Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Açai - super alimento


Nos meios da Alimentação Viva aqui na Europa de facto fala-se muito do açai. É pena que seja assim tão caro. Constatei quando trabalhei no IPEC que se pode comprar basicamente só congelado.

Esta como outras frutas excelentes a nível nutricional e funcional são uma das riquezas do Brasil que ainda estão por explorar pelos brasileiros. Com uma mudança de hábitos alimentares pode ser que se torne mais popular baixando assim o preço das mesmas.

É importante salientar a importância de consumir o mais puro possível e não com açúcar como vi muitas vezes ser servido por ai. Há muitas alternativas para tornar o açai mais doce como o mel ou misturando com frutas mais doces.




Esta fruta tem cerca de 50% de gordura e por isso pode rançar facilmente. Dai a necessidade de congelar e para longas distancias é mesmo desidratado e transformado em pó.


Os 50% de gordura são referentes ao pó que já perdeu toda a humidade - essas quantidades podem variar como mostro mais em baixo dependendo se é seco ou polpa.

Do que tenho lido por ai os bebés podem comer a partir do momento em que passam a comer outras coisas para além do leite materno. Portanto aos 6 meses de idade (no norte do Brasil há quem o use nas mamadeiras a partir dos 2 meses qd as mães não conseguem amamentar). No entanto não se deve abusar nas quantidades para bebés devido ao teor de gordura que pode saturar o fígado. O melhor é mesmo misturar com outra fruta em pequenas quantidades. 10% de calorias de gordura na alimentação já é mais do que suficiente e isso é um teor que mesmo outras frutas simples quase conseguem ter.

Num estudo feito no Rio de Janeiro com polpa mostra que tem:

489,39 Kcal por 100 g de polpa lioflizada (bastantes calorias)
40,75% de gordura (74,94% das calorias)
34,76% das calorias são dos carbo-hidratos (hidratos de carbono em Portugal) - portanto é pobre em carbo-hidratos.
Proteínas 8,13g (g/100 g de polpa liofilizada)
Outros estudos mostram variações destes resultados. Pode conter ainda cerca de 30 – 32% de fibra

Ácidos graxos Percentual (%) médio
Palmítico 25,56
Palmitolé 3,54
Esteárico 1,84
Olêico 52,7
Linolêico0,95

Minerais observados em maior abundância

Potássio 900 mg
Cálcio 330 mg

Estes teores tb variam se o açai for seco, podendo aumentar a quantidade de potássio e diminuir o cálcio





Tabela de todos os minerais




mg/100 g de polpa liofilizada


Sódio (Na) 28,5
Selênio (Se) < 0,02
Magnésio (Mg) 124,4
Prata (Ag) < 0,0002
Alumínio (Al) 0,36
Cádmio (Cd) < 0,0002
Manganês (Mn) 10,71
Bário (Ba) 0,34
Cobalto (Co) 0,009
Mercúrio (Hg) < 0,01
Níquel (Ni) 0,28
Chumbo (Pb) 0,014
Cobre (Cu) 2,15
Tório (Th) 0,002
Zinco (Zn) 2,82
Urânio (U) < 0,0001
Arsênio (As) < 0,004
Potássio (K) 900
Rubídio (Rb) 5
Estrôncio (Sr) 0,79
Molibdênio (Mo) 0,013
Antimônio (Sb) < 0,0002
Fósforo (P) 54,5
Ferro (Fe) 4,5
Cálcio (Ca) 330


Conclui este estudo:


"É também um excelente alimento a ser incorporado nas refeições de indivíduos com baixo peso, em especial a faixa etária infantil, por ser altamente calórico. Além disso,
adultos e adolescentes também deveriam incluir a polpa de açaí lioflizada nos seus cardápios, principalmente por serem afetados pelos hábitos alimentares do século XXI, que normalmente compõem refeições pobres em macronutrientes e em minerais. O consumo dessa polpa, rica em lipídeos essenciais e de boa qualidade nutricional, e em certos minerais como o cálcio e o potássio podem contribuir para garantir o crescimento e bom funcionamento do corpo humano em geral, uma vez que esses nutrientes participam de varias reações metabólicas importantes no organismo. Entretanto a polpa não pode ser considerada como uma fonte de ferro, sugerindo-
se uma complementação desse mineral na dieta com alimentos fonte de ferro de maior biodisponibilidade."


Fonte: Menezes et al. Valor nutricional da polpa de açaí (Euterpe oleracea Mart) lioflizada vol. 38(2) 2008: 311 - 316


Por ser tão rico em cálcio, (mais do que o leite) é bom para combater a osteoporose. O fósforo, também presente na fruta, é um condutor energético para o cérebro.


Contém tb muitas vitaminas tais como: A, necessária para o funcionamento adequado do sistema imunológico, ajudando a reduzir o tempo de duração das doenças. B1 (tiamina), que ajuda a manter normal o funcionamento do sistema nervoso, músculos e coração; B2 (riboflavina), que ajuda a cicatrizar feridas na boca, lábios e língua, além de beneficiar a visão e vitamina C (ácido ascórbico) que ajuda na cicatrização de ferimentos e oferece proteção contra os agentes cancerígenos. Contém elevada quantidade de vitamina E. O açaí faz parte dos frutos que possuem mais antioxidantes, que combatem o envelhecimento precoce. Tem realmente 33 vezes mais antocianinas do que a uva (Cor roxa violeta) que são também antioxidantes, favorecendo a melhor circulação do sangue.. As antocianinas ajudam também a tratar o diabetes.Seu ácido linoleico é de 12% (o índice de Omega 9) o que ajuda a combater o colesterol. O açaí também é rico em fibras,o que favorece o trânsito intestinal. Inclui também o ácido oleico, muito bom para o coração. É rico ainda em fitoesterois


Por ser muito rico em calorias pode de facto engordar se for tomado em excesso e principalmente misturado com açúcar e granola (que tb tem açúcar para além de gordura). Portanto não abusar. E mesmo os desportistas precisam tomar certos cuidados. Para quem faz desporto o melhor é depois do exercício para repor energia. Para não engordar evitar a mistura com banana, usar antes morangos (sem granola).


Em relação ao açai fresco - devido à sua alta perecibilidade, o açaí apresenta uma vida de prateleira muito curta (no máximo 12 horas), mesmo sob refrigeração (ROGEZ, 2000). Além disso, as antocianinas são pigmentos bastante instáveis ao processamento e armazenamento. Não vale a pena comprar fresco se não for logo consumido.

Ref. - ROGEZ, H. Açaí: preparo, composição e melhoramento da conservação. Belém, PA: EDUFPA, 2000. 313 p.


0 comentários: