Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

quinta-feira, 12 de abril de 2007

Diabete ameaça vida de índios, alertam cientistas

Barriga
Índios tendem a armazenar mais gordura do que 'brancos'
A diabete ameaça a sobrevivência de povos indígenas ao redor do mundo se continuar aumentando no ritmo atual, alertaram especialistas do Instituto Internacional do Diabetes que participam de uma conferência sobre a doença em Melbourne, na Austrália.

"Sem uma ação urgente, existe certamente um risco real de um grande extermínio de comunidades indígenas, se não a total extinção, neste século", afirmou o professor Paul Zimmet, do Instituto Internacional do Diabetes.

Segundo os cientistas, hábitos ocidentais como o sedentarismo e dietas cheias de açúcar e gordura tem provocado um aumento da obesidade e da diabete do tipo 2 entre populações indígenas da Ásia, na região do Pacífico e nas Américas.

Os especialistas reunidos na Austrália pretendem elaborar um conjunto de medidas a ser apresentado à Organização das Nações Unidas (ONU), como parte dos esforços para controlar a epidemia, que Zimmet define como "a maior da história mundial".

Com 8 milhões de casos registrados a cada ano, a previsão é de que o número de diabéticos chegue a 250 milhões até 2050.

A diabete tipo 2, que geralmente se desenvolve em adultos, pode causar derrames, doenças do rim e aumentar o risco de problemas cardíacos.

Brasil

A diabete também começa a preocupar entidades ligadas à saúde indígena no Brasil. O coordenador do projeto Xingu da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), Douglas Rodrigues, fez recentemente um trabalho em que destacava justamente o aumento da incidência de doenças "modernas" entre os índios do Xingu.

Em entrevista ao site da ONG Instituto Socio Ambiental (ISA), Rodrigues disse que o problema, que atinge os índios dos Estados Unidos desde a década de 1960, é atualmente uma "ameaça importante" nas aldeias do Xingu.

No entanto, Rodrigues destaca na entrevista que, no caso do Brasil, a obesidade e a diabete convivem com a desnutrição, especialmente infantil. Entre as doenças "modernas", ele também destaca a hipertensão e as doenças sexualmente transmissíveis.

Em Nauru, ilha do Pacífico com 10 mil pessoas, a diabete tipo 2 já afeta metade da população adulta.

O avanço da doença entre os grupos aborígenes do Pacífico é considerado rápido, especialmente levando-se em consideração que até a Segunda Guerra Mundial a doença era desconhecida no Pacífico.

"A rápida transição cultural ao longo de uma a duas gerações de muitas comunidades indígenas para uma dieta ocidental e estilo de vida sedentário levou a diabete a substituir doenças infecciosas como a ameaça número 1 à sua sobrevivência", disse o especialista em diabete Stewart Harris.

A incidência de diabete também é alta ente os índios dos Estados Unidos. Entre os Sioux e Prima, a taxa é de 45%. Na Austrália, a incidência no grupo Torres Strait Islanders, que vive no norte do país, é de 30%.

O professor Martin Silink, diretor da Fundação Internacional de Diabete, disse que povos indígenas são mais suscetíveis ao desenvolvimento do tipo 2 de diabete por causa da sua constituição genética.

Segundo os especialistas, populações que não têm acesso constante a alimentos tendem a armazenar mais gordura para períodos de escassez.

Fonte BBC Brasil



0 comentários: