
Alimentos BIOESTÁTICOS: diminuem lentamente a vida
  • Potencial nutricional: quantitativo, assimilação dificultada ou ineficaz.
  • Potencial energético: baixo, somente no plano físico, mantendo as funções básicas.
São os alimentos cuja força vital foi reduzida pelo:
•    tempo - alimentos crus armazenados (artificialmente ou não) por longos períodos;
•    frio - alimentos refrigerados ou congelados;
•    calor - alimentos cozidos.
Estão inclusos aqui os alimentos de origem animal como as carnes, o leite, seus derivados e os ovos.
O consumo dos bioestáticos faz parte da evolução tecnológica que trouxe a praticidade e a segurança alimentar. Não vejo possibilidade de eliminá-los da sociedade moderna, mas a mensagem é buscar uma redução gradual do seu consumo. Um contra-senso, pois quanto mais aditivos ou processamento tem um alimento, cujo objetivo original era alimentar mais pessoas, mais serão alimentos vazios e que vão minando, dia-a-dia, a vida. Cansado, o ser humano vai desanimando, desconectando da alma, perdendo seu poder pensante.
Os bioestáticos asseguram o funcionamento mínimo do organismo, mas provocam o envelhecimento precoce das células, por dificuldades de nutrição e comunicação entre elas, pois não lhes fornecem as substâncias vivas, biologicamente ativas, necessárias para sua saudável regeneração. Some a ausência da vitalidade destes alimentos, pois estão em processo de morte ou mesmo mortos (cozidos por alta temperatura, congelamento ou aditivação química), ou seja, estagnação energética.
Para compensar e piorar, são alimentos que exigem rotas alternativas, empréstimos (ou melhor, roubos) enzimáticos e minerais para dar conta de todo o trabalho digestivo. Digerir aditivos é algo anti-natural, motivo pelo qual o sistema digestivo precisa realizar grande esforço, se inflamar, mutar e ferir. Os piores são os de origem animal, que acidificam todos os líquidos corporais, causando pane e interferências em todos os sistemas de comunicação celular e energético. Putrefazem com maior facilidade, motivo pelo qual necessitam ser conservados, cozidos ou pasteurizados (processos que reduzem a qualidade e vitalidade do alimento).
Alimentos BIOCÍDICOS: matam a vida
  • Potencial nutricional: sua composição nutricional é anulada pela condição destrutiva de sua digestão, reduzindo a função da assimilação.
  • Potencial energético: negativo, pois destroem e matam as células, a comunicação entre elas e o poder pensante.
Infelizmente, são exatamente os alimentos que predominam na alimentação moderna. São os alimentos que destroem a vida. São todos os alimentos cuja força vital foi destruída pelos processos físicos ou químicos de refino, conservação ou preparo.
Os biocídicos ganham em praticidade, perdem em qualidade; ganham em prazer, perdem em poder nutricional e energético; ganham em luxúria, perdem em longevidade. São eles, além dos de origem animal, o açúcar (sacarose), principalmente o refinado; alimentos industrializados, refinados e aditivados; margarina e óleos refinados; frituras; sal; chá preto; café; chocolate e bebidas alcoólicas. Envenenam e intoxicam, pouco a pouco, todas células com as substâncias nocivas e acidificantes, portanto desmineralizantes. Desativam os antioxidantes, o sistema imunológico e toda a eficiência ou precisão da comunicação celular e do poder pensante. Os aditivos químicos (acidulantes, edul¬corantes, corantes, flavorizantes, conservantes, espessantes etc.), mesmo em pequenas doses, são tóxicos.
Que “in-sanidade”. Que inversão! O homem evoluiu tecnologicamente para ter melhor qualidade de vida. Entretanto, onde toda esta tecnologia o levou em termos de qualidade nutricional e de vida? Os biocídicos foram desenvolvidos pelo homem e suas indústrias, para gerar empregos, consumo, riqueza. Para ter mais alimentos para todos os habitantes da Terra. Para sobrar tempo para o lazer e qualidade de vida. Mas, nos perdemos: a luta pela sobrevivência nos tornou cegos, superficiais, vazios e doentes.
Quanto maior o consumo diário de biocídicos, mais intoxicados, mais desanimados, mais desconectados do corpo e suas percepções, da alma e do espírito. Como resultado, perdemos a inteligência afetiva, o equilíbrio emocional, o poder pensante, a serenidade, a fé.
Em resumo, a industrialização dos alimentos, mesmo dos processos agrícolas, introduzem no organismo substâncias que paralisam o instinto alimentar, perturbam a assimilação e bloqueiam a capacidade de excreção e purificação. Enfraquecem pouco a pouco o sistema imunológico (dá-lhe antibióticos), causam vários problemas de saúde e abrem portas às chamadas doenças da civilização: doenças cardiovasculares, câncer, reumatismo, diabetes e outras doenças degenerativas e mentais.

Alimentos de alta vitalidade ou vivos
--> Ativar o consumo a um mínimo de 50% por dia
  • São os alimentos “biogênicos” que geram vida e os “bioativos” que ativam a vida.
  • São os alimentos usados nas receitas da “alimentação desintoxicante”.
  • São fáceis de digerir, e seus nutrientes são rapidamente disponibilizados pela circulação sanguínea e demais líquidos corporais.
  • São ricos em: fibras, água estruturada, substâncias biologicamente ativas (vivas) e energia da Terra, do Sol e de Deus.
  • São os chamados alimentos nutracêuticos.
  • São depurativos: favorecem e tonificam todos os mecanismos de desintoxicação do corpo e alma.
Alimentos de baixa vitalidade ou ladrões da vitalidade
--> Desativar o consumo
  • São os alimentos “bioestáticos”, que diminuem a vida e os “biocídicos”, que matam a vida.
  • Exigem do organismo grande esforço para serem digeridos.
  • Desmineralizam e acidificam o organismo.
  • Dificultam ou interferem na comunicação celular e poder pensante
  • Intoxicam e bloqueiam todos os mecanismos de limpeza do organismo, favorecendo a formação de acúmulos tóxicos na forma de placas, mucos, cristais e tumores.
  • São pobres nutricional e energeticamente, resultando em astenia, desânimo e doenças.
Texto extraído do livro Alimentação Desintoxicante - Conceição Trucom - editora Alaúde, cuja leitura na íntegra lhe possibilitará a prática desta filosofia de vida com consciência e responsabilidade.
Conceição Trucom é química, cientista, palestrante e escritora sobre temas voltados para alimentação natural, bem-estar e qualidade de vida.
Reprodução permitida desde que mantida a integridade das informações e citada a autora e fonte.

0 comentários: