Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

terça-feira, 29 de abril de 2008

O mito da falta de terra cultivável

25/04/2008


O governador de Mato Grosso, Blairo Maggi (PR), defendeu o direito ao desmatamento --desde que não o ilegal-- como forma de enfrentar a crise global de alimentos,
em entrevista a Folha de S. Paulo. "Com o agravamento da crise de alimentos, chegará a hora em que será inevitável discutir se vamos preservar o ambiente do jeito que está ou se vamos produzir mais comida. E não há como produzir mais comida sem fazer a ocupação de novas áreas e a retirada de árvores."

O problema desse tipo de discurso é que ele estimula o desmatamento ilegal. Afinal, ninguém precisa discursar para defender o que já está na lei. E Mato Grosso tem um quarto das 36 cidades apontadas pelo ministério como as campeãs do desmatamento ilegal.

Além disso, o discurso de Maggi também dá força para a base parlamentar que discute na Câmara um projeto de lei para reduzir a proteção da floresta. Hoje, só é possível desmatar 20% da área. Os fazendeiros querem mudar para 50% da área, e ainda conseguir o perdão do que foi desmatado ilegalmente até hoje.

O discurso de Maggi se ampara em uma falsa premissa: a de que falta terra para expandir a produção no país. Isso é um mito alimentado pelos que lucram com a devastação. O Brasil já tem áreas desmatadas, abandonadas ou mau aproveitadas, que somam um território equivalente aos Estados do Paraná, do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Cerca de 56 milhões de hectares são ocupados por uma pecuária de baixa produtividade. Ali, cada boi pasta num terreno equivalente a dois campos de futebol. Em fazendas mais modernas, em São Paulo, a mesma área sustenta seis cabeças. Isso foi publicado em reportagem recente da Época.

A principal razão para o desmatamento não é necessariamente aumentar a produção agrícola. Isso seria possível com investimentos em produtividade. A expansão da agricultura e da pecuária na Amazônia ainda ocorre porque é fácil e lucrativo se apropriar de terra pública. Os invasores invadem áreas de floresta pública (a maior parte da Amazônia) e roubam madeira. Com lucro da venda ilegal das toras, desmatam a terra e levam bois para lá para garantir sua ocupação – que lhes daria direito de posse.

(Alexandre Mansur) - Blog do Planeta
Editor de Ciência & Tecnologia da revista Época. Cobre meio ambiente há 16 anos. Já ganhou alguns prêmios, como o Reuters-IUCN Media Award.

0 comentários: