Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

quarta-feira, 5 de março de 2008

A raiva é um Bumerangue!


Está actualmente zangado ou irado com um acontecimento, uma surpresa não merecida ou um fracasso de qualquer tipo?

Se assim for, lembre-se: A raiva é um Bumerangue!

Na verdade,a raiva é tanto um bumerangue, que poderíamos mudar o nome para "boomeraiva."

Durante momentos desafiadores, é fácil ficar com raiva contra o mundo - e contra algumas pessoas específicas
deste mundo. Mas você pode ter certeza de que a raiva que você enviar voltará a você e fará com que se sinta
ainda pior.

A raiva é uma emoção poderosa que se manifesta de maneira sorrateira. Para algumas pessoas, quando estão zangadas viram-se para os vicios, comer, beber, fumar, etc.

De acordo com muitos psicólogos, os desejos desses vicios são a maneira de colocar fora essa raiva.

Aparentemente, esse comportamento não é incomum para as mulheres. De acordo com a Dra. Sandra Thomas, psicóloga e editora de “Women and Anger”, porque muitas mulheres se sentem desconfortáveis expressando a raiva, muitas vezes se viram para dentro, transferindo sua raiva no abuso de drogas.
Se uma mulher abusar de drogas ou outro vicio (por exemplo chocolate), ela tende a cair numa espiral descendente, infeliz, da auto-estima, porque ela não só fica irritada com o seu calvário - mas aborrecida também com o seu vício.

Vamos ser direitos.

Será que os homens têm a vida mais fácil.

Para muitos homens, emoções fortes que os fazem sentir vulneráveis - dor, fracasso, perda, coração partido -
freqüentemente manifestam-se como raiva, que pode levar a úlceras ou temperamentos inadequados.

Basicamente, a raiva é sorrateira porque o engana dando-lhe uma sensação de poder.

A raiva pode fazer com que se sinta forte.

Em contraste: com dor, perda, falha, coração partido, todos nos sentimos fracos.
Mas, na verdade a raiva não faz ninguém mais forte - se fizer parar essa pessoa de avançar, criando problemas de saúde!

Basicamente, homem ou mulher, todos nós lutamos para encontrar formas de lidar com a nossa raiva.

Tal como nos lembra o Dr. Thomas, "É como se a raiva fosse um balão espremido. Se ela não sair de um modo, ela sairá de outro. "

Psicólogos da Universidade de Wisconsin chegaram a acreditar que a raiva é o problema principal que leva ao abuso de drogas. Eles desenvolveram um método chamado de "perdão", que ajuda os doentes a encontrar
maneiras de perdoar e liberar a raiva que está na raiz de sua dependência química.

Parece estar funcionando.

Em um estudo, 14 pacientes com dependência de drogas e álcool foram randomizados, uns tiveram terapia do
perdão duas vezes por semana e os outros terapia de rotina do tratamento da droga / álcool.

Adivinhe?

Os participantes da terapia do perdão mostraram melhoras significativamente maiores do que aqueles que só fizeram a terapia de rotina do tratamento da droga / álcool.

Resultado: Quando você se sente irado depois de um trauma, fracasso, rejeição ou perda, é essencial que você entre em contato com a sua raiva e a expresse de uma forma adequada e saudável. Só então você encontrará
perdão e acabará com essa emoção.

Libertação do efeito Bumerangue:

Solte a sua raiva numa maneira sã: Bata na almofada do sofá; grite num travesseiro; rasgue um jornal em

pedaços; corra no mesmo lugar; jogue um objeto inquebrável; bata com os pés no chão. Faça o que for preciso para fazer sair a raiva para fora do seu sistema (pelo menos por um pouco).Agora, respire fundo e olhe para este plano desenvolvido para a raiva pelo psicólogo especialista Everett Worthington.

Com um pouco de trabalho (e de muita coragem), você pode ajudar-se a encontrar uma forma mais permanente
para a sua libertação da raiva:

A. Lembre-se da dor.

B. Enfatize e tente compreender o ato a partir da perspectiva do autor.

C. Seja altruísta recordando uma vez que foi perdoado(a).

D. Coloque seu perdão em palavras - em uma carta a ser enviada ou nunca enviada.

E. Não lute!


Adaptação e tradução de Luís Guerreiro

Baseado num artigo de Karen Salmansohn - www.notsalmon.com

0 comentários: