Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

sábado, 10 de novembro de 2007

Gordos, gulosos e mal-informados



Dr. Álvaro Cidrais
Data: 2006-12-18


Os portugueses estão mais gordos, mais gulosos e mal-informados. Consomem mais e pior. Mexem-se menos e empanturram-se de açúcares e gorduras, impelidos pelo Marketing e pela Publicidade. Engordam a indústria alimentar e a do açúcar e contribuem para as maiores epidemias mundiais.


Dados recentes comprovam que uma epidemia de diabetes e outra de obesidade estão a atingir o mundo, principalmente nos países mais desenvolvidos, onde a sociedade do consumo e da abundância promove hábitos sedentários e uma alimentação exagerada em açúcar, gorduras e sal. Estamos a adoecer por comer que nem alarves.

De acordo com dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a diabetes mata mais do que a SIDA. Hoje, em todo o mundo, existem cerca de 177 milhões de diabéticos. Esse número chegará a 366 milhões até ao ano 2030. Em 1985 eram apenas 30 milhões!

O problema é de tal modo grave que a OMS aprovou em Maio passado a Estratégia Global para a Dieta, Actividade Física e Saúde. Nesse contexto, todos os países são convidados a desenvolver medidas de promoção da saúde, de educação e de actividade física.

A diabetes pode ser evitada com uma alimentação saudável e actividades físicas regulares. O controlo adequado da doença pode retardar ou evitar complicações e muitos gastos. A OMS estima que os custos directos do tratamento desta doença cresçam dos 2,5% actuais para 15% nos orçamentos anuais de cada país, em 2030!

A outra epidemia, a obesidade, pode ser contrariada também pela informação mais rigorosa sobre os prejuízos que os alimentos causam à saúde humana, pela actividade física mais continuada e pela educação alimentar.

Estas doenças são as maiores causadoras de morte e de gastos com a saúde nas sociedades desenvolvidas, necessitando de uma intervenção rápida e integrada dos governos. Todavia, como percebemos em Portugal, esta preocupação não faz parte das agendas governamentais.

É ridículo que o Governo esteja preocupado com os lucros da indústria farmacêutica, das farmácias e dos médicos. É incrível que seja tão incompetente em relação à gestão das contas e à diminuição de gastos com os medicamentos e gastos hospitalares, mas nada diga sobre esta questão de Saúde Pública.

Apesar do grave problema que se manifesta nas elevadas taxas nacionais de pessoas com tensão arterial elevada, com peso excessivo, com problemas derivados da diabetes, com deficiências cardiovasculares de diversos tipos, não temos uma política integrada de prevenção da obesidade e da diabetes.

Efectivamente, embora se saiba há alguns anos da importância deste problema para a Saúde Pública, os sucessivos governos não defendem a saúde dos portugueses. Esperemos que despertem, agora, pressionados pela posição da OMS.

Mas, o que assusta mais é que este é um assunto envelhecido. Um tema tão importante do ponto de vista económico que, por exemplo, nos Estados Unidos da América, levou o cartel do açúcar a ameaçar o Governo de retaliações caso avançasse com limitações à quantidade de açúcar utilizada ou pretendesse limitar a publicidade aos alimentos!

Um trabalho da National Geographic Portuguesa (de Agosto de 2004) demonstra bem como a indústria alimentar – utilizando imagens e produtos da Coca-Cola, McDonalds e a Hersheys (uma marca de chocolates) – aumentou as suas doses desde 1900 até hoje, incrementando o consumo em quantidade e em calorias!

Em Portugal, já houve casos em que os refrigerantes subiram o teor em açúcar para serem mais apelativos e mais consumidos. Os rótulos, habitualmente, disfarçam o açúcar com o nome de dextrose, frutose, etc. Na Europa, sabemos que a política de rotulagem dos alimentos não consegue tornar evidente para os utentes a quantidade de açúcar de um alimento (bebida ou comida).

O excelente trabalho de informação da National Geographic aponta algumas doenças hepáticas, o cancro do cólon, as osteoartrites, a diabetes tipo 2, os acidentes vasculares cerebrais (tromboses) e outras doenças cardíacas como os mais importantes reflexos da obesidade.



Mas, são apenas as mais comuns!

Ao mesmo tempo que desfrutamos dos estilos de vida mais luxuosos (pela sociedade de consumo que desenvolvemos nos últimos anos), da abundância alimentar, do trabalho automatizado, do prazer sem esforço e do conforto, somos inquinados de açúcar e gordura. Isto porque a nossa escola não ensina nutrição, o Instituto do Consumidor não se mexe e o Ministério da Saúde dá prioridade às questões da gestão e do orçamento em vez de dar atenção à qualidade e bem-estar das populações.

Ou seja, somos enrolados – não sei se por vontade deliberada, influência alheia ou puro desconhecimento dos governantes – numa teia comercial de doenças causadas pela alimentação! Afinal, a doença mais mortal da actualidade é a combinação da comida com o estilo de vida, salpicada por pedacinhos de marketing irresponsável.

Dr. Álvaro Cidrais
Geógrafo e Consultor

Fonte: Médicos de Portugal

0 comentários: