NutriViva no Facebook é a nossa página no Facebook onde há uma constante actividade com pratos e ideias sobre Alimentação Viva.
O blog também está acessivel em ALIMENTACAOVIVA.COM e ALIMENTACAOVIVA.INFO
Visitem o meu blog em inglês (com traduçao automática)
Raw in Copenhagen
Ao deixar um comentário referente a um artigo, por favor colar o link desse artigo.

Badge Raw Food

Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Search/ Busca

Carregando...

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Ocorreu um erro neste gadget

Total de visualizações de página

sexta-feira, 14 de março de 2008

Coca-Cola pode fazer mal para os rins, aponta pesquisa

22/01 - 14:47 - The New York Times


A afirmação: Coca-Cola demais pode dar problemas nos rins. Os fatos: já se sabe que refrigerante demais pode aumentar o risco de diabetes e obesidade. Mas quando se trata de problemas renais, existe uma diferença entre a Coca-Cola e outros tipos de refrigerante?

A Coca-Cola tem altos níveis de ácido fosfórico, que foi ligado a pedras no rim e outros problemas renais.

Boa parte dessa conclusão vem de evidências lendárias e circunstanciais. Então no ano passado, um time de cientistas do Instituto Nacional de Saúde deu uma olhada mais de perto.

Em um estudo publicado no periódico Epidemiology, o time comparou hábitos dietéticos de 465 pessoas com doença renal crônica e 467 pessoas saudáveis. Depois de controlar vários fatores, o time descobriu que beber duas ou mais Coca-Colas por dia – sejam adoçadas artificialmente ou normais – estava ligado a um risco duplicado de desenvolver doença renal crônica.

Mas beber dois ou mais refrigerantes quaisquer por dia, eles descobriram, não aumenta o risco.

Os autores do estudo disseram que é necessário fazer mais pesquisas, mas suas descobertas sustentam a antiga idéia que alguma coisa na Coca-Cola – o ácido fosfórico, por exemplo, ou sua capacidade de retirar cálcio dos ossos – parece aumentar o risco de pedras no rim, falha renal ou outras doenças afetando os rins.

Conclusão: existem bastantes evidências de que Coca-Cola pode aumentar o risco de problemas nos rins, mais do que outros refrigerantes.

- Anahad O´Connnor

Fonte: Ultimo Segundo


quinta-feira, 13 de março de 2008

Golfinho salva baleias encalhadas

Moko Um golfinho socorreu duas baleias que tinham ficado encalhadas numa praia na Nova Zelândia.

O funcionário da conservação Malcolm Smith, juntamente com um grupo de outras pessoas, já vinha a tentar em vão há mais de hora e meia devolver as baleias ao mar.

Os cachalotes pigmeus tinham encalhado repetidamente, apesar dos esforços do grupo, levando a que tanto homens como animais estivessem cansados e prestes a desistir.

Foi nesse momento crucial que o golfinho surgiu, comunicou de alguma forma com as baleias e conseguiu encaminhá-las para a segurança das águas profundas.

O roaz-corvineiro, baptizado Moko pelos locais, é conhecido por brincar com os banhistas ao largo da praia Mahia na costa leste da Ilha Norte da Nova Zelândia.

Smith diz que foi mesmo quando a sua equipa estava prestes a desistir que o golfinho apareceu e se dirigiu a eles.

"Não falo 'baleiês' nem 'golfinhês' mas algo se passou obviamente, porque as duas baleias mudaram de atitude, de fortemente perturbadas e sem reacção para seguirem de boa mente o golfinho directamente ao longo da praia e direitas ao mar. O golfinho fez o que não estávamos a conseguir e em poucos minutos."

Smith diz que se sentiu muito afortunado por ter presenciado este extraordinário evento, especialmente pelas baleias se terem salvo, visto que ele já teve que abater animais que estavam encalhados para além de salvação e em sofrimento.

Segundo ele, as baleias não voltaram a ser vistas mas o golfinho já voltou à sua habitual prática de brincar e conviver com os banhistas na baía.

"Sei que não devia fazer isto, é suposto permanecer cientificamente distante", diz Smith, "mas na realidade fui para a água com o golfinho e saltei para a água com o golfinho e brincámos um bom bocado. No fim dei-lhe uma recompensa de peixe, porque ele realmente salvou o dia."

Fonte: Simbiotica


Saber mais:

Moko - vídeo do golfinho

Whale and Dolphin Conservation Society

Institute of Zoology

Os vendedores de doenças

Enviado por Paulo Bastos-BH

As estratégias da indústria farmacêutica para multiplicar lucros espalhando o medo e transformando qualquer problema banal de saúde numa "síndrome" que exige tratamento

Há cerca de trinta anos, o dirigente de uma das maiores empresas farmacêuticas do mundo fez declarações muito claras. Na época, perto da aposentadoria, o dinâmico diretor da Merck, Henry Gadsden, revelou à revista Fortune seu desespero por ver o mercado potencial de sua empresa confinado somente à s doenças. Explicando preferiria ver a Merck transformada numa espécie de Wringley's – fabricante e distribuidor de gomas de mascar –, Gadsden declarou que sonhava, havia muito tempo, produzir medicamentos destinados à s... pessoas saudáveis. Porque, assim, a Merck teria a possibilidade de "vender para todo mundo". Três décadas depois, o sonho entusiasta de Gadsden tornou-se realidade.
As estratégias de marketing das maiores empresas farmacêuticas almejam agora, e de maneira agressiva, as pessoas saudáveis. Os altos e baixos da vida diária tornaram-se problemas mentais. Queixas totalmente comuns são transformadas em síndromes de pânico. Pessoas normais são, cada vez mais pessoas, transformadas em doentes. Em meio a campanhas de promoção, a indústria farmacêutica, que movimenta cerca de 500 bilhões dólares por ano, explora os nossos mais profundos medos da morte, da decadência física e da doença – mudando assim literalmente o que significa ser humano. Recompensados com toda razão quando salvam vidas humanas e reduzem os sofrimentos, os gigantes farmacêuticos não se contentam mais em vender para aqueles que precisam. Pela pura e simples razão que, como bem sabe Wall Street, dá muito lucro dizer à s pessoas saudáveis que estão doentes.

A fabricação das "síndromes"

A maioria de habitantes dos países desenvolvidos desfruta de vidas mais longas, mais saudáveis e mais dinâmicas que as de seus ancestrais. Mas o rolo compressor das campanhas publicitárias, e das campanhas de sensibilização diretamente conduzidas, transforma as pessoas saudáveis preocupadas com a saúde em doentes preocupados. Problemas menores são descritos como muitas síndomes graves, de tal modo que a timidez torna-se um "problema de ansiedade social", e a tensão pré-menstrual, uma doença mental denominada "problema disfórico pré-menstrual". O simples fato de ser um sujeito "predisposto" a desenvolver uma patologia torna-se uma doença em si.
O epicentro desse tipo de vendas situa-se nos Estados Unidos, abrigo de inúmeras multinacionais famacêuticas. Com menos de 5% da população mundial, esse país já representa cerca de 50% do mercado de medicamentos. As despesas com a saúde continuam a subir mais do que em qualquer outro lugar do mundo. Cresceram quase 100% em seis anos – e isso não só porque os preços dos medicamentos registram altas drásticas, mas também porque os médicos começaram a prescrever cada vez mais.
De seu escritório situado no centro de Manhattan, Vince Parry representa o que há de melhor no marketing mundial. Especialista em publicidade, ele se dedica agora à mais sofisticada forma de venda de medicamentos: dedica-se, junto com as empresas farmacêuticas, a criar novas doenças. Em um artigo impressionante intitulado "A arte de catalogar um estado de saúde", Parry revelou recentemente os artifícios utilizados por essas empresas para "favorecer a criação" dos problemas médicos [1]. Às vezes, trata-se de um estado de saúde pouco conhecido que ganha uma atenção renovada; à s vezes, redefine-se uma doença conhecida há muito tempo, dando-lhe um novo nome; e outras vezes cria-se, do nada, uma nova "disfunção". Entre as preferidas de Parry encontram-se a disfunção erétil, o problema da falta de atenção entre os adultos e a síndrome disfórica pré-menstrual – uma síndrome tão controvertida, que os pesquisadores avaliam que nem existe.

Médicos orientados por marqueteiros

Com uma rara franqueza, Perry explica a maneira como as empresas farmacêuticas não só catalogam e definem seus produtos com sucesso, tais como o Prozac ou o Viagra, mas definem e catalogam também as condições que criam o mercado para esses medicamentos.
Sob a liderança de marqueteiros da indústria farmacêutica, médicos especialistas e gurus como Perry sentam-se em volta de uma mesa para "criar novas idéias sobre doenças e estados de saúde". O objetivo, diz ele, é fazer com que os clientes das empresas disponham, no mundo inteiro, "de uma nova maneira de pensar nessas coisas". O objetivo é, sempre, estabelecer uma ligação entre o estado de saúde e o medicamento, de maneira a otimizar as vendas.
Para muitos, a idéia segundo a qual as multinacionais do setor ajudam a criar novas doenças parecerá estranha, mas ela é moeda corrente no meio da indústria. Destinado a seus diretores, um relatório recente de Business Insight mostrou que a capacidade de "criar mercados de novas doenças" traduz-se em vendas que chegam a bilhões de dólares. Uma das estratégias de melhor resultado, segundo esse relatório, consiste em mudar a maneira como as pessoas vêem suas disfunções sem gravidade. Elas devem ser "convencidas" de que "problemas até hoje aceitos no máximo como uma indisposição" são "dignos de uma intervenção médica". Comemorando o sucesso do desenvolvimento de mercados lucrativos ligados a novos problemas da saúde, o relatório revelou grande otimismo em relação ao futuro financeiro da indústria farmacêutica: "Os próximos anos evidenciarão, de maneira privilegiada, a criação de doenças patrocinadas pela empresa".
Dado o grande leque de disfunções possíveis, certamente é difícil traçar uma linha claramente definida entre as pessoas saudáveis e as doentes. As fronteiras que separam o "normal" do "anormal" são freqüentemente muito elásticas; elas podem variar drasticamente de um país para outro e evoluir ao longo do tempo. Mas o que se vê nitidamente é que, quanto mais se amplia o campo da definição de uma patologia, mais essa última atinge doentes em potencial, e mais vasto é o mercado para os fabricantes de pílulas e de cápsulas.
Em certas circunstâncias, os especialistas que dão as receitas são retribuídos pela indústria farmacêutica, cujo enriquecimento está ligado à forma como as prescrições de tratamentos forem feitas. Segundo esses especialistas, 90% dos norte-americanos idosos sofrem de um problema denominado "hipertensão arterial"; praticamente quase metade das norte-americanas são afetadas por uma disfunção sexual batizada FSD (disfunção sexual feminina); e mais de 40 milhões de norte-americanos deveriam ser acompanhados devido à sua taxa de colesterol alta. Com a ajuda dos meios de comunicação em busca de grandes manchetes, a última disfunção é constantemente anunciada como presente em grande parte da população: grave, mas sobretudo tratável, graças aos medicamentos. As vias alternativas para compreender e tratar dos problemas de saúde, ou para reduzir o número estimado de doentes, são sempre relegadas ao último plano, para satisfazer uma promoção frenética de medicamentos.

Quanto mais alienados, mais consumistas

A remuneração dos especialistas pela indústria não significa necessariamente tráfico de influências. Mas, aos olhos de um grande número de observadores, médicos e indústria farmacêutica mantêm laços extremamente estreitos.
As definições das doenças são ampliadas, mas as causas dessas pretensas disfunções são, ao contrário, descritas da forma mais sumária possível. No universo desse tipo de marketing, um problema maior de saúde, tal como as doenças cardiovasculares, pode ser considerado pelo foco estreito da taxa de colesterol ou da tensão arterial de uma pessoa. A prevenção das fraturas da bacia em idosos confunde-se com a obsessão pela densidade óssea das mulheres de meia-idade com boa saúde. A tristeza pessoal resulta de um desequilíbrio químico da serotonina no célebro.
O fato de se concentrar em uma parte faz perder de vista as questões mais importantes, Ã s vezes em prejuízo dos indivíduos e da comunidade. Por exemplo: se o objetivo é a melhora da saúde, alguns dos milhões investidos em caros medicamentos para baixar o colesterol em pessoas saudáveis, podem ser utilizados, de modo mais eficaz, em campanhas contra o tabagismo, ou para promover a atividade física e melhorar o equilíbrio alimentar.
A venda de doenças é feita de acordo com várias técnicas de marketing, mas a mais difundida é a do medo. Para vender à s mulheres o hormônio de reposição no período da menopausa, brande-se o medo da crise cardíaca. Para vender aos pais a idéia segundo a qual a menor depressão requer um tratamento pesado, alardeia-se o suicídio de jovens. Para vender os medicamentos para baixar o colesterol, fala-se da morte prematura. E, no entanto, ironicamente, os próprios medicamentos que são objeto de publicidade exacerbada à s vezes causam os problemas que deveriam evitar.
O tratamento de reposição hormonal (THS) aumenta o risco de crise cardíaca entre as mulheres; os antidepressivos aparentemente aumentam o risco de pensamento suicida entre os jovens. Pelo menos, um dos famosos medicamentos para baixar o colesterol foi retirado do mercado porque havia causado a morte de "pacientes". Em um dos casos mais graves, o medicamento considerado bom para tratar problemas intestinais banais causou tamanha constipação que os pacientes morreram. No entanto, neste e em outros casos, as autoridades nacionais de regulação parecem mais interessadas em proteger os lucros das empresas farmacêuticas do que a saúde pública.

A "medicalização" interesseira da vida

A flexibilização da regulação da publicidade no final dos anos 1990, nos Estados Unidos, traduziu-se em um avanço sem precedentes do marketing farmacêutico dirigido a "toda e qualquer pessoa do mundo". O público foi submetido, a partir de então, a uma média de dez ou mais mensagens publicitárias por dia. O lobby farmacêutico gostaria de impor o mesmo tipo de desregulamentação em outros lugares.
Há mais de trinta anos, um livre pensador de nome Ivan Illich deu o sinal de alerta, afirmando que a expansão do establishment médico estava prestes a "medicalizar" a própria vida, minando a capacidade das pessoas enfrentarem a realidade do sofrimento e da morte, e transformando um enorme número de cidadãos comuns em doentes. Ele criticava o sistema médico, "que pretende ter autoridade sobre as pessoas que ainda não estão doentes, sobre as pessoas de quem não se pode racionalmente esperar a cura, sobre as pessoas para quem os remédios receitados pelos médicos se revelam no mínimo tão eficazes quanto os oferecidos pelos tios e tias [ 2] ".
Mais recentemente, Lynn Payer, uma redatora médica, descreveu um processo que denominou "a venda de doenças": ou seja, o modo como os médicos e as empresas farmacêuticas ampliam sem necessidade as definições das doenças, de modo a receber mais pacientes e comercializar mais medicamentos [3]. Esses textos tornaram-se cada vez mais pertinentes, Ã medida que aumenta o rugido do marketing e que se consolidas as garras das multinacionais sobre o sistema de saúde.
(Tradução: Wanda Caldeira Brant) wbrant@globo.com
Bibliografia complementar:
* A revista médica PLoS Medecine traz, em seu número de abril de 2006, um importante dossiê sobre "A produção de doenças" – http://medicine.plosjournals.org/
* Na França, as revistas Pratiques (dirigida ao grande público) e Prescrire (destinada aos médicos) avaliam os medicamentos e trazem um olhar crítico sobre a definição das doenças.
*Jörg Blech, Les inventeurs de maladies. Manœuvres et manipulations de l'industrie pharmaceutique, Arles, Actes Sud, 2005.
* Philippe Pignarre, Comment la dépression est devenue une épidémie, Paris, Hachette-Littérature, col. Pluriel, 2003.



[1] Ler, de Vince Parry, "The art of branding a condition ", Medical Marketing & Media, Londres, maio de 2003.
[2] Ler, de Ivan Illich, Némésis médicale, Paris, Seuil, 1975.
[3] Ler, de Lynn Payer, Disease-Mongers: How Doctors, Drug Companies, and Insurers are Making You Feel Sick, Nova York, John Wiley & Sons, 2002.

Mais no blog - Médicos x Nutricionistas

Ingredientes naturais no tratamento de doenças oncológicas


Estudos apresentados na conferência anual da American Association for Cancer Research

A importância de ingredientes naturais no tratamento do cancro foi esta semana reforçado por várias investigações apresentadas na Conferência Anual da American Association for Cancer Research, a decorrer em Filadélfia.

Cientistas da Ohio University, EUA, demonstraram que o Carcinoma da Boca, uma doença com alta percentagem de mortalidade associada, pode regredir se tratado precocemente com um gel à base de framboesas pretas. Por outro lado, uma bebida energética à base de frutos, à venda na Austrália, poderá tratar com sucesso o Cancro da Próstata, o chá verde, por seu turno, permite terapias eficazes no Cancro Cólon-rectal.

Os cientistas apresentaram a primeira fase de um estudo que demonstra que lavar e escovar as lesões orais com um gel produzido a partir de framboesas pretas diminui o carcinoma em 35% dos casos, estabilizando os precocemente detectados em 45%. Apenas 20% não tiveram evolução positiva.

O gel tem uma textura semelhante à da compota de framboesa, mas o sabor é bem diferente, já que lhe foram retirados os açúcares associados.

Por seu turno, na University of Sydney, Austrália, a aplicação em ratinhos de laboratório de enzimas destacados de Blueberry Punch, uma bebida energética à base de mirtilo, gengibre, estragão e açafrão-da-Índia, fez retroceder o tamanho dos tumores da próstata dos roedores em 25%.

Fontes: DN e Imprensa Internacional
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
10 de Dezembro de 2007

Substância do caril (curry) em conjunto com vegetais podem prevenir Cancro da Próstata


Estudo publicado na revista Cancer Research


A açafrão-da-índia (curcuma), principal ingrediente da mistura de especiarias que compõem o caril, é útil no tratamento e na prevenção do Cancro da Próstata, segundo um estudo divulgado na revista Cancer Research.

Cientistas da Rutgers University, New Jersey, EUA, afirmam que a utilidade do caril é especialmente notável quando a especiaria é consumida com vegetais, tais como couve-flor e brócolos.

Estes vegetais contêm uma substância chamada fenetil de isocianato (PEITC), que, ao ser misturada com a curcuma, parece ter um efeito importante contra o Cancro da Próstata, adianta o estudo.

"O certo é que a PEITC e a curcuma, misturadas ou não, demonstraram importantes virtudes na prevenção do Cancro em ratinhos ", assegurou Ah-Ng Tony Kong, professor de Farmacologia da Rutgers University, acrescentando que “juntas, as duas substâncias poderiam ser eficazes no tratamento do Cancro da Próstata já instalado".

Os autores do estudo afirmaram que a alta incidência da doença nos EUA contrasta com o número proporcionalmente menor de casos registados na Índia, país que consome o caril em abundância.

Fonte: MNI-Médicos Na Internet

Fungo comestível consegue travar Cancro da Próstata




Estudo da Universidade de Haifa

Investigadores israelitas da Universidade de Haifa descobriram compostos activos num fungo, conhecido como Ganoderma lucidum que é capaz de bloquear alguns mecanismos que influenciam a evolução do Cancro da Próstata.

Em comunicado, a universidade indica que o fungo -conhecido como Reishi e comestível no Japão e na China - inibe a actividade dos receptores androgénicos e impede a proliferação de células tumorais.

A pesquisa, co-liderada pelos professores Eviatar Nevo e Solomon Wasser, do Instituto de Evolução da Universidade de Haifa, e Jamal Mahajna, do Centro Tecnológico Migal Galilee, analisou como os fungos podem actuar contra o cancro dentro das células. "Até agora, as investigações estavam focadas no fortalecimento do sistema imunitário com moléculas de polissacarídeo de alto peso molecular que actuam através de receptores específicos nas membranas celulares", explicou Zaidman.

A equipa israelita incidiu o estudo nas "moléculas metabólicas secundárias, de baixo peso, que podem penetrar nas células e actuar ao nível molecular dentro delas".

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
14 de Março de 2008


O Ganoderma lucidum é um cogumelo (tb. conhecido por Lingshi or Reishi), um organismo de ordem mais elevada no mundo dos fungos. Pertence ao grupo dos políporos.
“Os políporos, comumente conhecidos como orelhas-de-pau, são cogumelos que crescem nas laterais das árvores. Em uma caminhada por uma floresta comumente se pode ver muitos desses cogumelos orelhas-de-pau.” “O que não é facilmente visível para nós, porém, é o micélio. Como uma maçã que é o fruto da macieira, o cogumelo é o fruto da “miceleira ”. O micélio é uma rede de filamentos que se originam de esporos.
O micélio se espalha pela base nutriente ou substrato, anexando nutrientes à medida que cresce. Enquanto as condições ambientais estão corretas, o micélio continuará a crescer e a propagar até sua exaustão de nutrientes disponíveis.”
“Enquanto os nutrientes estiverem disponíveis, o micélio pode ser considerado perene e viverá por muitos anos. Pelo menos uma vez ao ano, os cogumelos emergem da rede micelial. Como órgão reprodutor do fungo, os cogumelos são o meio pelo qual os esporos são criados e distribuídos.” A cultura ocidental sempre desaprovou os cogumelos, até mesmo pelo receio da criação de uma pequena floresta inócua. Os franceses prezam suas trufas, mas até mesmo as trufas e outros fungos comestíveis e cogumelos não são tão altamente valiosos ou mostram tanto potencial como o Ganoderna.

Fonte: Naturalmed

Mais em Inglês:

Mechanisms of the Anticancer Action of Ganoderma lucidum

Immuno-modulating antitumor activities of ganoderma lucidum

Mechanisms of the Anticancer Action of Ganoderma lucidum


Acupunctura diminui sintomas de Rinite em crianças


Estudo publicado na revista "Pediatrics"

Um trabalho científico realizado em Hong Kong sugere que a acupunctura pode ser uma arma eficaz na diminuição dos sintomas de Rinite em crianças. O trabalho foi apresentado na revista "Pediatrics".

Durante oito semanas, o trabalho comparou os efeitos do tratamento com acupunctura avaliando a diminuição dos sintomas, número de dias sem sintomas e alguns testes laboratoriais para alergias. As crianças foram divididas em dois grupos, sendo que um recebeu tratamento real com acupunctura e o outro passou por sessões que simulavam a acupunctura.

Os resultados, após o período de dois meses, foram positivos no grupo da acupunctura, mostrando melhora dos sintomas e períodos maiores sem crises. Os testes laboratoriais também demonstraram a diminuição da produção de anticorpos típicos de pacientes alérgicos sem alterações significativas entre os dois grupos nos outros exames de laboratório.

Fonte: ALERT Life Sciences Computing, S.A.
12 de Março de 2008

B12 - a minha opinião

A B12 sempre gerou muita discussão.


Conheço crudivoros (veganos) que há mais de 30 anos (ex. Storm Talifero e toda a sua familia http://www.thegardendiet.com/não tomam suplementação e que não tem qualquer tipo de problemas.


Nalguns casos o jejum melhora os níveis de B12 (ex. Dr. Douglas Graham conselheiro nutricional de alguns famosos atletas mundiais).
terça-feira, 11 de março de 2008

Pais fumantes tornam filhos doentes

*'Pais fumantes tornam filhos doentes', diz hospital britânico*

Um dos principais hospitais britânicos disse que um terço das crianças que
atende em determinados casos ficam doentes porque os pais fumam na frente
delas.

A incidência de bronquite, asma e infecções no ouvido poderia ser reduzida
se os pais abandonassem o tabagismo, disse Steve Ryan, diretor clínico do
Hospital Alder Hey, de Liverpool, no norte da Inglaterra.

Segundo Ryan, os pais mentem com freqüência sobre se fumam ou não na frente
dos filhos.

A Fundação Britânica para o Pulmão diz que 17 mil crianças com menos de
cinco anos recebem tratamento médico a cada ano por exposição à fumaça de
cigarros.

*'Sentimento de culpa'*

A cada 35 mil crianças atendidas no hospital de Liverpool a cada ano, 2 mil
precisam de assistência médica porque foram expostas ao fumo pelos pais,
disse Ryan em entrevista na Rádio BBC Five Live.

Entre um quarto e um terço dos menores com males como infecções pulmonares e
asma eram fumantes passivos.

Os pais costumam saber das implicações de fumar perto de seus filhos,
acrescentou o médico. "As pessoas se sentem culpadas."

"Se fosse fácil, eles parariam. Cuidar de crianças é divertido mas pode ser
estressante e, para alguns, cigarros são uma forma de aliviar a tensão."

Para ele, legislação coibindo o tabagismo não é uma solução para o problema.
É necessário conscientizar os pais dos vários graus de risco apresentados
pelo hábito de fumar.

Ryan disse que o risco maior para os menores é quando os pais fumam dentro
do carro, onde as crianças estão "presas" e expostas a fumaça concentrada.

Mães fumantes representam um risco maior do que pais fumantes e fumar no
mesmo cômodo de uma criança também traz um alto risco, afirmou.
*(Fonte: Portal G1)*

*Teste mostra que fumaça de incenso é prejudicial à saúde*

Usado desde a Antigüidade com sentido de purificação e proteção, o incenso
acaba de receber sinal vermelho da Pro Teste, a Associação Brasileira de
Defesa do Consumidor. Cinco marcas avaliadas mostram que daquela fumacinha,
aparentemente inocente, exalam substâncias altamente tóxicas.

Queimando um incenso todos os dias, por exemplo, a pessoa inala a mesma
quantidade de benzeno -substância cancerígena- contida em três cigarros, ou
seja, em torno de 180 microgramas por metro cúbico. Há também alta
concentração de formol, cerca de 20 microgramas por metro cúbico, que pode
irritar as mucosas.

As substâncias nem de longe lembram as especiarias aromáticas com as quais o
incenso era fabricado no passado, como gálbano, estoraque, onicha e olíbano.
Se há uma leve semelhança, ela reside na forma obscura da fabricação. No
passado, o incenso era preparado secretamente por sacerdotes.

Hoje, o consumidor também não é informado como esses produtos são feitos e
quais substâncias está inalando. O motivo é simples: por falta de
regulamentação própria, os fabricantes de incenso não são obrigados a fazer
isso.

Nas cinco marcas avaliadas (Agni Zen, Big Bran, Golden, Hem e Mahalakshimi) ,
todas indianas, não há sequer o nome do distribuidor brasileiro na
embalagem. Muito menos a descrição de quais substâncias compõem o produto. A
Folha tentou localizar as empresas, por meio dos nomes dos incensos, mas,
assim como a Pro Teste, não teve sucesso.

A avaliação foi feita a partir da simulação do uso em ambiente parecido com
uma sala. Segundo a Pro Teste, foi medida a emissão de poluentes VOCs
(compostos orgânicos voláteis) e de substâncias passíveis de causar
alergias, como benzeno e formol. As concentrações foram medidas após meia
hora do acendimento.

Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Pro Teste e colunista da
Folha, alerta que os aromatizadores de ambiente, como o incenso, são
vendidos sem regulamentação ou fiscalização, o que representa perigo à
saúde.

"Os consumidores pensam que se trata de produtos inofensivos, que trazem
harmonia e, na verdade, estão inalando substâncias altamente tóxicas e até
cancerígenas. "

A Pro Teste reivindica que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância
Sanitária) faça um estudo sobre o impacto dos produtos na saúde e elabore
regulamentação para a produção, importação e venda no Brasil.

*Consumidora *

"Estou surpresa. Acendo incensos diariamente há 20 anos no momento em que
faço minhas preces no altar budista que tenho na sala. É uma forma de
agradecimento às divindades e de limpeza energética. Jamais pensei que eles
pudessem fazer mais mal do que bem", diz Renata Sobreira Uliana, 49.

O resultado dos testes também surpreendeu os médicos. "Nunca li nenhum
artigo científico a respeito disso, mas é um dado muito interessante, que
vai fazer a gente repensar a forma de liberar esse tipo de produto", diz
José Eduardo Delfini Cançado, presidente da Sociedade Paulista de
Pneumologia.

Clystenes Soares Silva, pneumologista da Unifesp (Universidade Federal de
São Paulo), explica que nem pessoas predispostas a desenvolver quadros
alérgicos (como rinite e asma) nem pessoas saudáveis devem se expor aos
incensos.
*(Fonte: Cláudia Collucci / Folha de S.Paulo)*

Enviado por: Paulo Bastos - comidaviva@yahoogrupos.com.br

Descoberta variante genética que pode elevar risco de gota

Uma equipe de cientistas de Edimburgo, na Escócia, descobriu uma variante
genética que pode elevar o risco de desenvolver gota, um tipo de artrite
provocado pelo acúmulo de ácido úrico no sangue, segundo estudo publicado na
revista Nature Genetics.

De acordo com os resultados de uma pesquisa do Conselho de Investigações
Médicas de Edimburgo, a variação, que se produz no gene SLC2A, parece
dificultar a eliminação do ácido no sangue.

Num organismo sadio, o ácido úrico é eliminado pelos rins através da urina.
Em alguns pessoas, no entanto, os rins não cumprem satisfatoriamente essa
função, permitindo que grande parte do ácido continue no sangue e se
transforme em pequenos cristais junto às articulações.

Dietas ricas em açúcar refinado, proteínas e álcool aumentam o risco de
contrair a doença. Uma análise genética de 12 mil pessoas, feita pelos
pesquisadores, descobriu a variante genética que poderia ser a causa da
gota.

Segundo Alan Wright, que dirigiu a equipe de cientistas, o gene em questão
"tem um papel chave na hora de determinar a eficácia do transporte do ácido
úrico pelas membranas do rim."

"Alguns indivíduos podem correr um risco maior ou menor de contrair gota,
segundo os tipos de genes herdados", explicou o pesquisador Harry Campbell,
acrescentando que a última descoberta pode melhorar o diagnóstico da doença.

De acordo com Andrew Bamji, presidente da Sociedade Britânica de
Reumatologia, essa investigação reforça um estudo recente, que constatou que
bebidas ricas em frutose também poderiam desencadear a enfermidade. "Parece
que esse gene também desempenha um certo papel no controle dos níveis de
açúcar e frutose no organismo", afirmou.

Fonte: Estadão Online

Enviado por: Paulo Bastos - comidaviva@yahoogrupos.com.br

Vaticano inclui poluição e transgênicos em nova lista de pecados


Não poluirás a Terra. Temerás a manipulação genética.

Novos tempos trazem novos pecados. Por isso, o Vaticano disse aos fiéis que
eles devem estar atentos a "novos" pecados, como os danos ambientais.

A orientação foi divulgada no fim de semana pelo arcebispo Gianfranco
Girotti, número 2 do Vaticano na às vezes turva área dos pecados e da
penitência.

Questionado durante entrevista ao L'Osservatore Romano (órgão oficial do
Vaticano) sobre quais seriam os "novos pecados", Girotti disse que a zona de
maior perigo para a alma moderna é o mundo ainda quase inexplorado da
bioética.

"(Dentro da bioética) há áreas onde devemos absolutamente denunciar algumas
violações dos direitos fundamentais da natureza humana, por meio de
experiências e da manipulação genética, cujos resultados são difíceis de
prever e controlar", afirmou.

O Vaticano é contra pesquisas com células-tronco embrionárias e alerta
contra a possibilidade da clonagem humana.

Na entrevista, intitulada "Novas formas de pecado social", Girotti cita
ainda ofensas "ecológicas".

Nos últimos meses, o papa Bento 16 fez vários apelos enfáticos pela proteção
do meio ambiente, dizendo que questões como a mudança climática se tornaram
muito importantes para toda a humanidade.

O Vaticano está cada vez mais "ambientalmente correto" desde o pontificado
de João Paulo 2o, antecessor de Bento 16.

A Santa Sé já instalou células fotovoltaicas em seus prédios para gerar
eletricidade e promoveu uma conferência científica para discutir as
ramificações do aquecimento global e da mudança climática, que muitos
cientistas atribuem principalmente ao uso de combustíveis fósseis.

Girotti, subdiretor da "Penitenciária Apostólica", que trata de questões de
consciência, também citou o narcotráfico e as injustiças sociais como
pecados modernos.

O arcebispo lamentou que cada vez menos católicos apareçam no
confessionário, e citou um estudo da Universidade Católica de Milão segundo
o qual 60 por cento dos fiéis na Itália deixaram de se confessar.

No sacramento da penitência, os católicos confessam seus pecados a um padre,
que os absolve em nome de Deus.

Mas o mesmo estudo da Universidade Católica mostrou que 30 por cento dos
católicos italianos acreditam que não há necessidade de um padre como
intermediário do perdão divino, e que 20 por cento se sentem desconfortáveis
relatando seus próprios pecados a outros. *(Estadão Online)*


Fonte: Ambiente Brasil

Enviado por: Paulo Bastos - comidaviva@yahoogrupos.com.br
segunda-feira, 10 de março de 2008

O Dia "D" do Consumo - Instituto

planeta_080227A cada ano que passa, o consumo da humanidade supera mais rapidamente a capacidade de regeneração do planeta



27/02/2008 - Reciclagem
Reciclar diminui conta de luz
A Cemat, Centrais Elétricas Matogrossense, recebe latinhas e garrafas pet em troca de desconto na fatura mensal
» Saiba Mais

27/02/2008 - Parceria
Comerciantes paulistas mais próximos do Consumo Consciente
Fecomércio é a mais nova filiada do Instituto Akatu
» Saiba Mais

27/02/2008 - RSE
Wal Mart lança tablóide sustentável
Rede varejista lança publicação impressa em papel certificado com o selo FSC
» Saiba Mais

27/02/2008 - Felicidade
O reino da felicidade
Para Susan Andrews, ainda podemos aprender a lição de que podemos alcançar a prosperidade em harmonia com o planeta sem perder a "verdadeira fonte da felicidade".
» Saiba Mais

Fonte: http://www.akatu.org.br/

domingo, 9 de março de 2008

Dia Mundial do Consumidor

Olá,

Dia 15 de março é Dia Mundial do Consumidor.
Pensando nisso, o Greenpeace e os consumidores de várias cidades vão se unir para exigir que o direito à informação seja
respeitado! As empresas precisam dizer se o produto é ou não transgênico. E se for, têm que rotular!



Traga seus amigos e participe das atividades na sua cidade:













BELO HORIZONTE


* Sábado, 08 de março, das 9h00 às 13h00



Caminhada do Café da Travessa até o restaurante Piper Rubra


Savassi


* Domingo, 09 de março, das 9h00 às 13h00


Praça de alimentação da feira de artesanato


Av. Afonso Pena


* Sábado, 15 de março, das 9h00 às 13h00


Caminhada do Café da Travessa até o restaurante Piper Rubra


Savassi


























RIO DE JANEIRO


* Sábado, 08 de março, das 9h00 às 12h00


Feira Orgânica e Cultural da Glória


R. Russel, em frente ao número 300


* Domingo, 09 de março, das 9h00 às 12h00


Feira Livre da Glória


Av. Augusto Severo


* Segunda-feira, 10 de março, das 11h00 às 14h00


Largo da Carioca



Centro


* Terça-feira, 11 de março, das 11h00 às 14h00


Cinelândia


* Quinta-feira, 13 de março, das 19h00 às 22h00


Av. Quintino Bocaiúva (rua da orla)



Praia de São Francisco, Niterói


* Sexta-feira, 14 de março, das 19h00 às 22h00


Cobal do Humaitá


Esquina da R. Voluntários da Pátria com R. Marquês (próx. ao Largo dos Leões)


* Sábado, 15 de março, das 9h00 às 12h00 e das 15h00 às 18h00



Supermercado Zona Sul


R. Prudente de Morais, 49 - Ipanema (Praça General Osório)

















PORTO ALEGRE


* Domingo, 09 de março, das 9h00 às 12h00


Parque da Redenção


* Quarta-feira, 12 de março, das 12h00 às 14h00


Praça da Alfândega




* Quarta-feira, 12 de março, das 14h00 às 17h00


Palestra com Engenheiro Agronômo Jaque Saldanha


Auditório do Banrisul, Ag. Centro (Praça da Alfândega)


* Sábado, 15 de março, 19h00 às 20h00


Supermercado Zaffari



R. Lima e Silva



* Sábado, 15 de março, 20h00 às 22h00


Bares e restaurantes


R. Lima e Silva























SALVADOR


* Segunda-feira, 10 de março, das 9h30 às 13h00


Campus de Nutrição e restaurante da UFBa


Av. Araújo Pinho, 32 - Canela


* Quarta-feira, 12 de março, das 15h00 às 19h00


Supermercado Hiperideal


R. Rio de Janeiro, s/n loja 514 - Pituba


* Quinta-feira, 13 de março, das 8h00 às 15h00


Comércio e Mercado Modelo


* Sexta-feira, 14 de março, das 11h00 às 15h00


Comércio de Pituba


Av. Manoel Dias da Silva


* Sábado, 15 de março, das 10h00 às 17h00


Em frente ao Shopping Iguatemi



Praça Newton Rique
















MANAUS


* Domingo, 09 de março, das 5h00 às 13h00



Feira Eduardo Ribeiro


* Segunda-feira, 10 de março, 12h00


Fábrica do PIM


* Sábado, 15 de março, das 16h00 às 19h00


Parque dos Bilhares




Haverá outras atividades durante a semana, mas a programação ainda não está fechada.

















SÃO PAULO


* Terça-feira, 11 de março, das 9h00 às 12h00



Feira livre ao lado da PUC


Esquina da R. Ministro Godoy com R. Bartira


* Quarta-feira, 12 de março, das 10h00 às 13h00


Feira livre da Chácara Sto. Antonio e Carrefour da Marginal Pinheiros


R. Alexandre Dumas


* Sexta-feira, 14 de março, das 12h00 às 15h00


Em frente ao prédio da Gazeta


Av. Paulista


* Sábado, 15 de março, a partir das 6h00


Feira orgânica



Parque da Água Branca

















ABC


* Sábado, 15 de março, das 9h00 às 17h00



Em frente ao Compre Bem ao lado do Terminal Rodoviário


Ribeirão Pires


* Domingo, 16 de março, das 9h00 às 17h00


Parque Celso Daniel


Santo André


* Segunda, 17 de março, das 17h00 às 19h00


Em frente à fábrica da Santa Edwiges


Ribeirão Pires










CURITIBA


* Sábado, 15 de março, a partir das 9h00


Ato público contra o milho transgênico, organizado pelo Fórum Nacional de Entidades Civis de Defesa do Consumidor
Passeio Público (onde acontece a Feira de Orgânicos)










BRASÍLIA


* Sábado, 15 de março, das 9h00 às 15h00


Parque da Cidade
Próximo ao quiosque do atleta, ao lado da administraçao do parque.

Não deixe para amanhã o que DEVE fazer AGORA!

O seu relógio interno está no AGORA?

Estudos têm demonstrado repetidamente que AGORA é a melhor hora do dia para começar uma dieta saudável, melhorar seu relacionamento de amor, mudar a sua vida para o melhor que existe!

O autor budista Rinpoche alertou que, se os seres humanos não forme cuidadosos, poderemos andar dormindo ao longo das nossas vidas,com medo de sentir os nossos sentimentos mais profundos, com medo de arriscar nos nossos verdadeiros desejos.

Rinpoche descreve uma tendência ocidental chamada PREGUIÇA ACTIVA, a nossa necessidade urgente de enchermos as nossas vidas com atividades compulsivas sem importância, deixando ficar pouco tempo para enfrentar as nossas questões mais importantes. Ele brincando renomeia todos os mesquinhos projectos a que chamamos as nossas RESPONSABILIDADES como nossas IRRESPONSABILIDADES porque nos impedem de encontrar o tempo para fazer o que mais importa.

O SEU COMPROMISSO:

Ao olhar para a sua lista diária de RESPONSABILIDADES e avaliar honestamente quantas delas são na verdade IRRESPONSABILIDADES? Pergunte a si mesmo como você pode com coragem e honestidade mudar a sua AGENDA DE AFAZERES, para ter a certeza que tem o tempo para a sua AGENDA DE AFAZERES DO QUE É MAIS IMPORTANTE!

VIVA AGORA!

Não deixe para amanhã o que DEVE fazer AGORA!

Adaptação de Luís Guerreiro de um texto de Karen Salmansohn

ÁGUA OU COCA-COLA?

ÁGUA

Um copo de água corta a sensação de fome durante a noite para quase 100% das pessoas em regime.
É o que mostrou um estudo na Universidade de Washington.

Falta de água é o fator nº. 1 da causa de fadiga durante o dia.
Estudos preliminares indicam que de 8 a 10 copos de água por dia poderiam aliviar significativamente as dores nas costas e nas juntas em 80% das pessoas que sofrem desses males.

Falta de 2% da água no corpo humano
Uma mera redução de 2% da água no corpo humano pode provocar incoerência na memória de curto prazo, problemas com concentração e dificuldade em focalizar uma tela de computador ou uma página impressa.

Beber 5 copos de água por dia
diminui o risco de câncer no cólon em 45%, pode diminuir o risco de câncer de mama em 79% e em 50% a probabilidade de se desenvolver câncer na bexiga. Você está bebendo a quantidade de água que deveria, todos os dias?

COCA COLA

Em muitos estados nos EUA as patrulhas rodoviárias carregam dois galões de coca-cola no porta-bagagens para serem usados na remoção de sangue na estrada depois de um acidente.
Se você puser um osso numa uma tigela com coca-cola ele se dissolverá em dois dias.
Para limpar casas de banho: despeje uma lata de coca-cola dentro do vaso e deixe a "coisa" decantar por uma hora e então dê descarga.
O ácido cítrico na coca-cola remove manchas na louça.
Para remover pontos de ferrugem dos pára-choques cromados de automóveis esfregue o pára-choques com um chumaço de papel de alumínio (usado para embrulhar alimentos) molhado com coca-cola.
Para limpar corrosão dos terminais de baterias de automóveis despeje uma lata de coca-cola sobre os terminais e deixe efervescer sobre a corrosão.
Para soltar um parafuso emperrado por corrosão aplique um pano encharcado com coca-cola sobre o parafuso enferrujado por vários minutos.
Para remover manchas de graxa das roupas despeje uma lata de coca-cola dentro da máquina com as roupas com graxa, adicione detergente. A coca-cola ajudará a remover as manchas de graxa.
A coca-cola também ajuda a limpar o embaçamento do pára-brisa do seu carro.

Para sua informação:

O ingrediente ativo na coca-cola é o ácido fosfórico.
Seu PH é 2,8. Ele dissolve uma unha em cerca de 4 dias.
Ácido fosfórico também rouba cálcio dos ossos e é o maior contribuinte para o aumento da osteoporose. Há alguns anos, fizeram uma pesquisa na Alemanha para detectar o porquê do aparecimento de osteoporose em crianças a partir e 10 anos (pré-adolescentes). Resultado: Excesso de coca-cola, por falta de orientação dos pais.
Para transportar o xarope de coca-cola, os caminhões comerciais são identificados com a placa de Material Perigoso que é reservado para o transporte de materiais altamente corrosivos.
Os distribuidores de coca-cola têm usado a Coca para limpar os motores de seus caminhões há pelo menos 20 anos.
Mais um detalhe: A Coca Light tem sido considerada cada vez mais pelos médicos e pesquisadores como uma bomba de efeito retardado, por causa da combinação Coca + Aspartame, suspeito de causar lúpus e doenças degenerativas do sistema nervoso. Veja o texto em ingles sobre o horrível aspartame. E também um texto mais simples, em portugues, aqui.

A pergunta é:

"Você gostaria de um copo de água ou um copo de coca-cola?"
Se você já está viciado em coca cola, lógico que vai preferir a doce bebida em vez de água. A enorme corporação mundial agradece por seu vício e os lucros que você a ajuda a ter, assim ela pode investir mais e abrir fábricas na África, na Ásia e em todo o resto do terceiro mundo, para viciar mais crianças e descalcificar seus ossos.

Mais:
Açúcar numa lata de refrigerante Adoçantes

Abaixo você poderá ver alguns links (em inglês) sobre os malefícios dos refrigerantes:

The Amazing Statistics and Dangers of Soda Pop

Diet Sodas May Double Your Risk of Obesity

Humus




Para quem não entende Inglês o vídeo é suficientemente sugestivo dos passos necessários...

Musica: Great Expectations Theme

O FRESCOR DE VOLTA PARA SUA PELE


Que tal deixar a pele do seu rosto sedosa e suavemente perfumada? Para isso você pode comprar cosméticos prontos em lojas especializadas ou então fazer sua própria máscara à base de frutas. Um tratamento natural com abacate, pêssego, abacaxi ou maçã que vai deixar sua pele radiante e com o frescor da juventude.

As frutas são tonificantes e hidratantes naturais, muito ricas em nutrientes e vitaminas A e C que combatem a ação dos radicais livres, evitando o envelhecimento precoce. Então vamos usar e abusar delas!

Abacate

Rico em óleos naturais, vitaminas A, B e E, ferro, cálcio e fósforo, é excelente para a pele seca e áspera.

Máscara – descasque e pique o abacate em pedaços. Amasse-o bem e misture com leite até formar um creme homogêneo. Aplique no rosto, previamente limpo por 20 minutos e depois lave com água morna.

Abacaxi

Uma das frutas de maior poder antioxidante, rica em vitamina C e que promove verdadeiros milagres contra rugas e marcas de expressão.

Máscara – Retire a casca e corte a polpa em pedaços. Faça uma mistura com 4 colheres de sopa da fruta, 2 colheres de sopa de farinha de trigo e 4 colheres de sopa de farinha de arroz até obter uma pasta consistente. Passe a mistura no rosto e retire depois de 30 minutos com água morna.

Pêssego

Conhecido por sua textura é comparado às peles mais sedosas. Contém vitamina A, C e potássio e é recomendado para peles cansadas e que perderam o viço.

Máscara – Retire somente a polpa de 2 pêssegos maduros e amasse-os com 1 colher de sopa de farinha de trigo. Espalhe o creme no rosto e deixe agir por 15 minutos. Lave com água morna.

Maçã

Excelente fonte de vitamina A e C, além de diversos sais minerais como o cálcio, fósforo e ferro que ajudam na luta contra o estresse físico e emocional. Indicada para re-equilibrar a hidratação da pele e renovar as células dos efeitos nocivos do sol.

Máscara – Rale ½ maçã gelada e misture com 1 colher de sopa de farinha de trigo e 2 colheres de sopa de leite. Misture bem e aplique no rosto por 20 minutos. Retire com água mineral

www.todafruta.com.br

Alicina... a substância «milagrosa» do alho


O alho tem sido usado desde sempre para os mais variados fins. Desde afastar os vampiros até ao combate às bactérias passando pelo tratamento do pé de atleta ao tempero do esparguete. Depois de inúmeras análises químicas, os cientistas chegaram à conclusão de que a grande riqueza do alho, Allium sativum, se encontra nos seus componentes – mais de trinta já foram isolados – especialmente nos derivados de enxofre (sulfatados). Entre eles, o mais importante é, sem dúvida, a alicina (di-propenyl tiosulfinato), responsável pela maioria das propriedades farmacológicas da planta. Na verdade, a alicina, um líquido de coloração amarelada, só aparece de facto quando o alho é mastigado ou cortado, libertando-se das células quando a sua integridade estrutural é violada. Esta substância desempenha uma acção muito importante na defesa da planta contra insectos, fungos e bactérias existentes na fauna própria do solo, além de ser a responsável pelo seu forte odor característico. Apesar de já se conhecerem muitas das propriedades da alicina, esta substância não deixa de suscitar o interesse científico de muitos investigadores por este mundo fora. Desta vez o interesse veio de David Mirelman, bioquímico no Weizmann Institute of Science. Este cientista coordenou uma equipa que clonou o gene codificador da alicina. Depois da clonagem deste gene, os cientistas produziram e conseguiram estabilizar esta substância altamente volátil que, segundo estes investigadores, é responsável por tudo o que de bom e mau tem o alho. Os testes conduzidos por D. Mirelman e seus colaboradores vieram confirmar as conclusões de outros estudos anteriores: a alicina é muito eficaz na prevenção da hipertensão, no tratamento da diabetes e da diarreia, na diminuição do risco de enfarte e na destruição de células cancerosas. As experiências realizadas por esta equipa, revelaram que o alho previne o aumento de peso e pode mesmo ajudar a perder os quilos excedentários.

Droga maravilhosa!
Numa entrevista à Reuters Health, D. Mirelman apelida a alicina como uma «droga maravilhosa», afirmando que ela pode ser incluída no mesmo grupo da aspirina. Segundo D. Mirelman, a alicina tem um efeito antibiótico. «Isto, nós conseguimos provar. Ela mata microorganismos,» afirmou este investigador. Aliás, esta é a sua principal função que esta substância desempenha na planta: protegê-la dos microorganismos do solo.

O papel do alho ao longo da História da Humanidade O alho é um ingrediente utilizado na medicina desde há milhares de anos e as suas virtudes farmacológicas não passaram despercebidas ao longo da História da Humanidade. O vigor de Allium sativum é o tema central de lendas e a inspiração de muitos poetas clássicos e até é referido na própria Biblia, quando os israelitas lamentam o alho deixado no Egipto quando fugiram com Moisés. Em vários registos hieroglíficos se mostra que o alho foi dado aos escravos que construíram as pirâmides para os manter fortes e saudáveis. Também na Grécia Antiga os atletas comiam alho crú antes das competições e os soldados romanos comiam a rama da planta antes de irem para as batalhas. De facto, o alho era a arma secreta do Império Romano. Os centuriões comiam alho para prevenir doenças, especialmente as provocadas pelas bactérias patogénicas ao aparelho digestivo. Hipócrates, o pai da Medicina, recomendou o alho o tratamento de infecções, feridas, distúrbios digestivos e mesmo da lepra. Na Idade Média, o alho foi muito utilizado para prevenir a propagação da peste negra e também era um poderoso amuleto que espantava os demónios e vampiros. Já durante a Primeira Guerra Mundial, foi usado na prevenção de gangrenas quando os hospitais de campanha tinham falta de penicilina e de sulfamida.

Joaquina Pereira
MNI - Médicos Na Internet
6 de Dezembro de 2001
Foto: Natural Life magazine

CRIAÇÃO DE GADO E AGRICULTURA RESPONDEM POR 25% DO EFEITO ESTUFA.


Foi a intervenção mais nociva e violenta em larga escala já produzida pelo ser humano no meio ambiente do planeta Terra. E, no entanto, é difícil a gente ouvir propostas de banimento dos ecochatos de plantão, embora seja uma das grandes responsáveis pelo famigerado aquecimento global: a agricultura. Isso mesmo, não é só de chaminé de fábrica e escapamento que se faz uma mudança climática como a que está acontecendo neste momento.



As plantações e a criação de gado emitem gases até mais agressivos que o tradicional dióxido de carbono (CO²), principal subproduto indesejado da queima de petróleo e carvão. Estamos falando, por exemplo, do grave problema ambiental do pum de vaca. É sério. A flatulência bovina é principalmente composta de um gás chamado metano. Na atmosfera, ele é 20 vezes mais poderoso que o CO² no acirramento de efeito estufa – fenômeno que faz com que a luz solar consiga chegar à superfície da Terra, mas o calor produzido por ela ao atingir o solo não consiga sair. O metano é produzido por bactérias que participam do processo digestivo do gado, e sua liberação na atmosfera tem um efeito sério. Uma vaca é capaz de emitir 250 gramas de metano no ar. Estima-se que existam 1,4 bilhão de cabeças de gado no mundo. Vezes 250 gramas, dá 350 mil toneladas, mas, como o metano é muito mais potente como gás estufa que o CO², o resultado é equivalente à emissão de 7 milhões de toneladas de dióxido. É preciso, sendo conservador, cerca de 50 milhões de carros para emitir esse tanto. O metano também é produzido na agricultura, com bactérias que vivem no solo. No fim das contas, esse gás responde por 16% das emissões de gases estufa na atmosfera.



E tem um gás ainda mais agressivo nos pastos e plantações. É o óxido nitroso, liberado pelos fertilizantes químicos. Ele é 310 vezes mais poderoso que o CO². como a quantidade de óxido na atmosfera é relativamente pequena, esse gás é responsável por “apenas” 9% do aquecimento global. Mas os números dele impressionam. Por exemplo: as fazendas americanas emitiram, em 2005, cerca de 800 mil toneladas de óxido nitroso na atmosfera. Isso equivale à emissão de 100 milhões a carros a gasolina, ou 4 vezes a frota brasileira.

Texto: Salvador Nogueira
Imagem: Natural Life Magazine
Fonte: Revista superinteressante, março de 2007

Arrastões têm duplo alcance

Os enormes cabos usados pela pesca comercial de arrasto de águas profundas têm um impacto muito maior do que se pensava.

Esta é a conclusão a que uma nova análise dos censos às espécies de peixe, que revela declínios dramáticos na abundância dos peixes de água profunda ao largo da Irlanda.

David Bailey, da Universidade de Glasgow, lançou um novo olhar a um registo único de arrastos científicos sazonais que tiveram início em 1979 com John Gordon, da Associação Escocesa de Ciências Marinhas em Oban. Ele apresentou as descobertas a 5 de Março no encontro de oceanografia de Orlando, Florida.

Os arrastões percorreram a Porcupine Seabight, a sudoeste da Irlanda, a profundidades entre algumas centenas e 4 mil metros. "O que é realmente espantoso sobre isto é eles percorrem toda a zona desde a plataforma continental até à planície abissal", diz Jeffrey Drazen, especialista em peixes de águas profundas na Universidade do Havai, Manoa, que não participou no estudo. "É um conjunto de dados único no mundo."

Bailey comparou a abundância de peixes nos arrastos durante 1979–89 com os resultados do arrasto na mesma área durante o intervalo 1997–2002. O arrasto comercial, que tipicamente arrasta redes ao longo do fundo do oceano, aumentou muito durante este período e passou para profundidades maiores. O estudo descobriu declínios dramáticos em cerca de 50% na abundância total dos peixes ao longo dos anos.

Esta situação não é surpresa para profundidades até 1500 metros, onde a pesca comercial opera, tendo como alvo espécies como o olho-de-vidro e o peixe-rato, mas os declínios também foram dramáticos a grande profundidade, até aos 3 mil metros em alguns casos. Os resultados são igualmente preocupantes para todas das mais de 20 espécies de peixe examinadas, que incluem muitas, como as enguias, que não são capturadas comercialmente.

A causa provável dos declínios em profundidades menores, diz Drazen, é que muitas espécies de peixes de águas profundas são os migradores ontogénicos. Isto significa que passam os seus primeiros anos em águas pouco profundas e depois migram para águas mais profundas com a idade.

Por isso, o arrasto dos peixes mais jovens a uma dada profundidade pode, em última análise, reduzir o número de peixes que vivem tempo suficiente para migrar para maior profundidade. Isto é verdade mesmo para espécies sem interesse comercial, porque ser apanhado na rede de arrasto é geralmente mortífero para um peixe de profundidade, mesmo que seja devolvido ao mar.

"Ninguém tinha realmente analisado esta questão da migração ontogénica ou a forma como afecta populações localizadas abaixo das profundidades de pesca", diz Drazen, "Essa é a grande contribuição que Bailey e os seus co-autores dão."

Com base no estudo, o grupo conclui que o impacto do arrasto comercial sobre a abundância de peixe se estende mais ou menos até ao dobro da profundidade, logo para o dobro da área, onde a pesca realmente decorre, um aumento de 11% para 23% do fundo marinho. "Os impactos da pesca nos oceanos mundiais são muito maiores do que antes se pensava", diz Drazen. "Regiões do oceano que antes pensávamos estarem intocadas, ou relativamente intocadas, pelas pescas afinal não estão."

Outros efeitos negativos do arrasto de profundidade já tinham levado a apelos à proibição desta prática de pesca.

Fonte: Simbiotica

Saber mais:

Lançado novo apelo à proibição das formas de pesca destrutivas

Proibição do arrasto de águas profundas bloqueada

Evidências a favor da proibição da pesca de arrasto são "esmagadoras"

Pesca tradicional no Senegal ameaçada por barcos europeus