NutriViva no Facebook é a nossa página no Facebook onde há uma constante actividade com pratos e ideias sobre Alimentação Viva.
O blog também está acessivel em ALIMENTACAOVIVA.COM e ALIMENTACAOVIVA.INFO
Visitem o meu blog em inglês (com traduçao automática)
Raw in Copenhagen
Ao deixar um comentário referente a um artigo, por favor colar o link desse artigo.

Badge Raw Food

Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Search/ Busca

Carregando...

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Ocorreu um erro neste gadget

Total de visualizações de página

sábado, 22 de março de 2008

Como envelhecer sem ficar velho




O grande médico de Curitiba, Moyses Paciornik, completou 93 anos. Ele fez na osbtetrícia o que nós etnopsiquiatras fazemos na psiquiatria. Foi buscar fundamentos nas etnias guaranis para entender a fisiologia da gestação e nascimento.

Ele completou 93 anos no último dia 4. E, ao contrário de muitos que chegam a esta idade, o médico ginecologista e obstetra Moysés Paciornik tem muita disposição para viver, saúde que faz inveja aos mais novos e muita, mas muita vontade de trabalhar. Isso mesmo, ele continua batendo o cartão na Rua José Loureiro, no mesmo consultório onde começou a atender as pacientes.

Deixou de fazer partos e cirurgias aos 90 anos, mas ainda se dedica à clínica. No currículo, já ajudou mais de 60 mil crianças a nascer. Ficou famoso em Curitiba e no mundo inteiro porque aprendeu a envelhecer sem ficar velho. Com esse tema publicou, em 2000, um livro que trata do envelhecimento e da geriatria. É membro da Academia Paranaense de Letras e da Academia Brasileira de Médicos Escritores.

Em entrevista à Gazeta do Povo, Paciornik conta alguns dos segredos para quem quer chegar aos 100 anos de idade. Segundo ele, é preciso evitar os três pós brancos (açúcar, farinha e sal) e praticar exercícios regularmente.
Com a palavra, o Dr. Cócoras. Quem desconhece o motivo desse apelido simpático, já vai entender o porquê.

Qual é a mensagem que o senhor pode passar às pessoas que desejam envelhecer com saúde?

Elas precisam aprender a comer corretamente e fazer exercícios. Na atualidade, esses dois assuntos são modernos e todo mundo sabe. Devemos
evitar os três pós brancos: o açúcar, a farinha e o sal. Isso já vem sendo difundido há 40 anos. A questão é que muitas revistas falam hoje de como comer certo com conselhos mais ou menos complicados. Eu sou prático. Evite os pós brancos e a gordura animal. Mas vamos nos alimentar do quê? O que Deus colocou no mundo precisa ser comido, que é o que o índio da mata come.
Na mata, ele não tem os pós brancos. Come verduras, frutas, carne magra resultado da caça, tudo à vontade.

E o senhor leva essa dieta a sério? Consegue evitar alimentos que fazem mal à saúde?

Gosto de chocolate, mas evito. De um modo geral, qualquer doce é gostoso, contudo tem de ser evitado. De vez em quando dá para comer uma sobremesa.
Porém, eu procuro não comer qualquer tipo de bolo, pão, bolacha e macarrão?
tudo o que tem açúcar e farinha. O sal deve ser usado moderadamente. Pela manhã, como duas qualidades de frutas e café com leite magro sem açúcar. No almoço e jantar é salada, carne magra (suína em geral não como, porque não gosto). Também incluo no cardápio arroz branco e feijão. Qualquer qualidade de peixe está liberada.

Com essas dicas, é certo concluir que somente as pessoas magras vão viver mais?

As magras estão menos sujeitas a uma série de doenças. Se não comem gordura animal, evitam o colesterol e os triglicerídios. Se retiram da alimentação o açúcar e a farinha, previnem a diabete. Sem o sal, a pessoa não vai estar propensa a ter hipertensão arterial.

Em relação aos exercícios físicos, ir à academia ou caminhar todos os dias é suficiente?

Ambos são uma boa alternativa para envelhecer, porque protegem o organismo.
Mas aconselho subir e descer escadas. Isso porque é um exercício econômico, eficiente e não custa nada. Até os meus 90 anos subia e descia as escadas dos 19 andares do meu prédio duas vezes ao dia. Hoje só desço. Trabalho o corpo todo nessa atividade física, porque também pratico o up and down (em português, levantar e baixar), ou seja, fico de cócoras e depois levanto, esticando todo o meu corpo. Faço isso duas vezes em cada pavimento. O up and down é barato, não custa nada e pode ser feito em qualquer lugar. Não requer aparelhos e os resultados aparecem dentro de poucos dias. Uma vez fui aos Estados Unidos visitar o Empire State Building e subi, sem parar, os 120 pavimentos do edifício. Mas naquela época eu era mocinho, tinha 78 anos.

Quais os benefícios de ficar de cócoras ou fazer o up and down algumas vezes ao dia?

Na década de 70, compreendemos porque as índias caingangues não têm varizes, celulite e a pele do rosto é perfeita. Observamos também o porquê das índias da mata conservarem o canal genital em muito melhor estado do que as mulheres civilizadas. A primeira questão está relacionada ao parto de cócoras. No parto deitado, o canal vaginal se estreita cerca de 28%. Então, esse canal estreito é mais fácil de rasgar e machucar a mulher. Ele é um dos culpados. Porém, fomos ao Paraguai e descobrimos outra questão importante.
Por que as índias da mata que moram nesse país fazem o parto deitado e não estão tão estragadas como as nossas? Naquela ocasião descobrimos que isto também deve-se ao fato de as índias não usarem cadeira. Eis a chave de todo o problema.

A cadeira é prejudicial à saúde?

Tem uma lei de medicina que explica que todo órgão em repouso prolongado enfraquece. Sentado na cadeira, o corpo inteiro ? da cabeça aos pés? está em repouso. Então tudo fica fraco e as conseqüências são varizes, celulites, dores na coluna, problemas com prisão de ventre. De cada 100 civilizados, 80 têm ou terão dor na coluna.

E o que as pessoas que trabalham o dia todo sentadas devem fazer?

A cada uma ou duas horas é preciso parar para fazer o up and down. O ideal é que se pratique até cem vezes o ato de levantar e baixar. Já no sofá, na hora de assistir televisão, as pessoas devem ficar em posição de ioga, com as pernas cruzadas como os índios. Isso porque o sangue espremido é bombado para a cabeça e o cérebro recebendo mais sangue funciona melhor. É uma boa dica para quem está estudando e para quem quer evitar a celulite.

Dr. Moysés Paciornik, médico.
http://www.abe.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=32&Itemid=10


MOYSÉS PACIORNIK

Moysés Paciornick nasceu em Curitiba no ano de 1914. Formou-se em 1938 em medicina com especialização em Ginecologia e Obstetrícia; foi professor da Clínica Obstétrica da Faculdade de Medicina do Paraná, da Escola de Higiene e Saúde do Estado e fundou, em 1959, o Centro Paranaense de Pesquisas Médicas. Foi o médico precursor do exame papanicolau no Brasil e ajudou a difundir o parto de cócoras.

O Dr. Paciornick pertence à Academia Paranaense de Letras e à Academia Brasileira de Médicos Escritores, escreveu três livros e, em 1950, foi convidado a publicar pequenas histórias no jornal A Gazeta do Povo.

O médico teve uma muito bem sucedida carreira profissional contribuindo significativamente com a medicina no Brasil.

Poluição pode limpar o ar

Alguns tipos de poluição do ar podem estar a ajudar o planeta ao criar doses extra de agentes limpadores da atmosfera, segundo uma investigação recente agora conhecida.

Um estudo laboratorial demonstrou como os óxidos de azoto, geralmente um poluente de origem agrícola, podem ajudar a formar radicais hidroxilo, um limpador natural da nossa atmosfera suja. No entanto, ao faze-lo os óxidos também produzem mais ozono troposférico, um dos principais componentes do smog.

Esta investigação deve ajudar a melhorar os modelos da química atmosférica e sugerir melhores formas de controlar a poluição do ar nas grandes cidades.

O radical hidroxilo é uma molécula muito reactiva mas de vida curta que contém um átomo de hidrogénio e outro de oxigénio (-OH). É conhecido como o detergente da baixa atmosfera (troposfera) porque está envolvido na maioria das reacções que decompõem compostos orgânicos voláteis (COV), como os poluentes hidrocarbonados da vida citadina.

Na atmosfera, a luz do Sol degrada o ozono produzindo átomos de oxigénio excitados, os quais, por sua vez, atacam a água originando radicais hidroxilo. Estes reagem com os hidrocarbonetos ou com o monóxido de carbono, degradando-os e limpando a atmosfera.

Ainda assim, o radical hidroxilo não é só coisas boas. Nos céus poluídos com níveis altos de óxidos de azoto (NOx), um produto secundário da reacção de limpeza pode criar mais ozono, um componente do smog.

Por isso as políticas com o objectivo de reduzir a poluição por NOx são muito importantes, deixando os radicais hidroxilo naturais a limpar os COV. Mas é claro que as coisas não são assim tão simples.

Amitabha Sinha, da Universidade de San Diego, Califórnia, descobriu uma parte anteriormente subestimada mas importante da química do radical hidroxilo: a poluição por NOx pode ajudar a formar mais detergente atmosférico.

Ele recriou as reacções atmosféricas em laboratório e descobriu que o dióxido de azoto, quando excitado por comprimentos de onda de luz semelhantes aos observados quando o Sol está baixo no horizonte, podem decompor a água da mesma forma que o ozono faz para produzir o radical hidroxilo. Nestas alturas do dia, este processo pode aumentar a concentração do detergente atmosférico em 50%.

sto também significa que a poluição por NOx produz mais ozono do que antes se pensava, no entanto. “Em cidades com grande quantidade de hidrocarbonetos biogénicos, como Atlanta, as concentrações de ozono irão aumentar mais rapidamente", diz Paul Wennberg, químico atmosférico do Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena.

"Se incluirmos esta reacção nos modelos não altera de forma profunda a visão das medidas de controlo da poluição", diz Wennberg. Os políticos precisam de bons modelos para determinar o que fazer em diferentes cidades com diferentes poluentes, diz ele.

"Este resultado é muito inesperado", diz Dwayne Heard, químico atmosférico da Universidade de Leeds. Ele salienta que o resultado de Sinha se baseia apenas no momento em que o Sol está baixo no horizonte. Isto torna difícil avaliar como os níveis de radicais hidroxilo e de ozono se irão alterar numa cidade ao longo do dia. “Precisamos de olhar para 24 horas, pois o processo pode produzir uma fracção significativa de OH ao pôr do Sol e ao meio-dia ter uma contribuição pouco importante."

Mas o resultado aplica-se muito bem às regiões polares, onde o Sol passa longos períodos de tempo junto ao horizonte. A reacção recém-descoberta pode ajudar a explorar discrepâncias entre os modelos e as medidas, diz Heard, que acabou de regressar do Árctico.

A nova reacção já tinha sido sugerida antes mas tinha sido considerada pouco importante. Em 1997, um grupo do Instituto Max Planck para a Química de Mainz, Alemanha, também tinha sugerido que esta reacção podia estar a acontecer mas a um ritmo muito inferior e por isso muito menos significativo do que Sinha vem agora sugerir.

Os modelos atmosféricos, que já têm que ter milhares de reacções em linha de conta, serão ainda mais complicados com esta descoberta.

Fonte: Simbiotica

Saber mais:

Earth Hour 2008 - 60 minutos de luzes apagadas para iluminar consciências

Earth Hour 2008 - 60 minutos de luzes apagadas para iluminar consciências

Estamos em contagem decrescente para a Earth Hour, que decorrerá entre as 20 e as 21 horas de 29 de Março de 2008, o movimento global para desligar as luzes por uma hora como forma de marcar a nossa posição em relação às alterações climáticas.

Mais e mais indivíduos, negócios e mesmo cidades estão a planear participar. Juntos faremos passar uma poderosa mensagem a todos os cidadãos e líderes mundiais acerca da necessidade de acção rápida para conter as alterações climáticas. A Earth Hour é uma oportunidade para cada um de nós agir, influenciando outros e iniciar uma onda de mudança que altere o curso das alterações climáticas.

Earth Hour

As alterações climáticas são a maior ameaça à natureza e à humanidade que enfrentamos no século XXI. Ao apagar as luzes durante apenas uma hora vamos inspirar o mundo a desligar o aquecimento global.

Mas apagar as luzes é apenas o começo. O que pode cada um de nós individualmente fazer face às alterações climáticas? Eis algumas dicas para ajudar cada um de nós a ter mais impacto:

  • tenha a certeza de ser contado: inscreva-se para a Earth Hour clicando aqui e comprometa-se a apagar as suas luzes a 29 de Março, entre as 20 e as 21 horas, locais;

  • apele aos seus amigos, família, colegas e contactos para que mostrem o seu apoio a esta iniciativa, use ou modifique a amostra de e-mail 'diga a um amigo' do WWF;

  • escreva no seu blog acerca da Earth Hour, adicione um Earth Hour web banner ao seu site ou use autocolantes Earth Hour;

  • passe a palavra e crie o seu próprio evento, como comunidade ou bairro;

  • a Earth Hour é num sábado logo, se o tempo estiver bom, porque não um pic-nic debaixo das estrelas?

  • organize uma festa Earth Hour, ponha os mais crescidos a dançar no escuro e os mais pequenos a brincar às escondidas ou a contar histórias de meter medo;

  • aproveite para observar as estrelas, será uma hora livre da poluição visual causada pelas luzes das cidades;

  • peça ao seu restaurante ou bar preferido que participe na Earth Hour reduzindo a iluminação ou usando velas;

  • faça uma lista das formas como tenciona reduzir o seu consumo de energia: desligar electrodomésticos que não estão em uso, mudar para lâmpadas compactas, manter os pneus devidamente cheios, ajustar os termóstato, etc. Mostre a sua lista aos outros e leve-os a fazer uma.

A ideia da Earth Hour tem captado os corações e as mentes de pessoas em todo o mundo e esperamos que capture também as vossas. Ficamos ansiosamente à espera de participar, juntamente com milhares de apoiantes da WWF, neste evento espantoso e inesquecível.

Fonte: Simbiotica

Saber mais:

Earth Hour

Glaciares com reduções recorde

Perda de gelo na Antárctica acelera

Níveis de gases de efeito de estufa estão a acelerar

Concertos em nome da salvação da Terra

Efeitos das alterações climáticas avaliados

Subida do nível do mar pode ser catastrófica

Earth Hour 2008 - apague a luz e ilumine as consciências!

Ganhador do Nobel e Campanha de ex-mulher de McCartney liga carne a efeito estufa

Campanha de ex-mulher de McCartney liga carne a efeito estufa PDF Imprimir E-mail

Campanha Hot!
Heather Mills acusa a imprensa de tratá-la pior que assassinos

Ragendra é presidente do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, ganhador de prêmio Nobel

A Organização Não-Governamental Viva! lançou nesta semana a campanha "HOT!" (quente, em tradução literal) para convencer mais pessoas a deixar de comer carne – como forma de combater o aquecimento global.

À frente da campanha está a ex-mulher do astro Paul McCartney, Heather Mills, uma das líderes do grupo e que aparece nos cartazes e out-doors, inclusive em uma brincadeira com o fato de ela não ter uma perna.

"You haven't got a leg to stand on!" (você não tem uma perna para te sustentar, em tradução livre) – é o que diz um dos cartazes, endereçado a pessoas e organizações que se consideram ambientalistas, mas não são vegetarianas.

Em outro cartaz ela aparece diante de terras desertificadas ao lado da mensagem "Hey Meaty! You're making me so hot!" (ei, carnívoro, você está me deixando tão quente!, em tradução livre).

A campanha é baseada em estatísticas publicadas em um relatório da agência de Alimentação e Agricultura da ONU e em um estudo da própria ONG Viva!.

Efeito estufa

De acordo com os estudos, a criação de gado para corte e laticínios é a segunda atividade que mais emite gases do efeito estufa, atingindo 18% do total.

A propaganda compara este número com as emissões combinadas de todos os meios de transporte, que ficariam em 13,5% do total.

"Essas atividades são a maior causa de extinção de florestas e de desmatamento de florestas: 70% da Amazônia desmatada é usada como pastagem e os outros 30% para o cultivo de forragem para animais", diz a campanha da Viva!

Nas palavras de Heather Mills, a criação de animais para abate e laticínios "é hoje uma das maiores ameaças ao nosso planeta".

A ex-modelo está no meio de um processo de separação de McCartney, com quem teve uma filha, e recentemente acusou a imprensa de tratá-la pior do que pedófilos e assassinos.


Fonte: http://www.vegetarianismo.com.br

Limão neutraliza odores nas mãos e pode ser usado para clarear roupas


13/03/2008 - 09h05


da Folha de S.Paulo

Versátil e multiuso na cozinha, o limão transita em bebidas, pratos quentes e sobremesas. E ainda pode ajudar nas tarefas domésticas, como conta a química Conceição Trucom, autora do livro "O Poder de Cura do Limão" (ed. Alaúde).

"Um dos usos mais comuns dessa fruta é para eliminar odores ruins nas mãos, pois o óleo presente na casca neutraliza o mau cheiro", conta. Após usá-lo, deve-se lavar bem as mãos, para evitar manchas provocadas pela exposição ao sol.

Para manter as peças metálicas do fogão brilhantes, a especialista indica o suco de limão, que pode ser misturado com açúcar ou sal para que, como uma pasta abrasiva, remova manchas e restos de comida mais facilmente.

Esse cítrico também serve para clarear roupas brancas: o suco deve ser espremido diretamente na mancha ou acrescido à água da lavagem.

Trucom ainda o indica para higienizar verduras (na proporção de um litro de água para o suco de um limão) e utensílios de madeira, como colheres e tábuas. Depois de lavar a peça com sabão, pode-se passar suco de limão sobre ela e deixar agir por dez minutos. "O limão é naturalmente bactericida." Por isso, pode ser usado na limpeza do filtro de barro. "Basta passar a casca em volta para evitar que fungos se proliferem."
sexta-feira, 21 de março de 2008

Preservar áreas não construídas é a melhor defesa ao aumento dos mares

Com oito mil quilômetros de costa, o Brasil pode sofrer grandes impactos com o aumento do nível dos oceanos. A preservação das áreas ainda não construídas é hoje a melhor maneira de adaptação para as cidades costeiras, uma vez que há pouco o que se fazer com relação às áreas já edificadas. "É um problema difícil e complexo, mas com uma boa gestão pode ser levado adiante", afirma o geólogo Norberto Olmiro Horn Filho, que coordena o Curso de Oceanografia da Universidade Federal de Santa Catarina.

A faixa mínima de 50 metros de distância dos mares para construções urbanas estabelecida pelo Projeto Orla é citado por Horn como exemplo a ser seguido para proteger as cidades de mudanças nos níveis dos oceanos.

O Projeto Orla, criado em 2001 pelo Ministério do Meio Ambiente, identifica as principais demandas na orla brasileira e propõe ações para preservar os ecossistemas e promover um crescimento urbano sustentável, que responda aos desafios do uso e ocupação de forma desordenada e do aumento dos processos erosivos. Hoje, 58 municípios em 14 estados participam do projeto.

Horn esclarece que é preciso preservar toda a zona costeira, que, além da orla, é composta pela planície adjacente (área terrestre até 60 metros de altura do nível do mar) e pela plataforma continental, a porção dos fundos marinhos que começa na linha de costa e vai até a profundidade de 200 metros.

Caminhando em direção contrária às adaptações diante de um mundo aquecido, alguns países ainda insistem em desafiar os limites da Terra, construindo grandes ilhas artificiais. Este é o caso do Aeroporto Internacional de Chubu, no Japão, e de dois arquipélagos de Dubai – Palm Island, em formato de uma gigantesca palmeira, e The World, em formato do mapa múndi.

Somente o arquipélogo The World possui 931 hectares e criará 232 quilômetros de orla, usando 320 milhões de metros cúbicos de areia do mar.

Ao apresentar imagens de projetos como este, o geólogo indaga se as escolhas feitas hoje são sustentáveis."Será que as cidades costeiras estão sustentavelmente adaptadas para as variações do mar? E a população está preparada?", questiona.

Horn destaca que, ao longo dos últimos 65 milhões de anos, houve variações no nível do mar com aumentos naturais e sem a influência antropogênica. Porém com o aumento da temperatura observado atualmente e o processo de aceleração do derretimento do gelo nos pólos, a situação muda. "Eu gostaria de pensar que é um processo natural, mas estou inclinado a pensar que é artificial, ou seja, causado pelo homem", afirma. (CarbonoBrasil)

Perguntas sobre a Linhaça

Existe uma comercialização crescente de farinha de linhaça e até uma divulgação pela internet sobre os benefícios dela. As pessoas me escrevem desorientadas pois, em geral, acessaram informações de que a linhaça deve ser consumida inteira. Outras fontes afirmam que precisa ser previamente torrada e outras que a melhor forma de consumi-la é triturada.

Qual informação seguir?

A linhaça é uma semente, a semente do linho.
Como todas as sementes, ela contém substâncias de proteção contra ataque de fungos, carunchos e bactérias, de tal forma a preservar o seu destino: germinar e virar uma planta. Estas substâncias são tóxicas (para os bichinhos e para nós humanos) e são chamadas de antinutricionais e alérgenos. Principalmente se o consumo daquela semente é exagerado.

Primeira resposta: o consumo diário seguro de semente de linhaça é de 1 colher de sopa (adultos) e 1 colher de sobremesa (crianças). Lembrando que todas as sementes oleaginosas (girassol, gergelim, castanha-do-Pará, castanha de caju, semente de abóbora, etc.) têm esta mesma medida de segurança.
Mas as sementes são alimentos riquíssimos em nutrientes essenciais como sais minerais, proteínas vegetais, gorduras nutricionais, enzimas e fibras. Elas são consideradas alimentos biogênicos, ou seja, que geram vida, pois contêm, naquele seu pequeno espaço, todas as informações genéticas e nutricionais para gerarem um novo ser, uma nova planta. Elas são tão fortes que não precisamos, como exposto acima, ingerir muito, não é uma questão de quantidade, mas qualitativa.

Segunda resposta: para evitar os antinutricionais e alérgenos das sementes, basta deixá-las que germinem. Porque durante a germinação a semente entende que chegou a hora de se transformar: semente -> germinado -> planta.
Neste momento (o da germinação), todas aquelas substâncias que cumpriam a função de defesa e preservação da integridade da semente se transformam em agentes de propulsão e crescimento. O germinado costuma conter doses elevadas de enzimas, vitaminas e substâncias vitalizantes, ativadoras de vida. Por este motivo, sempre que se for consumir sementes, elas devem estar cruas e minimamente germinadas: 8 horas de molho em água filtrada (umidade) durante a noite (escurinho), que é uma simulação do solo. Desta forma, o aproveitamento de todo o material biológico e energético deste tipo de alimento será maximizado.
Mas, se qualquer semente ou alimento for cozido no fogo, acima de 100 graus por 5 minutos ou mais, todas as enzimas, vitaminas termodegradáveis e as informações genéticas de propulsão da vida serão destruídas. Restam somente alguns nutrientes, mas a qualidade biogênica foi degradada irreversivelmente. Experimente germinar uma semente após sua torra.

Terceira resposta: quando o consumo for com propósito terapêutico e curativo as sementes devem ser consumidas cruas e idealmente pré-germinadas.
Toda semente é rica em proteínas e gorduras nutricionais. Aliás, "sê-mente", nos lembra que esta composição é muito semelhante a das células cerebrais: lipo-proteínas. E, esta fração gordurosa em geral é poliinsaturada, como a famosa família dos ômega-3. Ácidos graxos poliinsaturados significa, entre outras questões do mundo da química, que são FACILMENTE OXIDADOS (estragados, rançados, envelhecidos, intragáveis, causadores de quadros alérgicos, enxaquecas, vômitos, etc.).
E a linhaça é campeã no teor de ômega-3. É o alimento do reino vegetal mais concentrado neste nutracêutico. Quem protege todo este teor elevado de poliinsaturados da linhaça é sua casca.

Quarta resposta: triturou tem que ingerir o mais rápido possível. Porque se triturar e não consumir imediatamente, a farinha obtida irá se oxidar rapidamente e não servirá para consumo. Deverá ser jogada fora. Assim, o correto é comprar a linhaça crua, fresca e inteira. E, ir germinando e triturando no dia-a-dia, conforme o tamanho do consumo daquela pessoa ou família.
O que acontece? Na produção do óleo de linhaça, que tem elevado valor terapêutico e comercial, sobra uma borra de fibra e proteína com baixo teor de gordura. Tal subproduto é seco e comercializado como farinha de linhaça. Ou seja, além de estar oxidada, tem contaminantes do processo industrial e é um alimento esvaziado da sua integralidade, da sua alquimia de ser biogênico, nutracêutico, terapêutico e curativo.

Quinta resposta: não existe diferença significativa entre linhaça marrom e dourada. Em termos de ômega-3 a marrom leva vantagem. O mais importante é que seja fresca, bem conservada e que haja um consumo diário, jamais esporádico.

Sexta resposta: se o seu médico recomendou tomar cápsulas de óleo de linhaça como suplemento de ômega-3, significa que quadros inflamatórios estão freqüentes, certo? Mas as cápsulas são "suplementos". Quem é completa e possui a alquimia natural de um alimento biogênico é a semente na íntegra. Ou seja, além das cápsulas, siga com a recomendação diária da semente "dormida" em água, como indicado na primeira resposta acima.

Conceição Trucom é química, cientista, palestrante e escritora sobre temas voltados para o bem-estar e qualidade de vida. Reprodução permitida desde que mantida a integridade das informações e citada a autora.
Email: mctrucom@docelimao.com.br

Por que nunca deve-se comer em frente à TV?

a, e sentir o gosto do que está comendo fica muito mais fácil quando esta é a única atividade no momento. Isso trará consciência do que comeu, do quanto comeu... conferindo uma maior sensação de saciedade"
É incrível como certas atitudes enraizadas no nosso dia-a-dia podem colaborar com o ganho de peso. Quem não adora jantar assistindo a novela ou fazer um lanchinho na hora do filme? Ou então fazer o desjejum lendo o jornal? Agora eu lhe pergunto novamente: quem consegue fazer duas coisas ao mesmo tempo? Mas tem que ser bem-feitas.

Refeição deve ser ritualística

É por isso que nutricionistas do mundo inteiro alertam que a hora da refeição tem que ser tratada de forma ritualística. Tem que ser um momento tranqüilo, em que se presta atenção a cada garfada colocada na boca. Um momento para conversar com a família, contar as novidades do dia – muito diferente de várias famílias que deixam para esse momento as discussões rotineiras.

Mastigar bem a comida, com calma, e sentir o gosto do que está comendo só é possível quando esta é a única atividade no momento.

Recentemente li uma pesquisa interessante onde era oferecido gratuitamente para todos os indivíduos que entrassem no cinema um pacote de pipoca. A única condição era que fosse devolvida a embalagem na saída do filme, estando ela vazia ou não. O detalhe que ninguém sabia era que alguns pacotes continham pipoca fresquinha e outros continham pipoca velha. Ao se analisar os restos de pipoca consumidos durante o filme, notou-se que não havia diferença significativa na diferença de restos de pipocas gostosas e as ruins. Isso é só um exemplo de como a televisão magnetiza as atenções e não nos permite discriminar o que estamos comendo.

Vocês já devem ter visto vários filmes americanos onde o protagonista pega alguma coisa (normalmente pote de sorvete) e leva pra a frente da TV. Me lembro particularmente de um filme de Eddie Murphy – o Professor Aloprado, onde toda a família de obesos fica comendo na frente da tela. Não estou querendo dizer que só pessoas obesas comem na frente da TV, mas sim tentar mostrar que na frente da TV nos distraímos a tal ponto que não nos damos conta DO QUE estamos comendo e, principalmente, DO QUANTO estamos comendo. Isso pode ser fatal se você estiver em briga com a balança.

Tudo bem, o correto é comer calmamente, com a família conversando. E em relação aos lanches? Os lanches, apesar de serem refeições secundárias, também devem ser feitos de uma forma que os valorize. Comer dirigindo ou na frente do computador nos dá a sensação de que nem comemos. Tente valorizá-los, vá até a cozinha, prepare-os, coloque a comida num prato, o suco num copo e tudo vai ficar com uma cara diferente. Você vai perceber que comeu, e então a saciedade vai ser outra.

E se a hora do lanche for justamente durante seu programa de televisão favorito? Espere o intervalo e prepare a refeição. Volte para o programa e espere o novo intervalo para comer. E então, saboreie! Mas com calma...e não deixe se influenciar pelos comerciais! A indústria alimentícia tem gasto verdadeiras fortunas para contratar as melhores agências de publicidade e te deixar salivando, louco para correr e comprar a nova guloseima do mercado.

O ideal é nunca comer em frente à TV

Meu conselho é para que nunca, nunca se coma na frente da TV. Mas se você é daquela turma que insiste no erro, pelo menos tente levar porções pequenas, para que não cometa nenhum abuso. Ou seja, ao invés de levar o pote de sorvete, um pires com uma bola já é suficiente. Se gosta de bolacha, evite carregar o pacote inteiro, duas ou três já te saciarão plenamente. Mesmo com frutas, evite exageros, pois tudo que é em excesso não é legal, mesmo sendo saudável. Assim, evite levar a caixa de morangos, um enorme cacho de uvas os a caixa de figos para assistir seu programa favorito.

O grande truque é valorizar o que estamos comendo. Preparar a refeição como se fosse receber a mais importante das visitas. Saborear o prato, sentir o cheiro, o sabor, engolir com calma...e não deixar que nada possa interferir neste momento tão especial.


Adriana Kachani
Nutricionista formada pelo Centro Universitário São Camilo - SP. Coordenadora da equipe de nutrição dos ambulatórios PROMUD e Pró-Mulher, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas/SP. Mestranda em Ciências pelo Departamento de Fisopatologia Experimental da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

O pai da medicina estava certo ...

A sociedade ocidental considera o alimento como entretenimento e fonte de prazer apenas não focando a questão do bem-estar e acaba demonstrando mais problemas de saúde. A obesidade afeta 300 milhões de pessoas, o diabete apresenta números similares ao da obesidade e os problemas relacionados com o abuso de alimentos estão emergindo com grande destaque. Estamos diante de uma profunda perda de direção no que se refere ao entendimento do alimento como uma medicina.

"Deixe o alimento ser sua medicina e a medicina ser seu alimento". São palavras de Hipócrates, considerado o pai da medicina moderna, que foram proferidas há 2.500 anos atrás. Ainda hoje o profissional médico trabalha com a dieta mas a prioridade é para a prescrição e distribuição de poderosos medicamentos, destinados a corrigir os erros de décadas no manejo do corpo.

Seria interessante se os profissionais da medicina delineassem alimentos e dietas para manter seus pacientes saudáveis neste momento, para fazer frente aos diversos problemas de saúde, resultantes do uso inadequado dos alimentos. Não são todas as condições que podem ser aliviadas ou melhoradas com a dieta mas um grande número delas seria e sem efeitos adversos para a saúde, como os envolvidos em tratamentos medicamentosos.

As estatinas são medicamentos que podem diminuir o colesterol mas os efeitos adversos incluem danos hepáticos e falha renal. Uma dieta com alto teor de gordura insaturada, fibras solúveis e fitoesteróis também pode diminuir o colesterol, sem efeitos adversos.

A opção por soluções que passem pela dieta e alimentação do paciente deveriam ser uma rotina na prática médica. Infelizmente muitos pacientes desconhecem essas opções. Uma das justificativas para os médicos não incluírem a abordagem nutricional refere-se ao fato das últimas informações sobre tratamentos serem apresentadas pelas indústrias farmacêuticas. Existe um interesse em promover medicamentos para que os médicos prescrevam. Ao mesmo tempo, existe uma carência para dados e informações sobre estudos dietéticos, em formato adequado e de fácil acesso para o profissional médico consultar. Numa pesquisa feita no último ano na Universidade de Washington, em Seattle, 66.5% dos médicos disseram que gostariam de mais informações sobre como controlar o peso. Na mesma pesquisa, muitos dos profissionais médicos demonstraram querer conhecer mais sobre dieta e prevenção de doenças.

A linha atual de ação é fornecer informações para o profissional médico. A "American Dietetic Association" recentemente introduziu um programa de educação continuada através do jornal da instituição. No entanto, parece que os médicos demonstram uma relutância em procurar por informações, preferindo que elas sejam entregues diretamente em seu ambiente de trabalho.

Uma solução política foi proposta pelo senador Bill Frist. Ele é autor do IMPACT (Improved Nutrition and Physical Activity Act) introduzido no mês passado. Busca-se fundos federais para financiar o treinamento de profissionais da saúde no diagnóstico, tratamento e prevenção da obesidade bem como das desordens alimentares.



----------------------------------------------------

Fontes: foodnavigator.com / europe /
julho, 2005

Apêndice pode ter a função de recolonizar o cólon após diarréias ou tratamentos com antibióticos

Apêndice pode ter a função de recolonizar o cólon após diarréias ou tratamentos com antibióticos
De acordo com novas pesquisas, ao contrário do que se sabe até hoje, o apêndice vermiforme pode ser importante para a sobrevivência de bactérias intestinais comensais e para a recolonização do cólon após diarréias ou uso de antibióticos que matam, além das bactérias patogênicas, também a flora comensal.

As bactérias comensais estão presentes no intestino e vivem em harmonia com o hospedeiro, ajudando a digerir a celulose, sintetizando compostos nutricionais como a vitamina K e componentes vitamínicos do complexo B. Também ajudam a matar bactérias que podem agredir o intestino humano.

Estudo, publicado no Journal of Theoretical Biology e realizado por cientistas da Universidade de Duke, propõe esta nova e única função para o apêndice vermiforme. Vários experimentos mostraram que o apêndice funciona como reserva de proteção da flora bacteriana comensal. Após uma infecção intestinal ou o uso de antibióticos que matam a flora intestinal do cólon, as bactérias presentes no apêndice podem ajudar na recolonização do intestino, reequilibrando as funções deste órgão.

Apesar dos resultados desta pesquisa, os cientistas alertam que nada muda no tratamento atual da apendicite. Ela continua a ser tratada com a retirada cirúrgica do apêndice.

Fonte: Journal of Theoretical Biology
22 de outubro de 2007

Prevenção do câncer: publicado relatório oficial com as mais novas recomendações sobre prevenção do câncer pelo World Cancer Research Fund e American

Prevenção do câncer: publicado relatório oficial com as mais novas recomendações sobre prevenção do câncer pelo World Cancer Research Fund e American Institute for Cancer Research

O relatório oficial publicado este mês pelo World Cancer Research Fund em conjunto com o American Institute for Cancer Research é o que há de mais abrangente sobre prevenção de câncer. Foram seis anos de estudo até a produção e revisão finais de todas as pesquisas disponíveis sobre prevenção de câncer. Inicialmente englobou 500 mil estudos, que foram filtrados para 7 mil, os quais seguiam o padrão rigoroso de inclusão neste relatório.


Este processo de revisão da literatura foi realizado por nove universidades independentes. Elas apresentaram as informações a um grupo de 21 médicos especialistas, que revisaram o conjunto de evidências, extraíram conclusões e acrescentaram recomendações.


O World Cancer Research Fund publicou as 10 recomendações para prevenção do câncer, baseado nas conclusões deste relatório. Elas mostram que o consumo de certos alimentos e hábitos de vida afetam o risco de uma pessoa desenvolver câncer.


As 10 recomendações do World Cancer Research Fund são:




1. Mantenha-se o mais magro possível, sem estar abaixo do peso ideal


Evidências mostram que o ganho de peso e a obesidade aumentam o risco de desenvolver vários tipos de tumores, incluindo o câncer de intestino e de mama.


Mantenha um peso saudável com uma dieta balanceada e a prática de atividades físicas regulares para ajudar a manter o seu risco baixo.




2. Faça uma atividade física por pelo menos 30 minutos por dia


Há fortes evidências de que a atividade física protege contra os tumores de intestino e de mama. E também ajuda a manter o peso ideal.


Qualquer tipo de atividade conta. Quanto mais você faz exercícios, melhor! Tente colocar isso em prática na sua vida.





3. Evite bebidas adocicadas. Limite o consumo de alimentos processados, com adição de açúcar, pobres em fibras e ricos em gorduras.


Esses alimentos geralmente são pobres em nutrientes, têm excesso de gordura e/ou açúcar, aumentam o risco de obesidade e câncer. Bebidas doces como “colas” e sucos de frutas adoçados artificialmente podem contribuir para o ganho de peso. Sucos de frutas, mesmo sem adição de açúcar, parecem ter o mesmo efeito. O melhor é não ingeri-los em grandes quantidades.


Procure comer vegetais, frutas e cereais. Opte por água, café e chá sem açúcar no lugar de bebidas adoçadas.





4. Coma mais de uma porção de vegetais, frutas, cereais e legumes como feijão e ervilha


Pesquisas mostram que vegetais, frutas e outros alimentos contendo fibras (como cereais e legumes) podem proteger contra câncer de boca, estômago e intestino. Eles também ajudam a proteger contra o ganho de peso e a obesidade.


Faça 5 refeições por dia, tente incluir cereais (por exemplo, arroz integral, massas e pães integrais) e/ou legumes em todas as refeições.





5. Limite o consumo de carnes vermelhas (carne bovina, carne de porco e de cordeiro) e evite alimentos processados.



Há fortes evidências de que carnes vermelhas e alimentos processados causam câncer e de que não há quantidade de alimentos processados que pode ser segura para não aumentar o risco de desenvolver câncer.


A meta é limitar o consumo de carne vermelha a menos de 500 gramas (cozida) e 700-750 gramas (crua) por semana. Evite alimentos processados como bacon, salame, salsicha, presunto e conserva de carne bovina.



6. Limite a ingestão de bebidas alcóolicas. Se optar por consumi-las, não exceda a quantidade de 2 drinks para homens e 1 drink para mulheres por dia.


Desde o primeiro relatório de prevenção do câncer em 1997, as evidências de que bebidas alcóolicas aumentam o risco de câncer de mama e de intestino são muito fortes.


O consumo de qualquer quantidade de álcool aumenta o risco de câncer. No entanto, há algumas evidências que sugerem que pequenas porções de álcool protegem contra doenças cardíacas. Então, se você optar por consumir bebidas alcóolicas, faça isso com moderação.



7. Limite o consumo de alimentos salgados


Evidências mostram que sal e alimentos conservados com sal provavelmente causam câncer de estômago. Tente usar ervas e especiarias para temperar seus alimentos e lembre-se que alimentos processados, incluindo pães e cereais matinais, podem conter grandes quantidades de sal.



8. Não use suplementos para se proteger contra o câncer


Pesquisas mostram que suplementos de nutrientes em altas doses podem afetar o seu risco de desenvolver câncer, mas o melhor é optar por uma dieta balanceada, sem suplementos.


No entanto, os suplementos são recomendados para alguns grupos de pessoas, mas devem sempre ser prescritos por um médico.


Recomendações para populações especiais


As recomendações 9 e 10 não se aplicam para todas as pessoas, mas, se elas são relevantes para você, o melhor é segui-las.



9. As mães devem amamentar seus filhos, exclusivamente ao seio, por 6 meses e depois acrescentar novos líquidos e alimentos à dieta do bebê


Evidências mostram que amamentar protege as mulheres do câncer de mama e os bebês do ganho excessivo de peso.



10. Depois de um tratamento para qualquer tipo de câncer, os sobreviventes do câncer devem seguir as recomendações acima para prevenir novos tumores


Este relatório encontrou evidências crescentes de que manter um peso corporal saudável através de uma dieta balanceada e a realização de atividade física regularmente pode ajudar a reduzir a recorrência de câncer.


Lembre-se sempre: não fume ou mastigue tabaco/fumo. Fumar e usar tabaco de qualquer forma aumenta o risco de câncer e outras doenças sérias.


Fonte: World Cancer Research Fund

05 de novembro de 2007

Cigarro acelera queda capilar em homens uma vez que destrói os folículos pilosos, interfere nas circulações sangüínea e hormonal do couro cabeludo e a

Cigarro acelera queda capilar em homens uma vez que destrói os folículos pilosos, interfere nas circulações sangüínea e hormonal do couro cabeludo e aumenta a produção de estrogênio
Fumar vinte ou mais cigarros por dia pode destruir os folículos pilosos, interferir nas circulações sangüínea e hormonal do couro cabeludo ou aumentar a produção de estrogênio levando à aceleração da perda capilar em homens, segundo Lin-Hui Su, do Hospital Memorial do Extremo Oriente (Far Eastern Memorial Hospital), e Tony Hsiu-Hsi Chen, da Universidade Nacional de Taiwan (National Taiwan University).


A observação de 740 homens em Taiwan, com idade entre 40 e 91 anos (idade média de 65 anos), concluiu que o cigarro tem papel importante no desenvolvimento da perda capilar moderada ou grave nos casos em que os homens fumam 20 ou mais cigarros ao dia. O estudo, publicado na edição de novembro do Archives of Dermatology, recomenda que homens que mostrem sinais de perda capilar precoce sejam alertados de que o hábito de fumar pode acelerar este processo e que eles devem parar de fumar para iniciar uma prevenção desta perda.


As classificações de Norwood e Ludwig foram usadas para classificar o grau de perda capilar. Através de questionários, foram coletadas informações sobre o hábito de fumar em conjunto com outros possíveis fatores de risco e idade de início da alopécia. Após análises estatísticas, concluiu-se uma associação positiva entre alopécia androgenética, hábito de fumar 20 cigarros ou mais por dia e a intensidade do fumo.


Pacientes com história de alopécia androgenética de início precoce devem receber orientações preventivas para evitar uma progressão avançada da perda capilar.


Estudos prévios já demonstraram que este tipo de perda capilar é menor para homens asiáticos, negros e ameríndios em comparação com homens caucasianos.

Fonte: Archives of Dermatology

20 de novembro de 2007

Brasil terá mais de 460 mil novos casos de câncer em 2008. Confira a “Estimativa de Incidência do Câncer” publicada pelo INCA

Brasil terá mais de 460 mil novos casos de câncer em 2008. Confira a “Estimativa de Incidência do Câncer” publicada pelo INCA

A Estimativa 2008 de Incidência do Câncer no Brasil revela que aproximadamente 470 mil novos casos da doença deverão ocorrer no país em 2008 e 2009. O tipo mais incidente será o câncer de pele não melanoma, seguido pelo câncer de próstata (49.530 novos casos), mama (49.400), pulmão (27.270), cólon e reto (26.990), estômago (21.800) e colo de útero (18.680). O anúncio foi feito pelo Instituto Nacional de Câncer (INCA) durante o 2º Congresso Internacional de Controle de Câncer realizado em novembro.



O câncer precisa ser encarado como um problema de saúde pública. A prevenção e a detecção precoces são as formas mais importantes de controle do câncer, pois pelo menos um terço dos novos casos de câncer que ocorrem no mundo todos os anos poderiam ser evitados.



Sem contar os casos de câncer de pele não melanoma, os tipos de câncer com maior número de novos casos no sexo masculino serão os de próstata e pulmão. Em mulheres a incidência será maior nos cânceres de mama e colo de útero. O perfil da doença é semelhante ao observado em outros países. Entre homens, estima-se que haverão 231.860 novos casos de câncer, sendo os tipos mais incidentes o câncer de pele não melanoma (59 novos casos a cada 100 mil homens), próstata (52/100.000), pulmão (19/100.000), estômago (15/100.000) e cólon e reto (13/100.000). Apesar do número absoluto de casos entre mulheres ser similar à incidência esperada entre homens – 234.870, o que representa 50,3% do total de casos em 2008 –, o perfil é bastante diferente. Espera-se 51 novos casos de câncer de pele não melanoma a cada 100 mil mulheres, seguidos pela incidência de câncer de mama (51/100.000), colo de útero (19/100.000), cólon e reto (15/100.000) e pulmão (10/100.000).



Sul e Sudeste apresentam as maiores taxas esperadas de casos novos de câncer, refletindo as heterogeneidades regionais, enquanto a região Centro-Oeste apresenta padrão intermediário. A região Norte apresenta as menores taxas.



O crescimento da incidência do câncer está relacionado ao envelhecimento da população. O perfil do câncer no Brasil vem acompanhando o perfil observado em países desenvolvidos. As mudanças refletem o processo de urbanização e a ampliação do acesso à informação.



Fonte: INCA
30 de novembro de 2007

Confira o documento completo em:

Estimativa 2008 - Número de casos novos de uma doença em um
certo grupo de pessoas por um certo período
de tempo.
','')">Incidência
de capaz de invadir outros órgãos a nível local
ou à distância (metástases).
','')">Câncer
no Brasil

Estudo mostra que pais avaliam o uso de mel como o melhor tratamento para alívio da tosse noturna em crianças com infecção do trato respiratório super

Estudo mostra que pais avaliam o uso de mel como o melhor tratamento para alívio da tosse noturna em crianças com infecção do trato respiratório superior

Cientistas da Universidade Estadual da Pensilvânia relatam, em estudo publicado no periódico Archives of Pediatrics and Adolescent Medicine, que componentes do mel eliminam bactérias do organismo e têm ação antioxidante, além de ser avaliado pelos pais como o melhor tratamento para alívio sintomático da tosse noturna em crianças com infecção do trato respiratório superior.


O estudo analisou 105 crianças com idades entre 2 e 18 anos apresentando infecção do trato respiratório superior, sintoma de tosse noturna e duração da doença menor que sete dias. As crianças foram divididas em três grupos: para o primeiro grupo foi administrada uma colher de mel; para as do segundo, uma colher de xarope industrializado à base de bromidrato de dextrometorfano - derivado morfínico sintético cuja ação antitussígena central começa 30 minutos após a administração oral e mantém-se durante 4 a 5 horas; e o terceiro grupo recebeu um medicamento placebo. Todas as doses foram administradas pelos pais 30 minutos antes das crianças deitarem para dormir. Foi feito um questionário com os pais de cada grupo.


Um questionário respondido pelos pais avaliou os seguintes parâmetros: freqüência, severidade e incômodo causados pela tosse, além da qualidade do sono das crianças e dos pais. Diferenças significativas na melhoria do sintoma foram detectadas entre os grupos: o uso de mel mostrou os melhores resultados e a ausência de tratamento os piores. Comparando os resultados, o mel foi significativamente melhor que a ausência de tratamento em relação à freqüência da tosse, mas o uso de dextrometorfano não foi melhor que a ausência de tratamento para nenhum parâmetro avaliado.


Ian Paul, coordenador do estudo, afirma que outras pesquisas são necessárias, mas espera que os pediatras considerem mais o mel como uma alternativa segura e barata para o tratamento da tosse infantil


Fonte: Archives of Pediatrics and Adolescent Medicine
06 de dezembro de 2007

Estudo revela que consumo exagerado de carnes vermelhas ou de carne processada pode aumentar o risco de câncer

Estudo revela que consumo exagerado de carnes vermelhas ou de carne processada pode aumentar o risco de câncer
Artigo publicado na revista científica PLoS Medicine relata que o consumo de carne vermelha ou de carne processada pode estar associado ao maior risco de desenvolver câncer de intestino e de pulmão. O estudo também encontrou associação positiva entre risco mais elevado de ter um diagnóstico de câncer de esôfago e de fígado e a maior ingestão de carnes.



Os pesquisadores analisaram a dieta e o histórico de saúde de 494 mil pessoas com idades entre 50 e 71 anos. Aqueles que consumiam mais carne tiveram, ao longo de oito anos, 25% a mais de chances de serem diagnosticados com o câncer colorretal. Em relação ao câncer de pulmão, esse aumento foi de 20%. Eles afirmam que um em cada dez casos de câncer de pulmão e de intestino poderia ser evitado se as pessoas diminuíssem a ingestão de carnes vermelhas, carnes defumadas, presunto, salsichas e bacon. O estudo também encontrou associação positiva entre o consumo elevado de carnes vermelhas e processadas e um maior risco para câncer de esôfago e de fígado.


Relatório do Fundo Mundial para Pesquisa do Câncer deste ano alertou que a carne vermelha é um dos principais fatores para o aparecimento da doença. A recomendação é que as pessoas parem de comer carne processada e limitem a ingestão de carne vermelha para até três bifes de 170 gramas por semana.


Os cientistas acreditam que a carne vermelha possui substâncias que podem aumentar a síntese de DNA e a proliferação celular, afetam o metabolismo hormonal, promovem danos aos radicais livres e produzem aminas heterocíclicas carcinogênicas, podendo desencadear o processo cancerígeno. Estas substâncias são: nitrosaminas – que requerem a ativação metabólica para se converter em formas carcinogênicas; nitrosamidas - que não requerem esta ativação; além de sais, nitratos, nitritos, ferro heme, gorduras saturadas e estradiol.


Os fatores de risco mais importantes para o desenvolvimento de câncer nos Estados Unidos são o cigarro e a obesidade. Entretanto, entendendo a complexa interação entre dieta, fumo e obesidade, assim como a maneira como são metabolizados alimentos específicos e nutrientes, poderemos entender melhor como prevenir o câncer.


Fontes: PLoS Medicine
12 de dezembro de 2007

Tratamento com alimentos crus

Antes que me desse conta da importância dos alimentos crus, minha atitude era exatamente a mesma de outros médicos — tratava dos sintomas da doença, sem pensar na prevenção. No futuro, encontrar meios de prevenção, muito mais do que fazemos hoje, deveria ser dever da profissão médica ao invés de tentar curar quando já é tarde.

Adotei uma alimentação exclusivamente crua porque fiquei gravemente doente. Tive câncer da mama. A doença, é claro, havia sido precedida de má nutrição e maus hábitos durante doze anos de formação hospitalar.

Inicialmente, descobri um pequeno nódulo no seio direito. Cansada e sem ânimo, não prestei muita atenção ao nódulo até cinco semanas mais tarde. Descobri que estava do tamanho de um ovo de galinha. Havia crescido aderindo à pele — um sinal característico do câncer. Como médica, estava suficientemente bem informada para não querer me submeter ao tratamento geralmente usado nesses casos. Lembrei, então, de passar para uma alimentação 100% vegetariana crua.

Parti em busca da natureza. Vivi durante algum tempo em uma pequena ilha. Tomava banhos de sol durante várias horas por dia, dormia em uma barraca e tomava banhos de mar. Alimentei-me exclusivamente de frutas e hortaliças cruas. Mais tarde, introduzi esse hábito de vida no sanatório Humlegaarden.

Após dois meses, comecei a melhorar. O nódulo foi regredindo e minhas forças voltaram. Aparentemente, estava curada e me sentia muito bem.

Após um ano de boa saúde — persuadida pelo Dr. Hindhede — tentei voltar, a título de experiência, a uma alimentação vegetariana que incluía 50% de alimentos vegetais cozidos. Não deu outra. Após alguns meses, comecei a sentir uma dor aguda no seio onde o tumor havia aderido à pele. A dor aumentou e percebi que o câncer estava crescendo novamente. O câncer voltara devido aos alimentos cozidos. Mais uma vez, voltei à alimentação crua. A dor diminuiu rapidamente e eu me senti menos cansada.

Como médica, achei que deveria usar a experiência adquirida para ajudar outras pessoas doentes. Sob minha iniciativa, foi criada uma sociedade anônima que comprou a propriedade Humlegaarden. Bem adequada ao meu propósito, ela foi adaptada como sanatório onde todos os doentes e funcionários seguiam somente a alimentação crua.

Alimentos crus são vivos

Por que será que a alimentação 100% crua exerce um efeito tão benéfico para as pessoas que a adotam?

Em primeiro lugar, isso ocorre porque o alimento cru é um alimento vivo, tal como nos oferece a Natureza. É somente a planta, com suas finas folhas verdes abertas, que consegue absorver a luz solar e transformá-la em raízes, tubérculos, frutas e sementes. Por isso, tanto homens como animais usam as plantas para proporcionar energia solar ao seu organismo.

Chamo os alimentos crus de alimentos vivos, ao contrário dos alimentos cozidos que considero alimentos mortos. Devemos cuidar para que os alimentos não contenham substâncias que contrariam a química do organismo, para que os resíduos não fiquem retidos por muito tempo e apodreçam no intestino grosso. Portanto, o melhor alimento é totalmente natural — não passou por nenhum tipo de processamento. É preciso acrescentar, o alimento vivo é muito mais fácil de digerir.

Os alimentos crus ajudam e fortalecem o organismo de todas as maneiras porque contêm enzimas, elementos vivos básicos e vitaminas que se combinam de forma natural, dissolvendo e eliminando as toxinas. Toda pessoa sensata percebe que nossa alimentação atual é muito destrutiva. É a causa mais comum e mais grave das doenças físicas e psicológicas e da degeneração constitucional do organismo. Precisamos buscar hábitos de vida e uma alimentação mais saudáveis, se queremos viver melhor agora e no futuro. Não podemos nos contentar fazendo concessões quando a vida e a saúde estão em jogo. Precisamos adotar a única solução correta — uma alimentação 100% crua.

As frutas secas não são tão boas quanto as frescas. Na primavera de 1946, recebemos algumas frutas secas (uvas-passa, tâmaras, ameixas e figos). Pensei que não faria mal incluí-las na minha alimentação, mas estava errada. Essas frutas haviam sido tratadas com produtos químicos a fim de preservá-las e dar-lhes melhor aspecto. Depois de consumi-las durante três ou quatro meses, comecei, de repente, a sentir dores violentas no tecido da mama e descobri um pequeno nódulo no seio direito no exato lugar do câncer anterior. Voltei a comer apenas alimentos frescos e crus e o nódulo desapareceu.

Os alimentos frescos crus contêm o máximo valor nutritivo, não podendo ser aumentado nem melhorado. Esquentar, secar, armazenar, fermentar e conservar reduz e destrói o valor. As hortaliças cozidas têm pouco sabor; é preciso fazer alguma coisa para torná-las saborosas. Misturamos vários alimentos, acrescentamos sal, açúcar, condimentos e manteiga. Também removemos o germe e o farelo do trigo, polimos o arroz, refinamos o açúcar, descascamos as frutas e as batatas e raspamos as cenouras. Carnes, peixes, ovos e queijos fornecem um grande excesso de proteína animal.

Bebidas à base de café, cacau e chá preto contêm estimulantes tóxicos. Além disso, conservamos alimentos com produtos químicos — ácido benzóico, ácido salicílico, salitre, ácido bórico e ácido sulfúrico — para que não deteriorem e tenham boa aparência. Também o uso de medicamentos está aumentando cada vez mais. Tomamos calmantes, soníferos, sedativos e laxantes — todos eles produtos tóxicos estranhos ao organismo.

Resultado da alimentação viva

Vamos abordar por um instante a maneira como essa alimentação age sobre diversas doenças. A ação depende da idade do doente, da intoxicação, do enfraquecimento e da deterioração de sua constituição devido a uma alimentação nociva e maus hábitos.

De forma geral, haverá um efeito curativo sobre quase todas as doenças — quer sejam adquiridas durante nossa vida ou devidas a predisposições hereditárias — se o organismo estiver razoavelmente bem e conseguir se beneficiar de uma alimentação exclusivamente crua.

Percebi, também, que os doentes que se submetem totalmente à alimentação crua perdem, aos poucos, a vontade de fumar.

Quanto mais cedo adotarmos uma alimentação vegetariana crua, mais cedo seus benefícios se farão sentir. As mulheres que adotam uma alimentação crua durante a gravidez, sentem-se melhor. O parto é rápido e quase sem dor; o bebê sadio, forte e ágil, coopera. Os alimentos crus produzem leite bom e abundante, durante todo o primeiro ano, se a mãe continuar comendo cru. Após poucos meses, ela pode começar a dar para o bebê um complemento de frutas e hortaliças raladas na quantidade que pede. Entretanto, nunca deve dar frutas e hortaliças ao mesmo tempo — sempre separadamente.

Mesmo a criança que ainda não nasceu pode ser prejudicada pela má alimentação da mãe, porque é nutrida pelo seu sangue enfraquecido. Assim, existem condições que favorecem a doença e o nenê já nasce fraco. Após o parto, sua saúde deteriora, principalmente quando o leite materno é de qualidade e quantidade insuficientes. Dessa forma, no mundo civilizado, as crianças nascem fracas — algumas mais, outras menos — e a humanidade entra em estado de degeneração.

.E quanto aos idosos ou aos doentes que adotaram essa alimentação tarde demais? O que podem esperar? Todos podem se beneficiar da alimentação vegetariana crua.

As pessoas precisam ser pacientes, mostrar energia e estar muito motivadas. Precisam, também, descansar bastante, principalmente no início. Os primeiros dias podem ser sofridos até que estejam acostumados com essa alimentação e hábitos de vida diferentes. Logo, porém, sentirão uma melhora. O intestino funcionará regularmente, o que para muitos é um grande estímulo.

A alimentação crua exerce seu efeito benéfico sobre todas as formas de reumatismo e artrite reumática, quando essas doenças ainda não atingiram um estado muito avançado. Constatamos o efeito benéfico sobre as doenças causadas por excesso de ácido úrico, sobre a psoríase, enxaqueca, pedras na vesícula, rins e bexiga. Quase todas as doenças da pele são curadas com bastante rapidez. Queda de cabelo, seborréia e caspa desaparecem. As infecções melhoram ou são curadas.

A alimentação totalmente crua também pode beneficiar casos de câncer e de patologias em estágio terminal. Pode aliviar a dor e prolongar a vida. Quando o câncer é tratado a tempo, é possível obter uma remissão durante muitos anos. O tratamento com alimentos crus precisa ter início assim que o câncer é detectado e precisa ser seguido 100%.

Seria muito importante que os médicos adquirissem mais conhecimento nesse campo. Médicos dinamarqueses e estrangeiros ficaram por algum tempo em Humlegaarden e puseram sua experiência em prática com seus clientes.

A alimentação viva na prática

Para concluir, algumas palavras sobre as condições práticas e o uso diário de alimentos crus. É indispensável que os alimentos sejam orgânicos. Por isso sentimos a necessidade de introduzir uma horta orgânica. Da mesma forma, o solo, muito adubado com adubo químico, corre o risco de se tornar tão doente quanto o homem — com excesso de acidez, superalimentado, dele brotam plantas doentes, inadequadas para o consumo humano.

Cerca de mil doentes passam por Humlegaarden a cada ano. Tanto os doentes como os funcionários vivem exclusivamente de alimentos não cozidos e, de acordo com nossa experiência, uma dieta de transição não é necessária.

A alimentação varia de acordo com as estações do ano e consiste de três refeições diárias. Fazemos uma refeição de frutas pela manhã e à noite e uma refeição de hortaliças ao meio-dia. Nunca misturamos frutas e hortaliças.

Se o estado dos doentes permitir, os alimentos crus são servidos inteiros; se não, são ralados justo antes da refeição. Uma vez ralados ou cortados em pequenos pedaços, os alimentos perdem seu teor de vitaminas. Os alimentos precisam ser cuidadosamente mastigados, de preferência até que se tornem uma papa. Mesmo aqueles que forem ralados devem ser bem ensalivados.

Os oleaginosos fornecem um bom complemento. A refeição vegetal consiste de folhas verdes, raízes e tubérculos. Todas as frutas são ingeridas com casca. No caso de doenças como gastrite, úlcera gástrica, é preciso tomar cuidado no início.

Se a alimentação crua for associada a hábitos de vida saudáveis, muita coisa vai melhorar. As doenças, pouco a pouco, serão prevenidas. A obesidade se tornará uma raridade.

A vida será alegre para as pessoas saudáveis

O trabalho doméstico vai se reduzir pela metade — e as horas de lazer adicionais serão uma fonte de alegria para todos. Veremos mais pessoas com o corpo esbelto, o porte ereto, o andar flexível, a pele fresca, os dentes brancos e fortes, e os cabelos vigorosos. Com o corpo saudável, nossos pensamentos negativos se transformarão em pensamentos positivos e contribuirão para o grande progresso cultural que o mundo aguarda ansiosamente. Só então valerá a pena viver!

_____________

Dra. Kirstine Nolfi, famosa médica dinamarquesa, falecida aos 66 anos em 1967, descreveu suas experiências com os alimentos vivos em uma pequena brochura traduzida para varias línguas e está disponível em português na TAPS - site: www.taps.org.br

Alimentação Viva

MUDAR HÁBITOS PARA REGENERAR A VIDA

O corpo necessita dos macronutrientes (proteínas, carboidratos, gorduras e fibras) e micronutrientes (vitaminas e sais minerais) que estão presentes nos alimentos. A ciência da nutrição estuda sobre estes nutrientes e avalia a suas funções no organismo. No entanto, essas pesquisas estão voltadas para atender as exigências do mundo moderno e garantir a permanência do sistema capitalista.

Ao refletirmos sobre o funcionamento do corpo e sobre a manutenção da vida nos organismos vivos, podemos concluir que o homem pouco conhece sobre os processos vitais do corpo e que muitos dos procedimentos utilizados na produção dos alimentos são contrários à manifestação da vida.

No que diz respeito à nutrição do corpo, as investigações da ciência da nutrição não valoriza os aspectos relacionados à energia vital dos alimentos.

A maioria dos alimentos oferecidos no mercado são produzidos com utilização dos agrotóxicos e hormônios, são refinados e ainda durante os processos de industrialização são acrescidos de substâncias tóxicas, como corantes, acidulantes, flavorizantes, conservantes, etc. Nestes diversos tipos de processamento e mesmo no cozimento os alimentos ficam cada vez mais desvitalizados. O organismo humano ao digerir e utilizar esses alimentos esgota suas próprias reservas vitais de energia. Diante disto, não é para se admirar o surgimento de tantas doenças alérgicas e degenerativas. A alergia é um sintoma de defesa do corpo, o qual não reconhece os alimentos ingeridos, que são incompatíveis com sua natureza estrutural e energética.

A degeneração do organismo se desenvolve no decorrer da cronicidade desses processos alergênicos provenientes da batalha que o corpo estabelece, em busca do equilíbrio para a continuidade da vida,.

A melhor alimentação para o corpo deve ser composto em sua maioria por alimentos: geradores de vida, que são as sementes germinadas(brotos) e os mantenedores de vida, que são as verduras cruas, frutas frescas, sementes e castanhas.

Os seres vivos, que produzem esses alimentos, para serem desenvolvidos, retiram a energia vital da natureza, que vêm dos 4 elementos que a compõem: fogo(sol), ar(gás carbônico e oxigênio), água(H2O), terra(sais minerais).

Ao alimentarmo-nos de alimentos vivos, estamos nos alimentando da energia presente no meio natural que, ao interagir nos organismos vivos promove, gera e mantém a vida.

Fonte:http://www.fotolog.com/not_eat_animals/

Estudos mostram que uma maior ingestão de fibras de cereais e magnésio reduz risco de desenvolver diabetes tipo 2

Maior ingestão de fibras de cereais e magnésio foi associada a um risco reduzido de desenvolver diabetes mellitus tipo 2, de acordo com estudo publicado no Archives of Internal Medicine. As conclusões são de um estudo realizado pelo Dr. Matthias B. Schulze e colaboradores do German Institute of Human Nutrition, em Potsdam - Alemanha.


Participaram do estudo 25.000 adultos com idade entre 35 e 65 anos, acompanhados quanto à incidência de diabetes de 1994 a 2005. A ingestão de fibras de cereais e magnésio foi medida por um questionário de avaliação da frequência de consumo desses alimentos.


Durante os anos de seguimento, foram observados 844 casos novos de diabetes tipo 2. Comparados com as pessoas que consumiam pequena quantidade de fibras de cereais, aqueles que consumiam quantidades maiores tinham 28% de redução de risco de desenvolver diabetes. Fibras de frutas e de vegetais não foram significativamente associadas a um risco menor de desenvolver diabetes. No estudo também não foi observada uma associação significativa da ingestão de magnésio e redução do risco de desenvolver diabetes.


Na segunda parte do estudo, foi realizada uma meta-análise que incluiu 9 estudos com ingestão de fibras de cereais e 8 com ingestão de magnésio, a qual mostrou 33% de redução de risco para diabetes com uma maior ingestão de fibras de cereais. Outra vez, as fibras de frutas e de vegetais não produziram efeito semelhante às fibras de cereais. Em contraste com as conclusões da primeira parte do estudo, a meta-análise mostrou uma redução de 23% de risco de diabetes com uma maior ingestão de magnésio.


Os pesquisadores concluíram que os achados desta avaliação sugerem fortemente que uma maior ingestão de fibras de cereais e magnésio pode reduzir o risco de desenvolver diabetes, o que é muito importante para a prevenção de diabetes mellitus tipo 2.


Fonte: Archives of Internal Medicine
15 de maio de 2007

Como germinar Cereais

Defeitos em espermatozóides, adquiridos por exposição a toxinas do ambiente, podem ser passados para filhos

Defeitos em espermatozóides, adquiridos por exposição a toxinas do ambiente, podem ser passados para filhos
Pesquisa da Universidade de Idaho, apresentada no encontro da Sociedade Americana para o Avanço da Ciência, em Boston, nos Estados Unidos, afirma que danos causados a espermatozóides pela exposição a toxinas presentes no meio ambiente permanecem na linha reprodutiva da família e podem ser passados a futuras gerações.


Os cientistas injetaram um pesticida chamado vinclozolin - conhecido por prejudicar os hormônios - em embriões de ratos. Esta substância provocou alterações genéticas no espermatozóide dos machos, inclusive uma série de mudanças associadas à forma humana de câncer de próstata. Os ratos expostos ao vinclozolin apresentaram sinais de danos e crescimento exagerado da próstata, infertilidade e problemas renais.


Matthew Anway, coordenador da pesquisa, afirma que esses defeitos nos espermatozóides permanecem na linha reprodutiva da família, afetando até quatro gerações.


A quantidade de pesticida usada no estudo foi maior do que qualquer humano poderia ser exposto. No entanto, a importância da pesquisa, segundo Matthew, é demonstrar que um filho homem pode herdar os problemas dos genes do pai, uma vez que os genes alterados permanecem na linha reprodutiva.


Pais que usam bebidas alcóolicas em excesso ou fumam podem não só estar estar se prejudicando, mas também prejudicando seus filhos. O álcool causa defeitos em espermatozóides e a nicotina do tabaco afeta não só o sangue, mas também o esperma.

Fonte: American Association for Advancement of Science
20 de fevereiro de 2008

Gordura pode anular o efeito anticancerígeno da vitamina C para o câncer de estômago

Gordura pode anular o efeito anticancerígeno da vitamina C para o câncer de estômago
A presença de gordura no estômago pode cortar os efeitos anticancerígenos da vitamina C, segundo estudo da Universidade de Glasgow apresentado por Emilie Combet na Annual Main Meeting da Society for Experimental Biology, em 2 de abril de 2007.

Através de experiências em laboratório, cientistas descobriram que a vitamina C (ácido ascórbico) neutraliza compostos com potencial cancerígeno que são formados quando a saliva e o alimento se misturam com o ácido no estômago. Mas ao acrescentar gordura à mistura de saliva, alimento e vitamina C, o ácido ascórbico não foi capaz de transformar os componentes nocivos em substâncias inofensivas ao organismo.

Acredita-se que os nitratos, presentes na saliva e em alguns alimentos, sejam um dos fatores que colaboram para a formação do câncer de estômago. Quando o nitrato está no ambiente ácido do estômago, ele forma compostos que têm a capacidade de converter substâncias presentes no estômago em agentes com potencial para causar o câncer - os compostos N-nitrosos. Antioxidantes como o ácido ascórbico evitam a formação dessas substâncias ao converter os nitratos em óxido nítrico.

A pesquisa, apresentada em uma conferência da Society of Experimental Biology, mostrou que quando a gordura está presente, ela reage com o óxido nítrico para formar novamente os nitratos, mostrando que a presença de lipídios pode alterar os efeitos protetores dos antioxidantes e que uma dieta rica em gordura pode infuenciar diretamente a bioqúimica gástrica.

É importante lembrar que o câncer é causado por vários fatores genéticos e ambientais.

Fonte: Society for Experimental Biology
09 de abril de 2007

Crianças que ingerem menos sal reduzem o consumo de bebidas adocicadas, protegendo a saúde cardiovascular futura

Crianças que ingerem menos sal reduzem o consumo de bebidas adocicadas, protegendo a saúde cardiovascular futura
Cientistas britânicos relataram, em artigo publicado na revista científica Hypertension, que a redução de um grama de sal na dieta diária equivale à uma redução de 100 gramas no consumo diário de líquidos, principalmente de refrigerantes ou sucos adocicados. Realizado com crianças com idade entre 4 e 18 anos, o estudo mostrou que esta redução pode ajudar a manter as crianças saudáveis e mais magras, por reduzir o risco de desenvolvimento de hipertensão arterial e obesidade, protegendo a saúde cardiovascular futura.


Foram analisados os hábitos alimentares de 1600 crianças entre 4 e 18 anos na Inglaterra. Concluiu-se que as crianças que ingeriam menos sal também bebiam menos líquidos, incluindo refrigerante e sucos adocicados.


A diminuição do sal na dieta pode reduzir a incidência de ataques cardíacos e acidente vascular cerebral no futuro. Refrigerantes e bebidas adocicadas são uma importante fonte de calorias para crianças, mas não são calorias saudáveis, já que estão ligadas ao desenvolvimento de hábitos alimentares errôneos, que estimulam a obesidade.


Se uma criança com idade entre 4 e 18 anos cortar pela metade a quantidade de sal que ingere, haverá um decréscimo de ingestão de aproximadamente 2 copos de bebidas adocicadas por semana, o que equivale a reduzir a ingestão de 250 calorias por semana.


Uma redução de 10 a 20% do sal ingerido não é percebida pelas papilas gustativas, ou seja, não altera o sabor dos alimentos. Os pais devem checar os rótulos dos alimentos para escolher produtos que contenham menos sal. Devem preferir os alimentos temperados com cebola, alho, cebolinha, salsinha e ervas aos cozidos com sal, evitando também saleiros à mesa.


De acordo com a Associação Americana do Coração (American Heart Association), adultos saudáveis também devem reduzir o sal ingerido à menos de 2300 miligramas ou 2,3 gramas por dia. Isto equivale a aproximadamente uma colher de chá de sal de cozinha ao dia, incluindo todos os alimentos ingeridos.

Fonte: Hypertension
22 de fevereiro de 2008