Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

quarta-feira, 11 de abril de 2007

Bactérias: o lado bom

Quando se ouve falar em bactérias, a associação imediata é com falta de limpeza, doenças e afins. Mas nem só de pontos negativos vive o micromundo bacteriano. Alguns desses organismos vivos podem trazer benefícios à saúde, mais especificamente quando atuam no intestino formando a flora bacteriana intestinal.

No intestino humano existem cerca de três trilhões de bactérias, entre as benéficas e as prejudiciais. Numa pessoa saudável, elas convivem pacificamente, de forma equilibrada. As bactérias benéficas são chamadas de probióticas. Já os alimentos que nutrem essas bactérias do bem são chamados de prebióticos. Os termos podem ser complicados, mas ter uma dieta rica em bactérias positivas é mais simples do que se imagina.
Os probióticos estão presentes em produtos industrializados disponíveis no mercado como iogurtes, leites fermentados com lactobacilos, tabletes, cápsulas, suplementos de leveduras e kefir. Os prebióticos se encontram na banana verde, cebola, chicória, alcachofra, aspargos, soja, cevada, alho, tomate, centeio, aveia, trigo e mel.

PROBIÓTICOS

O termo probiótico significa “para a vida” e foi inicialmente definido como organismos vivos que, ao serem ingeridos, produzem efeitos benéficos à flora bacteriana intestinal e, consequentemente, para a saúde do ser humano.
No intestino saudável as bactérias “boas” e as “más”, vivem em equilíbrio. Porém, em algumas situações especiais, as bactérias “más” conseguem proliferar mais e podem desencadear doenças. Essas situações especiais podem ser: doenças, tratamentos com antibióticos ou outros medicamentos, dietas ou cirurgias. Os prebióticos nutrem as “boas” bactérias (probióticas) e fazem parte de alimentos não digeríveis (fibras).
Esses alimentos combatem a proliferação das “más” bactérias, também chamadas de patogênicas. Os probióticos mais conhecidos são os lactobacilos e as bifidobactérias. Devem ser bactérias conhecidas do corpo humano e ter a capacidade de aderir à mucosa intestinal, onde não irão se multiplicar. Além disso, devem resistir ao tempo entre a fabricação, comercialização e ingestão do produto de modo que cheguem ao intestino vivas.

O LADO BOM DAS BACTÉRIAS

- Combatem a diarréia através da produção de substâncias antimicrobianas que inibem o crescimento das “más” bactérias.
- Aliviam sintomas relacionados a alergias alimentares, limitando a absorção de substâncias alergênicas.
- Melhoram a digestão por secretarem enzimas que interferem na digestão de proteínas, carboidratos e gorduras, e também melhoram a absorção e síntese de algumas vitaminas.
- Alguns estudos mostram uma redução no risco de câncer.
- Previnem inflamações gastrointestinais através dos lactobacilos.
- Diminuem a absorção de colesterol em excesso.

Dica importante: Em situações que afetem a flora intestinal, como o uso de antibióticos, reforce o consumo de alimentos probióticos, que contêm microrganismos vivos (como os iogurtes e os leites fermentados). Os prebióticos são carboidratos fermentáveis que alimentam a flora benéfica do intestino.

Magali Rogge Mugnaini Abrão - Nutricionista

0 comentários: